Category Archives: Banks

(Reuters) Deutsche Bank and Commerzbank go public on merger talks

(Reuters)

FRANKFURT (Reuters) – Deutsche Bank and Commerzbank confirmed on Sunday they were in talks about a merger, prompting labor union concerns about possible job losses and questions from analysts about the merits of a combination.FILE PHOTO: Banners of Deutsche Bank and Commerzbank are pictured in front of the German share price index, DAX board, at the stock exchange in Frankfurt, Germany, September 30, 2016. REUTERS/Kai Pfaffenbach/File Photo

Germany’s two largest banks issued short statements following separate meetings of their management boards, a person with knowledge of the matter said, indicating a quickening of pace in the merger process, although both also warned that a deal was far from certain.

“In light of arising opportunities, the management board of Deutsche Bank has decided to review strategic options,” Deutsche said in its statement.

Christian Sewing, Deutsche Bank’s chief executive, told employees that Deutsche still aimed “to remain a global bank with a strong capital markets business… with a global network”.

Sewing said many factors could still prevent a merger and a Deutsche spokesman said the talks were expected to last some time. Commerzbank described the outcome as open.

RELATED COVERAGE

However, formal disclosure of talks appeared to boost the chances of concluding a deal first floated in 2016 before the banks opted to focus on restructuring.

The German government has pushed for a combination given concerns about the health of Deutsche, which has struggled to generate sustainable profits since the 2008 financial crisis.

The government, which holds a stake of more than 15 percent in Commerzbank following a bailout, wants a national banking champion to support its export-led economy, best known for cars and machine tools.

Berlin also wants to keep Commerzbank’s speciality – the funding of medium-sized companies, the backbone of the economy – in German hands.

“SHAKY ZOMBIE BANK”

A merged bank would likely be the third largest in Europe after HSBC and BNP Paribas, with roughly 1.8 trillion euros ($2.04 trillion) in assets, such as loans and investments, and a market value of about 25 billion euros.

However, sceptics questioned the wisdom of a merger.

“We do not see a national champion here, but a shaky zombie bank that could lead to another billion-euro grave for the German state. Why should we take this risk?” said Gerhard Schick, finance activist and ex-member of the German parliament.

While the banks had not publicly commented on merger talks until Sunday, Finance Minister Olaf Scholz last Monday confirmed that there were negotiations.

On Sunday, the ministry acknowledged the announcement and said it remained in regular contact with all parties.

However, there were signs of political opposition.

Hans Michelbach, a lawmaker from the Christian Social Union (CSU), the Bavarian sister party of Chancellor Angela Merkel’s Christian Democratic Union (CDU), urged the government to sell its 15 percent stake in Commerzbank before a deal.

“There may not be an ownership by the federal government in a merged big bank indirectly through an old stake. We do not need a German State Bank AG,” he told Reuters.

The supervisory boards of both banks are scheduled to hold long-planned meetings on Thursday, four people with knowledge of the matter told Reuters. The status of merger negotiations is expected to be discussed.

A merged bank would have one fifth of the German retail banking market. Together the two banks currently employ 140,000 people worldwide – 91,700 in Deutsche and 49,000 in Commerzbank.

Germany’s Verdi labor union on Sunday renewed its objections to a merger, saying that tens of thousands of jobs were at risk and that a tie-up added no value.

Jan Duscheck, head of the union’s banking division and a member of Deutsche’s supervisory board, said the union would raise its concerns on both banks’ oversight bodies.

U.S. authorities investigate FAA approval of Boeing plane: WSJ

RISKS

Deutsche emerged unscathed from the financial crash but later lost its footing. German officials fear a recession or big fine could derail the bank’s fragile recovery.

Other than Deutsche, Commerzbank is Germany’s only remaining big publicly-traded bank, after a series of mergers.

Commerzbank has also struggled to rebound, and German officials say it is vulnerable to a foreign takeover. If an international rival snapped it up, that would increase competition for Deutsche on its home turf.

Initial reaction among analysts to a deal was skeptical.

There will only be limited benefits of adding Commerzbank’s clientele of retail and small and medium businesses to Deutsche, said David Hendler, an independent analyst at New York-based Viola Risk Advisors, which specializes in risk management.

“It doesn’t change the fact that Germany is not getting a flagship bank that can compete on the world stage. It’s still a stunted bank with a lot of problems,” Hendler said.

One of the biggest risks is how to fill what one German official has told Reuters will be a multi-billion-euro financial hole because a merger could trigger an adjustment to the valuation of some bank investments.

Commerzbank, for example, has about 30.8 billion euros of debt securities such as Italian bonds that now have a value of 27.7 billion euros. A tie-up could crystallize this loss. Deutsche has such securities at market value in its accounts.

(BBG) Deutsche Bank Is Seeking Merkel’s Nod for Commerzbank Deal

(BBG)

  •  Government will hammer out its position in high-level talks
  •  Chancellor is skeptical that a deal will fix banks’ problems
Angela Merkel
Angela Merkel Photographer: Krisztian Bocsi/Bloomberg

Deutsche Bank AG is seeking political cover from Chancellor Angela Merkel as it tries to move forward a possible merger with Commerzbank AG.

Executives are looking for reassurances they’ll get government backing for potential job cuts as they consider going public with their potential plans, according to people involved in the discussions. While the German Finance Ministry has encouraged the struggling banks to combine, Merkel has stayed on the sidelines so far, the people said, asking not to be identified discussing private deliberations.

The government owns 15 percent of Commerzbank and the chancellor will eventually have to give the deal her green light in order for it to happen.

ECB President Draghi And Financial Leaders At European Banking Congress
Martin Zielke, left, and Christian Sewing.Photographer: Alex Kraus/Bloomberg

Proponents of a deal say the combination would create a stronger German champion that can better compete with rivals but Merkel remains skeptical that a merger would fix the banks’ problems and the chancellor is keen to avoid being drawn into more bank bailouts. With as many as 30,000 jobs under threat, the possible combination of Germany’s two largest listed lenders is also likely to face a public backlash and no one wants to be seen as the instigator.

Despite those reservations, the discussions have continued to move forward. Deutsche Bank Chief Executive Officer Christian Sewing and his counterpart at Commerzbank, Martin Zielke, are increasingly looking at a combination as their best option as their restructuring efforts fail to quickly bear enough fruit, people have said. The Finance Ministry is also concerned that the deal needs to happen now before Germany’s slowing economy makes such a move even more difficult.

Spokespeople for Deutsche Bank, Commerzbank, the Chancellery and Finance Ministry declined to comment.

An announcement of formal merger talks is potentially imminent, the people said, but executives want to dispel doubts over their political cover before moving ahead. The two banks’ supervisory boards are both due to meet next week, separately, and that could be an opportunity to finalize an announcement.

As the banks deliberate the merits of a deal, the government’s position is still being hammered out, the people said. While the Finance Ministry clearly backs the deal, the government’s stance will be decided in talks that also include the Chancellery and Economy Ministry, headed by close Merkel ally Peter Altmaier, they said.

Widespread Resistance

Finance Minister Olaf Scholz is keen to create a national champion for the German banking industry and wants to bolster Deutsche Bank before the economic slowdown starts to bite. Union leaders from Deutsche Bank and Commerzbank have closed ranks in opposition to the potential job losses, warning the risks of a tie-up would outweigh the advantages.

Labor representatives aren’t alone in their criticism. Representatives of two large Deutsche Bank shareholders have expressed doubts about a combination, while financial regulators are also wary, according to people familiar with the discussions.

For the politicians, there’s also the prospect of European parliamentary elections in May, where Scholz’s Social Democrats will be competing with Merkel’s Christian Democrats. With their national coalition already coming under pressure, particularly from Scholz’s rank-and-file, high-profile job losses would make life difficult for both leaders.

In recent days, Scholz himself has steered clear of the issue, dodging questions when asked by lawmakers at closed-door meetings, according to people briefed on the discussions. At another meeting last week, one of Scholz’s deputies waved off the idea that the ministry was pushing a tie-up, the people said.

While executives may want a solid commitment from Berlin, they’re unlikely to get public support from the chancellor and will likely have to make do with whatever reassurances she is prepared to offer in private, some of the people said.

(ZH) Rothschilds To Take Swiss Bank Private In 100 Million Francs Bid

(ZH)

Benjamin de Rothschild’s family plans to take Swiss Bank Edmond de Rothschild (Suisse) S.A. private as it consolidates and simplifies the bank’s legal structure.

According to Bloomberg,  Edmond de Rothschild Holding SA will acquire all publicly held Edmond de Rothschild (Suisse) bearer shares at 17,945 francs per share, a 6.7% premium to Tuesday’s closing price, in a deal worth about $100 million. The Swiss bank, which has long been linked with managing the wealth of countless uber-wealthy families, offers a variety of wealth management service for private and institutional clients, is expected to be delisted from the Zurich exchange. The stock, which traded on Wednesday around 17,500 francs, jumped by more than 8% to 17,800 before trimming gains to trade up 6.7%.

“My role has been to simplify the group’s structure, which was very complicated and lacked transparency, and to ensure the group’s longevity and stability,” Ariane de Rothschild, president of the group’s executive committee, said in an interview at the bank’s headquarters in Geneva. “I am passing the torch on to Vincent and to the teams with full confidence. The group has been cleaned up and is in working order now.”

Founded in the early 1950s, the Edmond de Rothschild Group has 170 billion francs in assets under management and 1.1 billion francs in revenue. The Edmond de Rothschild (Suisse) banking unit had client assets of 128 billion francs at the end of 2018, down 7% from the prior year. It saw an outflow of 2.5 billion francs in assets under management last year.

The buyout offers closure to a dispute among the Rothschild family over the use of the banking dynasty’s historic family name.

The deal involves liquidating cross-holdings and buying back shares in a transaction worth 100 million francs to give complete control of the bank to the family.

By taking it private, “we are demonstrating our commitment to our banking group and our ambitions for growth, both organic and through acquisitions,” Benjamin de Rothschild, chairman of Edmond de Rothschild Holding’s board of directors, said in the statement.

(BBG) Deutsche Bank, Commerzbank Merger Talks Intensify

(BBG) By Steven Arons8 de março de 2019, 07:32 WET Updated on 8 de março de 2019, 16:19 WET

  •  Informal discussions picking up amid government pressure
  •  Deutsche Bank CEO is said to have given up resistance to deal

A merger of Deutsche Bank AG and Commerzbank AG is shaping up as the most likely endgame as Germany’s largest listed lenders are running out of time to show they can grow as standalone companies.

The banks are intensifying informal talks as their turnaround efforts sputter, according to a person familiar with the matter. While there’s no formal mandate to pursue a merger and other options are still being considered, Deutsche Bank Chief Executive Officer Christian Sewing has given up his resistance to doing a deal this year, according to the person, who asked not to be identified in disclosing internal deliberations.

Less than a year after taking over, Sewing is still struggling to reverse a long slide in revenue amid a slowdown in the economy that’s delaying a return to more normal interest rates. The Finance Ministry favors a merger of both lenders before the situation gets worse to support the small and mid-sized companies that are the backbone of the export economy, people familiar with the matter have said.

Deutsche Bank AG's Slump Deepens
Christian SewingPhotographer: Krisztian Bocsi/Bloomberg

Deutsche Bank in February reaffirmed its 2019 profitability target but also made clear that it would need to implement tougher measures if markets don’t play along and revenue continues to decline. January was a terrible month for the trading business though February has seen improving conditions, several people familiar with the matter said.

The bank is now planning to implement tougher cost cuts as one step to ensure it can reach the profitability target, said the people. Other strategic options include a merger with another European bank, though that’s seen as remote. People close to Deutsche Bank’s leadership have floated names like UBS Group AG, BNP Paribas SA and ING Groep NV.

Deutsche Bank dropped 0.8 percent at 5:17 p.m. in Frankfurt trading and Commerzbank fell 1.7 percent. The banks declined to comment on the talks, which were reported earlier by German magazine Focus. The Finance Ministry also declined to comment.

The two companies previously discussed a merger in the summer of 2016 under then-Deutsche Bank CEO John Cryan. Sewing was part of those discussions as head of the retail division at the time. The talks fell apart and the lenders embarked on their respective restructurings.

Abandoning Targets

Almost three years later, those turnaround plans are sputtering. Commerzbank has dropped most of its 2020 financial targets after cutting its revenue outlook. Deutsche Bank, too, has been unable to reverse a long decline in revenue. Both lost more than half of their market value last year.

For Deutsche Bank, the urgency to address the situation is exacerbated by high funding costs and the risk of a credit rating cut. Chairman Paul Achleitner sees an expansion of Deutsche Bank’s retail deposit base — which a Commerzbank deal would bring — as one way to lower funding costs, the people said.

Two credit rating providers — Moody’s Investors Service and Fitch Ratings — have a negative outlook on the lender and see progress on revenue and profitability as key to maintaining their rating.

Finance Minister Olaf Scholz and Joerg Kukies, a former Goldman Sachs banker who serves as his deputy, have been favoring a merger with Commerzbank, people familiar with the matter have said. While a deal is viewed by some as an imperfect solution, some in the government think it will be impossible for Sewing to turn around Deutsche Bank before an economic slowdown exacerbates the situation, Bloomberg has reported.

Prior Talks

The idea back in 2016 was to merge Commerzbank with a subsidiary of Deutsche Bank that would also contain its retail and some of its corporate banking operations, and then float that business on a stock exchange, according to one of the people. Deutsche Bank’s trading operations would have remained separate, perhaps with a view to selling or merging them with another bank at some point.

Deutsche Bank last year laid some groundwork that would make such a split easier, by setting up a largely separated retail and commercial clients operations when it combined its two German retail subsidiaries. The move was aimed at placating regulators’ requirements that the new entity could be separated easily from the rest of Deutsche Bank should it be necessary to wind down the trading operations.

Several of the largest Deutsche Bank shareholders said they would need to see a concrete proposal first before deciding whether they would support it. Two of them said they currently lean toward opposing a merger, while one would back a deal. All spoke on condition of anonymity.

Critics of the Commerzbank option say it would lock Deutsche Bank into several years of restructuring and come with high execution risks, as job cuts are difficult to implement given Germany’s tough labor laws. They also warn that Deutsche Bank’s disappointing track record of technology integration would make it tricky to achieve savings.

Another option under consideration — and currently favored by the two shareholders skeptical of a merger — would see deep cuts to the bank’s U.S. investment banking operations. In this scenario, the bank would redeploy the freed capital in growth areas. That option, however, would erode the bank’s top line even more, at least initially. Sewing has said that the bank will remain in the U.S., with the investment bank a key revenue contributor.

(ZH) $100 Bills See Mysterious Surge In Circulation

(ZH)

It has been three years since the establishment launched its official ‘war on cash’ by eliminating Europe’s €500 billunder the pretense that this effort would be fighting financial crime, terrorism, corruption and drug dealers. 

Of course, as we wrote at the time, what Europe and the rest of the world’s elites would be truly doing is setting the scene for ever more aggressive NIRP, and by removing the highest denomination bank notes, it would make evading negative rates that much more difficult and costly (albeit would certainly favor gold).

How did the ‘war on cash’ workout? Not so well, as CNBC’s Kate Rooney points out, the amount of $100 bills in circulation is surging. And it’s leaving some economists scratching their heads.

The number of outstanding U.S. $100 bills has doubled since the financial crisis, with more than 12 billion of them across the world, according to the latest data from the Federal Reserve. C-notes have passed $1 bills in circulation, Deutsche Bank chief international economist Torsten Slok said in a note to clients this week.

Generally, economists believe the surge is related to people around the world wanting to hoard cash, a similar force that’s driven the interest in cryptocurrencies. High denomination, high value currency notes have historically been a preferred form of payment for criminals, given the anonymity, lack of transaction record and relative ease with which they can be brought across borders.

Nicholas Colas, co-founder of DataTrek Research, has been down the “rabbit hole of a topic” for more than a decade. He said the growth in $100 bills in circulation is a signal the world is relying on them as a store of value — and still using them for international crime.

“It has nothing to do with the U.S. economy and nothing to do with interest rates,” said Colas.

“There’s certainly enough evidence to say it is an enabler of corruption, but it is also a way for people to keep assets outside of the financial system albeit in a kind of bulky way.”

The number of hundred dollar bills abroad began surging after the Gulf War and U.S. invasion of Afghanistan, according to Colas. Part of stabilizing the region meant replacing local currencies with something, and “that something was the U.S. dollar.”

Those larger bills also have a longer shelf life than any other form of U.S. cash. Still, Deutsche Bank’s Slok said multiple factors could explain the increase in C-notes.

“It could be driven by a global fear of negative interest rates in Europe and Japan, or it could be a savings vehicle for U.S. households worried about another financial crisis, or it could be driven by more demand from the global underground economy,” Slok said.

80% overseas

A 2018 research paper from the Federal Reserve Bank of Chicago estimates that 60 percent of all U.S. bills and almost 80 percent of all $100 bills are now overseas. That’s up from 15 to 30 percent around 1980, according to research from Federal Reserve Board economist Ruth Judson. She found that economic and political instability contribute to this demand.

Projecting future demand for U.S. currency is “challenging” and depends on how quickly the economy grows, interest rates, new payments technologies, and on whether people in other countries continue to see U.S. dollar bills as a useful asset — “all factors that are, to say the least, uncertain,” according to the Chicago Fed.

A surge in digital payments may be contributing to the lessening demand for lower denomination bills. Rising smartphone use, a shift toward online shopping and improvements in network bandwidths pushed global digital commerce volume above the $3 trillion mark in 2017, according to a recent McKinsey report. That is on track to more than double by 2022, according to McKinsey.

There has been pressure to get rid of high denomination notes to curb international crime. Lawrence Summers, former Treasury secretary and director of the National Economic Council in the White House, has argued for abolishing $100 bills. Summers wrote an op-ed in The Washington Post in 2016 titled, “It’s time to kill the $100 bill.”

“A moratorium on printing new high denomination notes would make the world a better place,” Summers said, citing its potential for crime.

“Here is a step that will represent a global contribution with only the tiniest impact on legitimate commerce or on government budgets. It may not be a free lunch, but it is a very cheap lunch.”

He referenced a Harvard research paper written by former Standard Chartered bank chief executive Peter Sands, who argued to eliminate high denomination, high value currency notes.

“By eliminating high denomination, high value notes we would make life harder for those pursuing tax evasion, financial crime, terrorist finance and corruption,” Sands wrote.

The global illicit money flows were “staggering” and fuel crimes from drug trafficking and human smuggling to theft and fraud, Sands said. He estimated that depending on the country, tax evasion robs the public sector of anywhere between 6 percent and 70 percent of what authorities estimate they should be collecting. And despite “huge investments in transaction surveillance systems, and intelligence, less than 1 percent of illicit financial flows are seized.

Soon after that paper was published in 2016, the European Central Bank announced it would stop producing the 500 euro note, citing concerns it could facilitate illegal activities. Despite similar pressure on the Fed, Colas isn’t optimistic it will take the same steps as long as cash distribution is still profitable.

“The Federal Reserve and Treasury make 99 dollars for every $100 dollar bill they print and sell offshore,”Colas said.

“There’s a natural desire to keep printing these things — the U.S. government makes a lot of money selling them.”

(ECO) Novo Banco, mentiras e um video – António Costa

(ECO)

Os prejuízos do Novo Banco em 2018 exigem mais do que auditorias passadas, exigem explicações presentes e medidas novas para o futuro.

Vem aí uma auditoria aos créditos do BES e que levaram cinco (!?) anos a serem assumidos nas contas como o que eram, financiamentos sem risco… de serem recuperados. Uma auditoria ao Novo Banco que é em tudo igual à realizada pelo EY à Caixa Geral de Depósitos, que serve os propósitos políticos de Mário Centeno e, em simultâneo, a exigência de transparência sobre os buracos que os fundos públicos estão a tapar. Mas os prejuízos do Novo Banco em 2018, de 1.412 milhões de euros, e o pedido de capital de 1.149 milhões ao Fundo de Resolução (que é financiado pelos bancos, mas precisa de empréstimos dos contribuintes e pesa nas contas públicas) exigem mais do que auditorias passadas, exigem explicações presentes e medidas novas para o futuro.

  1. Quando, em outubro 2017, o Governo assumiu a responsabilidade de decidir a venda do Novo Banco ao único comprador na corrida, o fundo Lone Star, assinou um acordo que previa a existência de um mecanismo de capital contingente – uma garantia pública de 3,89 mil milhões de euros, com um prazo de validade de oito anos, que servia para cobrir os riscos de determinados ativos maus, isto é, financiamentos sem garantias ou com um risco de se transformarem em malparado. Entre a nacionalização e a venda com uma garantia, o que era preferível? Esta venda. Mas, portanto, se este montante foi inscrito no contrato, qual é a dúvida? Esperava-se que o Lone Star não usasse aquele montante? Das duas, uma: Ou há uma grande hipocrisia nos discursos surpreendidos, por exemplo nos que decorrem da decisão de Mário Centene de pedir uma auditoria, ou o ministro das Finanças foi enganado. E por quem?
  2. Como alguns se lembrarão, a Comissão Europeia considerava que os 3,89 mil milhões de euros não chegariam para tapar os buracos do Novo Banco e no contrato de venda à Lone Star, exigiu que o Estado assumisse, no contrato, os custos de uma liquidação se o banco não fosse viável.
  3. Há mecanismos de controlo nos pedidos do Novo Banco ao Fundo de Resolução. Em primeiro lugar, os ativos que estão debaixo da proteção daquela garantia são conhecidos e identificados. Depois, há pelo menos três etapas que o Lone Star e a gestão do Novo Banco têm de passar até aquele pedido ser aceite. Da Oliver Whyman, de três personalidades independentes (José Rodrigues Jesus, Athayde Marques e Bracinha Vieira) e do próprio Fundo de Resolução, presidido por Máximo dos Santos, que tem o poder de dizer ‘sim’ ou não’. Estas três entidades têm de (se) explicar publicamente sobre o processo da validação das contas que justificam mais 1.149 milhões de euros de fundos públicos.
  4. Há um conflito de interesses insanável no modelo de supervisão, que também se reflete aqui. O BCE e o Banco de Portugal estão a pressionar os bancos portugueses a venderem os seus ativos, a venderem as carteiras de malparado, e elas estão a ser vendidas a um ritmo acelerado. Com perdas relevantes, apesar do bom momento da economia. O Novo Banco fez, aliás, as maiores operações de sempre em Portugal, por exemplo com o projeto ‘Nata’, com a venda de mais de dois mil milhões de euros de créditos por um valor de desconto. Qual foi esse desconto? E qual será a rendibilidade dos fundos que compraram estes ativos a desconto? Provavelmente acima dos dois dígitos, portanto, são mesmo os contribuintes a financiarem os lucros daqueles fundos. Mas se o Banco de Portugal manda vender, e há uma garantia pública a cobrir as perdas… Qual é o conflito de interesse? O Banco de Portugal, enquanto entidade de resolução, valida os pedidos de capital do Novo Banco, portanto, dificilmente dirá ‘não’ num dia ao que está a exigir no outro.
  5. ‘O BES mau’ criado no quadro da resolução e do nascimento do Novo Banco era o banco da família, os negócios familiares. Agora, temos um ‘Novo Banco mau’, uma espécie de banco que financiava os amigos. E finalmente temos um Novo Banco (vamos ver se é desta). Só que há outra explicação a dar por parte da gestão. Estes créditos, que são classificados de ‘legacy’, portanto, contratados quando Ricardo Salgado era presidente, foram renovados? Em que condições? E quantas vezes? Não há bancos que estejam a contratualizar contratos de financiamento a dois/três ou quatro anos. O Novo Banco tem cinco anos, portanto, só agora, em 2018, se percebeu que aqueles créditos seriam irrecuperáveis?
  6. A gestão do Novo Banco está a fazer o que o acionista lhe exige e o que o banco precisa para ter alguma possibilidade de ser viável a prazo (com outro dono, como é evidente, porque o Lone Star vai realizar as respetivas mais valias e vai embora). Qual seria o gestor que, nas mesmas circunstâncias, faria de forma diferente daquela que António Ramalho está a fazer? Está a limpar um banco, e até já antecipa que vai voltar a pedir mais dinheiro ao Fundo de Resolução em 2020. Já pediu metade do que está previsto, podemos antecipar que vai usar a totalidade dos 3,89 mil milhões de euros e, por este andar, não vai precisar dos oito anos. Por isso…
  7. …é um vídeo que todos devem ver (incluindo os deputados que querem ouvir Mário Centeno). Com as garantias do ministro das Finanças e do primeiro-ministro no dia em que anunciaram ao país a venda do Novo Banco. Repetiram, ambos, que os contribuintes não seriam chamados nem direta nem indiretamente, e que as “necessidades eventuais” seriam cobertas pelas contribuições dos bancos para o Fundo de Resolução. Tendo em conta a prontidão com que o governo anunciou a auditoria, já terão, ambos, mudado de opinião.

(Sábado) Carlos Costa diz que só fazia figura de corpo presente na CGD

(Sábado) CO governador do Banco de Portugal afasta quaisquer responsabilidades na concessão de créditos ruinosos enquanto foi administrador da CGD.

O governador do Banco de Portugal afasta quaisquer responsabilidades na concessão de créditos que acabaram por ser ruinosos para a Caixa Geral de Depósitos (CGD). Carlos Costa nega ter estado presente em reuniões onde foram aprovados estes empréstimos que geraram perdas para o banco estatal. 

“Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas para a CGD”, afirma Carlos Costa em entrevista no Jornal da Noite da SIC. Esta é a garantia deixada pelo responsável pelo banco central, que tem sido alvo de críticas dos vários partidos, da esquerda à direita, com alguns a pedirem mesmo a sua exoneração. O governador acrescentou que, enquanto administrador, a sua participação nas reuniões do conselho de crédito se destinava apenas a “assegurar o número de administradores necessários”

A polémica em torno do governador do Banco de Portugal intensificou-se depois de a SÁBADOter revelado que Carlos Costa esteve presente em algumas reuniões onde foram aprovados créditos que acabaram por ser ruinosos para o banco público. Algo que o responsável nega. 

CGD: CDS quer primeira audição do inquérito a Carlos Costa“Só ocasionalmente participava no conselho alargado de crédito. Não tinha competência de crédito, nem de risco, acompanhamento de clientes ou de controlo”, afirma Carlos Costa, explicando que a sua participação “destinava-se a assegurar o número de administradores necessário para que a decisão” fosse tomada. 

“O que acontece é que houve uma reunião anterior em que se discutiu em que condições a Caixa podia participar numa operação de financiamento”, referindo-se a Vale de Lobo. Foi uma “decisão de princípio”, afirma, não estando ainda escolhido qualquer candidato à aquisição. “O que estava em causa era saber o que é que a CGD iria fazer, se participava ou não”. 

O governador reforça que, entre 2004 e 2006, “nunca presenciei qualquer atitude ou movimento que lesasse os interesses da CGD da ponto de vista da concessão de crédito”. 

Foi em fevereiro que Carlos Costa revelou ter pedido escusa nas decisões sobre a auditoria da CGD. Agora, o responsável explica que o pedido foi feito “em função da perceção exterior e não de qualquer convicção pessoal”, esclarecendo que pediu escusa “no primeiro momento em que uma decisão relacionada com a auditoria chegou ao conselho de administração” do Banco de Portugal.

Quanto ao facto de a sua idoneidade não ser alvo de avaliação por parte do supervisor, Carlos Costa afirma que “não tenho de me considerar fragilizado por coisas que não cometi”, sendo “falsidades que me atribuem”. O responsável explica apenas que é a sua obrigação informar a comissão de ética do banco e do BCE sobre as operações em que participou e não participou e “se alguém tem provas que me ponha em causa, tem toda a possibilidade de percorrer o que está previsto no tratado e exonerar-me”.

(ECO) O capítulo da polémica – Ricardo Arroja

(ECO)

O trabalho da OCDE fez-nos um grande favor. Fez o favor de contribuir para o debate sobre a modernidade da justiça, que em Portugal continua na idade das trevas.

Depois de semanas de especulação, finalmente foi publicado o relatório da OCDE sobre Portugal. A polémica esvaziou-se rapidamente porque o relatório, como é habitual nestes trabalhos, pouco tem de polémico. Trata-se de um trabalho eminentemente analítico, fazendo uso de literatura académica, que esmiuçou três grandes domínios: as finanças públicas, as exportações e o sistema judicial. As principais conclusões não ofendem ninguém. E, sem sombra de dúvida, o capítulo da polémica, sobre a justiça, é de longe o mais interessante de todos.

De uma vez por todas, a questão da justiça tem de ser abordada de forma frontal, por aqueles que estão dentro do sistema judicial, mas sobretudo por aqueles que estão de fora. As reiteradas tentativas de reformar a justiça a partir de dentro, incluindo a última iniciativa presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa, têm resultado sistematicamente numa mão cheia de nada. Do ponto de vista formal, vão sendo feitos uns arranjos, mas do ponto de vista substantivo pouco se avança. A justiça continua a ser um forte impedimento ao avanço do País e, evidentemente, a corrupção também, sobretudo num país pequeno como Portugal onde todos se conhecem e onde pequenas elites se infiltram junto do Estado para a obtenção de benefícios indevidos.

A economia de mercado assenta no conceito da transacção comercial. Uma parte compra, constituindo a procura, e a outra parte vende, constituindo a oferta. Mas a relação entre compradores e vendedores requer a salvaguarda dos direitos e deveres de ambos. Ou seja, requer o chamado “contract enforcement”, uma expressão inglesa para a qual não há uma boa tradução em língua portuguesa, mas que se refere à capacidade de fazer cumprir um contrato. Isto significa dar sequência à moldura contratual em tempo útil, com eficácia, e é aqui que entra a justiça, fazendo valer o significado dos contratos, zelando pela validade dos seus preceitos e, também, pelos direitos individuais sobre os quais têm de assentar.

De acordo com a OCDE, em Portugal, uma decisão de primeira instância nos tribunais cíveis e comerciais leva cerca de 10 meses (300 dias). Entre os países sondados pela OCDE, só quatro países estão piores do que nós (os dois do costume, Grécia e Itália, mais a Turquia e a França). Porém, se considerarmos os prazos médios das acções findas, o prazo médio das acções cíveis sobe para 15 meses. No terceiro trimestre de 2018, segundo a Direcção Geral de Política da Justiça (DGPJ), as acções declarativas constituíam 28,2% das acções cíveis, 15,5% correspondiam a reclamações de créditos, 8,9% a embargos e oposições, 6,7% a notificações judiciais avulsas, 4,0% a procedimentos cautelares e 3,6% a divórcios e separações.

A situação não é melhor nos processos comerciais. Na realidade, é nos tribunais de comércio que as coisas parecem estar cada vez piores. Segundo a DGPJ, a duração média dos processos de falência, insolvência e recuperação de empresas em Portugal é hoje de 55 (cinquenta e cinco) meses! Cinquenta e cinco meses são quatro anos e meio. É o tempo que demora em Portugal a finalização de um processo desta natureza, até ao chamado visto de correição, ou seja, incluindo todas as suas etapas processuais. Há mais de dez anos que não se observava tamanho atraso.

Ademais, a taxa de recuperação de créditos é de apenas 8,2% (do total de créditos reconhecidos).
As consequências do mau funcionamento da justiça são todas nefastas. Do ponto de vista dos princípios democráticos, representam a perversão daquela imagem de equilíbrio que as pessoas gostariam de associar à justiça. Com tamanhos atrasos, os que têm poder económico para aguentar e fazer passar o tempo, juntamente com os seus advogados, são os únicos beneficiados. E do ponto de vista económico, as consequências não são menos más, consistindo, entre outras, no incentivo à informalidade económica e no desincentivo ao investimento.

A desconfiança gerada num país onde a justiça não funciona mina o desenvolvimento do mesmo. Este é um país onde os empresários, à primeira oportunidade, deixarão de respeitar os seus colaboradores, fornecedores e clientes. É um país onde não valerá a pena investir em inovação, onde as empresas não colaborarão umas com as outras, onde os fundadores de “start-ups” pensarão duas vezes antes de se lançarem aos desafios. É um país onde o crédito será mais difícil. Um país onde os recursos não fluirão dos sectores não produtivos para os sectores produtivos, como se esperaria numa economia de mercado.

Parte da solução para a justiça será administrativa, porque a justiça é administração pública. Acabar com as férias judiciais e fazer como sucede em qualquer empresa seria um bom começo. Outra parte será tecnológica, adoptando as ferramentas digitais que hoje existem, conferindo à justiça eficiência e transparência processuais, tanto para dentro como para fora. E, por fim, não menos importante, a solução também será cultural.

Aqui, o trabalho da OCDE fez-nos um grande favor. Fez o favor de contribuir para o debate sobre a modernidade da justiça, que em Portugal continua na idade das trevas. Cabe-nos a nós decidir se queremos fazer de conta ou se queremos enfrentar o problema. Eu sou pela frontalidade.

(BBG) Deutsche Bank Weighed Extending Trump Loans on Default Risk

(BBG)

Top Deutsche Bank AG executives were so concerned after the 2016 U.S. election that the Trump Organization might default on about $340 million of loans while Donald Trump was in office that they discussed extending repayment dates until after the end of a potential second term in 2025, according to people with knowledge of the discussions.

Members of the bank’s management board, including then Chief Executive Officer John Cryan, were leery of the public relations disaster they would face if they went after the assets of a sitting president, said the people, who asked for anonymity because the discussions were private. The discussions were about risks to the bank’s reputation and did not relate to any heightened concerns about the creditworthiness of Trump or his company, the people said.

The bank ultimately decided against restructuring the loans to the Trump Organization, which come due in 2023 and 2024, and chose instead not to do any new business with Trump while he is president, one of the people said.

A spokesman for Deutsche Bank declined to comment, and the people with knowledge of the discussions said they didn’t know why the bank ultimately decided not to extend the loans. The White House didn’t respond to requests for comment.

“This story is complete nonsense,” Eric Trump, a son of the president and an executive vice president of the Trump Organization, said in an email. “We are one of the most under-leveraged real estate companies in the country. Virtually all of our assets are owned free and clear, and the very few that do have mortgages are a small fraction relative to the value of the asset. These are traditional loans, no different than any other real estate developer would carry as part of a comparable portfolio.”

Go-To Lender

Deutsche Bank had been Trump’s go-to lender for decades, even as other commercial banks stopped doing business with him because of multiple bankruptcies. Although the German lender’s investment bank had severed ties with Trump during the financial crisis, after he defaulted on a loan and then sued the bank, its wealth management unit continued to extend him credit.

But, as the New York Times first reported, Deutsche Bank had already turned down a request for a loan from the Trump Organization for work on a Scottish golf course in early 2016, during the campaign, in part because of concern that it might have to collect from a sitting president.

The head of the retail bank at the time, which includes the wealth management unit, was Christian Sewing, who replaced Cryan as CEO in April. Sewing initially favored approving the loan application, but he submitted it to Deutsche Bank’s reputational risk committee, which recommended turning it down, according to a person familiar with the matter. Sewing supported the decision, the person said. The Trump Organization said it never sought such a loan.

The outstanding Deutsche Bank debt includes $125 million for the Trump National Doral Miami resort, which matures in 2023, according to federal records and mortgage documents. The company also owes $170 million for the Trump International Hotel in Washington and has another loan against a Chicago tower, both of which come due in 2024.

Read More: Deutsche Bank in Bind Over How to Modify $300 Million Trump Debt

Trump’s dealings with Deutsche Bank are facing heightened scrutiny now that Democrats are in control of the House of Representatives and two party members — Maxine Waters and Adam Schiff — are sitting at the top of powerful committees.

Democrats on the House Intelligence Committee have already described in detail what they want from Deutsche Bank. In a March report, they said they would seek to interview senior executives in the bank’s risk division who could tell them about due diligence conducted on Trump after the 2016 election. They also want documents about the bank’s earlier transactions with Trump and would like to interview his personal banker, Rosemary Vrablic.

In the four years before his election, Trump borrowed more than $620 million from Deutsche Bank and a separate lender, Ladder Capital, to finance projects in Manhattan, Chicago, Washington and a Miami suburb, federal documents and property records show. Jack Weisselberg, a top loan-origination executive at Ladder, is the son of Allen Weisselberg, the Trump Organization’s longtime chief financial officer who previously worked for Donald Trump’s father, Fred. Ladder loaned Trump $282 million for four Manhattan properties, records show. Jack Weisselberg declined to comment.

The loans are split between variable-rate and fixed-rate mortgages. Some are interest-only loans, with balloon payments due at maturity, according to property records and securities filings.

The maturities on Trump’s Deutsche Bank loans haven’t changed since his preelection financial disclosure, filings show. Government-run databases containing local property filings for New York, Washington, Chicago and Miami-Dade County don’t show any changes in the terms of Trump’s mortgages.

(ECO) BPI também supera teste do BCE. CGD tem rácios mais robustos

(ECO) Banco liderado por Pablo Forero junta-se à CGD e diz que também passa o teste do BCE. Mas banco público apresenta rácios mais robustos em absoluto e em face das exigências do supervisor.

O Banco BPI também superou o teste do Banco Central Europeu (BCE) em matéria de requisitos mínimos de capital que tem de ter este ano. Mas, ainda que o supervisor europeu tenha exigidos níveis mais baixos ao banco liderado por Pablo Forero do que à Caixa Geral de Depósitos, o banco público apresenta maior robustez.CGD cumpre rácios do BCE “com significativa margem” Ler Mais

Para já, apenas BPI e CGD anunciaram publicamente quais os rácios mínimos de fundos próprios exigidos pelo BCE para este ano, isto na sequência dos testes do SPREP — supervisory review and evaluation process — conduzidos pelo supervisor europeu e que fazem uma avaliação banco a banco e tem em conta variáveis como o modelo de negócio, fundos próprios e liquidez para determinar os requisitos de capital.

Ambas as instituições cumprem os rácios mínimos de capital. Mas enquanto ao BPI são exigidos níveis de fundos próprios menos restritivos, a CGD consegue superar de forma mais robusta os rácios mais elevados que tem de respeitar.

O BPI informou esta quarta-feira que as autoridades exigem rácios fully loaded (totalmente implementados) CET1, T1 e Total de 9,5%, 11% e 13%, respetivamente, a partir de 1 de janeiro de 2019. No final do ano passado, estes níveis não só já eram cumpridos como eram superados em 3,7 pontos percentuais, 2,2 pontos e 1,9 pontos, o que permite ao banco analisar o montante de dividendos que poderá distribuir à casa-mãe, o CaixaBank, conforme tinha dito Pablo Forero na apresentação dos resultados.BCE aliviou rácios ao Novo Banco. Ramalho esperava mais Ler Mais

Na véspera, a CGD comunicou que tinha de ter aqueles rácios nos 10,25%, 11,75% e 13,75%, algo que disse cumprir com “uma significativa margem” a 31 de dezembro de 2018: fixavam-se 4,45 pontos percentuais, 3,95 pontos e 3,25 pontos acima, respetivamente.

O facto de o BCE exigir níveis de fundos próprios mais elevados à CGD tem a ver com a avaliação que fez ao seu perfil económico e financeiro. Os outros bancos que estão sob a alçada do supervisor europeu também deverão publicar em breve os requisitos mínimos prudenciais que têm de respeitar em 2019. Por exemplo, António Ramalho já disse aos trabalhadores que o BCE aliviou os níveis exigidos para o Novo Banco, mas não numa dimensão que estava à espera.

(ECO) Descobri que sou incompatível com a minha mulher – Pedro Sousa Carvalho

(ECO)

O governador do Banco de Portugal tem um conflito de interesses na Caixa. A vice-governadora também. Os advogados escolhidos também. Isto não é um conflito de interesses, é uma explosão de interesses.

Já vamos ao governador que pediu escusa de participar na análise à auditoria à Caixa Geral de Depósitos (CGD) por ter sido administrador do banco público num período negro que está a ser investigado pelo próprio Banco de Portugal.

Comecemos antes por Elisa Ferreira, cujo marido foi vice-presidente da La Seda, uma das empresas cujo calote deu maior prejuízo à Caixa. E pelos escritórios de advogados — Vieira de Almeida e Linklaters — que foram escolhidos pela Caixa para analisar os atos de gestão desse período para, eventualmente, colocar ações de responsabilidade civil sobre ex-gestores. O problema é que esses escritórios trabalharam com alguns desses ex-gestores ou clientes da Caixa.

É caso para dizer que somos um país pequeno. O problema é que mesmo depois de detetarmos estes conflitos de interesse, nem sempre os eliminamos e continuamos a conviver com eles. É quando deixamos de ser um país pequeno e passamos a ser um país pequenino. Vamos por partes, sem grande esperança de chegar a parte alguma.

Casamento por amor e não por compatibilidade

Comecemos então pela socialista Elisa Ferreira. Escreve a agência Lusa que Fernando Freire de Sousa, marido de Elisa Ferreira, foi secretário de Estado para a Competitividade e Internacionalização do governo PS de António Guterres e é, atualmente, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

Fernando Freire de Sousa foi ainda vice-presidente da La Seda entre 2004 e 2008. Na lista dos créditos mais ruinosos da Caixa, o pior de todos foi precisamente o dado à Artlant (nome dado ao projeto químico de Sines) para o financiamento de uma fábrica da La Seda. A Caixa emprestou mais de 350 milhões de euros e já deu como perdidos 211 milhões, ou seja, 60% desse empréstimo.

Duarte Pacheco do PSD tem razão quando questiona “se não existirá na administração do Banco de Portugal outros administradores [para além de Carlos Costa], que por razões diretas ou familiares, não terão o mesmo problema e não deviam pedir escusa da análise à auditoria”.

Elisa Ferreira também devia pedir escusa de lidar com assuntos relacionados com a auditoria à Caixa. A vice-governadora não tem culpa de ter sido apanhada na situação em que está — as pessoas casam-se por amor e não por compatibilidades — mas, a partir do momento em que está nessa situação tem, obrigatoriamente, de pedir escusa. Quanto mais tarde o fizer pior é, eticamente e juridicamente, já que eventuais decisões contraordenacionais do Banco de Portugal correm o risco de vir a ser impugnadas se tiverem a sua assinatura.

O pai de Gabriela e a mulher de Siza

Basta seguir o exemplo de um outro regulador. Gabriela Figueiredo Dias, quando chegou a presidência da CMVM, pediu de imediato escusa de lidar com assuntos relacionados com o BPI (que estava a ser alvo de uma OPA do Caixabank) já que Jorge de Figueiredo Dias, vogal do BPI, é o pai de Gabriela Figueiredo Dias.

Também nos lembramos de Siza Vieira, o mais incompatível dos ministros do António Costa. Além do caso EDP e da empresa de imobiliário, quando ficou com a pasta da Economia e a tutela do Turismo foi-lhe apontado o dedo por eventuais incompatibilidades, já que a mulher dirige a Associação de Hotelaria de Portugal.

Na altura, Siza disse que “nos termos da lei e conforme dita a minha consciência, declarar-me-ia impedido de atuar” quando fosse confrontado com decisões sobre o setor. Acrescentou, em jeito de ironia: “descobriram, ao fim de 30 anos, que sou incompatível com a minha mulher”.

Três advogados para fazer o trabalho de um

Também no capítulo das incompatibilidade e dos conflitos de interesse, Paulo Macedo foi ao Parlamento revelar que a Caixa não vai contratar nem um, nem dois, mas “pelo menos” três escritórios de advogados para tratarem da auditoria da EY e apurar se há motivos para colocar ações de responsabilidade civil sobre ex-gestores do banco público: a Vieira de Almeida, a Linklaters e a Sérvulo.

Dos cinco processos que estão a ser analisados, a VdA invocou incompatibilidades em dois deles, já que ex-gestores ou clientes da Caixa foram também clientes do escritório. Então foi preciso escolher, além da VdA, a Linklaters que também veio invocar incompatibilidade num dos processos. Então foi preciso contratar, além da Vieira de Almeida e da Linklaters, a Sérvulo. Paulo Macedo admitiu, na Assembleia da República, que poderia ainda ir buscar outros escritórios se continuassem a surgir situações de conflitos de interesse.

Isto levanta duas questões: a Caixa não tem mais sítio onde gastar o nosso dinheiro? Se, por exemplo, a VdA tem um conflito de interesses porque esteve com Manuel Fino no passado (mais um dos que deu um calote à Caixa), faz sentido que decida sobre ações de responsabilidade civil de gestores que deram créditos a Manuel Fino ou outros clientes igualmente ruinosos?

Carlos Costa e os pontos nos ii

Sabe o leitor quem foi administrador da Caixa que aprovou esse crédito ruinoso a Manuel Fino? A revista Sábado escreve que o atual governador do Banco de Portugal, que era administrador da Caixa no período negro de Armando Vara e Santos Ferreira, participou nas reuniões que aprovaram créditos a operações ruinosas como as de Manuel Fino, Joe Berardo e Vale do Lobo.

Carlos Costa tem um passado duvidoso na banca comercial, que vai das offshores do BCP à aventura da Caixa em Espanha quando ele tinha o pelouro da internacionalização. No banco central, como ficou assente nas comissões de inquérito, o seu papel para prevenir o colapso do BES e do Banif foi medíocre e tardio. Sabe-se agora, teve a sua quota-parte de responsabilização na aprovação dos créditos mais ruinosos da Caixa. Créditos que estão a ser investigados pelo próprio Banco de Portugal, instituição a que preside. Conta o Jornal Económico que Carlos Costa está fora dos lote dos gestores que estão a ser investigados pelo Banco de Portugal, vá-se lá saber porquê.

Carlos Costa anunciou na sexta-feira que vai pedir escusa de participar nas decisões do Banco de Portugal que tenham a ver com a Caixa e com a auditoria da EY. No caso de Elisa Ferreira chega, mas no caso de Carlos Costa não basta pedir escusa. O governador está na posse da auditoria da EY há sete meses e só agora que o documento veio a público, por causa de Joana Amaral Dias, é que sentiu um rebate de consciência e resolveu pedir escusa.

Carlos Costa é a prova viva de que o cargo de governador de banco central é inamovível. Vamos pôr os pontos nos is. Não há incoerência, incúria, incómodo, incompetência ou incompatibilidade que o façam sair do lugar.

(JN) CGD, o escândalo – Nuno Melo

(JN)

O que se passou na CGD entre 2005 e 2011 é inqualificável e não pode ser desvalorizado. De resto, a relação temporal com o consulado socialista de José Sócrates e António Costa, seu número dois num dos governos, não foi simples coincidência. Arruinaram o banco, como trouxeram a bancarrota a Portugal.

Não falta quem tente enquadrar o rombo nas contas da CGD no contexto financeiro que levou ao encerramento naquele período do BPN e do BPP, a par de outros na UE. A justificativa complacente é absurda e não tem sentido.

A delinquência bancária e os casos de polícia, que tiveram como consequência necessária a desgraça do BPN e do BPP e o buraco gigantesco na CGD, não tiveram nada que ver com crises. Acresce que no caso da CGD, há diferenças agravantes.

A CGD não é um banco privado. A CGD é o banco do Estado, gerido por administrações nomeadas pelo Governo, supervisionado pelo Estado, através do Banco de Portugal. Significa que o Estado gestor criou os prejuízos que o Estado supervisor nunca viu. Sendo que parte dos factos ocorridos na CGD repetiram os pecados antes revelados pelo BPN e pelo BPP que, de tão impressionantes, se julgava, até pelos alarmes supostamente ativados na supervisão, não voltariam a acontecer. Inacreditavelmente, assim não foi.

E há perguntas que têm de ser feitas:

– Por que razão é que os contribuintes portugueses hão de pagar com impostos que lhes reduzem a capacidade de sustentar as famílias e mutilam poupanças os esquemas de Armando Vara, as vigarices dos negócios de Vale do Lobo, o financiamento das guerras internas no BCP, aventuras acionistas de Joe Berardo, ou os empréstimos à Artlant, em montantes próximos de 5 mil milhões de euros?

– Como é possível que em regra nenhuma pessoa consiga de um banco cinco mil euros ou 10 mil euros sem se submeter a exames médicos rigorosos e prestar garantias capazes, na maior parte dos casos reais, e em compensação, empréstimos de milhões de euros tenham sido entregues para projetos no mínimo duvidosos, sem garantias, sem avaliações de risco e até contra pareceres de risco elevado que desaconselhavam esses empréstimos?

– Como é que se explica que quando assim sucedeu, tantos dividendos tenham premiado administradores que não os mereciam, manifestos culpados raramente sejam julgados, quase sempre fiquem impunes e os milhões guardados ilicitamente em paraísos fiscais, carros, herdades e obras de arte, nunca sejam devolvidos?

Evidentemente, num Estado que se supõe de direito, o mínimo que se exige é uma comissão parlamentar de inquérito.

*Eurodeputado

(OBS) Os nomes e os milhões apagados da auditoria à Caixa. As 200 operações que provocaram perdas de 1.760 milhões

(OBS)

O Observador mostra a versão sem cortes do relatório final da auditoria à CGD. Nas 263 páginas estão duas centenas de operações que custaram 1.760 milhões de euros aos contribuintes. Veja-as aqui.Partilhe

  1. As perdas potenciais da Caixa com 11 clientes
  2. Pareceres negativos e condicionados do risco foram ignorados, na concessão e na renegociação
  3. Prejuízos milionários também nas participações financeiras da Caixa
  4. A aposta “perdida” em Espanha. E como as filiais foram usadas para minimizar perdas

A exposição da Caixa Geral de Depósitos aos créditos ruinosos que concedeu era, no final de 2015, de 4.926 milhões de euros. Ou seja, mais mil milhões de euros do que o valor total da recapitalização feita no banco público, que contou com 3.944 milhões de euros dos contribuintes. Só os 25 maiores devedores da CGD causaram perdas acumuladas de 1.310 milhões de euros.

São os números finais da auditoria da EY (antiga Ernst&Young) às operações de crédito da Caixa Geral de Depósitos entre 2000 e 2015. O relatório final foi entregue na sexta-feira aos deputados — supostamente uma versão truncada para proteger o sigilo bancário, ou seja o nome e o valor das dividas dos grandes devedores — mas os números sempre estiveram lá, no documento PDF que o parlamento disponibilizou (e depois apagou e substituiu) no seu site.

O Observador pegou no documento disponibilizado pelos serviços da Assembleia, eliminou as “caixas brancas” que foram usadas para ocultar números e nomes — em alguns casos toda a informação de quadros fundamentais para perceber o cenário de concessão de créditos — e coloca agora online uma versão “limpa”, sem cortes ou rasuras. Pode consultá-la aqui.

Se preferir, pode também ler na fotogaleria abaixo as 263 páginas do relatório final da Ernst&Young usando as setas.

263 fotos

As perdas potenciais da Caixa com 11 clientes

Se no relatório preliminar divulgado pela ex-deputada Joana Amaral Dias a 20 de janeiro já era possível ver quanto é que a Caixa tinha registado em empréstimos ruinosos a 46 clientes, na versão final “limpa” o quadro é ainda mais grave. É que a EY reservou para o relatório final a informação de quanto é que a CGD perdeu (e ainda se arrisca a perder) com uma multidão de devedores, e não só os grandes casos que até já saíram nas notícias.

No total, a exposição da Caixa a estes 196 clientes ascende a 4.926 milhões de euros, dos quais o banco dá já como potencialmente perdidos 1.760 milhões de euros, o custo de uma terceira travessia do Tejo (no eixo Chelas-Barreiro) incluindo componente ferroviária. Os quadros “limpos” permitem tirar outras conclusões. Deste total de perdas, 1.310 milhões de euros correspondem apenas a 25 dos 200 clientes com operações de crédito analisadas pela consultora. A auditoria final também permite saber com exatidão quanto é que a Caixa emprestou a estes 25 clientes: 2.676 milhões de euros em créditos iniciais, a maioria deles concedidos em três anos, entre 2006 e o final de 2008.

Alguns dos nomes são conhecidos e têm sido noticiados, mas não constam do relatório da auditoria final, rasurados ou não. Aparecem apenas como números C001 e seguintes. Neste caso, o Observador cruzou as imparidades registadas no documento final com as que tinham sido listadas na auditoria preliminar e analisou as notícias da época em que os créditos foram concedidos ou reestruturados. Foi desta forma que se chega à conclusão que o cliente C001 é a Artlant (La Seda), o C002 é a Investifino, o C003 é Joe Berardo ou o C004 é a Douro Litoral.

Até ao momento, o Observador conseguiu identificar 11 destes 25 clientes. Para cada um indicamos o crédito inicialmente concedido, as imparidades (ou seja, as perdas já reconhecidas pela Caixa em 2015) e  a exposição, ou seja o montante ainda em risco resultante dos empréstimos concedidos:

  1. Artlant (La Seda): 381 milhões de euros em duas operações de crédito, relacionadas com a construção de uma fábrica em Sines. Exposição de 351 milhões no final de 2015 a que correspondia uma imparidade (perda reconhecida) de 211 milhões de euros
  2. Joe Berardo: 350 milhões de euros para a aquisição de ações do BCP.
  3. Metalgest: 50 milhões para a holding de Joe Berardo, também para a aquisição de ações do BCP. No final de 2015, a exposição a estas duas operações do empresário madeirense ascendia a 321 milhões de euros, para uma imparidade registada de 152 milhões de euros.
  4. Manuel Fino/Investifino: 180 milhões para compra de ações no BCP. A Caixa tinha uma exposição de 138 milhões de euros no final de 2015 e imparidades de 133 milhões de euros.
  5. Finpro: 200 milhões de euros para várias aquisições em concessões e infraestruturas. O banco estava exposto em 114 milhões de euros, com uma perda então (2015) reconhecida de 40 milhões de euros. Esta sociedade foi entretanto declarada insolvente.
  6. Vale do Lobo: 194 milhões de euros para o financiamento da compra do resort e outros créditos. A exposição atingiu os 201 milhões de euros para uma perda registada de 81 milhões de euros.
  7. Autoestrada Douro Litoral: 152 milhões para um project finance de construção de uma autoestrada gerida pela Brisa. Este crédito foi vendido a fundos internacionais com um grande desconto. No final de 2015, era contabilizada uma exposição de 153 milhões de euros com imparidade de 123 milhões de euros
  8. Opway: 150 milhões de euros para a construtora que era controlada pelo Grupo Espírito Santo. Exposição de 90 milhões de euros e imparidades de 77 milhões de euros.
  9. Birchview: Empréstimo inicial de 35 milhões de euros para um projeto imobiliário a desenvolver em lotes na Quinta do Lago (nada a ver com a sociedade gestora). Para uma exposição de 89 milhões de euros no final de 2015 estava reconhecida uma imparidade de 27 milhões de euros.
  10. Jupiter: Financiamento original de 115 milhões de euros a uma sociedade que, segundo o Expresso, tem ligação ao grupo português ImatosGil que foi acionista da La Seda. A exposição era de 89 milhões de euros, o mesmo valor da imparidade indicada.
  11. Always Special: Empréstimo de 55 milhões de euros a uma sociedade detida por acionistas do grupo Lena. De acordo com a ficha técnica do Jornal da Bairrada, a Always Special controla a Lena Comunicações e é detida por membros da família Barroca (Joaquim Barroca, vice-presidente do Grupo Lena, é acusado de ter corrompido José Sócrates). No final de 2015, a exposição da Caixa era de 44 milhões de euros para uma imparidade da mesma dimensão.

Em quase todos estes casos (com a exceção da Douro Litoral), a direção de risco da Caixa Geral deu um parecer condicionado à concessão do crédito inicial. Ou seja, indicou que o banco público deveria colocar condições adicionais à entidade que estava a aceder ao crédito, além das garantias que estavam (ou não) a ser dadas. Em todos os casos de parecer condicionado, as condições do parecer foram ignoradas, parcial ou totalmente, pelo órgão que aprovou, nomeadamente o Conselho Alargado de Crédito. A EY também indica que o órgão da Caixa que aprovou os créditos — apesar dos alertas e sinais vermelhos da direção de risco — não deu qualquer justificação para a aprovação.

O quadro abaixo é a primeira folha da listagem das 200 operações de crédito analisadas pela EY no âmbito da auditoria. Acrescentados a azul estão os nomes dos clientes já identificados pelo Observador. 

Voltar ao índice

Pareceres negativos e condicionados do risco foram ignorados, na concessão e na renegociação

O documento da EY sinaliza 170 operações que estavam sujeitas a parecer da análise de risco — porque envolviam valores acima de 2,5 milhões de euros até 2005; e acima de 1,5 milhões de euros depois desse ano. Esta amostra foi recolhida nas operações da CGD, do banco Caixa BI (banco de investimento) e da sucursal de Espanha.

  • Em 80 operações, a direção de Risco deu um parecer condicionado. Ou seja, o departamento recomendava um conjunto de requisitos prévios à concessão do crédito, mas o órgão de decisão, além de “não fazer depender a sua aprovação da concretização das respetivas condicionantes” recomendadas, “não deixou evidência escrita que justifique a decisão”. Ou seja, a auditoria não sabe com que fundamentos os decisores da Caixa aprovaram estes créditos. As perdas destas 80 operações totalizaram 769 milhões de euros só nos 25 maiores devedores.
  • Outras 43 operações foram feitas também apesar de um parecer de risco condicionado, mas neste caso “as respetivas condicionantes ou foram acolhidas por parte do órgão competente” ou existe “uma justificação para a sua não acomodação por parte do mesmo”. Acabariam por resultar em perdas de 122 milhões de euros entre os devedores do top 25.
  • Para cinco destas operações “não foi obtido o parecer técnico preparado pelas áreas comerciais”.
  • Noutras 15 “não foi obtido o respetivo parecer individual de análise de risco”.
  • Treze “foram autorizadas pelo órgão de decisão competente” na CGD, mas com parecer desfavorável do departamento de risco. Pior: “Não foi apresentada evidência do racional que esteve subjacente à decisão”.
  • Por fim, a EY identificou 14 operações que, apesar de terem tido um parecer de risco favorável, resultaram em perdas de 238 milhões de euros entre o top 25.

Mas foi na reestruturação e renegociação de créditos concedidos, e cujos clientes estavam já em dificuldades, que se verificaram os maiores prejuízos em operações aprovadas contra um parecer negativo da direção de risco. Numa amostra analisada de 130 operações reestruturadas, a auditoria encontrou 14 chumbos da direção de risco que resultaram em perdas de 499 milhões de euros. O caso de Berardo será um deles, como o Observador já noticiou.

Em 65 operações, o parecer foi favorável, mas com condições, sendo que terão sido aprovadas sem que todos esses requisitos fossem cumpridos. As perdas neste caso totalizaram 179 milhões de euros. Também neste caso houve pareceres positivos da área do risco que tiveram um resultado menos bom em nove operações: resultaram em perdas de 123 milhões de euros.

Uma das maiores fontes de prejuízos para a CGD nas operações analisadas foram os empréstimos concedidos para a compra de ações cotadas em bolsa, e que por regra, tinham como colateral apenas as ações. As 25 maiores operações desta natureza representaram uma exposição de 788 milhões de euros no final de 2015, a que correspondia uma perda reconhecida na mesa data de 526 milhões de euros, ou seja, 66% da amostra. Ou seja, por cada mil euros emprestados, perderam-se 660 euros, sobretudo por via desvalorização da cotação das ações dadas como garantia.

Ao contrário do que tem sido muitas vezes afirmado, não começaram na gestão liderada por Carlos Santos Ferreira. Segundo a auditoria, as concessões iniciais começaram em 2004 nos governos de Durão Barroso e Santana Lopes. Em 2004, CGD conheceu duas administrações — a liderada pela dupla António de Sousa e Mira Amaral e a dirigida por Vítor Martins. No entanto, e por ano de origem do crédito, as operações de maior dimensão ainda com impacto em 2015 tiveram origem no ano de 2007 — 567 milhões de euros. O último ano da gestão de Santos Ferreira e Armando Vara foi marcado pela guerra de poder no BCP em que a Caixa foi um dos grandes financiadores dos acionistas que apoiavam Paulo Teixeira Pinto, nomeadamente Joe Berardo e Manuel Fino.

Voltar ao índice

Prejuízos milionários também nas participações financeiras da Caixa

Apesar de o principal foco desta auditoria estar nos devedores, a EY também passou a pente fino as participações financeiras da Caixa entre 2000 e 2015, bem como as decisões de negócios consideradas estratégicas. E o maior prejuízo registado pelo banco do Estado cruza estas duas componentes: uma participação financeira que resultou de uma decisão estratégica que foi imposta pelo acionista Estado.

O envolvimento da Caixa Geral de Depósitos no negócio Champalimaud conduziu à detenção de 8% do capital do BCP, porque o banco do Estado vendeu o Banco Pinto e Sotto Mayor e aceitou em pagamento ações do banco privado, em vez de dinheiro. Este investimento, que chegou a ser reforçado, desvalorizou 546 milhões de euros nos anos seguintes até a participação ser vendida totalmente no final de 2013. Deste negócio resultou ainda o controlo da Mundial Confiança, a seguradora do Grupo Champalimaud, e anos mais tarde, as seguradoras do BCP. Todas estas empresas foram integradas na Fidelidade que foi alienada em 2013, já nos anos da troika.Entre as participações financeiras que correram mal voltamos a encontrar o grupo La Seda, promotor original da fábrica da Artlant em Sines. A Caixa entrou como acionista da empresa química de Barcelona em 2006 para garantir, concluiu a auditoria, que uma decisão de investimento vinha para Portugal, a unidade em Sines.

Entre as participações financeiras que correram mal voltamos a encontrar o grupo La Seda, promotor original da fábrica da Artlant em Sines. A Caixa entrou como acionista da empresa química de Barcelona em 2006 para garantir, concluiu a auditoria, que uma decisão de investimento vinha para Portugal, a unidade em Sines. Além de entrar no capital, acompanhada por grupos portugueses, a Caixa participou num empréstimo sindicado ao grupo La Seda. Segundo o relatório da EY, estas operações tiveram um resultado negativo de 131,4 milhões de euros.

Espanha surge aliás como uma das fontes importantes de perdas para o banco público. A operação espanhola apresentou ao longo dos anos analisados prejuízos acumulados de 583 milhões de euros. O Banco Caixa Geral sofreu uma forte reestruturação após a recapitalização de 2013 e depois de o último aumento de capital do Estado, já em 2016, a CGD teve mesmo de vender este negócio por imposição da Comissão Europeia, apesar de já apresentar resultados positivos.

Voltar ao índice

A aposta “perdida” em Espanha. E como as filiais foram usadas para minimizar perdas

As perdas no mercado espanhol estão associadas a uma estratégia de concessão de crédito em projetos de maior dimensão de project-finance ou imobiliário, para ganhar escala, depois de o acionista Estado ter inviabilizado a compra do Banco Madrid ainda nos anos 1990. E as perdas só não terão sido maiores porque, sinalizam os auditores, em 2008, foram transferidos vários créditos em dificuldades do Banco Caixa Geral, o banco espanhol da Caixa, para a sucursal espanhola da CGD. Estes créditos totalizaram 2,6 mil milhões de euros.As perdas no mercado espanhol estão associadas a uma estratégia de concessão de crédito em projetos de maior dimensão de project-finance ou imobiliário, para ganhar escala, depois de o acionista Estado ter inviabilizado a compra do Banco Madrid ainda nos anos 1990. E as perdas só não terão sido maiores porque, sinalizam os auditores, em 2008, foram transferidos vários créditos em dificuldades do Banco Caixa Geral, o banco espanhol da Caixa, para a sucursal espanhola da CGD. Estes créditos totalizaram 2,6 mil milhões de euros.

Aliás, também a sucursal francesa enviou créditos problemáticos para a filial espanhola da CGD com o objetivo, dizem os auditores da EY, de minimizar as perdas a nível do grupo CGD e evitar a constituição de imparidades em França por onde passaram importantes operações, nomeadamente de emissão de dívida do grupo bancário. Por outro lado, a sucursal francesa também recebeu empréstimo de outras sucursais, como Cayman (operação extinta recentemente pela CGD), com o intuito de limitar o impacto de algumas operações — a auditoria refere o financiamento de 503 milhões de euros ao Grupo José de Mello.

Outro caso analisado no capítulo do imobiliário, decisões estratégica, é oda Wolfpart, a sociedade criada para deter vários ativos do setor, entre os quais a participação de 25% na sociedade gestora do empreendimento de luxo Vale do Lobo. Entre 2000 e 2015, este investimento gerou perdas de 228 milhões de euros que resultam não só da participação financeira, mas também dos suprimentos (empréstimos) concedidos pela Caixa enquanto acionista. O relatório da EY assinala esta operação como apresentado “riscos elevados”, para o qual contribui também a circunstância de a CGD ser um credor subordinado, porque acionista, e com menos diretos que outros credores.

Paulo Macedo volta ao Parlamento esta quinta-feira. Menos de uma semana depois de, na sexta-feira passada, ter enfrentado um dia intenso: foi ao Parlamento entregar, em mãos e com direito a declarações, o relatório final da auditoria à gestão da Caixa Geral de Depósitos, e apresentou os primeiros lucros expressivos da Caixa em sete anos.

Na agenda da audição na comissão de Orçamento e Finanças, a realizar ao final da tarde após o plenário, está outra vez a auditoria independente à CGD, mas também um requerimento do Bloco de Esquerda para ouvir Paulo Macedo sobre as comissões bancárias. Os deputados já ouviram o ministro das Finanças sobre o tema, mas desta vez vão poder colocar perguntas concretas ao presidente da Caixa com base no conhecimento do relatório final, ainda que numa versão supostamente “expurgada” da informação que viole o segredo bancário.

Ainda que, e tal como o Observador noticiou na sexta-feira, a versão eletrónica do relatório final da auditoria à Caixa entregue na sexta-feira no Parlamento, permita espreitar números e nomes “apagados”. Este documento chegou a ser colocado no site do Parlamento durante alguns minutos, mas depois foi substituído por uma versão digitalizada do documento em papel que já não permite consultas sobre a informação escondida. Mas para quem descarregou a primeira versão, é possível ter acesso a mais.

(ZH) For The First Time Ever, Wall Street Banks Top $100 Billion In Profit

(ZH)

One may not know it by looking at banker bonuses last year, but 2018 was a banner year if only for bank shareholders and upper management: this is the year when the 6 biggest banks generated (well) over $100 billion in profit. They can thank Trump’s tax cuts, the Fed’s payment of interest on reserves, rising interest rates, a jump in dealmaking and a retail-banking boom (if not so much the “bad volatility” that resulted in a plunge in fixed income, currency and commodity trading fees).

As Bloomberg first noted, JPMorgan, Bank of America, Wells Fargo and their peers have already reported more than $111 billion of profit for 2018, and Morgan Stanley will complete the money-center picture tomorrow when it releases its fourth-quarter results Thursday and only makes this number bigger.

While JPMorgan and Bank of America both had record years, Goldman and Citigroup had their biggest annual profits since the financial crisis. The staggering profits, coupled with upbeat commentary about 2019 may ease fears that rate hikes and trade wars will bring an end to good times for the biggest banks.

To be sure, the banks’ bosses see not a cloud in sight: “Is it the end of a cycle? We don’t think so,” JPM CFO Marianne Lake said Tuesday. “We think the outlook for growth in the economy is still strong. The consumer is still strong and healthy, and we’re expecting to see, maybe slower, but still global growth going forward.”

Her optimism may have been a bit stretched as this quarter JPM missed earnings estimates for the first time in 15 quarters, while the bank’s provision for loan losses surged to $1.55 billion, far above the expected $1.3 billion.

Meanwhile, the question is whether or not the market already reflects the banks’ massive profits, or if there is room for bank stocks to run more: the KBW Bank Index surged 10% this month, on the back of a furious bear market rally and following generally strong fourth-quarter results; however, it comes after banks slumped into a bear market, plunging 20% in 2018, the worst performance in seven years.

(MENAFN) Portugal blocks Venezuelan fund transfer

(MENAFN)

(MENAFN) A Portuguese bank has blocked Venezuela’s attempt to transfer USD1.2 billion to Uruguay, as the opposition to President Nicolas Maduro warned of the theft of public funds, while the U.S. sent food and medical aid to the Venezuelan-Colombian border.

Pressure is mounting on Maduro to step down amid an economic crisis marked by shortages and hyperinflation, with the United States and other nations recognizing opposition leader Juan Guaido as Venezuela’s legitimate president.

Pope Francis has expressed willingness for the Vatican to reconcile Venezuela’s crisis if both sides seek it. 

Guaido, who declared himself interim president in January, was scheduled to meet later with business leaders at Venezuela”s main business group, Fedecamaras, to discuss an economic recovery plan under a future transition government in the OPEC-member South American country.

Maduro”s adversaries have warned that Venezuelan officials are trying to consume state coffers ahead of a potential change of government.

P.O. (Reuters) United Natural Foods sues Goldman Sachs, Bank of America over acquisition advice

P.O.

The “Vampires of Wall Street”…
You are not telling me that they did something less proper…
Oh…
What about that small misuse of the Malaysia Sovereign Wealth Fund…?
…Between 5 and 10 billion USD…
Oh…
Please be so kind and revisit
my P.O. V.V.I. (FT) 1MDB scandal: the Malaysian fraud explained:

V.V.I.

The “Vampires of Wall Street” (nickname for Goldman Sachs) at it again…
One of the greatest finantial frauds in history…
USD 4.5 billion allegedly misappropriated from the Malasian State Investment fund.
The incredible number of transfers, and their complexity were designed to make it very difficult to trace the origin of the funds. (US Departement of Justice).
I sincerely hope (but i doubt it will happen) that with this scandal the “vampires” will be stopped for good.
Video not to be missed.

Francisco (Abouaf) de Curiel Marques Pereira



(Reuters) Grocery distributing company United Natural Foods Inc filed a lawsuit on Tuesday against Goldman Sachs Group Inc and Bank of America Merrill Lynch claiming the investment banks put their financial interests ahead of the company’s when they advised it on a multi-billion acquisition last year.

United Natural Foods announced plans to acquire distributor Supervalu in July 2018 in a deal valued at $2.9 billion, according to a joint statement on United’s website.

United claims in the lawsuit, which was filed in New York state court, that Goldman Sachs committed breach of contract and fraud, and that the firm improperly extracted around $200 million for the advisory and financing services it gave United.

Goldman Sachs spokeswoman Nicole Sharp wrote in an emailed statement that the bank believes the claims have no merit, and the bank plans to “vigorously defend ourselves against these accusations.”

Bank of America spokesman Bill Halldin declined to comment.

(JN) CGD, o escândalo – Nuno Melo

(JN)

O que se passou na CGD entre 2005 e 2011 é inqualificável e não pode ser desvalorizado. De resto, a relação temporal com o consulado socialista de José Sócrates e António Costa, seu número dois num dos governos, não foi simples coincidência. Arruinaram o banco, como trouxeram a bancarrota a Portugal.

Não falta quem tente enquadrar o rombo nas contas da CGD no contexto financeiro que levou ao encerramento naquele período do BPN e do BPP, a par de outros na UE. A justificativa complacente é absurda e não tem sentido.

A delinquência bancária e os casos de polícia, que tiveram como consequência necessária a desgraça do BPN e do BPP e o buraco gigantesco na CGD, não tiveram nada que ver com crises. Acresce que no caso da CGD, há diferenças agravantes.

A CGD não é um banco privado. A CGD é o banco do Estado, gerido por administrações nomeadas pelo Governo, supervisionado pelo Estado, através do Banco de Portugal. Significa que o Estado gestor criou os prejuízos que o Estado supervisor nunca viu. Sendo que parte dos factos ocorridos na CGD repetiram os pecados antes revelados pelo BPN e pelo BPP que, de tão impressionantes, se julgava, até pelos alarmes supostamente ativados na supervisão, não voltariam a acontecer. Inacreditavelmente, assim não foi.

E há perguntas que têm de ser feitas:

– Por que razão é que os contribuintes portugueses hão de pagar com impostos que lhes reduzem a capacidade de sustentar as famílias e mutilam poupanças os esquemas de Armando Vara, as vigarices dos negócios de Vale do Lobo, o financiamento das guerras internas no BCP, aventuras acionistas de Joe Berardo, ou os empréstimos à Artlant, em montantes próximos de 5 mil milhões de euros?

– Como é possível que em regra nenhuma pessoa consiga de um banco cinco mil euros ou 10 mil euros sem se submeter a exames médicos rigorosos e prestar garantias capazes, na maior parte dos casos reais, e em compensação, empréstimos de milhões de euros tenham sido entregues para projetos no mínimo duvidosos, sem garantias, sem avaliações de risco e até contra pareceres de risco elevado que desaconselhavam esses empréstimos?

– Como é que se explica que quando assim sucedeu, tantos dividendos tenham premiado administradores que não os mereciam, manifestos culpados raramente sejam julgados, quase sempre fiquem impunes e os milhões guardados ilicitamente em paraísos fiscais, carros, herdades e obras de arte, nunca sejam devolvidos?

Evidentemente, num Estado que se supõe de direito, o mínimo que se exige é uma comissão parlamentar de inquérito.

*Eurodeputado

(BBG) Deutsche Bank Sees Merger by Mid-Year If All Else Fails

(BBG)

  •  Executives are said to worry bank is running out of time
  •  CEO Christian Sewing has pleaded for patience with his plan

Deutsche Bank AG executives are worried that they’re down to the last 60 days to turn around their struggling franchise.

On the eve of fourth-quarter results that are likely to reflect its troubles, the bank’s ability to avoid a government-brokered merger with Commerzbank AG could rest on its performance in the first quarter of 2019, according to people briefed on the thinking of its top executives.

A spokesman for Deutsche Bank declined to comment.

“If this is true, the economic situation at Deutsche Bank must be worse than seen by the outside,” said Andreas Plaesier, an analyst with M.M. Warburg. “A merger with Commerzbank at this point doesn’t make sense because it offers few possibilities to achieve client growth.”

Chief Executive Officer Christian Sewing has pleaded for patience with his current plan, which is centered on cost cuts and efforts to stabilize market share, but dramatic images of a police raid in November have compounded the impact of a challenging market. That’s threatening to undermine a return to growth after several failed turnaround attempts. The German government has been intensifying efforts to help fix Deutsche Bank, studying ways to make it easier to merge it with Commerzbank in a bid to add scale and slash expenses.

Although the bank’s largest investors continue to support Sewing, they’re unhappy with the losses they’ve sustained, according to people familiar with the matter. The stock lost more than half of its value last year, before recovering some of those declines this year.

Deutsche Bank CEO Sewing Accelerates Lender's Turnaround Effort
Christian SewingPhotographer: Alex Kraus/Bloomberg

Deutsche Bank fell 3.5 percent at 12:12 p.m. in Frankfurt trading, reversing earlier gains. Commerzbank declined 3.7 percent.

The cost of insuring debt sold by both Deutsche Bank and Commerzbank fell to the lowest levels since November.

While a deal is viewed by some as an imperfect solution, the German government thinks it will be impossible for Sewing to turn around Deutsche Bank before a potential economic slowdown exacerbates the situation, people familiar with the government’s thinking said. Berlin on Wednesday slashed its economic growth forecast for this year to just 1 percent, which would be the weakest pace in six years.

The Finance Ministry declined to comment.

The country still owns a large stake in Commerzbank after a bailout. It doesn’t own a stake in Deutsche Bank, but Finance Minister Olaf Scholz has said repeatedly that he wants strong international banks to support Germany’s export-oriented companies.

Talks between the lender and the government have recently intensified. Representatives of Germany’s largest bank had 23 discussions with officials in Berlin since the new government was formed in March, most of them with Deputy Finance Minister Jorg Kukies. Sewing and supervisory board Chairman Paul Achleitner each had six exchanges, according to a Finance Ministry letter seen by Bloomberg.

Doubling Down

Sewing has ruled out any mergers before 2020, but he’s also said in private that he will have to change his strategy before that if his plan fails. Many officials at Deutsche Bank and the German government favor a merger with Commerzbank as the best option available to Sewing, people familiar with the matter have said.

Analysts polled by the bank now anticipate an eighth consecutive decline in group revenue for the fourth quarter. Chief Financial Officer James von Moltke recently told Bloomberg News that December was a difficult month for the bank.

Still, at least one large shareholder appears ready to double down on the company. Deutsche Bank won a commitment for new investment from Qatar, which already has two vehicles with stakes in the lender, people familiar with the matter have told Bloomberg. The new investment is likely to be made through the the country’s sovereign wealth fund.

(CNN) Bank of England blocks Maduro’s $1.2B gold withdrawal – report

(CNN)

London (CNN)The Bank of England has blocked Nicolas Maduro’s officials from withdrawing $1.2 billion worth of gold, Bloomberg reported, dealing a further blow to the embattled Venezuelan President as he tries to salvage his authority.According to the report, which cites unnamed people familiar with the matter, the gold is a significant part of the $8 billion in foreign reserves held by the Venezuelan central bank.CNN has not been able to independently verify the report and is attempting to get a response from Maduro’s officials.

Venezuela's self-declared acting president makes overture to military

Venezuela’s self-declared acting president makes overture to militaryThe move by the Bank of England came after top U.S. officials urged the British government to help cut off Maduro’s access to his country’s assets, the report said, and instead steer them towards opposition leader Juan Guaido, who has claimed the presidency.On Saturday, the UK joined the US and a host of other countries by saying it would recognize Guaidó as the country’s interim President if new elections were not called within the next eight days.”We stand shoulder to shoulder with the United States in saying that the National Assembly and its President Juan Guaidó are best placed to lead Venezuela to the restoration of its democracy, its economy and its freedom,” said UK Minister of State Alan Duncan.In a statement, the Bank of England said Saturday that it provides gold custody services to a large number of customers, but it does not comment on those relationships.”In all its operations, the Bank observes the highest standards of risk management and abides by all relevant legislation, including applicable financial sanctions,” the statement said.The US Treasury Department said in a statement Friday it plans to use economic and diplomatic tools to ensure any commercial transactions with the Venezuelan government are “consistent” with the US-recognized government of Venezuela led by Juan Guaidó.