Category Archives: European Union

(Politico) Portugal eyes big EU cash prize

(Politico)

As maneuvers for Commission jobs begin, Lisbon angles for high-spending regional portfolio.

Photo-illustration by POLITICO/Source images by Getty

In the post-election battle for top EU jobs, Portugal is eyeing a portfolio with a big pot of cash.

Portuguese Prime Minister António Costa has targeted the regional policy post for his country’s next European commissioner — the job that oversees some of the EU’s biggest spending programs.

Costa’s plan reflects the fact that EU governments are looking beyond this week’s European Parliament election and have already been maneuvering to claim posts in the next European Commission, due to take office on November 1.

Costa signaled his intentions by putting former Planning and Infrastructure Minister Pedro Marques at the head of his Socialist Party’s list for the European Parliament election.

Few believe that Marques was moved from his Cabinet post in February just to become an MEP. On the contrary, his old ministerial portfolio makes him well qualified for a similar role at EU level.

Portugal’s Prime Minister António Costa with Socialist candidate Pedro Marques | Ludovic Marin/AFP via Getty Images

“The prime minister has a clear interest in the cohesion funds’ portfolio and Pedro Marques is a potential candidate for the job,” a Portuguese government official told POLITICO. “Marques’ European ambition is well known. He had the funds’ portfolio in government. And his experience is an advantage for getting the job.”

Costa’s plan, first reported by newspaper Público, would put the Portuguese commissioner in charge of cohesion programs, intended to boost infrastructure and help poorer parts of Europe develop economically. Under current Commission plans, cohesion policy would account for some €330 billion in the EU’s next long-term budget from 2021-2027. That would make it the single biggest slice of the budget, about a third of the total, taking over the top position long held by agriculture.

Such spending is particularly valuable to Portugal. Since joining the European Union, the country has benefited from over €100 billion in EU cohesion funds. Between 2015 and 2017, Portugal was the EU country most dependent on cohesion funding, which made up over 84 percent of total public investment in the country.

But taking the regional policy job also carries significant risks. The current Commission has proposed cutting overall cohesion spending by about 12 percent in the next budget cycle and some countries will suffer much steeper losses.

Marques could find himself as the frontman for unpopular cuts in a range of countries — including his own. Portugal faces a reduction of 7 percent in cohesion funding under the Commission’s blueprint, which has not yet been approved by EU leaders or the European Parliament.

“We are not happy with the proposal of the Commission for Portugal,” Margarida Marques, vice president of the Portuguese parliament’s committee on European affairs, told POLITICO.

By pushing for a Portuguese regional policy commissioner, Costa may be hoping to influence how regional funds are spent in the future.

‘Fake candidate’

On paper, at least, Marques is a strong candidate for the regional policy post, currently held by Corina Crețu of Romania. He has spent more than two decades in public office, renegotiated Portugal’s structural and cohesion funds in the current multiannual program — called Portugal 2020 — and started discussions on the upcoming period between 2021 and 2027.

He “is someone who has a deep knowledge of the European institutions and has worked with them in the areas of the European Social Fund, the ERDF [European Regional Development Fund] or the cohesion funds,” said Costa when he presented Marques as his party’s lead candidate for the EU election in February.

But the fact that Marques is being tipped as a commissioner while ostensibly running for a seat in the European Parliament has injected extra controversy into the election campaign.

In a televised debate, Paulo Rangel, the lead candidate of the center-right Social Democrats (PSD), called Marques “a fake candidate for the European Parliament.”

“He does not want to go to the European Parliament, he wants to go to the Commission,” Rangel declared.

Pedro Marques at a rally of the campaign for the European elections in Funchal, Portugal, May 19, 2019 | Gregorio Cunha/EPA via EFE

Rangel has called on Costa to keep Research, Science and Innovation Commissioner Carlos Moedas as the country’s representative in the Commission. Moedas is a senior member of the PSD.

Rangel has also taken aim at a video recorded by Romania’s Crețu that praises Marques. In the two-minute video, she declares: “I must say that Pedro Marques is also a great negotiator. He was a fierce defender of cohesion policy funds always having in mind the general interests of Europe and, of course, of Portugal.”

The video raised questions about whether Crețu adhered to the Commission’s code of conduct in recording a video used by a fellow center-left politician in his election campaign. The Commission insisted everything was in order and the message was simply meant “to highlight the good cooperation between the European Commission and the Portuguese authorities.”

But Rangel seized on the video to argue the Portuguese Socialist was only too willing to accept funding cuts from Brussels.

“She just has to say thank you. Pedro Marques accepted a decrease of 7 percent in structural funds. What any commissioner wants is a minister who does not create problems,” he said.

Marques himself has not confirmed Costa’s plan to put him in the regional policy job. But he has done little to discourage speculation in that direction.

“Our prime minister has already said that he sees this as a good portfolio for Portugal in the next European Commission, but this question is not yet on the table,” he said at a recent meeting with foreign reporters in Lisbon.

“However, if my party gained more strength in the European elections in Portugal, my prime minister in the European Council — and above all in the negotiations with our political family — would have a stronger hand in the choice of portfolios in the European Commission,” he added.

Costa’s party is on course to record a good result in the election, which would increase its stature in the center-left group in the European Parliament.

According to latest polls, the Socialists lead with around 33 percent support, compared to about 28 percent for the PSD. That would give them nine seats in the Parliament — an increase of one on the last election — while the PSD would have one fewer.

Plan B … and C?

Marques was not the only minister who switched from government to the Socialists’ election list in a February reshuffle. Maria Manuel Leitão Marques, formerly the minister responsible for modernizing public administration, is also running in the European election and could serve as a back-up option for a Commission post.

In an interview with Público, Leitão Marques did not confirm if she would like to be a commissioner — but she did say she would like very much to “modernize the European Union’s administration.”

Calls for gender parity in top EU jobs could work in Leitão Marques’ favor.

Former Portuguese Minister of the Presidency and Administrative Modernization Maria Manuel Leitão Marques (L) with European Commissioner for Research, Science and Innovation Carlos Moedas | José Sena Goulão/EPA via EFE

“Leitão Marques ticks all the boxes as Plan B. Not only does she have credibility for her work as minister, she is also a woman. If Portugal is pressed to present a woman as commissioner in negotiations, she would be a plus within a gender equality agenda,” the government official told POLITICO.

Meanwhile, Costa himself has played down suggestions he could be a secret Plan C. The prime minister has won admirers across Europe’s center left and beyond for building an unconventional but stable coalition, leading Portugal out of economic crisis and regularly outmaneuvering the opposition — as he did in a recent row over teachers’ pay.

A recent Financial Times story said he could be a surprise contender for a top EU job. But at an EU summit in Sibiu, Romania, earlier this month, Costa said he intends to continue in his current role as prime minister.

“It is very flattering, but I am not a candidate for anything other than the functions I hold in Portugal,” he said.

(GUA) Merkel: Europe must unite to stand up to China, Russia and US

(GUA) German chancellor also shares views on Brexit and climate crisis in interview

Angela Merkel
 ‘There is no doubt that Europe needs to reposition itself in a changed world,’ said Merkel. Photograph: Hannibal Hanschke/Reuters

Europe must reposition itself to stand up to the challenges posed by its three big global rivals, China, Russia and the US, Angela Merkel has said before her final European election as German chancellor.

Facing challenges that range from Russian interference in elections to China’s economic clout and the US’s monopoly over digital services, Europe needs to get better at putting up a united front, Merkel said in a wide-ranging interview shared with the Guardian.

“There is no doubt that Europe needs to reposition itself in a changed world,” Merkel said in a conversation in her office in Berlin. “The old certainties of the post-war order no longer apply.”

She added: “They [China, Russia and the US] are forcing us, time and again, to find common positions. That is often difficult given our different interests. But we do get this done – think, for example, of our policy regarding the conflict in Ukraine.

“Our policies on Africa, too, now follow a common strategy, which a few years ago would have been unthinkable. So we keep putting one foot in front of the other. However, our political power is not yet commensurate with our economic strength.”

Merkel with Xi Jinping and Vladimir Putin at the G20 in Hamburg in 2017.
 Merkel with Xi Jinping and Vladimir Putin at the G20 in Hamburg in 2017. Photograph: Anadolu Agency/Getty Images

In the interview, conducted by journalists from the German newspaper Süddeutsche Zeitung and shared with the Guardian as part of the Europa newspaper alliance, Merkel also said:

  • Brexit was the biggest European turning point of recent years, but that the ball was now in the UK’s court: “In order for the UK to leave the EU, there needs to be a parliamentary majority in London for, rather than merely against, something.”
  •  Generating enough economic wealth to tackle the environmental crisis remained her “greatest worry”.
  • Germany was aiming to become carbon neutral by 2050, but this was “a tremendous challenge”.

Q&A

What is the Europa project?

Show

The interview comes at a pivotal moment in Merkel’s 14 years as chancellor. Her party, the Christian Democratic Union, faces the prospect of significant losses in the May 23-26 poll, though observers believe she remains popular enough to see out her fourth term through to 2021.

The elections are a chance for populists in Germany and across the continent to build on their mounting popularity, borne of greater inequality, growing precariousness and a disenchantment with politics in Brussels and in member states.

“Many people are concerned about Europe, including myself,” Merkel said. “This means I feel even more duty-bound to join others in making sure that Europe has a future.”

Why copying the populist right isn’t going to save the left

 Read more

She said her peers needed to stop toying with populist gestures, and categorically ruled out opening up her centre-right bloc of parties in the European parliament to far-right populists such as Matteo Salvini.

“This is indeed a time when we need to fight for our principles and fundamental values,” Merkel said. “The heads of state and government will decide how far to let populism go or if we are ultimately willing to take on joint responsibility.

“Simply stating that we’ve enjoyed seven decades of peace is no longer enough to justify the European project. Without forward-looking arguments to justify Europe, the European peace project would also be in greater jeopardy than one may think.”

Merkel also stressed the urgency of the global environmental crisis. A former environment minister in Helmut Kohl’s cabinet, Merkel recalled biodiversity conferences she attended in the mid-1990s, and said: “It is heartbreaking to see how the situation has worsened in so many ways.

Angela Merkel with Helmut Kohl
 Angela Merkel with the then chancellor, Helmut Kohl, in whose cabinet she served as environment minister. Photograph: AP

“There clearly is a lack of consistent political action, on a global scale. What is key for being able to act in all spheres, including environmental protection, is for us to be economically successful. That is my greatest worry.”

She reiterated her aim for Germany to achieve carbon neutrality by 2050, but said that for European countries to meet the net-zero carbon emissions target set by the French president, Emmanuel Macron, and eight other leaders last week, they would need to reopen a fraught debate about carbon capture and storage (CCS) technology.

“Nine countries intend to attain climate neutrality by 2050, whereby they would on average no longer emit any CO2,” Merkel said of Macron’s initiative. “I am firmly convinced that this can only be done if one is willing to capture and store CO2. The countries in question do not deny this. The method is called CCS – and for many in Germany it is a highly charged term.”

Empty North Sea gas fields to be used to bury 10m tonnes of C02

 Read more

CCS is controversial because critics see it as an expensive subsidy that would ultimately perpetuate rather than reduce reliance on fossil fuels. “There are two possibilities – you can either store carbon, or you can reforest on a large scale,” she said. “In the Netherlands, for example, the latter is not an option. There, CO2 could be pumped into empty gas fields. We could do the same in Germany – but if I wanted to implement this policy here with the stroke of a pen, then people would be right to ask me how realistic that is.”

Merkel would not say whether the EU would grant Britain another extension if Theresa May’s government failed to pass her withdrawal agreement by the end of October deadline.

And, asked whether by the autumn Brexit might be being discussed by new leaders in both London and Berlin, she again refused to be drawn, answering: “Should there be anything to negotiate, the European commission will do so on behalf of the 27 member states, as it has done so far.”

(CNBC) Barclays, Citigroup and JP Morgan among banks fined $1.2 billion for forex rigging

(CNBC)

  • Barclays, Citigroup, J.P. Morgan, MUFG and Royal Bank of Scotland have been fined a total of 1.07 billion euros ($1.2 billion) by EU antitrust regulators for rigging the spot foreign exchange market for 11 currencies.
  • Swiss bank UBS was exempted from a 285 million euro fine since it alerted the existence of two cartels to the European Commission.
  • A similar case with the U.S. regulators is ongoing where Barclays, BNP Paribas, Citigroup, J.P. Morgan, Royal Bank of Scotland and UBS have entered related guilty pleas, and been collectively fined more than $2.8 billion.
Reusable: Citigroup

Citi and HSBC banks dominate the skyline of Canary Wharf, London.

BarclaysCitigroupJ.P. Morgan, MUFG and Royal Bank of Scotland have been fined a total of 1.07 billion euros ($1.2 billion) by EU antitrust regulators for rigging the spot foreign exchange market for 11 currencies.

Swiss bank UBS was exempted from a 285 million euro fine since it alerted the existence of two cartels to the European Commission. The financial industry has been hit with billion euro fines worldwide in the last decade for rigging key benchmarks.

“Companies and people depend on banks to exchange money to carry out transactions in foreign countries. Foreign exchange spot trading activities are one of the largest markets in the world, worth billions of euros every day,” EU Commissioner Margrethe Vestager said in a press release Thursday.

“Today we have fined Barclays, The Royal Bank of Scotland, Citigroup, J.P. Morgan and MUFG Bank and these cartel decisions send a clear message that the Commission will not tolerate collusive behavior in any sector of the financial markets. The behavior of these banks undermined the integrity of the sector at the expense of the European economy and consumers,” Vestager added.

The EU investigation that has been ongoing for the past six years revealed that some individual traders from various banks in charge of forex trading — a form of trading executed on an intra-day basis — exchanged sensitive information and trading plans through various online professional chat rooms.

“The information exchanges…..enabled them to make informed market decisions on whether to sell or buy the currencies they had in their portfolios and when,” the Commission said in its report. 

It further stated that most of the traders knew each other on personal basis and logged into multilateral chatrooms on Bloomberg terminals for the whole day, engaging in extensive conversations about a variety of subject, including updates on their trading activities.

Barclays declined to comment when contacted by CNBC. Meanwhile, a spokesperson from RBS told CNBC the bank is happy to reach a settlement with the regulators. 

“Today’s fine is a further reminder of how badly the bank lost its way in the past and we absolutely condemn the behaviour of those responsible. This kind of behaviour has no place at the bank we are today; our culture and controls have changed fundamentally during the past ten years,” the spokesperson said.

A similar case with the U.S. regulators is ongoing where Barclays, BNP Paribas, Citigroup, J.P. Morgan, Royal Bank of Scotland and UBS have entered related guilty pleas, and been collectively fined more than $2.8 billion.

U.S. regulators said the foreign exchange rate rigging was allegedly done through chat rooms with such names as “The Cartel,” “The Mafia” and “The Bandits’ Club,” through tactics with such names as “front running,” “banging the close,” “painting the screen” and “taking out the filth.”

Shares of Barclays and RBS were trading lower, but UBS edged a bit higher on the news. Meanwhile, J.P. Morgan and Citigroup shares were down slightly in pre-market trading.

(Reuters) EU split over how to deal with deteriorating Italian finances – officials

(Reuters)

BRUSSELS (Reuters) – Italy’s deteriorating public finances will break European Union rules this year and next unless Rome alters its policies, but the EU executive is split on how to best handle the case of the euro zone’s third-biggest economy, EU officials said.FILE PHOTO: Italy’s Prime Minister Giuseppe Conte (L) meets European Commission President Jean-Claude Juncker at his arrival at the European Parliament in Strasbourg, France, February 12, 2019. REUTERS/Vincent Kessler/File Photo

The European Commission is closely watching Italy because of the country’s huge public debt, the second highest in Europe after Greece, which the Commission forecasts will rise this year and next instead of falling as EU rules dictate. Italy’s budget deficit is to rise too, against the rules, while growth stalls.

Yet outspoken Italian Deputy Prime Minister Matteo Salvini, whose right-wing League party is in government with the populist 5-Star movement, said the country was ready to break EU fiscal rules — remarks that sent the euro lower.

Italian and other politicians across the 28-nation bloc have sharpened their rhetoric ahead of elections to the European Parliament being held in all EU countries on May 23-26.

“The Commission is split on Italy — there are those like Vice President Valdis Dombrovskis who want harsher action and those, like Economic Commissioner Pierre Moscovici, who push for dialogue and compromise,” one EU official said.

The tougher course would be EU disciplinary steps that could end in fines, something Italy avoided last December through a deal in which the EU forgave Rome its consolidation obligations and which the Commission called “not ideal” and “borderline”.

But since December, Italy’s economic data and outlook have only become grimmer, increasing investor worries about Rome’s ability to service its obligations.

“We’re very cautious on Italy right now,” said Mohammed Kazmi, a portfolio manager for UBP in Geneva.

“What we’re seeing in the past few days from the Italian cabinet is that instead of calming the fears of the European Commission following its deficit forecasts, Salvini talked about how he’s willing to go ahead with a VAT cut.”

SHOWDOWN ON JUNE 5

The Commission will issue a report on Italian public finances on June 5 that could conclude with a call for disciplinary steps to start. The final decision will fall to Commission chief Jean-Claude Juncker, who has in the past tended to side with Moscovici, officials said.

France, Portugal and Spain all avoided being fined for breaking EU rules thanks to that approach. Some officials said Juncker, who will leave the Commission in October, would stick to his lenient stance and leave the issue to the next EU executive.

“It will be legacy time: will Juncker want to end his term with the opening of the first debt-based EDP (Excessive Deficit Procedure) for Italy, a procedure that it will be very difficult to get out of once launched, and which he fought hard to avoid as recently as December? Probably not, but who knows,” a second official with insight into the Commission’s thinking said.

Being tough on Italy would be hard for Juncker, the official said. “That would go against the instincts he has demonstrated in recent years which are more like Moscovici’s — dialogue over confrontation on these matters,” the second official said.

Pressure from markets could play a role — Salvini’s remarks drove Italy’s 10-year bond yield to two-month highs of 2.755%, up 6 basis points on the day, while shorter-dated two-year and five-year yields rose 8 bps each on Tuesday.

The closely-watched spread between 10-year Italian and German bond yields hit its widest level in three months, at 282.6 basis points.

Latest Commission forecasts show that Italian debt will rise this year to 133.7% of GDP from 132.2% in 2018. Next year it will go up even further, to 135.2% of GDP.

This is in violation of EU rules, under which Italy’s debt should be falling every year by 1/20 of the difference between the present level and the 60% ceiling permitted by EU treaties, calculated as an average over three years.

Of even more concern to investors, the Commission expects that Italy’s primary balance, the amount of money the government has before debt servicing costs, is to drop to 1.2% of GDP this year from 1.6% in 2018 and tumble to only 0.2% in 2020, a worrying sign for a country with a large public debt.

All this as Italy’s economic growth is forecast to almost grind to a halt this year, after being revised down from the 1% expansion that the December compromise was based on.

(OBS) Que há para discutir sobre a Europa? – Rui Ramos

(OBS)

O ponto mais importante destas eleições europeias é que até os principais “populistas” são hoje europeístas. Não há alternativa à UE, e portanto também não há qualquer discussão europeia.

O regime tem algumas coisas comovedoras. Uma delas é o esforço que todos fazem para disfarçar a verdadeira natureza das eleições para o parlamento europeu.  Aqui, como em outros países, não passam de uma grande sondagem de opinião em urna, num dia em que a maior parte dos eleitores tem mais que fazer. Porque é que deveria ser diferente? Trata-se de eleger uma assembleia cujo principal papel consiste em votar, de cinco em cinco anos, o executivo do que é, para todos os efeitos, uma união intergovernamental. Para dissimular isso, pede-se aos candidatos que discutam a Europa ou até mais rebuscadamente “ideias sobre a Europa”.

É um hábito sem sentido. Ficou dos anos 90, quando se preparava a integração monetária e toda a gente julgava que assistia ao parto dos Estados Unidos da Europa. Ainda talvez parecesse fazer sentido no princípio desta década, durante a crise do euro, quando, pelo contrário, muita gente achou que era chique acreditar no fim da União Europeia. Desde então, porém, não é fácil justificá-lo.

Basta olhar para os “populistas”, de que a imprensa agora abusa desesperadamente para dar algum interesse às eleições europeias. Há uns anos, a antiga Frente Nacional, em França, o Syriza, na Grécia, ou o 5 Estrelas e a Liga Norte, na Itália, ainda talvez pudessem passar por anti-europeus. Renegavam o Euro, contestavam as regras, exigiam fronteiras. Que vimos, entretanto? O Syriza, que em 2015 organizou um referendo contra a recusa dos outros europeus lhe emprestarem dinheiro sem condições,  até já é elogiado no Economist. Na Itália, o 5 Estrelas e a Liga Norte prometeram ferro e fogo contra as restrições orçamentais, para actualmente serem mais cumpridores do que Macron. Em França, Marine Le Pen trocou o  “Frexit” pelo “governo da moeda única”, como se fosse uma comissária europeia. Os grandes eurocépticos parecem hoje euroconformados. Porquê? Porque estão no governo, como o Syriza, o 5 Estrelas e a Liga Norte, ou porque ainda esperam lá chegar, como Le Pen. O mesmo se poderia dizer do nosso eurocepticismo doméstico. Há quatro anos que BE e PCP estão esquecidos das “saídas” e “rupturas” que outrora os deixavam tão excitados. A UE mudou? Não, apenas houve a geringonça.

É sabido que os europeus ficam mais europeístas quando as economias crescem, o que tem sido o caso ultimamente. Mas talvez tenham entretanto descoberto outra coisa: que nenhum país, até ver, tem meios para organizar uma saída ordenada da UE. Viu-se isso na Grécia, em 2015, quando o Syriza preferiu a humilhação de esquecer o referendo, a sofrer o drama argentino de um novo dracma. E está-se a ver isso agora no Reino Unido, onde a elite política, depois do referendo de 2016, já concordou que não sairá da UE sem ficar com um pé lá dentro: “brexit in name only”, como diz o ex-governador do Banco de Inglaterra. Na UE, não é fácil entrar, como os portugueses aprenderam durante quase dez anos de espera, mas é ainda mais difícil sair. Não porque o Tratado de Lisboa não tenha o artigo 50. Mas porque o que a UE representa — um dos maiores mercados do mundo e, para quem está no Euro sob o guarda-chuva do BCE, uma fortaleza contra os mercados de capitais — não tem alternativa. Fora da UE, a maior parte dos Estados europeus teria provavelmente de renunciar ao seu modelo social — ou aceitar a degradação dos seus níveis de vida.

É difícil imaginar mais integração europeia, e é difícil querer menos. Que há então para discutir? Talvez isto: as razões pelas quais as democracias europeias tentaram e conseguiram, através da integração internacional, colocar as suas estruturas internas para além de qualquer debate. Foi uma ideia americana no primeiro pós-guerra, em 1919, como sugere Adam Tooze em The Deluge. Não se fez então. Fez-se agora.

(DN) Carlos Moedas: “Portugal é um exemplo de como se consegue mudar de governo e continuar com credibilidade nas contas”

(DN)O ainda comissário português Carlos Moedas diz que não compreende como as questões europeias não movem os portugueses. Elogia António Costa e também Rui Rio, afastando, para já, a hipótese de uma corrida à liderança do PSD.

© Gerardo Santos / Global Imagens

Carlos Moedas nasceu em Beja quatro anos antes do 25 de Abril, filho de um comunista que foi jornalista, um dos fundadores do Diário do Alentejo, nunca partilhou a ideologia política de seu pai. Saiu de Beja para Lisboa nos anos 1980 para estudar Engenharia Civil no Instituto Superior Técnico (IST); uma candidatura ao Erasmus levou-o para Paris, onde estudou, viveu e começou a trabalhar. Também passou por Harvard, nos Estados Unidos, e por Londres, onde trabalhou no Goldman Sachs e onde se cruzou com António Borges, que o levou para o PSD. Com Pedro Passos Coelho chega ao governo como secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro. É uma das principais figuras do PSD nas negociações com a troika. Em 2014 torna-se comissário da Investigação, Ciência e Inovação.


Qual é para si o maior desafio que a União Europeia (UE) enfrenta neste momento?
Temos dois grandes desafios à nossa frente. O combate às mudanças climáticas e a desigualdade. São igualmente importantes e, de certa forma, estão ligados entre si, e aí a UE tem uma oportunidade extraordinária que é mostrar liderança, o que nos dá, no fundo, uma vantagem competitiva enorme. No combate às mudanças climáticas, quando olhamos para o número de empregos criados nas chamadas indústrias verdes da economia circular, vemos que na Europa já trabalham mais de seis milhões de pessoas nessas indústrias. Vamos comparar isso com a indústria automóvel e vemos que na produção de automóveis só trabalham dois milhões de pessoas. Ou seja, a Europa já criou mais emprego nestas novas áreas do que nas tradicionais, mas nós nem nos apercebemos disso. Eu apercebi-me quando estávamos na COP 21, nos Acordos de Paris, e, de repente, à volta, tínhamos os países todos a olhar para a UE, à espera de que a UE dissesse alguma coisa da liderança. Esta liderança é importantíssima para o nosso futuro e é uma liderança positiva. Falamos muitas vezes das crises e do que vivemos nos últimos anos e neste aspeto acho que podemos fazer a diferença, e estamos a fazer.


Nestas eleições há 15 países com partidos de extrema-direita a ganhar terreno. Essa não é também uma das maiores ameaças, sobretudo porque é política?
Essa é a ameaça, diria eu, à democracia. Eu estava a falar mais das oportunidades que vejo de combater exatamente esses fenómenos. A ameaça que hoje vivemos em relação à democracia vem do mundo digital, de certa forma da globalização, que veio criar esses partidos que no fundo aquilo que querem é destruir o sistema. O digital veio dar voz a isso porque esses partidos têm a capacidade de mostrar soluções fáceis que não existem, que não são possíveis mas que soam bem ao ouvido. Isso é muito perigoso e é tão perigoso que, realmente, as sondagens mostram que o PPE – o Partido Popular Europeu – e os Socialistas vão cair cerca de cem lugares no Parlamento Europeu. Prevê-se que o grupo de Marine Le Pen seja multiplicado por dois, mais de 60 deputados. O que pode ter um efeito muito negativo nessa liderança em relação ao clima, no combate às desigualdades, na maneira como olhamos para o digital, para a inteligência artificial… tudo isso é muito negativo. É importante que as pessoas tenham noção de que têm de ir votar. É muito importante que as pessoas tenham essa consciência.


A globalização por si só explicará o crescimento desse tipo de forças políticas no continente europeu, ou há também no próprio projeto europeu coisas que falharam?
Obviamente houve muita coisa que falhou e que nós sentimos, sobretudo durante a crise. Mas a globalização tem um efeito de certa forma mais forte porque foi a globalização que criou esta desigualdade, sobretudo na Europa Ocidental e nos Estados Unidos. As classes médias se viram neste dilema em que os filhos estão a viver pior do que os pais, em que os filhos estão desempregados e os pais não. Isto é um dilema muito forte para a sociedade. Depois, a Europa, ao contrário do que se podia esperar, fechou-se também sobre si própria. O que aconteceu depois da crise foi este pêndulo europeu entre as decisões que eram tomadas a nível comunitário para o interesse de todos, os países começaram a chamar a si as decisões porque deixaram de confiar no método comunitário.

“Aquela ideia, muito dos anos noventa, que levou ao neoliberalismo, hoje não nos faz sentido. Vemos que não funcionou. Todos queremos o que é a base do projeto europeu – uma economia social de mercado que funcione para as pessoas.”


Esteve nesse mundo, quando trabalhava no Goldman Sachs. Vê-o com outros olhos hoje? Era capaz de voltar?
Não, porque também nunca me senti lá muito feliz. Eu, como era bom aluno, fui seguindo o rebanho dos bons alunos e os bons alunos iam para estas consultoras, iam a estas entrevistas e íamos todos para os mesmos sítios. Mas nunca fui um banqueiro feliz porque não gostava muito nem nunca me senti muito bem nesse ambiente, por isso mudei de vida. Esta crise mudou a perspetiva sobre o mundo e também mudou a perspetiva de como as pessoas veem esses bancos, mas também como eles se veem a eles próprios e como a sociedade vê o capitalismo. Aquela ideia muito dos anos 1990 que levou ao neoliberalismo hoje não nos faz sentido. Aquilo que vemos é que não funcionou. E sabemos que todos querem aquilo que é a base do projeto europeu – uma economia social de mercado que funcione para as pessoas. De certa forma, a UE teve sempre isso como matriz, mas o mundo desviou-se e teve os seus extremos. Os extremos para mim são muito complicados à direita, porque normalmente são racistas, xenófobos e protecionistas, mas a extrema-esquerda também tem o seu papel muito perigoso nesta crise, pois tem tido comportamentos que podem descrever-se como autoritários. Lembro por exemplo o senhor a Mélenchon, que está a ser investigado pela polícia e grita “La République c’est moi!” (A República sou eu). Aliás, votam quase sempre em conjunto no Parlamento Europeu sobre os temas que os unem.


Disse recentemente que a Europa, nomeadamente o Parlamento Europeu, paga aos populistas para que eles muitas vezes estejam nos seus próprios países a trabalhar contra o projeto europeu.
Pelo menos temos de dizer isso às pessoas. Por exemplo, no último debate em que Nigel Farage esteve, fez uma pergunta ao presidente Juncker e quando acabou de fazer a pergunta foi-se embora, não estava interessado na resposta, era apenas teatro político. Isso não é política, não é democracia. Muitos deles nem vão às comissões em que trabalham. Não vão às comissões, não fazem relatórios, não querem absolutamente saber, e as pessoas não têm essa noção. Por isso repito muito a ideia de que temos de alertar as pessoas para aquilo que é o não fazer nada. Se queremos destruir o sistema, talvez não fazer nada seja o objetivo. Agora, é preciso saber que a destruição do sistema tem um impacto que será muito pior do que o próprio sistema que temos hoje. Nenhuma democracia sobreviveu a essas mudanças de sistema, que podem causar um dano irreparável nas pessoas.

“Foi uma grande lição de democracia Portugal mudar de governo, mas continuar num rumo de credibilidade nas contas públicas.”

Visto de Bruxelas, na sua perspetiva, o que explica que em Portugal o populismo pareça não ter ainda chegado?
Por um lado, tenho orgulho nisso como português. Temos partidos de esquerda e de extrema-esquerda populistas, isso sempre tivemos e soubemos conviver com eles. Temos um Partido Comunista que fala da Coreia do Norte e da Venezuela de uma maneira que eu interpreto como populista, mas aprendemos a conviver com eles e portanto fazem parte do sistema. Evitámos, talvez por razões históricas, os extremismos de direita, que são muito perigosos pelo racismo, pela xenofobia, e isso tem que ver, penso eu, eventualmente com a nossa própria história.


O facto de termos um tipo de governo até ao dia 25 de Abril marca ainda hoje a forma como votamos e olhamos para as opções políticas?
Marca. Há uns anos, o senhor Orbán foi a Londres fazer um discurso e – contou-me o embaixador de Portugal – disse em Portugal todos os partidos têm um nome de esquerda. Achei interessante vindo de quem veio um elogio, mas isso tem que ver realmente com o nosso passado. Acho que em Portugal não há esse sentimento exacerbado.Volume 90%

Acha que Marcelo Rebelo de Sousa é também essa vacina contra o populismo?
Eu sou um fã do Presidente e acho que ele tem conseguido uma conexão sentimental e emocional com as pessoas que é extraordinária e que tem ajudado, sem dúvida, a que isso não aconteça. Tem sido um Presidente que tem unido o país. É muito interessante estar com ele em deslocações e ver que toda a gente vem ter com ele, ele tem um magnetismo único na política portuguesa. Acho que em toda a minha geração não há nada parecido com este magnetismo que ele conseguiu em relação às pessoas, esta ligação das emoções que as pessoas precisam. Porque vivemos num mundo digital em que cada vez há menos emoções e temos uma maior necessidade delas. Parece uma contradição mas não é.


Como é que em Bruxelas se olha hoje para Portugal? Já não é o mau aluno… agora até damos lições…
Penso que o que foi apreciado e que deu muita credibilidade ao país foi – quando houve a mudança de governo – na Europa as pessoas pensaram no que iria acontecer…


Por causa de ser um governo apoiado em forças de esquerda?
E era natural, em Bruxelas perguntavam como é que iria ser, quando há um partido comunista que está a apoiar um governo, como é que iríamos conseguir e o que é que Portugal iria fazer. Acho que isso foi uma grande lição de democracia e uma grande lição também para quem na Europa tinha algum ceticismo e que hoje dá Portugal como o exemplo de um país que consegue mudar de governo e continuar num rumo de credibilidade em relação às contas públicas, em relação ao que têm sido as políticas necessárias para fazer parte do grupo. Isso foi visto, e é visto, como um exemplo muito bom na Europa. Nós, quando vivemos e estamos cá, não temos talvez a noção do importante que isto é. As pessoas hoje olham para Portugal como um país moderno, um país estável, um país sem esses tais populismos de extrema-direita, e tudo isso é positivo e é o caminho que temos de seguir.


O que o governo acrescenta é que, para além de ter feito isso, ainda melhorou a condição de vida de todos os portugueses. Partilha dessa visão?
Aí é que vem a escolha política. O governo diz isso, a oposição dirá o contrário. Eu pertenço ao partido que está na oposição, portanto eu teria tido escolhas diferentes.Volume 90%

Teve uma experiência longa de negociação com a troika, surpreendeu-o este rigor orçamental num governo suportado por uma solução que engloba, como já referiu, o Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Comunista (PCP) e é liderado por António Costa, ou seja, pelo Partido Socialista (PS)?
Fiquei positivamente surpreendido, obviamente. Quando tudo isto começou e vimos que o governo teria o apoio do BE e do PCP, todas as pessoas – e acho que também muitas pessoas no PS – tiveram essa dúvida. Penso que o ministro das Finanças deu imensa credibilidade porque não era um político de carreira, mas era um professor e um economista e um homem do Banco de Portugal, e isso também teve impacto em Bruxelas. Depois, quando ele é nomeado presidente do Eurogrupo, acho que veio confirmar que Portugal estava realmente comprometido com a Europa.


Um dos sucessos para a política que este governo desenvolveu teve muito que ver com a presença deste ministro das Finanças?
Acho que sim, este ministro das Finanças era obviamente um homem que trazia essa credibilidade técnica. A vantagem de Portugal, que tem conseguido sempre escolher na área das Finanças e da Economia pessoas que sabem realmente da poda, tem um impacto muito forte, porque à volta da mesa eles têm realmente a teoria económica que conhecem e que impressiona os colegas desde a primeira hora. Portanto, tudo isso tem ajudado – Vítor Gaspar era também um exemplo disso, assim como Maria Luís Albuquerque -, foi-se construindo essa imagem de que Portugal tem ministros das Finanças credíveis, e isso é bom.


Mesmo assim acha que se podia ter ido mais longe e que, se calhar, é preciso resgatar o PS dessa esquerda a que está agarrado?
Obviamente que como comissário não entro em detalhes sobre a política nacional nem em especulação.


Perguntado de outra maneira: um Bloco Central seria uma solução de governo melhor para aquilo que Portugal precisa de enfrentar?
Não entro por aí, exatamente porque penso que não é a minha função neste momento. Acho que é bom para Portugal o caminho que percorremos e agora as pessoas terão de decidir, primeiro nas eleições europeias, que devem ser sobre o debate europeu, e depois nas legislativas, e o povo decidirá como deve.

“Nunca se falou com as pessoas sobre o que é que a Europa faz. E a Europa tem dificuldade nessa comunicação porque foi treinada para fazer o contrário.”

É verdade que a política nacional está muito embebida em questões europeias, mas não o entristece que as questões relacionadas com o futuro da Europa não estejam a ser discutidas em Portugal como deviam nesta campanha?
Isso acontece em quase todos os países. É normal. Agora não pode ser só nacional. Eu, obviamente, gostava de ver nos jornais, nas entrevistas, falar-se mais sobre aquilo que é o projeto da Europa, o que queremos para a Europa, o que cada partido quer para a Europa. Deixo um pedido a todos os candidatos para que falem mais da Europa, e para isso é preciso que todos ajudem, não pode só falar um e outro não, temos de trabalhar todos em conjunto.


Existe a tendência de poder vir a agravar-se esse fosso entre as duas discussões em função da evolução do próprio projeto europeu?
Esse risco há infelizmente, porque o projeto europeu foi-se afastando das pessoas. Os países de certa forma também quiseram esse afastamento. Gostavam de uma Europa em que estão a dizer as coisas que querem no país e culpam a Europa de tudo, isso é confortável, e politicamente foi muito utilizado. No fundo, nunca se transmitiu, nunca se falou com as pessoas sobre o que a Europa realmente faz. E a Europa tem dificuldade também nessa comunicação porque foi treinada exatamente para fazer o contrário. Os profissionais, os funcionários europeus foram treinados para falar de uma maneira diferente, acho que é pena. Nós tentámos isso, o presidente Juncker dizia que iria ser uma Comissão política exatamente por isso. Uma Comissão que fosse mais política também na linguagem para explicar às pessoas. É difícil dizer às pessoas que há três anos, se estivessem na Bélgica e quisessem ver um filme num canal português, não conseguiam porque estavam bloqueados, e que nós mudámos isso e que hoje na Europa podem ver séries e ler livros em qualquer ponto da Europa sem estarem bloqueados? Será que é difícil explicar às pessoas que as compras online de que tanto gostam, e que às vezes faziam noutro país e depois não recebiam a encomenda, que hoje isso está liberalizado e o podem fazer? É interessante ver que depois, em certos pontos, como foi o caso da diretiva dos direitos de autor, temos, de repente, uma vaga de comunicação vinda dos grandes gigantes americanos, que enviavam e-mails aos youtubers para eles dizerem mal da Europa e, depois, os nossos filhos chegavam a casa e diziam: “Então, ó pai, estão a acabar com a internet?” Nesse aspeto, temos de trabalhar muito nessa comunicação com as pessoas.


No que é que essa experiência europeia o podia ajudar no regresso à política portuguesa?
Pessoalmente, no regresso à minha vida. Espero voltar para Portugal e continuar a minha vida. Estive na política desde os 40 anos – já tenho 48 – e talvez seja agora o momento de começar uma nova fase que ainda não sei qual será, eventualmente fora da política durante algum tempo. Se a pergunta é o que vou fazer a seguir, não sei.

Mas não admite manter-se como comissário, imaginando que o atual primeiro-ministro, dando eventualmente uma pequena lição de democracia, o convidava para se manter?
Não sei. É uma coisa que teria de decidir e que dependeria do que é que era esse convite, para fazer o quê, em que área, e depende muito da escolha dele. Qualquer que seja a escolha do primeiro-ministro, e ele sabe isso, eu vou respeitá-la. Sei como essas escolhas são difíceis quando se está no papel dele. E qualquer coisa que eu possa dizer em relação a isso estou ou a condicionar ou a criar um caso e portanto não o vou fazer. Acho que foram cinco anos extraordinários e portanto vou planeando a minha volta a Portugal sem saber o que vou fazer no futuro.

“No PSD temos um líder que é um homem com grandes qualidades, um político diferente e que comunica de uma forma muito direta que lhe vem do coração.”

Não resistimos a duas ou três coisas que têm que ver com o seu partido. O que seria, na sua opinião, um bom resultado para o PSD nas próximas eleições europeias?
Penso que um bom resultado para um partido é ganhar as eleições.Volume 90%

E se for uma vitória “poucochinho” como costuma dizer-se agora?
Esse termo nunca foi utilizado por ninguém no meu partido. Penso que a vitória seria realmente ganhar as eleições, isso era a vitória para o PSD, obviamente.


No caso do cargo de comissário, acha que esse seria um lugar para o qual o cabeça-de-lista do PS, Pedro Marques, está talhado?
Posso dizer o que penso que um comissário ou comissária devem ter como características. Devem ser pessoas que, pelo menos, falem com alguma fluência uma ou duas línguas sem contar com o português, porque a vida de todos os dias da Comissão é estar nos vários países, é falar com as pessoas, é também tomar decisões e, portanto, é preciso uma fluência linguística forte. Depois, é preciso conhecer os dossiês e o tema, e isso depende muito de qual vai ser a responsabilidade – aquilo que nós chamamos o portfólio – que essa pessoa terá e quais são as qualificações que tem para o fazer. A partir daí, a pessoa pode olhar para determinadas pessoas e tirar as suas conclusões, mas isso não sou eu que vou fazer.

Ainda é jovem e tem falado sempre em Bruxelas sobretudo da questão da pouca proximidade que existe entre os jovens e a política. É óbvio que podemos esperar de si uma participação política ativa a nível nacional, certo?
Sim, obviamente que continuarei sempre a ajudar o meu partido, primeiro porque sou real e convictamente um social-democrata e porque gosto de ajudar na política. Podem sempre contar comigo. Tenho, como costuma dizer-se, dado sempre o corpo ao manifesto. Tenho muito orgulho em ser agora o mandatário da lista do PSD às europeias, o que faço obviamente com muito cuidado em relação à minha função de comissário. Assim continuarei quando estiver em Portugal. Como não sei ainda o que vou fazer, terei um pouco mais de tempo, pelo menos não vou viajar tanto.


Tempo para preparar por exemplo uma futura liderança do seu partido?
Isso é uma pergunta que neste momento não pode fazer nenhum sentido, uma vez que estou fora dessas lides políticas e temos um líder que penso que é um homem com grandes qualidades, que é um político de certa forma diferente e que comunica de uma forma muito direta e de uma maneira que lhe vem do coração, com uma credibilidade que vem do trabalho que tem feito durante a sua vida, e que tem essas características de um líder: a honestidade, a credibilidade. Eu que o partido está unido à volta desse líder.

“António Costa é “a” voz dos socialistas europeus hoje. Isso é bom para os socialistas europeus e é nitidamente bom para ele.”

Nesta semana falou-se de que António Costa podia ser candidato a presidente do Conselho Europeu. Como vê estes rumores do Financial Times?
Obviamente são rumores do Financial Times, mas como são rumores do Financial Times têm sempre aquele valor anglo-saxónico. O que vejo sobre isso? Vejo que o primeiro-ministro conseguiu tornar-se de certa forma, por mérito seu, daquilo que fez e da credibilidade que criou, o líder dos socialistas europeus. Portanto, vejo esse artigo como um elogio ao trabalho que ele tem feito em relação ao seu grupo político. António Costa é a voz dos socialistas europeus hoje. Isso é bom para os socialistas europeus e é nitidamente bom para ele. Agora, acho que isso não deixa de ser rumor nesta altura, obviamente. Eu, se estivesse na posição dele, via isso como um elogio ao papel que tem tido no socialismo da Europa, que, como sabe, está em grandes dificuldades. Estão a cair a pique e, em certos países, quase que já não existem. Portanto, obviamente que Portugal tem contado muito mais.Volume 90%


Se a abstenção nestas eleições for maior do que a que tem sido – tem-se situado nos 60%, o que é absolutamente enorme -, não fica um pouco posta em causa também a legitimidade das instituições europeias?
Fica, acho que sim, acho que as pessoas não votarem retira, de certa forma, essa legitimidade e dá voz aos populistas. Tem neste momento os populistas visíveis, os que são eleitos para tentar ir, no fundo, ser alimentados financeiramente para esse populismo, depois tem os invisíveis, que nem sequer são eleitos e que são radicais. Tudo isso é mau para a Europa, e não consigo perceber como é que as pessoas não se interessam, porque o que ouvi durante estes cinco anos é que tudo o que fazemos lá tem um efeito direto na vida das pessoas. Repare no regulamento da proteção de dados… Como é que as pessoas não se interessam? A culpa será nossa e não das pessoas. Eu não culpo as pessoas, mas o que é que nós podemos fazer para realmente as entusiasmar para estas eleições europeias? Porque há dois fenómenos, há uma parte que é estrutural aos países em que as pessoas dizem que já não se interessam pela política porque os políticos são todos iguais e, depois, há outra parte que para além disso ainda se interessa menos pelos políticos europeus, porque isso então é que acham que não interessa nada. Isto é chocante.

© Gerardo Santos / Global Imagens


Esse espírito, essa falta da noção de pertença à Europa, como se pode combater?
Havia aquela frase que não era do Jean Monet mas que lhe foi atribuída que dizia que se tivesse de recomeçar recomeçaria pela cultura. Eu penso que essa identidade europeia tem de ser trabalhada e tem de ser desenvolvida. Nós temos de trabalhar mais com as pessoas sobre aquilo que a Europa realmente é, e dou um exemplo: nós devemos ter, desde o ensino primário, aulas obrigatórias do que é a Europa, do que é o funcionamento da Europa. Deparo-me com miúdos do ensino secundário em que a única maneira de lhes explicar o que é o Conselho, a Comissão e o Parlamento é explicar-lhes com um filme americano a diferença entre o Senado, a Câmara dos Representantes e a Casa Branca. Isto é chocante e mostra que nunca trabalhámos sobre o que é a identidade, sobre o que é ser europeu. Quando a pessoa vive fora da Europa, como eu vivi durante anos nos Estados Unidos, percebe melhor o que é ser europeu quando vive fora da Europa. E o que é essa proximidade? Tem muito que ver com a nossa identidade. O ponto sobre o clima, sobre as mudanças climáticas por exemplo: há pouco tempo a OCDE fez um relatório muito interessante que dizia que 90% dos europeus consideram as mudanças climáticas como algo muito sério e preocupante. Eu acho que não há nenhuma parte do mundo em que isto aconteça, e isso faz parte da nossa identidade, assim como a intolerância que temos à desigualdade; faz parte da nossa identidade aquilo que nós sentimos na diferença entre o individualismo e o coletivismo, somos muito mais preocupados, somos menos individualistas na Europa. Tudo isso é a nossa identidade, mas nunca explorámos isso, nunca trabalhámos isso.


Às vezes até deixamos que se agrave, quando acontece aquilo que acontece no Mediterrâneo e depois muitos desses valores são postos em causa…
É verdade. Acho que no caso dos refugiados o drama foi esse. Penso que o facto de não termos trabalhado a identidade faz que quando sentimos uma fragilidade na nossa própria identidade – há um sociólogo que reflete isto muito bem, o Jonathan Sacks -, fragilizamos e temos mais medo do outro, ou seja, se tivermos uma identidade forte, não temos medo do outro. Por exemplo, eu acho que os portugueses têm uma identidade forte, nós não somos um povo com medo do outro, não temos essa situação. Temos medo do futuro, temos outros medos, mas não temos medo do outro, do estrangeiro, como eu vejo em muitos outros países. Acho que Portugal nisso é muito melhor e é um grande exemplo.

“A Europa, no Brexit, foi um fenómeno interessante. De um dia para o outro, os 27 estavam totalmente unidos naquilo que queriam. Esta aliança de interesses que temos em relação a um mercado único, é uma aliança muito forte.”

Quais são as suas previsões para o Brexit, o que vai acontecer e como é que isso vai impactar a Europa?
As previsões são sempre más, tudo será um desastre, tudo isto é um desastre. É mau para nós, é mau para eles, é mau para a Europa, é mau para o mundo e, ainda por cima, não sabemos quando é que vai acabar. Ou seja, nós demos esta extensão até 31 de outubro e não sabemos o que é que vai acontecer. Se me perguntar se vai mesmo acabar em 31 de outubro, digo-lhe que não sei, não sei. Agora, nós abrimos os braços, demos tudo o que era necessário. A Europa aí foi um fenómeno interessante, de um dia para o outro, os 27 estavam totalmente unidos naquilo que queriam. Quando se deu o Brexit, toda a gente à volta da mesa disse: ah, este é o acordo que nós queremos para a saída, e o Orbán e na Polónia estavam de acordo com Macron e com Merkel. Portanto, esta aliança de interesses que nós temos em relação a um mercado único, em relação a não termos fronteiras para podermos vender os nossos produtos, é uma aliança muito forte.


Outra zona de preocupação comum é a questão das plataformas digitais, perante as quais só mesmo a UE poderá ter alguma ação reguladora. Acha que Vestager na Comissão seria sinónimo de força, finalmente, para pôr a Google e o Facebook na linha?
Eu gosto muito de Vestager e acho que além de ser uma grande política é uma grande mulher e representa para mim aquilo que a Europa tem de melhor. As pessoas não sabem muito bem o que faz a Europa, mas há coisas que sabem, que são aquelas que são muito claras. As pessoas sabem que foi ela quem fez estas multas à Google, à Apple. Lá está, se nós clarificássemos como clarificamos na concorrência aquilo que é a Europa a fazer e aquilo que são os países a fazer, era um mundo de diferença. Ela tem tido essa coragem de enfrentar estes gigantes das tecnologias e, de certa forma, lhes dizer que na Europa as regras são nossas e que as regras são baseadas na dignidade humana, são baseadas na concorrência justa, e tudo isso tem sido importante para a Europa e tem-nos diferenciado.

Na questão do 5G estamos um bocado ao contrário, ou seja, ninguém sabe muito bem qual vai ser a posição, se nos vamos juntar aos nossos aliados naturais, os Estados Unidos, se vamos ceder à China, se nos vamos manter equidistantes…
Eu aí tenho muita pena e espero que ainda consigamos dar a volta, porque a Europa foi líder naquilo que foi a construção da infraestrutura da internet, mas no caso dos telefones, a Europa foi líder naquilo a que nós chamamos o GSM, que era no fundo 2G, e porque é que a Europa foi líder? Foi líder porque soube regular imediatamente, soube escolher a tecnologia e fomos para a frente. Agora nos 5G não estamos a conseguir dar essa volta. Fizeram-se muitas asneiras desde o 2G até ao 5G, e essas asneiras estão a custar-nos muito caro. Houve também muito lobbying das empresas. O que acho que temos de fazer? Temos de investir mais na tecnologia e temos de conseguir ser nós os campeões daquilo que vai ser o standard, daquilo que todos vão utilizar. Eu gostaria muito de ver as empresas europeias, que são muito boas nessa área, a conseguir ultrapassar as empresas chinesas e americanas.

(EUobserver) Erdogan: Turkey will keep pushing for EU membership

(EUobserver)

Turkish president Recep Tayyip Erdogan on Thursday said his country would “stubbornly” continue to push for European Union membership. Speaking in Ankara, he said that “Turkey proceeds on its way persistently despite those trying to exclude it from the European family”. Erdogan accused the EU of leaving Turkey alone to shoulder the refugee burden. It is housing some 3.6 million Syrian refugees. Turkey first applied for EU membership in 1987.

(JN) Portugal tem a maior redução de emissões de CO2 na União Europeia

(JN)

Portugal teve a maior redução (-9%) de emissões de dióxido de carbono (CO2) na União Europeia e mais do triplo da média europeia (-2,5%) em 2018 face ao ano anterior, segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Os números do gabinete estatístico da UE registam uma redução de 2,5% das emissões de CO2 provenientes da combustão de combustíveis fósseis na UE, com Portugal a liderar a tabela, com uma quebra de 9% de 2017 para 2018.

A Bulgária registou o segundo maior recuo nas emissões de CO2 (-8,1%), seguindo-se a Irlanda (-6,8%), a Alemanha (-5,4%), a Holanda (-4,6%) e a Croácia (-4,3%).

As emissões de CO2 geradas por combustíveis fósseis aumentaram em oito Estados-membros: Letónia (8,5%), Malta (6,7%), Luxemburgo (3,7%), Polónia (3,5%), Eslováquia (2,4%), Finlândia (1,9%) e Lituânia (0,6%).

As emissões de CO2 representam cerca de 80% do total de gases com efeito de estufa na UE.

O Eurostat destaca ainda que as importações e exportações de produtos energéticos têm impacto nas emissões de dióxido de carbono no país onde os combustíveis fósseis são processados.

(PUB) António Costa vai ter “voz activa” na escolha dos próximos líderes da UE, mas não será candidato a nenhum cargo

(PUB) Primeiro-ministro desvaloriza notícia do Financial Times que o apontava como um dos nomes possíveis para a presidência da UE. “Não sou candidato a nada a não ser às funções que exerço em Portugal”, garantiu.

António Costa não acredita em tudo o que lê no Financial Times. O primeiro-ministro rejeitou esta quinta-feira a hipótese de vir a ser indicado para a presidência do Conselho Europeu, como escreveu o diário financeiro britânico, que o nomeou como um dos possíveis candidatos ao cargo actualmente desempenhado pelo polaco Donald Tusk. “É muito elogioso, mas eu não sou candidato a nada a não ser às funções que exerço em Portugal”, garantiu António Costa à chegada à cimeira informal de chefes de Estado e de governo da União Europeia em Sibiu, na Roménia.

Mas se se pôs de fora da corrida à presidência do Conselho Europeu, Costa não deixou de prometer ter uma “voz activa na decisão de qual deva ser a equipa dirigente da União Europeia” a seguir às eleições de 26 de Maio. Donald Tusk desafiou os 27 líderes presentes em Sibiu a lançar as bases do debate sobre a futura distribuição dos cargos de topo no Parlamento, Comissão e Conselho Europeu, bem como de alto-representante da UE para a Política Externa e presidente do Banco Central Europeu.

Para já a conversa é preliminar — como lembrou Costa, “os lugares dependem em primeiro lugar do resultado das eleições europeias”, pelo que só dentro de 15 dias se poderá falar com base em factos concretos. O presidente do Conselho deverá convocar os líderes para uma nova reunião informal em Bruxelas logo a seguir à votação para o Parlamento Europeu, provavelmente a 28 de Maio.

Como muitos outros líderes, António Costa reclama a primazia do Conselho na indicação do nome do futuro presidente da Comissão Europeia, rejeitando que o método de nomeação do cabeça de lista da família política com mais votos para o Parlamento (conhecido como o sistema de “Spitzenkandidaten”) deva ser aplicado de forma automática. Ainda assim, o primeiro-ministro português acredita que será possível designar um nome entre aqueles que já se perfilaram para suceder a Jean-Claude Juncker à frente do futuro executivo comunitário.

“Acho que temos boas condições para poder encontrar no Conselho uma maioria favorável a propormos um presidente da Comissão que seja um dos Spitzenkandidat nestas eleições e que recolha uma maioria no Parlamento Europeu”, afirmou António Costa. Mas para o primeiro-ministro esse candidato não é o alemão Manfred Weber, cabeça de lista do Partido Popular Europeu, mas sim o holandês Frans Timmermans, da sua própria família socialista.

“Entre os diversos candidatos há aqueles que claramente dividem todos, e há um que facilmente une todos”, distinguiu. “Acho que Timmermans é claramente um factor de união e não um factor de divisão”, acrescentou.

Costa aposta, de resto, num bom resultado dos socialistas nas eleições europeias. “Durante muitos anos ouvi dizer que a família socialista, social-democrata e trabalhista estava em perda. Agora aquilo que constatamos é que está, pelo contrário, em alta”, observou, baseando a sua análise nos dados das sondagens que sugerem uma “subida muito significativa dos socialistas ao longo dos últimos meses”.

(EUobserver) Danske Bank executives face money-laundering charges

(EUobserver)

Danish prosecutors have charged 10 former executives at Danske Bank, the country’s largest lender, over their role in the EU’s biggest-ever money-laundering scandal, Danish newspaper Berlingske reported Wednesday, citing anonymous sources. The Danish bank funnelled some €200bn of suspicious money, most of it from Russia, into the EU banking system, via its Estonian branch between 2007 and 2015, harming both its and Denmark’s reputation.

(EurActiv) Liberalism in Portugal – Ricardo Arroja

(EurActiv)

The socialists and the social democrats have monopolised government since the 1974 democratic coup, writes Ricardo Arroja.      

Although successful economically, Portugal remains at the mercy of rampant bureaucratisation, writes Ricardo Arroja, a political newcomer who champions decentralisation and a citizen-centred state in his native country as well as in Europe.

Ricardo Arroja is a top Portuguese economist and lead candidate for the 2019 European Parliament elections under the banner of the Portuguese liberal party Iniciativa Liberal. 

Portugal is not known for its liberalism. Having spent most of its History under absolutist monarchy, and most of the past two centuries between a rock and a hard place, socialism has governed the country since 1974’s democratic coup.

The socialists and the social democrats, two sides of the same coin, have monopolised government for 45 years. Unsurprisingly, the state has since assumed an expanding role in the economy, framing government not as the referee but as the main player. However, you can only have one Cristiano Ronaldo and the real one is in Turin playing for Juventus, not in Lisbon’s “Palácio de São Bento” where the prime minister sits.

As economist Oskar Lange once wrote “The real danger of socialism is that of a bureaucratisation of economic life”. That is what socialism has brought to Portugal. That and public debt. A sea change is long due. The alternative is citizen-centered liberalism, one which is not about the old divide of left vs. right, but about empowering the people over the state. It is about Madisonian decentralisation and freedom of choice. Not a horizontal left-to-right line, but a vertical one where individual citizens stand on top.

This is what a new political party in Portugal, the Liberal Initiative, is running for starting in May’s European Parliament election – its first run to the ballot and my first experience in politics.

European accession in 1986 proved a huge success in Portugal. Real GDP per capita improved markedly until the introduction of the euro in 1999. However, over the past twenty years, Portuguese GDP per capita adjusted for purchasing power parity has remained stagnant at roughly 75% of euro area average. Politically speaking, it is far from the point to discuss whether the euro is to blame for Portugal’s great stagnation. Popular support in Portugal for the common currency is strong and overwhelming. Rather, the most contentious debate is increasingly about government failure, about its inability to deliver proper public services and infrastructure.

Portugal’s recent fiscal success – a roughly balanced budget in 2018 despite a huge public debt – has not been detrimental to economic growth. That is the successful part of the story, one which disapproves those that argued otherwise. However, the unsuccessful part is that deficit reduction has been lethal to public services and government investment spending. Anecdotal evidence in the public sector includes waiting lists for cardiology appointments up to 3 years long, year-long waiting for retirement pension approvals, roads that cave in, and falling train engines. Ironically, the country’s tax burden is at a record high, but value for taxpayer money has never been so low.

Portuguese GDP per capita is well below the euro area average. However, a rising and record-level tax burden, closely approaching the euro area level, has resulted in an absurdly high fiscal pressure stacked against taxpayers in Portugal. This is no way to build a Europe of fiscal equals. Liberalism can provide an alternative route for Portugal by arguing that state provision of public services need not be the only solution. By contracting-out public services and establishing competition between for-profit, not-for-profit, and even public providers, the state should relegate itself to a role of refereeing, delegating the role of provisioning to other players.

Player-referees tend to be devious players and even worse referees. Undoubtedly, citizens in Portugal and elsewhere see in the state a role to be fulfilled. But as government failure becomes the unfortunate standard it is unacceptable to hold citizens hostage to bureaucratic Leviathans. The state, a creature of the people, should retain the power to tax. Through the state, rules are to be set on behalf of the people, provided minorities are shielded against the autocratic will of absolute majorities. Thus, by featuring the state as the legitimate tax collector and a lawful referee, resources and goodwill will follow the true source of political and fiscal legitimacy, citizens not bureaucrats.

My political platform is one of competition, decentralisation and freedom of choice – or devolution of choice to citizens – both in Portugal and in the European Union. This is an area of freedom, security and justice, where member states have pledged to uphold shared fundamental values such as respect for diversity and human rights. It is built upon co-operation, a common market, freedom of movement, but not on sovereign union. Rule of law and mutual observation of core values should be the main tenets of European Union membership. These are non-negotiable European principles, though not to be confused with a federalist Utopia.

Henceforth, my vision of the European Union as a fully-fledged integrated area of mutual interests and fundamental values includes a European asylum policy, agreements on tax bases between countries, and truly harmonised laws that are applied equally. But it also includes domestic immigration policies, differentiated tax rates amongst different countries, and economic competition.

In this vision, there is no room for politically motivated corporate champions nor for European taxes nor for corporativism of any kind. But plenty of room for lawful exchange and convergence, regional diversity and, above all, citizenship.

(EUobserver) Europeans ‘don’t love each other’ any more, Juncker says

(EUobserver)

Europeans have “lost our collective libido” and “don’t love each other” any more, European Commission president Jean-Claude Juncker has told German daily Handelsblatt on the rising popularity of anti-EU parties across the continent . Brexit was a “special case”, he added, because the UK’s EU “bride” had been attacked in British media for the past 40 years, he added. “The bride was systematically reviled and then rejected,” Juncker said.

(EUobserver) EU nationals applying in large numbers to stay in post-Brexit UK

(EUobserver)

Some 600,000 of the 3m EU nationals in the UK have already applied for the “settled status” they need to stay after Brexit, British authorities said Wednesday, adding that there were zero refusals in the first 200,000 applications in a pilot scheme. The European Commission said the same day British 18-year olds can apply until 16 May to get a free European rail pass under its so-called DiscoverEU scheme.

(EUobserver) Spike in EU antisemitic attacks prompts alarm

(EUobserver)

Violent antisemitic incidents in Europe went up from 342 in 2017 to 387 last year, according to the European Jewish Congress (EJC). Numbers of incidents including harassment, vandalism, as well as physical assault went up by 74 percent in France and 70 percent in Germany. “Antisemitism has recently progressed to the point of calling into question the very continuation of Jewish life in Europe,” EJC head Moshe Kantor said.

(EUobserver) Jourova: Danske Bank investigation not shelved

(EUobserver)

“The case of Danske Bank is not closed for us,” EU’s justice commissioner Vera Jourova has told the Financial Times. The commission’s pledge to follow up on the money-laundering scandal came despite a vote in the European Banking Authority on 16 April rejecting that its supervision of Danske Bank had failed, and shelving an investigation into the €200bn Danske Bank scandal linked to illicit Russian money.

(Economist) The problem with EU foreign policy

(Economist) Too much historical baggage

Several mirage 2000 fighter jets took off from an air base in N’Djamena, Chad’s capital, on February 3rd and flew north over the savannah and the scrubby Sahel towards the Sahara Desert. There the French planes bombed a column of some 50 lorries carrying rebels south from the Libyan border. Paris’s action was co-ordinated not with the rest of the eu, but with Chad’s brutal government and Khalifa Haftar, the Libyan warlord who controls swathes of his country. Today France is still backing General Haftar as he shells the post-Qaddafi “government of national accord” in Tripoli. On April 10th Paris blocked an eu statement urging him to stop, infuriating its European allies.

Africa is churning and Asia is rising. President Donald Trump has raised doubts about the transatlantic alliance. Europe’s share of the world’s population and wealth is shrinking. Yet the eu still generates 22% of global gdp. And its members are trying to act more as one. In 1993 the eu established a mechanism for a “Common Foreign and Security Policy”. In 2011 it created the “European External Action Service”, a form of diplomatic corps, and a “high representative” to lead it (currently Federica Mogherini, an Italian). In the decade since then it has brokered a deal curbing Iran’s nuclear ambitions and taken on pirates near the Horn of Africa. In February it held its first summit with the Arab League and on April 9th it deployed newly tough language in a summit with China. Its new “Permanent Structured Co-operation” provides a framework for mutual defence and inspires talk of a “European army”.Get our daily newsletter

Upgrade your inbox and get our Daily Dispatch and Editor’s Picks.

As recent events in north Africa show, however, this co-operation quickly ends where it collides with national impulses. France has oil interests in the part of Libya controlled by General Haftar and considers itself responsible for its former colonies to the south, such as Chad and Mali. Rome’s interests centre on Tripoli and the migration-prone Mediterranean coast. So France backs General Haftar and Italy backs the Libyan government. Europe is divided. Likewise, the eu’s recent summit with China belied growing bilateral links between southern and eastern European states and Beijing. And last month Italian objections prevented the eufrom backing the popular uprising in Venezuela.

Crises nearer home are even more divisive. The eu has been “irrelevant” in the Syrian conflict, despairs one European diplomat. Germany is still promoting NordStream2, a gas pipeline that will increase Russia’s power over countries like Poland; Spain frustrates efforts to guide Balkan states towards eu membership; it does however back Turkish membership, whereas Austria viscerally opposes that and others have doubts. The eu’s overseas missions remain inferior to its major national embassies and Ms Mogherini’s monthly meetings with euforeign ministers are quests to find the lowest common denominator. Slow progress towards common defence procurement, let alone a shared doctrine, renders loose talk about a European army ridiculous.

The common foreign and security policy still works on unanimity. It can take positions only where the eu’s 28 member states agree. One sensible proposal is to adopt “qualified majority voting” on foreign policy, allowing the eu to act against the will of minority stick-in-the-muds. But that can only achieve so much. On matters where it already applies, like the single market, member states tend to find fudges preserving unanimity. Where they do not, decisions can prove divisive. In 2015 central European states simply ignored a vote imposing refugee quotas on them.

Look to architecture to see a representation of the problem. The eudiplomatic service is housed in a bland, modern office block in Brussels. France’s foreign ministry sits in a palace completed in 1855 amid the pomp of the Second Empire; Rome’s fascist-era Palazzo della Farnesina was signed over to Italian diplomats in 1940 as Italian tanks rolled through north Africa; Austria’s foreign ministry is housed in a Habsburg-era pile. And how to find a common European identity in Ho Chi Minh City, in Vietnam, where France’s consulate occupies a magnificent colonial mansion while the Brits and Germans squat in ugly office buildings? The buildings say what diplomats cannot: European foreign policies have different, centuries-old roots. They cannot easily be merged.

Concrete inaction

History is the elephant in the room. France and Italy cannot agree on Libya because both see it as part of their sphere of influence. Ever since its “Racconigi” bargain with Russia in 1909, Italy has strayed sporadically from western European foreign-policy positions; its reluctance to join the chorus on Venezuela belongs to this tradition. Spain’s scepticism towards regional breakaways like Kosovo is rooted in its own centuries-old battle to hold Catalonia. Its Moorish heritage makes it a bridge between Europe and the Islamic world, including Turkey, whereas Austria nurtures old fears of the Ottoman invasion that reached the gates of Vienna. Germany’s wariness about military might has understandable 20th-century roots, and the country has a certain romantic attachment to Russia—witness Willy Brandt’s “Ostpolitik” rapprochement with the Soviet Union—that alarms Poles. And if central Europeans are naive about Chinese interference, this is at least partly because of their own historical links to Beijing, which for example backed the Czechs when the Soviets invaded in 1968.

The foreign-policy instincts of eu member states were forged by the experiences of invasion, destruction or the threat of those things. Today’s challenges—China’s rise or the migration crisis, say—are dramatic but not sufficiently so to forge a single narrative for the eu. So its foreign policy remains hopelessly underpowered, limited to coaxing national capitals towards agreement and supporting their ad hoc initiatives. Over a generation or two, these common experiences may grow into a common foreign policy culture. But the world is changing faster than that. Europe will struggle to get over its past before the future arrives.

(EUobserver) Trump to meet May and Macron on Europe visit in June

(EUobserver) US president Donald Trump will make his first state visit to the UK on 3-5 June, the White House announced on Tuesday. The visit includes an audience with the Queen and a meeting with prime minister Theresa May. While in Europe, Trump will also travel to Normandy for D-Day commemorations and a bilateral meeting with French president Emmanuel Macron on 6 June.

(Express) Greek PM blasts ‘anti-democratic’ EU over austerity but admits Greece CAN NEVER exit

(Express) BREXIT proves that countries are better to remain in the European Union rather than taking their own “nationalistic approach”, according to Greek prime minister Alexis Tsipras.

The Greek leader claimed that Britain with its “very significant power” not being able to find a way out of the Brussels bloc should act as a warning to other would-be leavers. He accused Brexiteers of pushing an exaggerated patriotic agenda in order to win the historic EU referendum in June 2016. In a separate warning, he said that the EU is failing to convince voters of the project’s virtues ahead of May’s European Parliament elections.

This is leading to a surge of anti-EU and populist political movements springing up across Europe, he added.

In a bid to quash nationalist views in Greece, Mr Tsipras said: “Brexit was a very bad development for Europe and very bad for Britain as well.

“Whatever we are watching now is the result of a chauvinist rhetoric that promised a breakthrough with a nationalistic approach, not with finding collective solutions,” he added in an interview with the Financial Times.

“If the UK, which is a very significant power, has so many difficulties in finding a way froward for Brexit, then just imagine, what about Greece?

Alexis Tsipras

Greek prime minister Alexis Tsipras says ‘difficult’ Brexit shows why countries should not leave EU (Image: GETTY)

“The development with Brexit prove that this path, the nationalistic path, is not a path that offers an easy way for a breakthrough in solving problems.”

But despite Britain’s apparent difficulties in leaving the EU, anti-Brussels parties are still springing up across the bloc, according to Mr Tsipras.

“It has to do with the current austerity policies and with the face of Europe, which is not so attractive for European citizens,” he said.

“The EU seems to be not so democratic, not so friendly to people’s needs.”

Mr Tsipras’ left-wing Syriza party is losing ground to ring-wing parties ahead of an October election, which is being championed by the Greek prime minister.

But he claims that leftie movements on the Continent should not be written off, especially if Britain takes part in the European elections on May 23.

If British MEPs take their seats, the Labour Party have a good chance of being the UK’s largest party in the EU Parliament, he added.

“I think the game is still open in Europe. Even if currently there is an impression that the conservative right and the extreme rightwing have better results, I think this is something that will not last for ever,” Mr Tsipras said.