Category Archives: Brazil

(BBG) For Many Wealthy Brazilians, Portugal Is Becoming the New Miami – Bloomberg

(BBG)

Brazilian entrepreneur Ricardo Bellino knows a good deal when he sees one. So after more than a decade living in Miami, he decided to move across the Atlantic to Portugal, where a booming real estate market and tax breaks are attracting a growing number of wealthy Brazilians.

The 53-year-old multimillionaire, who made his fortune in the modeling business, bought a home last year in an exclusive resort on a hill near Lisbon, where he is planning his next business ventures. In Portugal, Bellino will benefit from a flat income-tax rate of 20% and may be entitled to a tax-free pension when he retires.

1481495855_BELLINO & TRUMP@300_1028_2
Donald Trump and Ricardo Bellino.Source: Ricardo Bellino

“It was a chance to live in a tax haven that isn’t an island in the Caribbean,” said Bellino, whose grandfather was Portuguese. “We’re in Europe, in a country that has been going through a revival over the last few years.”

Portugal introduced the tax incentives a decade ago in a bid to attract wealthy foreigners to the southern European country. In 2012, a year after seeking an international bailout, the nation of 10 million began offering resident permits to non-Europeans who bought real estate worth more than 500,000 euros ($560,000).

Portugal’s incentives for wealthy immigrants contrast with U.S. President Donald Trump’s efforts to limit immigration, though last week, he proposed a “merit-based” system intended to favor immigrants with special skills.

In Portugal, a tourism and property boom followed the immigration incentives and helped the economy post its strongest growth in almost two decades in 2017. It also led to a backlash among Portuguese who saw themselves priced out of the housing market as the new demand pushed up values.

Also Read: Trump’s Ecstatic Brazilian Partner Sees Big Deals in His Future

The French, who have one of the highest tax burdens among 34 developed countries, were the biggest foreign homebuyers in Portugal in 2017, accounting for 29% of foreign property investment, according to Portugal’s Real Estate Professionals and Brokers Association. Brazilians, whose language is Portuguese, came second, with 19% of total foreign investment, followed by the British, with 11%, and Chinese buyers, with 9%.

Brazilians are catching up fast and are already the biggest foreign property investors in the capital Lisbon in the south and Porto in the north.

“They’re buying homes everywhere,” said Luis Lima, head of the Lisbon-based brokers association. “These Brazilians are completely different from those that came to Portugal in the past. They belong to a higher social class.”

Colonial Master

While immigration between Brazil and Portugal, its former colonial master, has flowed back and forth in line with economic booms and busts, wealthy Brazilians have for decades favored young, hip, international Miami, viewing Portugal as a melancholic nation, nostalgic for its glorious past. That characterization can be seen in the Portuguese love of fado, a national musical genre full of loss and sadness that contrasts sharply with the livelier African-influenced Brazilian samba.

“I first came to Portugal in the 1970s and was struck by how much poverty there was,” said Claudio Madureira, a 70-year old Brazilian pensioner who moved to Portugal last year after shutting down his construction company. “My memories of Portugal were like images on a black-and-white television screen.”

Safe Haven

All that began to change after Portugal completed its international bailout program in 2014 and a tourism and a real estate boom transformed entire cities with boutique hotels, Michelin-starred restaurants and luxury apartments and stores that cater to foreigners. The tax incentives and the perception of Portugal as a safe place — it ranked fourth in the 2018 Global Peace Index — were the cherry on the cake for many Brazilians.

Brazil is one of the world’s most homicidal countries, with an average of 175 people killed every day in 2017, according to the Brazilian Forum of Public Safety, a non-governmental organization that collects crime data. Violent crime rates have fallen since 2018, a development that began before President Jair Bolsonaro was elected, though that hasn’t stopped him from claiming credit. Nor has it convinced many Brazilians to return.

“I’ve lost hope that things will ever improve in Brazil,” said Madureira, who now enjoys playing tennis on weekdays with other Brazilian expats in Cascais, a seaside town near Lisbon.

Priced Out

In Chiado, one of Lisbon’s most expensive quarters, some residents say their neighbor, Brazilian national Regina de Camargo Dias, is Portugal’s richest woman. Camargo, one of three sisters who control construction and cement company Camargo Correa SA, is among the wealthy Brazilians who have bought homes in the Portuguese capital Lisbon, where the price can reach as much as 10,000 euros per square meter ($11,170 per 10.8 square feet).

For many locals who complain they’re getting priced out of a property market that goes out of its way to lure foreigners, that’s a cause for concern. Median home prices in Lisbon rose 23.5% in 2018 to reach an average of 3,010 euros per square meter, while the net average monthly wage of Portuguese workers increased 3.7% to 888 euros, according to the National Statistics Institute.

“It’s very sad,” said Isabel Sa da Bandeira, who heads a Lisbon-based organization called People Live Here aimed at reminding authorities about the remaining residents in the capital. “Prices are out of control. Even people with jobs can’t afford to live in the city.”

Still, prime real estate in Lisbon remains much cheaper than in cities such as London or New York. The price of a 3,100-square-foot three-bedroom apartment in one of Lisbon’s most exclusive buildings, Sky Flats Castilho 203, is listed at around $5.4 million on the website of Lince Real Estate. A similar property on New York’s Park Avenue may reach as much as $24.8 million, according to Sotheby’s International Realty.

‘Three Minutes!’

Economy Minister Pedro Siza Vieira said in an interview that the lack of affordable housing in some Portuguese city centers “is a concern.”

“We know that this is a global phenomenon — that prices are going up in the center of the cities — which creates a social problem,” he said.

Bellino, who says he convinced Trump in three minutes in 2003 to invest in a half-billion-dollar golf resort in Sao Paulo that never got built, sees Portugal as a country full of opportunities. Bellino, who bought his home in Key Biscayne, Florida, at the start of the financial crisis in 2007, when the Brazilian real was strong and the dollar was weak, says he’s now looking to invest in a range of businesses in Portugal, including education and real estate ventures.

“I normally see a business opportunity where there is a crisis,” said Bellino, who spun his encounter with Trump into a book on the art of the pitch and called it “You Have 3 Minutes!” “As a dedicated entrepreneur, when everyone is crying, I like to sell tissue paper.”

(EM) Portugal, refugio para homosexuales huidos de Brasil

(EM)

Entre 2011 y 2018, cada 16 horas tenía lugar un asesinato homófobo en Brasil. En total, durante esos años, han matado a 4.422 personas del colectivo LGTBI

Un hombre participa en las marchas del Orgullo Gay en Lisboa, en junio.Rafael Marchante REUTERS

El día después de que el ultraderechista Jair Bolsonaro ganara las elecciones presidenciales en BrasilAriadna Seixasdecidió huir de Florianópolis, una de las mayores ciudades de la región Sur.

La brasileña, que se identifica como una mujer transexual,había regentado un popular café de la ciudad durante años y nunca había tenido problemas con nadie. Sin embargo, en las semanas previas a las elecciones -a la par que crecían las probabilidades de que el líder populista asumiera la presidencia-, ella y su pareja comenzaron a recibir amenazas a través de las redes sociales.

“Nos llamaban pervertidos y decían que nos iban a matar”, recuerda Seixas. Intentó ignorar los insultos, pero el día después de la victoria de Bolsonaro un grupo de personas asaltaron su café, llevándose todo lo que había de valor y destruyendo lo demás.

“Para nosotros fue obvio que el ataque iba ligado a su elección. Bolsonaro dice que las personas LGTBI representan un peligro para Brasil, y su victoria dio legitimidad al odio sin complejos. Algunos amigos homosexuales fueron agredidos en la calle y sé que asesinaron a varias personas trans en otras ciudades. El asalto que sufrimos fue terrible, pero comparado con otras barbaridades que tuvieron lugar, tuvimos suerte”, relata la brasileña.

Convencida de que si no salía del país iba a morir, Seixas comenzó a buscar dónde exiliarse. Inicialmente pensó en irse a Canadá, país que ha aceptado numerosas peticiones de asilo formuladas por víctimas de violencia homófoba, pero mientras ojeaba su cuenta de Facebook una mañana dio con la página de Portugay Tropical. El grupo, gestionado por brasileños asentados en el país vecino, ofrece asesoramiento a las personas LGTBI que intentan huir de la violencia en Brasil. Con la ayuda de la organización, la pareja de Seixas solicitó un visado de estudios en Portugal y ella consiguió su permiso de residencia por reagrupación familiar.

“Malvendimos el café y, con ese dinero, nos trasladamos aquí en enero”, cuenta la brasileña, que ahora vive en Oporto. “Tenemos que averiguar cómo hacer para quedarnos aquí a largo plazo, pero de momento es un alivio vivir en un sitio donde podemos andar por las calles sin miedo”, relata Seixas.

EL PAÍS DONDE MÁS PERSONAS LGTBI ASESINAN

Seixas es una entre los centenares de brasileños LGTBI que han elegido a Portugal como refugio tras sufrir agresiones homófobas en el país sudamericano. Desde hace una década, Brasil es el país del mundo donde más personas LGTBI son asesinadas. Según los informes de la ONG Grupo Gay da Bahia, 4.422 asesinatos homófobos tuvieron lugar en Brasil entre 2011 y 2018. La cifra implica que se produjo un crimen de estas características cada 16 horas.

En la segunda mitad de 2018 la situación crítica fue a peor debido a la influencia de Bolsonaro, quien reconoce ser “orgullosamente homófobo” y ha declarado que preferiría tener un hijo muerto antes que un hijo ‘maricón’.

Las noticias sobre la escalada de violencia contra las personas del colectivo LGTBI hicieron que Debora Ribeiro, que vive en Oporto desde hace una década, fundara Portugay Tropical en otoño. “Muchos amigos me contactaron preguntando cómo podían hacer para emigrar, y se me ocurrió que habría miles de personas como ellos. Creé la página en Facebook y, en ese primer día, llegaron miles de mensajes de personas pidiendo ayuda”.

Actualmente el grupo tiene más de 3.000 miembros,asesorados por Ribeiro y los trabajadores sociales y psicólogos que pertenecen a la organización. “Damos apoyo a personas que temen por su vida. Algunos se ven obligados a ocultar su identidad y fingir ser heterosexuales para sobrevivir; otros ni siquiera pueden salir de casa porque, si pisan la calle, les van a matar. La policía ya no hace nada para protegerles;están desamparados”.

UN REFUGIO IMPERFECTO

Al ser un país lusófono y seguro, Portugal es un destino natural para el colectivo perseguido. No obstante, aunque viajar al país vecino es fácil -los brasileños no requieren visado para hacerlo-, pedir asilo es complicado.

“Lo normal sería aprobar las peticiones de asilo de los brasileños que demuestren que sufren persecución debido a su orientación social”, explica Marta Ramos, directora de la ONG LGTBI ILGA Portugal. Aclara, sin embargo, que “hacerlo pondría al Ejecutivo luso en una situación delicada, pues implicaría reconocer que el Gobierno de Bolsonaro no respeta los derechos humanos del colectivo”.

“Ese paso podría provocar un incidente diplomático entre los países hermanos, algo que debe evitarse, pues podría empeorar la situación del colectivo en Brasil. Entretanto, estamos buscando vías alternativas para ayudar a los afectados”, añade Marta Ramos.

Además de las complicaciones que pueden surgir a la hora de obtener la residencia lusa, algunos de los brasileños que ya están asentados en el país vecino puntualizan que la vida portuguesa no es utópica.Emmerson Pessoa, profesor universitario de Rondonha, está cursando un doctorado en Lisboa desde hace un año. El académico ya sufrió agresiones por ser gay en su estado natal -el más evangélico de Brasil-, y una compañera trans fue víctima de un ataque homófobo en el periodo postelectoral.

“La elección de Bolsonaro me ha hecho dudar si volver a Brasil cuando concluya mi tesis. Sé que retornar es peligroso, pero ahí tengo mi puesto en la universidad. Si me quedo en Lisboa, tendré que empezar de cero, sin nada”, reflexiona Emmerson Pessoa.

“Sigo la situación en Brasil muy de cerca y, en unos meses, decidiré si me quedo o me voy. Cuando mis amigos me escriben desde ahí, preguntando cómo emigrar. Les cuento que las dos decisiones conllevan riesgos. Portugal es un puerto seguro, pero no es una panacea, y el exilio puede ser muy duro”, concluye este profesor universitario.

(OBS) Da central nuclear ao esconderijo no armário: as suspeitas que puseram Michel Temer na prisão

(OBS)

Temer é acusado de liderar uma “gigantesca organização criminosa” durante quase 40 anos. Em causa estão contratos conseguidos para um grande amigo. Uma pista fundamental estava escondida num armário.Partilhe

Esta quinta-feira, no conforto da sua casa em São Paulo, Michel Temer olhou para a rua e não percebeu muito bem o que estava a acontecer. “Porque é que estão tantos jornalistas na porta da minha casa?”perguntou, pelo telefone, a um dos seus assessores.

Afinal de contas, Temer — homem que foi vice-Presidente do Brasil entre 2011 e 2016, passando depois para o cargo de Presidente até ao final de 2018 — é, desde o início do ano, um cidadão comum. Um homem que, depois de uma longa vida de trabalho, se entregou aos prazeres do repouso na avançada idade de 78 anos, a caminho dos 79, já no próximo mês de setembro.

Tudo isso, porém, ruiu em pouco tempo. Do outro lado da linha, conta a jornalista Daniela Lima, da Folha de S. Paulo, o assessor disse-lhe que corria “um boato na imprensa” de que pendia um mandado de prisão preventiva contra ele.

“Uma brutalidade”, respondeu Michel Temer.

Não se sabe ao certo o que se passou nos momentos seguintes. Apenas que, minutos depois, já Temer estava no banco de trás de um carro descaracterizado da Polícia Federal. Vestido de fato cinzento e gravata lilás, o ex-Presidente foi encaminhado para o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, para dali voar para o Rio de Janeiro.

Michel Temer foi detido esta quinta-feira em São Paulo, pela manhã. Depois, foi levado para o Rio de Janeiro, onde ficará em prisão preventiva (NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

Será naquele estado que Michel Temer ficará em prisão preventiva nos próximos tempos — possivelmente, será ali que soprará as velas do bolo do seu 79º aniversário.

Mas porquê? Porque, de acordo com o juiz Marcelo da Costa Bretas, da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, Michel Temer foi durante vários anos “o líder [de uma] organização criminosa” e principal beneficiário de uma alegada rede de corrupção que remonta à década de 1980 e que terá tido o pico da sua atividade quando ele era vice-Presidente e Presidente.

Uma grande amizade com grandes lucros

Da mesma forma que quem precisa de ser operado ao coração não chama um massagista, quem quer fazer uma obra numa central nuclear não chama uma empresa de construção sem qualquer experiência no ramo para ajudar na obra. Mas, de acordo com o despacho do juiz Marcelo da Costa Bretas, foi precisamente isso que Michel Temer terá conseguido para a empresa de engenharia civil e arquitetura Argeplan, do seu amigo e colaborador de longa data João Baptista Lima Filho — mais conhecido por Coronel Lima.

Para chegar à central nuclear de Angra 3, situada na cidade de Angra dos Reis, é preciso, porém, passar primeiro pelo estado de São Paulo e rodar a máquina do tempo quase 40 anos para trás.

A relação entre os dois homens, que o juiz — que baseia as suas conclusões na delação premiada do construtor José Antunes Sobrinho, dono da empreiteira Engevix e anteriormente condenado a 21 anos e 10 meses de prisão — descreve como sendo de “amizade” e “proximidade”, remonta à década de 1980. Em 1984, Michel Temer assumiu um dos seus primeiros cargos políticos, três anos depois de se ter filiado no PMDB: secretário de Segurança Pública de São Paulo. Foi nessa altura que chamou o Coronel Lima para o seu lado, nomeando-o seu assessor militar. A partir de então, os dois homens terão passado a ser inseparáveis.

Até porque, aponta o juiz Marcelo da Costa Bretas, os interesses de um serviam o outro. Naquela altura, já o Coronel Lima era administrador da Argeplan. E, da parte de Michel Temer, havia obras a fazer. O ex-Presidente do Brasil teve duas passagens por aquele cargo em São Paulo: primeiro entre 1984 e 1986; depois entre 1992 e 1993. Terá sido no segundo período que os dois homens começaram a estreitar laços, aponta o juiz. Afinal, aponta no seu despacho, o número de contratos da Polícia Militar paulista com a Argeplan quadriplicou naqueles dois anos.

Dali, Michel Temer saltou para o cargo de deputado federal por São Paulo. Entrou na Congresso dos Deputados em 1994 e só saiu de lá em 2010, quando subiu ao cargo de vice-Presidente, ao lado da Presidente Dilma Rousseff, em 2011. Nesses anos, a relação entre o político em ascensão e o Coronel Lima voltou a estreitar-se.”As robustas provas de corroboração apresentadas pelo colaborador, bem como as diligências realizadas pela Polícia Federal a partir delas, demonstram que os representados, ocupando os mais altos cargos da República, atuaram de forma sofisticada e sistemática para obter vantagens indevidas em benefício próprio, em detrimento dos cofres públicos, em complexos esquemas de lavagem de dinheiro.”Despacho que sustenta a prisão preventiva de Michel Temer e outros suspeitos num alegado esquema de corrupção

A conclusão do magistrado aponta a dados desta investigação e de outras passadas. Nelas, foi encontrada na sede da Argeplan uma folha de pagamentos mensais, que recuavam até 1998, ao “escritório político MT”. Também foi encontrada, na casa do Coronel Lima, uma agenda telefónica de 2005, onde se lia, a páginas tantas, um número que remetia para o “Escritório Político Deputado Michel Temer”.

Nesses anos, Michel Temer não recorria ao Coronel Lima apenas para fazer as obras. De acordo com a acusação, o ex-Presidente via no seu amigo uma pessoa “apta a tratar de qualquer tema”. O amigo teria, inclusivamente, o cargo oficioso de “responsável financeiro pelo escritório político” de Michel Temer, tendo “carta branca para atuar em nome de Temer nas negociações ilícitas”.

No final, conclui o juiz, essa alegada parceria tinha o “único propósito” de “recolher parte dos valores pagos em contratos públicos e dividi-los entre os participantes do esquema”.

Ora, de acordo com o que está a investigar a Justiça brasileira, terá sido no negócio da concessão para uma obra na central nuclear Angra 3 que os dois homens levantaram a fasquia daquilo a que o juiz chamou de “gigantesca organização criminosa”.

Da estação de metro para a central nuclear

A Argeplan não tinha unhas para aquela guitarra. Foi essa a garantia do delator José Antunes Sobrinho, o dono da construtora Engevix, que foi, ele próprio, condenado a quase 22 anos de prisão após outra sentença da Operação Lava Jato.

Eis o que se lê no despacho divulgado esta quinta-feira: “Como afirma o colaborador José Antunes Sobrinho, a Argeplan não possuía qualificação técnica suficiente para participar do referido processo de licitação, pois a sua atuação empresarial limitava-se a obras de arquitetura em geral, como estações de metro, e não tinha em seu quadro de pessoal nenhum profissional com expertise em projetos da área nuclear”. E não era apenas uma questão de expertise — era também de dimensão.

Com um capital social de apenas 230 mil euros e só 30 funcionários a cargo (entre os quais dez motoristas), a Argeplan não parecia ser a empresa indicada para aquela obra. Entre quem teria mais vontade de que assim fosse, estariam Michel Temer e o Coronel Lima.

O concurso que levou a Argeplan a conseguir a obra na central nuclear de Angra 3 foi fechado em 2012 (VANDERLEI ALMEIDA/AFP/Getty Images)

Tudo começou com o concurso internacional para um projeto de construção na central nuclear Angra 3 e com um terceiro elemento com semelhante vontade. Era ele Othon Pinheiro, então presidente da Eletronuclear, a empresa pública brasileira para a energia nuclear. Quando chegou a altura de saber o vencedor do concurso, em 2012, figurava apenas um nome no edital: AF Consult. Trata-se de uma empresa especializada na construção especializada no setor nuclear, com origem na Finlândia, mas representação no Brasil. O projeto eletromecânico em mãos foi orçamentado em 163 milhões de reais — o que, ao câmbio atual, equivale a quase 38 milhões de euros.

Quando se viu com o projeto em mãos, a AF Consult tomou a decisão de subcontratar: 64,71% do negócio à Engevix (a tal construtora de José Antunes Sobrinho, o delator) e 15,29% à AF Consult do Brasil. E é aqui que, para o que interessa neste caso, as contas começam a entortar.

Isto porque a AF Consult Brasil tinha, àquela data, a mesma morada de uma outra empresa do Coronel Lima. Além disso, não possuía qualquer funcionário em 2013, um ano depois do fim do concurso internacional. E, cereja no topo do bolo, pouco antes de o concurso ter sido decidido, a AF Consult passou a contar com a Argeplan como parte da sua estrutura de sócios.A equipa da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro acredita que o Coronel Lima tinha carta branca de Michel Temer para liderar todos os negócios ilícitos em que terão estado envolvidos durante várias décadas. 

Com isto tudo, o que fez a AF Consult com os seus 15,29% do negócio? Destinou metade deles à Argeplan. Feitas as contas, a Argeplan não chegou a ter sequer com 8% do negócio. O problema, porém, é que não consta que tenha alguma vez passado dos 0% no que tocou ao trabalho.

De acordo com o delator, tudo isto só foi possível com a intervenção do Coronel Lima, que terá agido com o conhecimento de Michel Temer. De acordo com a delação de José Antunes Sobrinho, “as contratações na Eletronuclear com o favorecimento da pessoa jurídica da Argeplan, somente ocorreram porque [o Coronel] Lima possuía influência junto a Othon [Pinheiro, presidente da Eletronuclear]”. Esta influência terá passado até por chantagem, com o Coronel Lima a ameaçar, segundo a delação de José Antunes Sobrinho, Othon Pinheiro com a possibilidade de o seu amigo Michel Temer o afastar do cargo — ou, pelo menos, arranjar maneira para que isso acontecesse.

Aqueles 8% seriam, afinal, a forma de receber as alegadas luvas. Não é por acaso que os procuradores titulares do processo escrevem que o esquema que o ex-presidente do Brasil é suspeito de ter montado, é “muito mais sofisticado que os esquemas anteriores”, detetados na Lava Jato. Os magistrados não têm dúvidas: os alvos da operação desta quinta-feira, “ocupando os mais altos cargos da República, atuaram de forma sofisticada e sistemática para obter vantagens indevidas em benefício próprio, em detrimento dos cofres públicos, em complexos esquemas de lavagem de dinheiro”.

As obras na casa da filha e o esconderijo no armário

O juiz Marcelo da Costa Bretas e a equipa de procuradores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro acreditam que o dinheiro obtido no alegado esquema da central nuclear foi “dissimulado por meio de dois principais atos de lavagem”.

O primeiro, terá sido através de obras de renovação de uma casa de Maristela Temer, filha do ex-Presidente do Brasil. Para este esquema terão participado: o próprio Coronel Lima; o seu sócio na Argeplan, Carlos Alberto Costa; o filho deste, identificado como Carlos Alberto Costa Lima; e Maria Rita Fratezi, mulher do coronel.

Terá sido esta última a assumir a responsabilidade da suposta obra na casa da filha de Michel Temer. E é aqui que começa o “senão” deste capítulo, como explica o juiz. “O que gera curiosidade é a afirmação feita por ela em seu depoimento prestado à polícia, em 30 de março de 2018, ocasião em que afirmou não participar da gestão das empresas do marido João Baptista [Lima], ‘uma vez que se dedica exclusivamente às atividades do lar’”, lê-se no despacho.

A justiça acredita que Michel Temer está envolvido em esquemas com o Coronel Lima desde os anos 1980 (EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

Numa troca de mensagens entre as duas mulheres, obtida pela investigação, as duas deixaram claro que tanto Michel Temer como o Coronel Lima estariam a par do que ali se passavam.

Maria Rita Fratezi: “Olá Maristela te enviei por mail, os descontos da indusparquet. Bj. Rita.”
Maristela Temer: “Ok. Passo para o papai?”
Maria Rita Fratezi: “Passei os preços para João, que disse que vai aprovar com ele. Fica bem assim?”
Maristela Temer: “Claro! Obrigada.”

No final, foram entregues notas fiscais e recibos no valor de 1,27 milhões de reais — praticamente 295 mil euros, ao câmbio atual.

Mais elevados ainda são os valores das 58 transferências que foram feitas entre a conta da Construbase Engenharia e da PDA Projeto e Direção Arquitetônica. No total, foram transferidos, por meio de 58 transações, mais de 17 milhões de reais (quase 4 milhões de euros) entre 2010 e 2015 para as contas daquelas duas empresas.

Mas o que faziam estas empresas? Nada, pensa a investigação da Operação Lava Jato, que acredita tratarem-se somente de empresas fantasma utilizadas por Michel Temer e pelo Coronel Lima para lavarem o dinheiro da sua “gigantesca organização criminosa”.

A investigação chegou a este elemento em 2018, quando fez buscas à casa do Coronel Lima, onde os procuradores da Lava Jato procuraram em todos os cantos. E acabaram por encontrar uma série de documentos que detalhavam várias transferências ocorridas entre as duas empresas, entre 2002 e 2015, ultrapassando o valor de 8 milhões de reais (1,85 milhões de euros, hoje). Cada um desses papéis estava num esconderijo de difícil acesso na casa do Coronel Lima. Ou, mais precisamente, no seu armário.

(Reuters) Trump says strongly considering NATO membership for Brazil

(Reuters)

U.S. President Donald Trump welcomes Brazilian President Jair Bolsonaro to the White House in Washington, U.S., March 19, 2019. REUTERS/Carlos Barria

WASHINGTON (Reuters) – U.S. President Donald Trump said on Tuesday he was strongly considering NATO membership for Brazil as he welcomed Brazilian President Jair Bolsonaro to the White House.

“We’re going to look at that very very strongly in terms of – whether it’s NATO or it’s something having to do with alliance,” Trump told reporters, sitting next to Bolsonaro.

Trump also said he supported Brazil’s efforts to join the Organization for Economic Cooperation and Development (OECD), a club of the world’s advanced economies.

Brazil, the world’s eighth-largest economy, applied in 2017 to join the OECD, which has around three dozen members including Latin American countries Mexico, Chile and Colombia.

A senior member of Bolsonaro’s economic team said last week Brazil did not expect the U.S. government to announce support for its bid to join the OECD during Bolsonaro’s visit.

(ZH) Brazil Eyes $30 Billion Offshore Oil Boom

(ZH) Over the past few years, Brazil has held several very successful oil auctions under production-sharing contracts in its pre-salt layer, attracting major oil companies to its prized offshore oil area.

Now President-elect Jair Bolsonaro wants to open more of the pre-salt assets – an area currently exclusively in the hands of state oil firm Petrobras – to private investors, hoping to earn US$31 billion (120 billion Brazilian reais) that could help narrow Brazil’s massive budget deficit.

However, as Bolsonaro prepares to take office on January 1, 2019, his transition team may need to negotiate how different Brazilian states and municipalities could divide the revenues from the potential sale of stakes in more pre-salt fields to foreign oil firms. This uncertainty is not welcome news for Big Oil, which has expressed interest in the area that has been explored to some extent and proven to hold much more oil than initially thought.

The area at stake is the so-called ‘transfer of rights’ area, where Petrobras holds 100 percent of the rights to produce 5 billion barrels of oil. The state oil firm has explored the area and found that a lot more oil lies in this low-risk offshore zone. There are estimates that the ‘transfer of rights’ area could hold up to 15 billion barrels of oil in excess of the 5 billion barrels to which Petrobras is entitled to produce when the government transferred the area to the state firm in 2010.

Brazil has been looking to pass legislation to remove the obligation that only Petrobras can produce oil in the ‘transfer of rights’ area. Far-right President-elect Bolsonaro, who had supported state control over the oil assets in the past, now plans to sell oil and other energy assets and supports the bill to allow foreign participation in the currently Petrobras-only ‘transfer of rights’ area, Bolsonaro’s advisor Luciano de Castro told Bloomberg earlier this month.

But last week, the head of Brazil’s Senate Eunicio Oliveira put on hold a bill authorizing oil auctions in the zone, dealing a blow to the president-elect and potentially stalling the bill further. At a meeting with mayors on Friday, Oliveira said that the bill to authorize the sale of stakes in the ‘transfer of rights’ area to foreign firms would be approved if it guarantees that part of the revenues would go to states and municipalities.

Bolsonaro’s plan for the oil auction in this area hit a snag even before the President-elect takes office. Bolsonaro is the third Brazilian president looking to authorize sales to foreign firms in the ‘transfer of rights’ area. But his transition team will probably have to negotiate with various states and municipalities how future revenues would be divided, if the plan is to pass in Parliament.

In the past, Bolsonaro favored state control over energy assets, but he has changed his stance before the presidential election race and now he is lining up a pro-business team to lead the country and picked a privatization advocate, Roberto Castello Branco, to be Petrobras’s new chief executive officer.

If Bolsonaro and his team manage to push the ‘transfer of rights’ area bill through Brazilian politicians from all sides, the potential resources opening for Big Oil to bid are huge.

The area is low-risk—Petrobras has explored parts of it and has found much more oil than originally thought. According to UBS analyst Luiz Carvalho, projects in the area can be viable even if oil prices were to drop to $20 a barrel, Bloomberg quoted the analyst as saying at an event in Rio last week.

Brazil can become an even more attractive destination for Big Oil than it is now if it manages to remove regulatory and political hurdles to auctioning more of its coveted pre-salt oil fields.

P.O. (BBG) Bolsonaro’s Men in Brazil: A Look at His Inner Circle

P.O.
I have never been in my life not even close to what people call the far right.
But i will bet you that President elect Bolsonaro will do a much better job than generally expected.
Of course there will be some critics…
But when the drug lords efectivevely run the big cities nothing can be achieved without a heavy hand.
One thing is for sure…
Things could not continue as they where.
Please make some time and revisit my P.O. on Brazil.

Thank you for your patience.
Francisco (Abouaf) de Curiel Marques Pereira

(BBG – Click to see) Former Army Captain Jair Bolsonaro looks set to be elected Brazil’s President on Oct. 28, according to the latest polls. A backbencher in the lower house of Congress for nearly three decades, he steadily amassed a popular following with his tough talk on crime, corruption and communism, peppered with incendiary comments about women and minorities. Following the dramatic demise of much of Brazil’s political establishment, Bolsonaro almost won the presidency in the first round vote on Oct. 7. On his road to power he has assembled a mixed group of family, friends and generals.

 

(EUobserver) Why Brazil’s election matters to Brussels

(EUobserver) Why Brazil’s election matters to Brussels

  • Increased deforestation in the Amazon could undo the EU’s climate action (Photo: Neil Palmer (CIAT))

 

The election of the far-right presidential candidate Jair Bolsonaro in Brazil last month is not only of concern for the Brazilian population.

It could have profound consequences for Europeans as well.

  • Connie Hedegaard: ‘I think that all good forces should right now try to reach out and deliver the good arguments for Brazil’. (Photo: European Parliament)

Before being elected, Bolsonaro said he would take Brazil out of the climate agreement agreed in Paris in 2015, and that he would allow a sharp increase of logging in the Amazon tropical rainforest.

What’s more, he suggested that the trees, which currently soak up CO2, could be replaced by industry and beef farming.

As if it would not be bad enough to see the Amazon forest’s ability in neutralising man-made greenhouse gases challenged, it could thus be replaced by additional sources of these gases.

Bolsonaro has also suggested merging the agriculture and environment ministries.

Specialist news website Climate Home called Bolsonaro’s election “the environmental story of 2018”.

Ahead of the elections, some already signalled what his election could mean for the world.

“A potential Bolsonaro win would, without a doubt, make Brazil lose its leadership on the global climate agenda and become a huge obstacle for the global efforts to combat global warming,” Carlos Rittl told the New York Times.

Rittl leads a Brazilian organisation called Climate Observatory, which had looked at presidential candidates environmental views.

US climate activist Bill McKibben sent a sobering tweet after Bolsonaro’s victory.

“The new Brazilian president’s pledge to wreck the Amazon is a tragic reminder that environmentalists need to win a fight forever, while the other side only needs to win it once,” he said.

So what now?

How should Europe react to the potential threat to the world’s climate?

Former European Commissioner for climate action, Connie Hedegaard, said that Bolsonaro could still change his mind.

“We must see how he puts his government together,” Hedegaard told EUobserver in an interview in Brussels.

“I think it’s early days,” she said.

“I think that all good forces should right now try to reach out and deliver the good arguments for Brazil. In that sense I think the jury is still out,” said the Danish former commissioner.

“I have also noticed that Bolsonaro … is not as firm stating ‘we should withdraw’ as he was only some few weeks back. Let’s see if the good arguments can win here,” she noted.

As environment minister, Hedegaard prepared and hosted the United Nations climate change conference in 2009. From 2010 to 2014, she was the EU’s climate action commissioner.

Bolsonaro will officially take office on 1 January, which means it will still be the outgoing government that will represent Brazil next month at this year’s UN climate summit.

As Climate Home noted, Brazil was an important partner for the EU at the 2015 Paris conference, where the first-ever global climate treaty was signed.

This year’s climate summit will be held in Poland, in Katowice.

Environmentalists are keen to point out the discrepancy between Poland hosting the summit, while simultaneously still relying on coal, the dirtiest of fossil fuels, for its energy.

But just wait until next year.

In 2019, the UN climate summit, known as the Conference of Parties (COP), will be hosted by Brazil.

Hedegaard suggested that this may actually be a good thing for climate action.

“I mean, you cannot imagine that we have the COP in a place where they have decided to leave the [Paris] agreement,” she said.

“It would be extremely unfortunate if Brazil chose to leave, but I really believe it would also be unfortunate for Brazil itself,” she said.

Organising the climate conference may become a matter of prestige that defuses some of the more radical plans, Hedegaard suggested.

“Until … proven [otherwise], I think that common sense and the economic interest and the international reputation of Brazil will prevail here,” said Hedegaard.

Beyond diplomacy, the EU does have some sticks available.

Campaigner for the environmental group Fern Nicole Polsterer wrote in an opinion piece “the EU’s chief – and perhaps only – leverage, is trade”.

According to the European Commission, the EU accounts for 18.3 percent of Brazil’s total trade, making the bloc Brazil’s second-biggest trading partner. The EU is the biggest foreign investor in Brazil.

In 2017, 42 percent of all beef and live animals imported into the EU came from Brazil. In the first six months of 2018, the EU imported €284m worth of beef and veal from Brazil, ahead of Argentina (€212m) and Uruguay (€153m)

EU-Mercosur

Trade with Brazil is currently the subject of negotiations as part of a possible free trade deal between the EU and a regional trading bloc consisting of Argentina, Brazil, Paraguay, and Uruguay.

However, it is unclear when this EU-Mercosur trade deal will be wrapped up.

In September, the two sides met for the 35th round of talks in Montevideo.

A two-page report from the commission said “overall, the round only resulted in limited progress”.

(OBS) O melhor é mesmo dissolver o povo e eleger outro – José Manuel Fernandes

(OBS) Chegou o momento de assumir que há muito jornalismo e muito comentário emproado que partilha com as elites políticas o mesmo tipo de complexo de superioridade que tem aberto o caminho aos populistas.

Dissolver o povo e eleger outro? A pergunta fecha um poema sintomaticamente intitulado “A solução” escrito por Bertolt Brecht no ocaso da sua vida, quando a revolta dos trabalhadores alemães contra o “governo dos trabalhadores” em 1953, na Alemanha de Leste, e a brutal repressão que se seguiu, o deixou dilacerado e confuso. É natural que, nos dias que correm, muitos também andem dilacerados e confusos, mas a sugestão de Brecht não era para levar a sério – até porque era dirigida ao dito “governo dos trabalhadores”.

Em dias complexos e imprevisíveis a prudência recomenda antes a humildade, a inteligência obriga-nos a fugir das ideias feitas e o mínimo de sensatez leva-nos a desconfiar de respostas simples ou de visões conspirativas. Pelo que, mesmo não sendo eu daqueles que pensam que o povo nunca se engana, continuo a pensar que residindo a soberania no povo temos de respeitar a sua vontade. E que se esta porventura é esdrúxula, então temos de tratar de compreender como se chegou a esse ponto e, depois, como se inverte essa situação.

Naturalmente que tudo isto se torna mais difícil quando explicam todos os males do mundo como se estes fossem fruto de maquinações ocultas (“Há uma conspiração de extrema-direita a nível internacional, muitíssimo bem pensada, bem planeada e que vem sendo executada passo a passo”) e se acha que se pode desafiar a natureza das coisas, como se a lei da gravidade não se aplicasse de igual forma ao algodão e ao chumbo (“O Facebook e o WhatsApp servem-lhes tudo de bandeja e levam-lhes as ovelhas às mesas de voto, como cordeirinhos dóceis ao matadouro”).

Estas duas frases são de Miguel Sousa Tavares (MST) e de um texto cujo título, Calem-se: o povo é quem mais ordena, é em si mesmo o reflexo da tragédia de um jornalismo e um comentariato que tem preferido meter a cabeça na areia em vez de tentar perceber e, sobretudo, de reconhecer que algumas das chaves de leitura que antes ajudavam a perceber o mundo têm hoje menos validade. Ou não têm mesmo validade nenhuma.

Valerá a pena explicar que Steve Bannon (o estratega da campanha de Trump) não teve nada a ver com a campanha de Bolsonaro? Valerá a pena recordar que as redes sociais começaram por ser óptimas quando ajudaram a eleger Obama, quando alimentaram a campanha de Bernie Sanders ou quando desencadearam a “Primavera árabe”, e só passaram a ser o diabo depois de terem sido utilizadas por Trump e agora por Bolsonaro? Julgo que não, que seria chover no molhado, e por isso não vou perder tempo por aqui. Vou ao fundamental.

E o fundamental por hoje é o corte entre aqueles que se viam como as elites capazes de iluminarem o povo e o povo propriamente dito. Foi para esse corte que João Miguel Tavares alertou no artigo que tanto irritou MST, como foi sobre esse corte que também refletiu de forma muito ponderada Helena Garrido.

Sousa Tavares recorre a um filme, de resto magnífico, “Os Despojos do Dia”, para ilustrar a sua tese sobre o papel das elites. O exemplo é infeliz – trata-se de uma defesa do poder da aristocracia por contraponto ao poder do povo ignaro – e a citação ainda mais infeliz é, pois no filme o aristocrata não faz apenas uma pergunta ao mordomo (protagonizado por Anthony Hopkins), mas sim três, e nenhuma delas é, como pretende MST, sobre inflação (há uma que é sobre o padrão-ouro). Enfim, detalhes, que só cito para que não fique fora do contexto a frase com que remata o texto, e que remete para a incapacidade do mordomo responder à pergunta que lhe era feita: “Só falta querer retirar o direito de voto àqueles, como eu, que sabem o que é a inflação mas não frequentam redes sociais”.

Partamos do princípio que MST também sabe o que foi o padrão-ouro e passemos à segunda parte, ao orgulho de não frequentar as redes sociais. Ao nojo de sequer abordar o tema. Ao orgulho de proclamar que nunca ali se foi.

De novo fujo ao tema de fundo: este artigo não é sobre redes sociais. É sobre não querer compreender, é sobre não querer sair das suas certezas confortáveis, é sobre não querer sequer escutar. E por isso é tão significativo termos alguém que acha que pode fazer-se ouvir ignorando uma das principais ágoras da actualidade, precisamente as redes sociais. Pior: alguém que não quer saber o que aí se diz, o que aí se comenta, o que se passa nesses lugares que são parte daquilo que é o espaço público dos nossos dias. É caso mesmo para perguntar se MST sabe o que é o WhatsApp e se já percebeu porque foi que o chefe de gabinete de Azeredo Lopes usou esta rede social para lhe telefonar a dar conta da combinação para a devolução das armas de Tancos. E se já reparou que estamos a falar precisamente da mesma aplicação que no Brasil foi tão utilizada pelos adeptos de Bolsonaro.

Felizmente a maioria dos jornalistas sabe que tem de estar onde estão as pessoas, e por isso não ignoram as redes sociais. Mais difícil é, muitas vezes, saírem do seu casulo de ideias feitas, do seu círculo de amizades em que todos dizem o mesmo e pensam o mesmo, ou simplesmente terem capacidade para perceber que há um mundo diferente do seu e dos grupos de pressão que têm acesso privilegiado às redações.

Aquilo a que chamamos populismos tem muitas origens mas por regra um ponto comum: um discurso contra as elites no poder. Elites políticas, as mais visíveis. Elites económicas, as que mais facilmente se gosta de atacar. Mas também elites comunicacionais. E se muitos líderes populistas procuram apresentar-se como falando “em nome do povo”, seja lá o que isso for, a verdade é que exploraram a sua oportunidade, ocupando-se por regra de temas ignorados ou subvalorizados por essas mesmas elites. As políticas mas também as mediáticas.

Quando hoje constatamos que muitas pessoas têm como primeira porta de acesso à informação as redes sociais – quando não mesmo a única porta de acesso –, quando verificamos que isso acontece mais entre os mais novos, quando vemos o espaço mediático a pulverizar-se, jornais a desaparecerem, canais de televisão a perderem audiência, não podemos colocar todas as culpas nas novas tecnologias e em novos hábitos de consumo de informação. A verdade é mais dura – e a verdade é que o jornalismo mainstream também tem sido um dos derrotados em muitas das eleições e referendos dos últimos anos, e poucos estarão dispostos a admitir que também as suas estrelas mediáticas se fecharam em torres de marfim com pouco ou nenhum contacto com os problemas das pessoas comuns, quando não vivem centradas em agendas particulares ou em activismos de trazer na lapela. Mas essa é dura realidade.

Portugal, país pequeno em vários sentidos, suporta mal a diferença – e o jornalismo não escapa a essa regra. No caso da eleição brasileira o que havia a fazer era tudo o que fosse possível para denunciar, ridicularizar, encurralar, se possível derrotar o candidato “fascista” Jair Bolsonaro, numa cacofonia de que era proibido sair. Pior: fora deste quadro tudo o que fosse procurar perceber o que conduzira o Brasil à escolha entre dois males maiores não importava – era colaboracionismo. E foi com esta narrativa no subconsciente que se fez a maior parte da cobertura da campanha na maioria dos órgãos de informação, com raras e honrosas excepções. Os prevaricadores foram levados para o pelourinho dos fazedores da opinião dominante, e naturalmente que trataram de lá colocar o Observador. Os leitores fizeram o contrário: em Outubro o Observador teve o melhor mês de sempre em número de leitores e número de sessões.

De resto, faço só uma pergunta: quantos jornalistas já experimentaram falar com os brasileiros que vivem em Portugal e que, de forma esmagadora (cerca de dois terços), votaram em Bolsonaro? Já experimentaram perguntar-lhes o que acharam de muito do trabalho das nossas televisões? Garanto que seria instrutivo.

O que me faz regressar ao ponto de partida. Se não pretendo dissolver o povo, muito menos eleger outro, então tenho de o entender. Tenho de frequentar os mesmos locais que ele frequenta – físicos e virtuais. É que nada terei a dizer de útil se não entender porque é que alguns eleitores votam contra aquilo que penso serem os seus melhores interesses. Os deles e os da democracia.

(PUB) O povo é fascista… – Maria Fátima Bonifácio

(PUB) A esquerda, não só radical, não percebe nada do que se está a passar no Mundo. Mais: recusa-se a perceber.

55% dos eleitores brasileiros optaram e votaram pelo “fascismo”, no pobre e primitivo entender da esquerda radical. O líder-sombra do BE, na televisão, ainda insinuou que os votantes em Bolsonaro eram a classe média e daí para cima! É extraordinário como mentes brilhantes se enganam a si mesmas tão facilmente! É extraordinário como o sectarismo pode cegar mais do que a real doença da cegueira! A esquerda, não só radical, não percebe nada do que se está a passar no Mundo. Mais: recusa-se a perceber.

Compreende-se: se aceitasse perceber, estaria a reconhecer que todas as suas categorias de análise política e histórica tinham ido barra fora, engolidas, mais ao largo, pela voracidade destrutiva das ondas marítimas; o mundo de hoje é um mar furiosamente encapelado. Essas categorias analíticas estão tão velhas e imprestáveis que, se abaladas, provocariam a derrocada de toda a Utopia socialista-comunista. Quantas vidas a ela honestamente dedicadas não mergulhariam na mais frustrante das desilusões, de quantos sonhos esfarrapados se não teceriam os lençóis que tapam os caixões! E, sobretudo, a que margens, a que praias arribariam os náufragos fugidos do navio em lento mas inexorável afundamento? A que ramagens, a que galhos se agarrariam? O navio afundado deixaria um imenso orfanato, atulhado de gente desempregada ante a derrocada do monopólio de tudo quanto beneficiava à conta da suposta superioridade moral que a si mesma se atribuía.

Em vários países e continentes, os pobres e remediados parece que decidiram não mais servirem de trunfo para os que em nome deles falam, mas que não falam com eles. Nem falam, nem ouvem. Basta-lhes o catecismo revolucionário. O que acontece hoje em dia é que em vários países e continentes esse catecismo caducou.

O Brasil democrático sempre foi corrupto. Mas o PT alterou as regras do regime de corrupção – porque as havia – tornando esta incontrolável quer do ponto de vista do volume de dinheiro que habitualmente circulava, quer do ponto de vista do número, da rede tentacular em que todos os políticos se vieram a encontrar enrolados. A grande corrupção não era nova. Nova foi a amplitude que ela ganhou, e que coincidiu com a chegada do PT ao poder.

Esta coincidência não passou desapercebida aos brasileiros, que se cansaram de desculpar a esquerda, democrática e soi-disant popular, amiga dos pobres mas… ainda muito mais amiga de si mesma! O PT foi tão longe nesta deriva de mentira e ladroagem que o povo se fartou: o pêtismo tornou-se, simbólica e realmente, na incarnação da ladroeira, e da hipocrisia – sim, da hipocrisia: em nome do povo, dirigido por um ex-metalúrgico, transformou-se numa máquina de rapina generalizada, corroeu e corrompeu, como ninguém até ali conseguira, os alicerces morais da nação.

Ninguém – muito menos eu – sabe ao certo o que é, quem é e ao que vem Bolsonaro. Mas a maioria dos brasileiros sabia uma coisa: ele não vinha dos subterrâneos do pêtismo. Virá de outros, possivelmente piores, mas não destes, pouco importa para a maioria dos brasileiros. O voto não veio, como aliás quase nunca veio em parte alguma, da luta de classes: veio da repugnância pelo desbragamento pêtista e do desejo de lhe dizer – “Basta!”

O PT corrompeu toda a gente e pôs toda a gente a corromper toda a gente. Cá de baixo, do fundo da sua miséria, os pobres; e, do fundo da sua mediania, os remediados e a gente de bem, que a há em todas as classes, perceberam que não havia alternativa dentro do PT ou com a mais remota colaboração do PT. Bolsonaro era um radical anti-PT; radical, violento, primitivo, brutal, deseducado. Muito em consonância com o povo, portanto, e nada em consonância com os professores da Universidade de São Paulo ou com os letristas das maravilhosas canções brasileiras. O povo votou à bruta, mas não com mais bruteza do que a bruteza investida por toda a classe política no saque da riqueza pública brasileira.

A esquerda não gosta deste povo assim? Como disse Bertolt Brecht, em ano que não sei precisar, mude-se de povo, arranje-se um povo à medida dos seus dirigentes, que lhes seja de feição. A solução exterminadora dos comunistas e dos verdadeiros fascistas, um exemplo histórico e concreto, é uma alternativa aprazível.

Já agora: quem se lembra ainda do martírio da Venezuela, que vai morrendo às mãos de um psicopata de esquerda e seus sequazes regiamente pagos pela Goldman Sachs?

(JE) O Brasil em Portugal – João Marcelino 

(JESaio das eleições brasileiras com medo da sociedade portuguesa, da falta de capacidade e bom senso de muitos dos decisores que alimentamos.

As eleições no Brasil permitiram uma excelente radiografia do espaço público português. À direita e à esquerda, mas sobretudo à esquerda. Na política e na comunicação social. Nos palácios e nas ruas. Nos meios tradicionais e nos novos media. Foi um período revelador.

Tudo começou com a tentativa de santificação de Lula. Em julho, o homem era um perseguido político, não um corrupto condenado. No auge do delírio, 22 deputados portugueses, a quem nunca se ouviu um discurso anticorrupção, decidiram escrever uma carta apelando à libertação do ex-presidente brasileiro que, rezava a lengalenga, tirara da pobreza (e da insegurança, esqueceram-se de acrescentar) milhões de compatriotas. Uma corja de ingratos, sabe-se agora, capazes de votar num “fascista”.

Mais tarde, já o ‘perigo’ Jair Bolsonaro tinha sido interiorizado, a telenovela prosseguiu com uma foto de 18 deputadas em manifestação de género: “Ele não”.

Um dia, para desilusão pessoal, a coisa chegou mesmo a Belém, onde Marcelo Rebelo de Sousa acordou com “notícias desagradáveis”. Sim, o mesmo Presidente da República que se quis despedir de Fidel Castro e se senta ao lado de Obiang na CPLP.

Entretanto, começaram os concursos de antifascismo. Em artigos e declarações sucessivamente mais pungentes, figuras destacadas da piolhice nacional, imunes à tragédia venezuelana, decretavam como o Brasil entraria numa longa noite caso Bolsonaro viesse a ser eleito.

O jornalismo, salvo raríssimas excepões, associou-se à histeria. O tema tornou-se quase único. Nas redes sociais, órfãos da FarmVille, malta sem habilidade para os eSports e muitos exibicionistas exauridos de novidades para partilhar sobre a vida feliz e fantástica que levam, escolheram a equipa para defrontar o ‘inimigo’. É desta fase a minha coleção de screenshots assinados por pataratas conhecidas e conhecidos. Um passatempo para memória futura.

Estamos agora na fase em que a direita portuguesa, eufórica, aguarda um milagre na capacidade intelectual de Bolsonaro e a esquerda, para além de surpreendentes erupções xenófobas contra brasileiros a trabalharem em Portugal, decreta que “a luta continua”, processo em que os nossos revolucionários não são capazes de colocar nem a humildade nem a simplicidade dialética de José Mujica.

Saio das eleições brasileiras com medo da sociedade portuguesa, da falta de capacidade e bom senso de muitos dos decisores que alimentamos; desta gente que parece ter desligado o cérebro depois do golpe de Estado de 25 de Abril de 1974 e aí acampado para sempre, entre ódios e preconceitos, fechando os olhos à corrupção da respetiva família político-partidária. Já nem a extrema-esquerda, anestesiada pela geringonça, lê sequer Hervé Kempf, o que daria pistas inteligentes para combater Bolsonaro, principalmente na sua perigosa visão de “desenvolvimento” à custa da sustentabilidade ambiental e da ameaça à floresta da Amazónia. Democracia e ecologia são hoje inseparáveis.

Confesso que também me lembrei de Kempf, e da sua teoria da deriva ocidental do capitalismo para a oligarquia, formada por partidos, famílias e seitas, na qual a finança vai colocando os políticos por conta, a propósito do novo cargo de Marques Mendes, na assembleia-geral da CGD-Angola. Visto por vários ângulos, o país não anda nada bem.

(AFP) Brazil’s Bolsonaro wants to move Israel embassy to Jerusalem: report

(AFP)

© AFP | A picture taken on October 28, 2018 shows the Israeli and Brazilian flags flying outside the Brazilian embassy in Tel Aviv
JERUSALEM (AFP) – Brazil’s president-elect Jair Bolsonaro has told an Israeli newspaper he intends to defy the Palestinians and most of the world by moving his country’s embassy from Tel Aviv to Jerusalem.

Brazil would become the second major country after the United States to do so.

Asked in an interview with Israel Hayom published Thursday if he would move Brazil’s embassy, as he had indicated during his campaign, Bolsonaro said Israel should decide where its capital is located.

“When I was asked during the campaign if I’d do it when I became president, I said ‘yes, the one who decides on the capital of Israel is you, not other nations’,” he told the paper, which is a firm backer of Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu.

Israel considers the entire city its capital, while the Palestinians see east Jerusalem as the capital of their future state, with international consensus being that the status of the whole city must be negotiated between the two sides.

Israel occupied east Jerusalem in the 1967 Six-Day War and later annexed it in a move never recognised by the international community.

In December, President Donald Trump reversed longstanding US policy and recognised Jerusalem as the capital of Israel, prompting Palestinian president Mahmud Abbas to boycott his administration.

The embassy was officially transferred on May 14, with Guatemala and Paraguay following suit, though the latter announced last month it would return its embassy to Tel Aviv.

Bolsonaro, 63, who won a run-off election on Sunday, has outraged many with his overtly misogynistic, homophobic and racist rhetoric.

Following his victory, Netanyahu told Bolsonaro he was certain his election “will lead to a great friendship between our peoples and the tightening of links between Brazil and Israel.”

An official in Netanyahu’s office told AFP the Israeli premier was “very likely” to attend Bolsonaro’s inauguration ceremony in January.

(OBS) Um “Chicago boy”, ultra-liberal e defensor do Estado mínimo. Paulo Guedes será o super-ministro de Bolsonaro para fazer crescer a economia 

(OBS) Um “Chicago boy”, ultra-liberal e defensor de um Estado mínimo, Paulo Guedes é o “super-ministro” em quem Bolsonaro confia para compensar o seu conhecimento “superficial” sobre economia.

Jair Bolsonaro, o presidente-eleito no Brasil, não tem, propriamente, fama de ser um reformista e alguém disposto a dar à economia brasileira a “sacudidela das ordenações joaninas” que Joaquim Levy disse em 2013 que o país há muito necessita. Joaquim Levy, então líder do banco de investimento do Bradesco, viria a tornar-se ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, em 2015, mas não se aguentou no cargo mais do que 11 meses porque não teve no governo de Dilma condições para fazer o tipo de política que a sua alcunha sugeria: “Joaquim, o Mãos de Tesoura“.

Três anos depois, porém, a eleição de Jair Bolsonaro deu um novo impulso de confiança aos investidores externos de que, desta vez, as coisas podem ser diferentes – não graças a Bolsonaro, que reconheceu não ter mais do que uma “compreensão superficial” sobre a ciência económica e seus derivados, mas à conta de outro doutorado pela Universidade de Chicago, nos EUA: Paulo Guedes, o provável ministro na administração Bolsonaro. Quem é e o que é que tem Paulo Guedes (e que faz subir a bolsa brasileira)?

Em poucas palavras, “Guedes é o garante da alegada conversão de Bolsonaro ao liberalismo económico”, comentou Ricardo Lacerda, presidente de uma pequena casa de investimento em São Paulo, a BR Partners, citado pela agência Bloomberg. Assumindo que Paulo Guedes passará, como tudo indica, de guru económico de Bolsonaro para seu ministro da Fazenda, o especialista acrescenta que “se, por alguma razão ele vier a sair do governo, haverá um terramoto nos mercados”.

A bolsa de São Paulo subiu mais de 20% desde junho, escalando à medida que Bolsonaro subia nas sondagens, e fixou novos máximos históricos na segunda-feira. No final da sessão de segunda-feira, a bolsa acabaria por fechar em queda, no que os analistas viram um claro exemplo de um dos principais adágios dos mercados financeiros: “Comprar com a expectativa e vender com a confirmação”. A confiança dos investidores internacionais é tal que, nos últimos dias, o suíço UBS admitiu que a vitória de Bolsonaro poderia fazer a bolsa brasileira subir quase 40% até ao final do ano, isto se o governo mostrar que está disposto a cumprir a agenda reformista que prometeu durante a campanha.

Mas no centro de tudo não está o magro programa eleitoral de Bolsonaro para a área económica — o que está no centro de tudo é Paulo Guedes: um analista citado pela Bloomberg admite que, se o ultra-liberal Guedes fosse afastado, as perdas seriam, basicamente, simétricas: a bolsa poderia perder até 40%, quase metade do seu valor atual. Essa simetria ajuda a perceber porque é que Guedes é considerado, pelo próprio Jair Messias Bolsonaro, “uma aquisição que agradeço a Deus“.

Um ultra-liberal que será “super-ministro” de Bolsonaro

Segundo noticiou a Valor Econômico, citando pessoas que colaboraram com o provável ministro da Fazenda na elaboração do programa económico, Jair Bolsonaro deverá reunir-se esta terça-feira com Paulo Guedes para começar a definir a equipa económica e acertar os planos políticos para o governo. De acordo com essas fontes, uma das principais medidas macroeconómicas que Guedes tem na calha é reduzir o nível de reservas brasileiras de moeda internacional, no fundo vendendo-as no mercado para usar o encaixe para amortizar dívida pública e, assim, poupar na despesa com juros da dívida.

Já esta terça-feira, porém, o economista desmentiu a intenção de recorrer às reservas internacionais do país, a não ser no caso de um “ataque especulativo” que fizesse o dólar atingir o patamar de cinco reais [atualmente está em 3,71 reais].

O Globo também publicou, nesta terça-feira, informações sem fonte identificada que indicam que Paulo Guedes terá como prioridade garantir a independência do banco central, o que deverá passar por um convite a que Ilan Goldfajn continue no cargo pelo menos mais dois anos. Para os investidores internacionais, esse é um sinal crucial, dada a história do Brasil e o facto de ser um mercado emergente em estado de emergência — um banco central independente é garantia de que a política monetária não será feita às ordens do poder político, potencialmente gerando inflação e penalizando os investimentos de quem decidir fazê-los.

As mesmas fontes, citadas pelo Globo, indicaram que no governo de Bolsonaro deixará de haver um Ministério para a Indústria e Comércio, passando essa área a ser uma secretaria de Estado inserida no Ministério da Fazenda — ou seja, fazendo de Paulo Guedes um “super-ministro” no governo de Bolsonaro, encarregue de tirar o país da dolorosa recessão económica que se arrasta há dois anos e reduzir a dívida que passou de 58% do PIB para mais de 77% (e, segundo o Banco Mundial, chegará a uns catastróficos 140% do PIB em 2023 se nada for feito).

Paulo Guedes será o “super-ministro” no governo de Bolsonaro, encarregue de tirar o país da dolorosa recessão económica que se arrasta há dois anos e reduzir a dívida que passou de 58% do PIB para mais de 77% (e, segundo o Banco Mundial, chegará a uns catastróficos 140% do PIB em 2023 se nada for feito).

Outra prioridade de Guedes será a reforma da chamada Previdência, isto é, a Segurança Social, substituindo gradualmente o sistema de “caixa de previdência” por um regime de capitalização e planos privados. Controlar os gastos públicos é uma necessidade para o país, atirou o responsável. Uma economia aberta, impostos baixos e uma estrutura fiscal simples são as outras chaves de uma ortodoxia que, à primeira vista, parece chocar com o protecionismo professado por um Jair Bolsonaro que, a certa altura, defendeu — usando uma figura de estilo, presumivelmente — que quem privatizou a mineira Vale devia ser executado.

Bolsonaro percebeu, desde cedo, que o discurso de Guedes poderia ser um trunfo decisivo para atrair investimento estrangeiro que será crucial para tirar o país da recessão. Mas como se casa o aparente choque ideológico entre o liberalismo de Guedes e o protecionismo idealizado por Bolsonaro? “Ouça, na verdade, não entendo de economia”, disse Bolsonaro numa entrevista ao Globo complementada com uma outra declaração de Paulo Guedes: “a última que disse que entendia [de economia] foi Dilma [Rousseff], e afundou o país”.

Sobre a base da política económica, os dois parecem estar de acordo: “o programa económico tem um diagnóstico claro. O Brasil teve 30 anos de expansão de gastos públicos, descontrolados”, afirmou Paulo Guedes, entrevistado ainda no domingo das eleições. “Primeiro grande item (dos gastos públicos) é a Previdência. Precisamos de uma reforma da Previdência”, disse o economista. Para reduzir a despesa com juros, a estratégia é “acelerar as privatizações” e, para combater o terceiro “item” dos gastos públicos, os gastos com a máquina pública, a estratégia é fazer uma reforma do Estado.

“Vamos simplificar e reduzir impostos, vamos eliminar encargos e impostos trabalhistas sobre a folha de pagamentos, para gerar em dois ou três anos 10 milhões de empregos novos. Vamos regulamentar corretamente, fazer os marcos regulatórios para investimentos na área de infraestrutura”, afirmou Guedes, não excluindo a intenção de levar o Brasil para um défice “zero” nas contas públicas a breve trecho.

Um “Chicago boy” com vários negócios sob suspeita

Paulo Guedes será “super-ministro” mas, nas palavras do próprio, começou por ser “um menino de classe média baixa lutando para viver, subindo na base do estudo, ganhando bolsa de estudo”. Nascido em 1949, formou-se no início dos anos 1970 pela Faculdade de Ciências Económicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), uma frequência que não deixou grandes marcas nem memórias aos seus professores e colegas, ouvidos pela BBC News Brasil.

Em 1974 tinha 25 anos, já era casado e, depois de tirar um mestrado em Economia pela Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, Guedes candidatou-se a doutoramento na Universidade de Chicago, nos EUA, a faculdade fundada por Rockefeller e onde se respirava liberalismo económico e onde as teorias de intervencionismo estatal de John Maynard Keynes encontravam terreno pouco fértil — era onde Milton Friedman, por exemplo, dava aulas.

Tornou-se um “Chicago boy” que, uma vez regressado ao Brasil, não teve uma adaptação fácil ao mundo académico num contexto bem diferente de onde tinha obtido o doutoramento. Acabou por ter uma experiência a dar aulas na Universidade do Chile, convivendo de perto com os economistas e académicos que ajudavam Augusto Pinochet a cumprir o seu programa económico. Paulo Guedes regressaria ao Brasil e ao Rio de Janeiro depois de a polícia militar ter feito buscas no seu apartamento.

Voltou ao Brasil mas virou-se mais para o mundo financeiro, numa primeira fase como principal responsável pela estratégia de investimento do Banco Pactual, do qual foi co-fundador. Mas manteve-se próximo da política, chegando a coordenar o plano económico do candidato presidencial Guilherme Afif Domingos, que acabaria esmagado na votação de 1989, entre Fernando Collor de Mello e Lula da Silva (na sua primeira candidatura à presidência).

Depois dessa experiência, concentrou-se na área financeira, fundando uma gestora de investimentos — o Bozano Investimentos — no Rio de Janeiro. Foi durante esses anos que a sua atuação foi investigada pelas autoridades: suspeitas de gestão fraudulenta, crimes de mercado e, mais recentemente, uma investigação por suspeita de desvio de fundos públicos em cooperação com políticos do PT — tudo suspeitas que Paulo Guedes nega categoricamente.

Paulo Guedes nunca deixou de ser uma figura reconhecida nos círculos económicos, também pelo facto de ser colunista do Globo e por ter uma presença regular em debates e conferências. Numa delas, com Alan Greenspan, ex-presidente da Reserva Federal dos EUA, na plateia, Guedes acusou o banco central norte-americano de ser um “criador de bolhas em série” — e Greenspan, em especial, devido à sua política de juros baixos, era alguém que “colocava em risco toda a civilização ocidental”.

O seu confronto mais mediático, porém, foi com o economista francês Thomas Piketty, que em 2014 publicou uma obra — o Capital no Século XXI — que se tornou um dos livros de economia mais importantes da década e onde se sugeria que é necessário tributar mais os ricos e as heranças para deter o aprofundamento inexorável das desigualdades económicas. Segundo a história contada num perfil feito pela Piauí, Guedes criticou frontalmente as teorias de Piketty, lembrando que “os chineses antes trabalhavam 20 horas para ganhar 0,03 dólares por dia, agora trabalham as mesmas 20 horas para ganhar 1 dólar”, isto é, que foi o capitalismo chinês que elevou a riqueza daquela população. “Já os europeus, esses, não gostam de trabalhar tanto porque são pós-modernos”, atirou.

Este é o tipo de auto-confiança pouco dada a diplomacias que Guedes leva para o governo de outro homem que também não só não foge a polémicas como se alimenta delas: Bolsonaro. Tanto que o que gera alguma desconfiança entre os investidores é sobre a real capacidade de os dois trabalharem bem em conjunto, a prazo, duas personalidades fortes e com ideias fixas. No mês passado já se viu que a sintonia entre os dois está longe de ser perfeita: Guedes disse publicamente que no Brasil poderia ser introduzido um imposto sobre as transações financeiras (excluindo as bolsistas), substituindo outras cinco taxas.

Os empresários não gostaram de ouvir e o apoio a Bolsonaro tremeu, até que o capitão reformado deixou claro: “o presidente serei eu. Tratei desse assunto com ele. Ele falou que foi um engano, um ato falhado. O que ele quer é diminuir os impostos”. “Teremos um ministro, sim, mas, acima dele, tem um comandante e esse comandante chama-se Jair Bolsonaro”, afirmou o então candidato presidencial numa entrevista a uma rádio de Pernambuco.

(LeTemps) Jean-Yves Carfantan: «Le véritable objectif de Jair Bolsonaro, c’est la relance de l’industrie de l’armement»

(LeTemps) Le nouveau président brésilien s’est entouré de Chicago Boys, mais c’est aux puissants lobbies économiques et militaires qu’il doit allégeance. Pour l’économiste Jean-Yves Carfantan, une partie de l’armée cherche à retrouver son poids économique sur le pays

Elu dimanche à la présidence du Brésil, Jair Bolsonaro admet lui-même ne rien connaître à l’économie. S’il s’est entouré d’académiciens proches de l’Ecole libérale de Chicago comme Paulo Guedes, la réalité politique devrait vite limiter ses ambitions réformistes, estime Jean-Yves Carfantan, économiste installé au Brésil depuis plus de trente ans et auteur du livre Brésil, les illusions perdues (Ed. François Bourin, 2018).

Le Temps: L’avènement de Jair Bolsonaro est-il autre chose que le constat de l’échec du Parti des travailleurs au pouvoir pendant treize ans?

Jean-Yves Carfantan: C’est l’une des composantes principales. Mais ce rejet des forces politiques se produit tous les dix ans au Brésil. C’est l’apanage des jeunes démocraties. En 2003, les gens ont davantage voté contre les élites que pour Lula. Aujourd’hui, on est tombé sur ce type: Jair Bolsonaro, un député insignifiant pendant vingt-six ans. Auparavant, en trente ans de carrière à l’armée, il n’a atteint que le grade de capitaine. La balance commerciale, les taux de change: c’est du latin pour lui. A côté de Jair Bolsonaro, Donald Trump passe pour un intellectuel.

Il s’est lui-même converti au néolibéralisme après avoir passé vingt-six ans à défendre les intérêts de sa corporation…

Des forces s’opposent autour de Jair Bolsonaro, celle des économistes académiciens et celle des grands lobbies économiques ou militaires. On ne sait pas encore clairement qui pourra s’imposer, mais les militaires occuperont un rôle central. On a beaucoup parlé de la libéralisation du port d’armes durant la campagne, mais le véritable objectif, c’est la relance de l’industrie de l’armement. Les actions de la société Forjas Taurus ont d’ailleurs bondi après l’élection présidentielle. Mais au-delà du marché intérieur, Jair Bolsonaro veut convertir le Brésil en fournisseur d’armes pour tout le sous-continent.

Craignez-vous l’instauration d’un modèle égyptien avec des militaires contrôlant de larges portions de l’économie?

C’est une crainte partagée ici. Certains militaires pensent en effet qu’il est temps de récupérer de l’influence dans la vie économique. Or, ils en ont été absents pendant trente-quatre ans et n’ont aucune idée de comment fonctionne le monde moderne. Le seul consensus qui existe parmi les trois armes, c’est la lutte contre la délinquance et l’économie parallèle de la drogue. Le Brésil perd des territoires depuis quinze ans. L’Etat ne contrôle plus du tout certaines périphéries urbaines qui comptent des taux de mortalité plus élevés qu’en Syrie. Pour tout militaire de carrière, c’est inacceptable.

On parle de concentrer les Ministères de l’économie, des finances et du commerce et de les placer sous la tutelle d’un super-ministre. Jusqu’où peut aller cette concentration des pouvoirs?

Ce sont des discours de campagne. Trop de gens ont soutenu Jair Bolsonaro et veulent garder leur propre guichet comme le secteur industriel. Il ne faut pas regarder le Brésil avec des lunettes des années 1960. Nous n’allons pas vers un Etat fasciste car le pays conserve des institutions qui fonctionnent et agissent comme contre-pouvoirs. Jair Bolsonaro est un danger pour la gouvernance, pas pour la démocratie.

Une privatisation de Petrobras est-elle crédible?

Elle est impraticable car Petrobras est un monopole. Il faudrait d’abord créer une situation de concurrence, mais là encore trop d’intérêts sont en jeu. Ce sont des académiciens comme Paulo Guedes, qui ne connaissent pas grand-chose à la politique, qui ont mentionné ces privatisations. Jair Bolsonaro n’a pas l’ambition de faire des réformes qui s’avéreraient douloureuses. Il faudrait toucher aux retraites des militaires. Ou mettre fin aux taux d’intérêt bonifiés qui bénéficient tant à l’agriculture. Je m’attends à de petites mesures destinées à rassurer les marchés sur les six premiers mois de mandat. Pour le reste, le nouveau président fera son cinéma en sortant les militaires dans la rue. Sans rien changer aux problèmes de fond.

Vous mentionnez les lobbies agricoles et pétroliers. N’y a-t-il pas une volonté de diversifier une économie par trop dépendante aux matières premières?

Encore faudrait-il pouvoir investir. Le Brésil consacre 1% de son PIB aux investissements publics: c’est à peine suffisant pour maintenir le réseau routier. L’état des infrastructures est un frein aux investissements. Le tissu industriel s’affaiblit depuis quinze ans, face à la rigidité salariale et au protectionnisme qui privilégie des produits nationaux peu compétitifs. En réalité, le revenu moyen au Brésil a toujours suivi le cours des matières premières. Quelques années d’envolée et c’est une chute brutale qui s’ensuit. Ici, ce phénomène s’appelle «le vol de poule».

(BBG) Brazil Super Minister Shoulders Weight of Bolsonaro Economy

(BBG) Paulo Guedes once told a gathering of finance-industry elite that the Federal Reserve was a “serial bubble-maker” and Alan Greenspan was “jeopardizing Western civilization.” Thinking back on the event years later, he called his comments about the former Fed chairman, who was sitting in the audience at the time, “incisive and objective.”

That’s the kind of unwavering self-confidence Guedes will bring with him when he takes over Jan. 1 as a “Super Minister” and the top financial adviser to Brazil President-elect Jair Bolsonaro, who won a decisive victory on Sunday. But it’s also the trait critics say borders on arrogance, which could be an obstacle to implementing an economic agenda that’s riding mostly on his shoulders.

Guedes’s impatience with others’ points of view was on display Sunday after the victory in his first face-off with reporters. Pressed repeatedly by an Argentine journalist about plans for a regional trade bloc, he lost his composure, then was unapologetic:

“You see there’s a style that matches that of the president, because we speak the truth,” Guedes said. “We’re not worried about pleasing you.”

Two days later he apologized, saying he’d been exhausted after a long night and was overwhelmed by reporters.

More long nights lie ahead. Brazil’s nascent recovery from the worst recession in history hinges on his success, and the nation’s benchmark index has climbed 13 percent since mid-September — close to its all-time high — on optimism Bolsonaro would win, giving Guedes a chance to implement business-friendly policies. They include dozens of privatizations, a massive reform of the pension system and a revamp for the nation’s byzantine tax code.

Read more about market reactions to the Brazil election

Bolsonaro, who’s admitted he has only a “superficial understanding” of economics, has said he’s placing full control over the nation’s finances in the hands of Guedes, who was trained at the University of Chicago and founded both a private equity firm and a think tank for liberal economic theories. Yet for all that success, he’s had zero experience in implementing public policy.

“One thing’s for certain: Guedes is the guarantor of Bolsonaro’s alleged conversion to liberalism, and if for any reason he leaves the government, there will be an earthquake in markets,” said Ricardo Lacerda, chief executive officer of Sao Paulo-based boutique investment bank BR Partners.

How big an earthquake? One top market analyst said Brazil’s benchmark stock index could tank as much as 40 percent, reaching levels not seen since the 2016 impeachment of Brazil’s former president, Dilma Rousseff. While that’s probably overstating things, it’s the kind of hyperbole that’s characterized Brazil’s election rhetoric ever since polls made it clear in recent months that Bolsonaro was heading to victory.

Think Tank

Guedes, a founder of Rio de Janeiro-based private equity firm Bozano Investimentos, has campaigned for free and efficient markets in Latin America for decades, establishing the Instituto Millenium think tank to promote liberal economic theories espousing less government interference. It’s an ideology that runs counter to beliefs Bolsonaro championed until only recently, and still held by some of his closest allies.

Lacerda, who jointly managed a proprietary fund with Guedes for two years, said he’s “a brilliant economist, very well prepared, and I consider his liberal views about what must be done for Brazil to be correct.”

Guedes wasn’t always a free-market champion. He considered John Maynard Keynes his hero when he left Brazil for Chicago. There, he studied under economic thinkers redefining the field, like Milton Friedman. He converted to liberalism and returned to Brazil to proselytize. Eager students, including one who went on to become a central bank governor, Arminio Fraga, soaked it up.

“Paulo had just come from Chicago and was super sharp, and his views were very complementary to those we had at the time, which had more Keynesian inspiration,” Fraga said in an interview. “Paulo stimulated me and other students to invest in techniques I’ve always thought were essential tools, even for young researchers like myself at the time.”

Earthquake Scare

Guedes took a job teaching at the University of Chile at the same time General Augusto Pinochet’s Chicago Boys were testing their liberal prescriptions on the Chilean economy. One day, upon returning to his hotel, Guedes found intelligence agents had scoured his room. He said that gave him a scare, then an earthquake gave his wife another, so they returned to Brazil. He spent the following decades quietly building his fortune, first with the founding of Banco Pactual SA and then helping to create the asset-management firm JGP Gestao de Recursos Ltda.

Now 69, his professorial side still shows. He draws charts as he speaks, citing economists Joseph Schumpeter and Robert Lucas, or Friedman’s comparison of monetary theory to a Japanese garden. His mind hopscotches from ancient Greek democracy to the French revolution, plucking examples to bolster long-winded arguments.

As recently as a year ago, his name rarely appeared anywhere other than atop his weekly newspaper column. In March 2017, he used that platform to predict an outsider revolution in the 2018 elections, and soon began searching for a candidate to mentor. He settled on Bolsonaro, and now Guedes’s name is on the lips of tens of millions of Brazilians suffering from double-digit unemployment in the wake of the recession. Brazil’s $2 trillion economy, which historically has rebounded robustly after downturns, grew just 1 percent last year and is expected to reach an uninspiring 1.4 percent in 2018.

Guedes addressed that problem on Sunday with a specific remedy: creating 10 million jobs in the next two to three years with the reduction and elimination of taxes to attract private investment, which he called the engine of economic growth and “the greatest machine of social inclusion.”

But he’s divulged little else about the strategy he’ll use to light a fire under the economy, particularly after Bolsonaro muzzled his team during the race’s final leg.

“There are few details in practically all areas,” said Fraga, who intends to give Guedes a pension-reform proposal he drafted but said he won’t take a government post.

Reform of the unsustainable social security system will be chief among Guedes’s tasks to reduce expenses. He often says Latin America’s largest economy sacrifices the equivalent of a Marshall Plan each year servicing government debt, which he aims to sharply reduce. He has said he’ll zero the fiscal deficit in his first year through privatizations of Brazil’s state-owned enterprises, and that he’d sell the whole lot if he had his way. But already Bolsonaro has said the government will reserve the right to choose which state-owned firms remain strategic assets.

Some doubt Guedes will have free rein. Monica de Bolle, an economist who’s director of Latin American studies at Johns Hopkins University’s school of international studies, said Bolsonaro will be torn between several groups vying for influence, including the generals in his cabinet who have statist instincts. That will detract from Guedes’s power, said de Bolle, who’s spoken out against Bolsonaro and urged others to vote against him.

Lacerda said Guedes also has no experience negotiating with the Congress, “and that will be another challenge for him given all the interests and contradictions involved.”

Elena Landau, an economist who oversaw privatizations in the 1990s, said in an interview that the only asset sales that will yield significant revenues are the crown jewels, like oil company Petrobras, utility Eletrobras, and the state banks, such as Banco do Brasil SA.

Read more: Privatize Petrobras? Check With Bolsonaro’s Generals First

“I think Guedes on his team is just an opportunistic way to signal to gullible markets and other private-sector people that we’re going to fix the economy, and then when push comes to shove it’s not going to happen,” de Bolle said. “I have real questions as to whether Guedes is really capable of designing the reforms Brazil needs.”

Indeed, policy making will depend on the team Guedes creates. He’s holding meetings at the finance ministry, planning ministry and Treasury, sounding out officials who might stay on. Some who have met with him, but asked not to be named because they’re not authorized to speak publicly, said he spoke more than he listened in early meetings, citing his academic achievements and views on the last decade.

Since then, the conversation has “normalized,” according to those people, although his questions often center on identifying easy expenses to cut — what they said was the typical view of someone unfamiliar with the challenges of lowering government budgets. One of Guedes’s advisers asked a financial journalist if she might recommend a budget secretary.

“Not having experience in the public sector is a challenge, because being able to execute policy involves various people, knowing how federal bureaucracy works,” said Chris Garman, managing director for the Americas at political consultancy Eurasia Group. “It’s important to have a good team around him, and the verdict is still out on that. He’s making the right overtures, meeting with a lot of people, getting input, so the early signs are promising.”

There’s also doubt about how long two strong personalities like Guedes and Bolsonaro can coexist, Garman said. The fact Guedes sought out a candidate to latch onto early suggests this is a long-considered process in which he’s invested. Likewise Landau, who studied under Guedes and has been critical in local media, said she doesn’t think he’ll leave anytime soon, largely because his reputation is now riding on delivering results. Markets remain encouraged he’ll do just that.

“If there’s anyone qualified to help put some order into this economy, it is Paulo Guedes,” said James Gulbrandsen, who helps oversee $3.5 billion at NCH Capital, just a few blocks from Guedes’s firm in Rio. “When we look at Paulo Guedes, we recognize this is the panacea, the cure, the remedy for what ails Brazil.”

(OBS) A lição de democracia dos brasileiros – João Marques de Almeida

(OBS) A direita liberal e conservadora é a mais ameaçada pela direita populista e radical. Como se viu no Brasil, a solução não é o centrismo, antes a afirmação de um liberalismo e conservadorismo sem medo.

Normalmente, não faço generalizações. Mas o comportamento das esquerdas em Portugal durante a campanha eleitoral no Brasil foi das manifestações mais estúpidas e mais tontas que alguma vez assisti (e já vi muita estupidez na minha vida). Pelo que se viu, as esquerdas em Portugal continuam a pensar como se estivessem na década de 70 do século passado. Quando percebem que o candidato de esquerda vai perder uma eleição, resta-lhes um argumento: o candidato de direita é fascista. Ninguém quis discutir os problemas económicos e sociais do Brasil, a segurança pública, o legado dos governos do PT (quase 16 anos), a corrupção sistemática que Lula e os seus introduziram na vida política do Brasil. Tudo isso foi ignorado. Só interessou chamar fascista a Bolsonaro. Ninguém quis perceber que o tema central da campanha brasileira foi a rejeição do PT e de Lula. As esquerdas não têm a humildade para estudar e aprender o que se passa no Brasil. Vivem na arrogância cega das suas ideologias e dos seus dogmas.

Bolsonaro até poderá ser fascista, mas o facto de a esquerda o dizer é absolutamente irrelevante. As esquerdas já chamaram de fascistas a Sá Carneiro, a Cavaco Silva, a Passos Coelho, a Paulo Portas, a Marcelo Rebelo de Sousa e até, vejam bem, a Freitas do Amaral. As esquerdas banalizaram o termo fascista. Por isso, o que dizem sobre o fascismo não tem qualquer importância. As esquerdas portuguesas usam o termo fascismo com a mesma ligeireza com que os adolescentes recorrem às palavras odeio e adoro. Obviamente, as esquerdas aproveitaram as eleições brasileiras e os ataques a Bolsonaro para condicionar e assustar as direitas portuguesas. Infelizmente, algumas figuras das nossas direitas assustaram-se.

Há algumas lições que interessa retirar das eleições brasileiras (uma verdadeira revolução política). Em primeiro lugar, a maioria dos brasileiros não aceita que o Brasil tenha donos. O PT e Lula portaram-se na última década e meia como se fossem os donos do país. Compraram políticos e congressistas de partidos das oposições (o mensalão), aliaram-se a grandes grupos económicos (isso mesmo, ao grande capital) para financiar as suas campanhas eleitorais e para enriquecerem os seus dirigentes, usaram os recursos nacionais para os seus fins privados. A rejeição do PT e de Lula foi um acto democrático e saudável do povo brasileiro. Escrevi o mesmo no velho Diário Económico quando Lula foi eleito pela primeira vez em 2002. Estou convencido que se Bolsonaro e os seus se portarem como os novos donos do Brasil, daqui a quatro anos, os brasileiros também os rejeitarão, enviando-os para casa. Seria muito importante que os partidos portugueses, especialmente o PS, percebessem que em democracia ninguém é dono do regime. O povo é mesmo quem mais ordena, como mostraram os brasileiros.

Há uma segunda lição: a democracia não resiste a tudo. Para quem acredita na democracia pluralista e na liberdade política, de um modo absoluto, perceber que há muitos para quem há valores mais importantes, é perturbador. Como se nota no Brasil, nos Estados Unidos e em muitos países europeus, para muitos a atração por soluções autoritárias é mais forte do que a fidelidade à democracia. Não podemos considerar a democracia como um dado adquirido. Se os cidadãos se sentem inseguros e acreditam que a democracia serve sobretudo a minoria que está no poder e não a maioria da população, acabam por recusar o regime democrático. É trágico mas é a verdade. A qualidade da democracia é o ponto fundamental. A democracia por si é insuficiente. Compete aos partidos tradicionais cultivarem a qualidade da democracia. Bolsonaro não é o responsável pela crise da democracia brasileira, Os culpados são o PT, o PMDB e o PSDB. Será agora essencial controlar os instintos autoritários de Bolsonaro e de muitos que o rodeiam. Resta saber quem o fará.

Por fim, há uma lição importante para o PSD. Tal como em Portugal, durante anos ouvi no Brasil muita gente afirmar que não havia direita partidária no país. Tal como Portugal, o Brasil seria um país profundamente virado para a esquerda. O PSDB seria no máximo um partido de centro, mas para muitos uma força de centro esquerda, como dizia o seu maior símbolo, Fernando Henrique Cardoso. Ora, o PSDB foi o maior derrotado da subida de Bolsonaro ao poder. Os brasileiros rejeitaram o PT, mas de certo modo o partido de Lula teve um grande resultado, depois de tudo o que aconteceu com a investigação Lava Jato. Lula acabou politicamente, mas o PT continuará a ser a principal força da esquerda brasileira.

Se não fosse a vitória de Dória nas eleições do estado de São Paulo, o PSDB poderia ter chegado ao fim. No Congresso, deixou de ser um dos três grandes partidos e passou à condição de força política de média dimensão. O seu candidato presidencial, Geraldo Alckmin, não chegou aos 10% na primeira volta das eleições presidenciais. O eleitorado do PSDB emigrou para Bolsonaro. O que mostra que as elites do PSDB estiveram sempre mais à esquerda do que os seu eleitores. O mesmo se passará com o PSD. Convém que os dirigentes sociais democratas entendam devidamente esta lição brasileira. Quando o eleitorado de direita se sente abandonado e sem liderança política, fica exposto a líderes populistas e demagogos. A direita liberal e conservadora é a mais ameaçada pela direita populista e radical. Como se viu no Brasil, a solução não é o centrismo, mas sim a afirmação de uma direita liberal e conservadora sem vergonha e sem medo. Dito de um modo simples, o ‘PSD centrista de Rui Rio’ é vulnerável ao populismo de direita. O ‘PSD de direita de Passos Coelho’ é o maior travão ao aparecimento de Bolsonaros portugueses. A incapacidade, ou falta de vontade, da esquerda para perceber esta evidência não admira. A obsessão com o fascismo fez das nossas esquerdas uma coleção de tontos. Mas se o PSD e o CDS não entenderem isto, nada percebem.

PS: O Presidente da República e o PM reagiram com sentido de Estado à vitória de Bolsonaro. O Brasil continuará a ser um país importante para Portugal e para os portugueses. E Marcelo Rebelo de Sousa estará seguramente no dia 1 de Janeiro na tomada de posse de Bolsonaro.

(BBG) Brazil Far-Right Candidate Takes Strong Lead in Vote Tally

(BBG) Brazil’s far-right candidate Jair Bolsonaro won Sunday’s presidential runoff, according to a near complete count of the vote published by electoral authorities.

Bolsonaro got 55.5 percent of the votes followed by Workers’ Party candidate Fernando Haddad with 44.5 percent, with 96.3 percent of votes counted, according to electoral authorities. The former army captain will take office Jan. 1.

Brazilians cast their ballots Sunday in a bitterly divisive election after a prolonged period of upheaval that included the impeachment of a former president, a devastating recession and revelations of massive corruption among the country’s business and political elite. Bolsonaro and his government will inherit an ailing economy grappling with mounting debt, slow growth and high unemployment.

Large crowds gathered outside the seven-term congressman’s house in an upscale suburb of Rio de Janeiro to celebrate his victory with fireworks, bursts of the national anthem and chants of “legend.”

“Today is the start of a new democracy,” said Leila Figueiredo, a supporter partying with her husband outside the president-elect’s residence.

In Sao Paulo, Haddad’s voters stood mostly in silence, biting their lips as the television broadcast the election results. Police stepped in to separate rival groups of supporters shortly after Bolsonaro was declared the winner.

The ex-paratrooper had fallen just a few percentage points short of outright victory in the first round on Oct. 7. He built a popular following on the back of promises to crackdown on crime and corruption and won the support of investors by enlisting the support of University of Chicago-trained economist Paulo Guedes, who backs small government and free enterprise.

Haddad, a former one-term mayor of Sao Paulo, promised increases in state benefits and expanded social programs. Still, he failed to win over voters outraged by the Workers’ Party’s record on graft.

(OBS) A máquina de fazer fascistas já não funciona – Rui Ramos

(OBS) A lição da eleição brasileira é que a direita liberal só será alternativa se recusar compromissos com essas misturas de socratismo e Bloco de Esquerda como a que o PT corporiza no Brasil.

Mais uma vez, a maioria de um país não obedeceu às instruções de voto. As esquerdas radicais e as elites que as esquerdas radicais têm reféns não percebem. Dominam os estúdios de televisão, as salas de aula, as fundações que dão subsídios: aí, ninguém se desviou da lição ensinada: Bolsonaro era fascista, toda a gente que não votasse em Haddad era fascista (ou, pelo menos, “branqueador do fascismo”). Acontece que fora desse mundo de conformismo e estacionamento intelectual, a máquina de fazer fascistas deixou de funcionar.

O que se passou é óbvio: no Brasil, a maioria dos eleitores, por mais repugnante que fosse a alternativa, não esteve disposta a entregar o poder ao PT. Por isso, não se deixaram enganar pela velha rábula do “fascismo”. A desonestidade, aliás, era demasiado evidente: se Bolsonaro era tão perigoso, porque é que o PT não desistiu a favor de outro candidato, em melhores condições para unir os brasileiros contra o “fascista”, logo que as sondagens, ainda antes da primeira volta, confirmaram que o acólito de Lula nunca conseguiria isso? Porque o PT, como é claro, não levou a sério a demonização de Bolsonaro: era apenas um truque para obrigar os brasileiros a caucionarem o seu sectarismo e a sua corrupção. Não resultou.

Há muitas citações tolas e abjectas no currículo de Jair Bolsonaro. Mas se o Brasil tiver de ser uma ditadura militar, é improvável que o ditador seja ele. O verdadeiro perigo da sua presidência é outro: a incapacidade de proporcionar o governo estável e reformista de que o Brasil precisa, e agravar, com isso, a crise do país. É por isso uma tragédia que a direita conservadora e liberal não tenha conseguido protagonizar o movimento de repúdio do PT. Mas porque não conseguiu? Porque essa direita, no Brasil, se descredibilizou, ao colaborar durante anos com o PT e a sua corrupção. A opção de votar Haddad, como percebeu Fernando Henrique Cardoso, teria completado esse descrédito. Mas lá e cá, onde a Lisboa política tentou imitar as eleições brasileiras como a província imita o carnaval, vimos demasiada direita a procurar pateticamente um atestado de “moderação” abraçando o PT. A “moderação”, porém, não é escolher um dos extremos: é recusar essa escolha.

Bolsonaro é um grande risco. Mas uma vitória do PT, conseguida por meio da histeria e da mentira com que Haddad, sem quaisquer escrúpulos, clamou que o general Mourão fora, aos 16 anos, um torturador da polícia, teria sido a ruína garantida da democracia no Brasil. É que uma democracia não pode ser o império da corrupção e da falsidade. Leis e instituições, só por si, não dispensam qualidades naqueles que exercem o poder.

Aliás, se votar no PT fosse o meio mais eficaz de impedir a ascensão de gente como Bolsonaro, então não deveria haver Bolsonaros depois de quase duas décadas de mando petista. Esquerdas corruptas e radicais, como se viu agora no Brasil, não servem para prevenir estas insurreições eleitorais. E as direitas conservadoras e liberais, servem? A lição da eleição brasileira é simples: se quiserem ser uma alternativa, essas direitas têm, antes de mais, de evitar o erro da direita brasileira, e recusar compromissos com misturas de socratismo e Bloco de Esquerda como a que o PT corporiza no Brasil. As democracias ocidentais precisam de direitas livres e lúcidas, sem medo das esquerdas e das suas velhas máquinas de fazer fascistas. Só assim talvez não acabem por cair, à medida que os eleitorados se fartam da corrupção e do “politicamente correcto”, nas mãos dos Trump, Salvini e Bolsonaro. Recusar os Haddad é a única maneira de evitar os Bolsonaro. Infelizmente, a maior parte da direita, no Brasil como cá, não percebeu uma coisa tão elementar.

(Algemeiner) ‘Large Share’ of Brazil’s Jews Will Vote for Right-Wing Presidential Candidate Bolsonaro Despite ‘Reservations,’ Says Political Analyst

(Algemeiner)

Brazilian presidential candidate Jair Bolsonaro. Photo: Reuters / Diego Vara.

Opinion in Brazil’s Jewish community remains divided over Jair Bolsonaro, the right-wing politician widely expected to win the second round of the Latin American country’s presidential election on Oct. 28, a leading political analyst told The Algemeiner on Monday.

“The Brazilian Jewish community is split on Bolsonaro,” said Dr. Guilherme Casarões — a professor of international relations at the EAESP University in São Paulo and a contributor at the Instituto Brasil Israel — during a discussion of an election that has been dominated by accusations against the 63-year-old former army officer of racism, homophobia, and an unhealthy nostalgia for the military dictatorship that ruled Brazil from 1964 until 1985.

“My guess is that there is a large share of Brazilian Jews who will vote for Bolsonaro with reservations, moved by their disgust for the PT (the left-wing Workers’ Party that governed Brazil between 2003-16),” he said.

Casarões added that “there are smaller fractions of the community who will vote for Bolsonaro out of conviction, or who will vote for (rival PT candidate Fernando) Haddad either because of ideological affinity or because they see Bolsonaro as a threat to democracy.”

A Russian delegation of Foreign and Defense Ministry officials traveled to Saudi Arabia and met Crown Prince Mohammed bin Salman…

Bolsonaro has appealed for the support of Brazil’s  Jewish community, the second-largest in Latin America, with an uncomplicated embrace of the State of Israel. “My heart is green, yellow, blue and white,” Bolsonaro famously told a meeting at a Jewish center in Rio de Janeiro in 2017, in a reference to the colors of the Brazilian and Israeli flags.

After he was stabbed at a street rally in southeastern Brazil in September, Bolsonaro demonstratively chose to make his recovery at the Albert Einstein Hospital, a Jewish institution, in São Paulo. But when some of Bolsonaro’s supporters enthusiastically proclaimed that their candidate would be “protected” at the hospital by the Mossad, Israel’s secret service, Brazilian Jewish leaders felt compelled to dismiss this assertion — along with the allegation that Bolsonaro would have risked assassination had he been treated at an Arab community-owned hospital — as a “frivolous” attempt to “import international conflicts into Brazilian society.”

Yet it is Bolsonaro himself who sets the example when it comes to bombastic communications. A former congressman who served with nine different right-wing parties over 27 years, Bolsonaro has earned international notoriety for a string of abusive statements targeting women and minorities. In 2014, for example, he told a rival congresswoman that she “wasn’t worth raping,” while in 2016, he referred to a group of black activists as “animals” who should “go back to the zoo.” Interviewed in 2011 by Playboy magazine, he flatly rejected the notion that he could ever love a son who was gay with the quip, “I would prefer my son to die in an accident than show up with a mustachioed​ man.”

“Although I personally don’t like to call him a fascist, he is certainly stirring fascist sentiments among his voters,” Dr. Casarões observed. “And this is unfortunate, because many Bolsonaro‘s supporters who do not support violence ended up turning a blind eye to his controversial statements against minorities and in favor of torture and dictatorship, out of sheer hatred of the PT.”

The PT’s dismal record during 13 years of government certainly helped to lay the groundwork for Bolsonaro’s radical presidential bid. The party’s last president, Dilma Rousseff, was impeached in August 2016 because of a corruption scandal, while her charismatic predecessor Luiz Inácio Lula da Silva, or Lula, is currently serving a 12-year prison sentence on charges of corruption and money laundering. During the PT’s latter years in power, a growing economic crisis resulted in a recession this year, while inflation reached a 12-year high.

Casarões said that while Brazil’s predominantly middle-class Jewish community had been appreciative of Lula’s more conservative economic policies, “as the economy plummeted under President Rousseff, leading to massive deindustrialization, the community also suffered, especially among businesspeople and liberal professionals.”

On Israel, too, Casarões highlighted a distinction between the Lula and Rousseff presidencies.

“Lula’s relationship with Israel was good: bilateral trade skyrocketed and Brazil worked for a free trade agreement between the Mercosur trade bloc and Israel,” he argued. “Also, despite intense relations with Arab countries, Lula tried to maintain an even-handed approach to the Israeli-Palestinian conflict, having paid official visits to both countries in 2010.”

By contrast, Casarões said, “relations under Rousseff were marked by growing tension.” During the summer 2014 war between Hamas and Israel in Gaza, Rousseff denounced Israel for committing a “massacre” and withdrew the Brazilian ambassador from Tel Aviv. Two years later, relations worsened when the Brazilian government refused to accept the credentials of Israel’s nominated ambassador, Dani Dayan, because of his previous role as chair of the Yesha Council, a group representing Israeli communities in the West Bank.

Meanwhile, “Bolsonaro’s pro-Israel views have been nurtured in the past few years,” Casarões continued, identifying four key factors behind the candidate’s backing for the Jewish state.

“First, Bolsonaro sees Israel as a role model in military technology and public safety policies, which speaks to his background as an army captain,” Casarões said. “Second, Bolsonaro stresses Israel’s democratic character to oppose the PT’s alignments with authoritarian Arab governments across the Middle East and Africa.”

Thirdly, Casarões said, in electoral terms, support for Israel was an important means of winning the backing of Brazil’s community of Evangelical Christians, who now make up nearly 30 percent of a population that was almost exclusively Catholic just 50 years ago. Finally, Casarões suggested that Bolsonaro’s views on Israel might help him become friends with the Trump administration.

“He has been promising to shut down the Palestinian Embassy in Brasília, while transferring Brazil’s Israel Embassy to Jerusalem,” Casarões said. “He will probably try to change Brazil’s long-standing stance on the two-state solution for the Israeli-Palestinian conflict.”