Category Archives: Portugal

(BBG) Europe’s Hottest Property Market Is Getting Too Hot for Some

(BBG)

Portugal is sticking with its golden visa program even though locals are being squeezed.By Henrique Almeida19 de setembro de 2019, 05:01 WEST

Ana Guerreiro points across the street at a handful of housing projects in Lisbon’s up-and-coming riverside neighborhood of Marvila. It’s where she moved in with her mother last year after soaring rents meant she could no longer afford to live alone.

“Prices have gone through the roof here,” said Guerreiro, 33, stepping outside the cafe where she waitresses for a break.

Portugal is western Europe’s most dynamic property market thanks to tax incentives for foreign buyers and a so-called golden visa program, which offers residence permits in return for a minimum 500,000-euro ($550,000) investment. The flip side for people like Guerreiro is that they have become collateral damage with no prospect of prices cooling any time soon.

ON HOLD - GOLDEN VISA STORY
Ana Guerreiro stands in front of a street art mural in Marvila on Sept. 13.Photographer: Angel Garcia/Bloomberg

Foreign investors have pumped 4.3 billion euros into Portuguese real estate through the residency program since it began in 2012. Prime Minister Antonio Costa, who is widely expected to win a second term in an election next month, has signaled the country needs the incentives to continue to bring in money. Foreign Minister Augusto Santos Silva even called the programs a “sovereign right.”

Lisbon has become a magnet for tourists in Europe as many investors renovate properties and turn them into short-term rentals through sites like Airbnb. The short-term rentals have been blamed for increasing prices because they target visitors who can afford to pay more than locals.

According to the latest figures, Portuguese property prices increased 9.2% in the first quarter of the year, the biggest gain in the euro region and the steepest rise in the European Union after Hungary and the Czech Republic, according to data compiled by Eurostat.

“They just can’t afford to say no,” said Tiago Caiado Guerreiro, a lawyer in Lisbon who specializes in tax legislation. “These incentives have turned cities like Lisbon into a magnet for foreign investors who helped put the city on the map as a top tourist destination.”

Victims Portugal’s golden visa boom

Indeed, a short distance from where Ana Guerreiro works, a line of new condo developments is emerging behind colorful murals and graffiti-covered walls, luxury homes marketed mainly to a new generation of foreign residents.

Variations on Portugal’s incentives have been adopted across Europe and in countries around the world — from the U.S. and Canada to Spain and Greece. They tend to last until a critical mass of vocal opponents conclude the costs — soaring housing prices, absentee homeowners and allegations of corruption — outweigh the benefits, and politicians drop them.

Portugal’s particular circumstances may forestall that outcome for longer than in other places as there are still plenty of properties in need of renovation, and prices remain relatively reasonable compared with other parts of Europe.

Not long ago, as Europe recovered from the global financial crisis, Portugal lagged behind its neighbors in attracting investment — and it showed. Buildings in historic Lisbon were crumbling, their tile work and masonry faded and cracked.

All that began to change after the government scrapped rent controls in 2012 and introduced the golden visa and tax breaks to attract wealthy foreign residents and property investors. At the time, about 12,000 buildings were in poor condition or in ruins, about 20% of the total, according to city council estimates.

Now, Lisbon’s cobblestone streets and hilltop palaces are being restored, and hundreds of buildings converted into new hotels, short-term rental apartments and luxury retail stores. Investment in real estate and the tourism industry has broken records, boosting the Portuguese economy, which expanded for a fifth consecutive year in 2018.

ON HOLD - GOLDEN VISA STORY
Tourists and visitors gather at the viewpoint of Miradouro da Senhora do Monte in Lisbon on Sept. 13.Photographer: Angel Garcia/Bloomberg

“Lisbon has never been better in terms of the restoration of its buildings,” said Francisco Bethencourt, a history professor at King’s College in London. “The number of decrepit buildings has been reduced and some of the misery that existed in some neighborhoods is no longer visible. However, this change has had huge social costs as locals with fewer financial resources are being pushed to the periphery.”

Ana Pinto, the president of the Association of Residents of the County of Marvila, can see some benefits of more money coming into her town, which now draws comparisons to hipster havens in New York’s Brooklyn.

But she complains that some of the more than 600 members of her association are moving elsewhere after home prices rose 88% in the first quarter from a year earlier, according to Portugal’s National Statistics Institute in Lisbon.

“Real estate prices have simply become unbearable for us,” said Pinto. “What can we do?”

Canada ended an immigrant investor plan in 2014 after concluding that it provided “limited economic benefit.” Compared with other economic immigrants, investors paid less tax, were less likely to stay in Canada, and often lacked the skills, including proficiency in English or French, to integrate, the government found. The federal program was admitting roughly 2,000 investors a year when it ended.

“What the investor program became was a kind of de facto retirement program,” said Dan Hiebert, an expert on international migration at the University of British Columbia in Vancouver. “Instead of propelling the investment side of the Canadian economy, it propelled the consumption side of the Canadian economy,” including home purchases, expensive cars and so on, he said.

In Europe, about 20 countries operate investor residence programs, which allow the holder to travel freely within the continent’s Schengen Area during a limited period of time, according to the European Commission. In January, the commission warned that the programs expose the bloc to money laundering and security risks.

It also can change the way people live in cities.

Last month, an online ad promoting the rental of container homes in Marvila made headlines in the local press, which linked the 600-euro-a-month converted shipping containers to the lack of affordable housing in Lisbon. A few days later, the city council ordered the removal of the containers, daily newspaper Publico reported on its website.

ON HOLD - GOLDEN VISA STORY
In the Amadora district of Lisbon, real estate prices have risen significantly.Photographer: Angel Garcia/Bloomberg

About six miles away, in the town of Amadora, City Council President Carla Tavares said Lisbon’s real estate boom has helped turn a suburb that was once seen as a hot spot for crime into a vibrant hub for foreign residents and companies like Siemens AG. Real estate prices in Amadora increased 23% in the first quarter from the same period a year earlier.

“It’s very positive to see so much rehabilitation in the city,” Tavares said in a phone interview on Aug. 14. “We must let the market function.”

(ECO) Portugal financia-se em 1.250 milhões a juros negativos históricos

(ECO) Tesouro português foi esta manhã aos mercados para financiar Estado em 1.250 milhões de euros. Obteve o montante mínimo pretendido a taxas ainda mais negativas do que anteriores operações.

Portugal continua a aproveitar as condições favoráveis do mercado para se financiar. Desta vez, num duplo leilão de títulos de dívida de curto prazo, o Tesouro português obteve um financiamento de 1.250 milhões de euros, numa operação em que mais uma vez os investidores não se importaram de “pagar” para emprestar dinheiro ao Estado português. As taxas de juros foram ainda mais negativas do que em anteriores operações em consequência do aumento da procura.S&P abre a porta a nova subida do rating de Portugal Ler Mais

No leilão de títulos a seis meses, Portugal obteve 250 milhões de euros a uma taxa de juro de -0,463%, que compara com a taxa de -0,454% do anterior leilão comparável realizado em julho. A procura foi 4,7 vezes superior à oferta, fator que ajudou a baixar o juro da operação.

Já o financiamento de 1.000 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a 12 meses registou uma taxa de juro de -0,44%, um valor ainda mais negativo do que os -0,431% observados no último leilão semelhante. Neste caso, os investidores pretendiam o dobro da dívida que o IGCP efetivamente colocou esta quarta-feira.

Bilhetes do Tesouro com taxas cada vez mais negativas

A República consegue assim um financiamento total 1.250 milhões de euros em dívida de curto prazo, que era o montante mínimo pretendido pelo IGCP liderado por Cristina Casalinho.

Já era expectável que Portugal continuasse a registar taxas negativas neste tipo de operações, tendo em conta a política ultra expansionista do Banco Central Europeu (BCE) — que ainda na semana passada anunciou uma nova ronda de estímulos monetários, incluindo o relançamento de um programa de compra de ativos — e também a melhoria da perceção de risco nos mercados e agências de rating — na sexta-feira passada a Standard & Poor’s melhorou o outlook da dívida portuguesa, justificando a decisão com o crescimento económico e a redução da dívida pública, que contribuem para a sustentabilidade das finanças públicas.Banca, recado à Alemanha e a resposta de Draghi a Trump Ler Mais

De resto, também nos leilões de dívida de longo prazo o país tem observado uma baixa considerável nos seus custos de financiamento. Há uma semana, o IGCP colocou 600 milhões em obrigações do Tesouro com os investidores a exigirem uma taxa de 0,264%, quase metade do que havia pago no anterior leilão comparável (0,51%), realizado em julho.

No caso da dívida de curto prazo, os juros estão em terreno negativo porque os investidores preferem fazer aplicações nestes ativos de elevada segurança ao invés de parquear o dinheiro nos cofres do BCE, onde é cobrada uma taxa de depósito de -0,5%. Teoricamente, os investidores perdem menos dinheiro a “emprestá-lo” a Portugal do que simplesmente deixá-lo parado em Frankfurt.

(JN) S&P melhora perspetiva do rating de Portugal

(JN)

A agência de notação financeira reviu esta sexta-feira em alta a perspetiva para o rating da República Portuguesa. O Ministério das Finanças congratulou-se com a decisão, destacando o benefício que traz às condições de financiamento do Estado, das famílias e das empresas.

S&P melhora perspetiva do rating de Portugal

O Ministério das Finanças congratulou-se com a decisão, destacando o benefício que traz às condições de financiamento do Estado, das famílias e das empresas.Reuters15510Assine 1mês/1€Ler mais tardeImprimir

A Standard & Poor’s elevou o “outlook” (perspetiva) para a evolução da qualidade da dívida soberana de Portugal, passando-o de ‘estável’ para ‘positivo’. A notação financeira manteve-se em BBB, que corresponde ao penúltimo grau da categoria de investimento de qualidade.

“A partir de hoje, Portugal passa a ter uma perspetiva positiva por parte das principais agências de notação financeira, o que traduz a confiança e a credibilidade da política seguida pelo Governo”, congratulou-se o Ministério das Finanças em comunicado.

O ministério tutelado por Mário Centeno destaca o facto de a S&P aludir ao “reforço da resiliência da economia portuguesa, que traduz uma melhoria da composição, da maturidade e do custo associados à dívida externa”.

Esta evolução “traduz o processo de consolidação estrutural das contas públicas e a manutenção de ganhos de competitividade, que se têm refletido numa maior orientação exportadora da economia, na diminuição gradual do endividamento privado e num crescimento económico e do investimento a ritmos superiores ao da área do euro”, refere o comunicado.

Além disso, prossegue o documento, “a S&P destaca a mudança progressiva na composição do endividamento externo, com maior recurso a instrumentos de capital (p.e. investimento direto estrangeiro) e o menor papel dos instrumentos de dívida. Um aspeto que promove o investimento beneficiando a competitividade e o crescimento económico sustentado”.

No que respeita às contas públicas, a agência salienta o excedente primário de cerca de 3% alcançado em 2018, um dos maiores da Zona Euro, e que estima que se mantenha no período 2019-2022, reforçando a trajetória de redução do rácio da dívida pública.

“A melhoria do rating da dívida pública portuguesa beneficia as condições de financiamento do Estado, das famílias e das empresas. A taxa de juro das obrigações da República Portuguesa a 10 anos está hoje abaixo de 0,3% e o diferencial face às economias com melhor notação tem vindo a reduzir-se, estando hoje as taxas de Portugal em linha com as da dívida espanhola”, apontam as Finanças.

As políticas adotadas “permitiram a Portugal superar desafios e iniciar o período mais longo de crescimento inclusivo e sustentável desde a sua adesão ao euro”, remata o comunicado.

Rácio dívida pública/PIB continua a melhorar

No seu relatório, a agência destaca que a dívida pública de Portugal está a caminho de marcar uma descida adicional de 12 pontos percentuais em proporção do PIB entre o final de 2018 e final de 2002.

“A perspetiva positiva reflete a nossa convicção de que a capacidade de Portugal para cumprir o serviço da dívida continua a ser reforçada”, diz a S&P.

Além disso, “as medidas tomadas pelo Banco Central Europeu desde 2012 para garantir a união da política monetária na Zona Euro e para eliminar o risco de um choque de refinanciamento externo têm sustentado a retoma de Portugal, cujo motor têm sido as exportações”, salienta o relatório.

E mais: “a introdução de taxas de depósito negativas e o relançamento dos programas de compra de ativos deverão permitir ao setor privado português continuar a crescer e, ao mesmo tempo, a desendividar-se”.

A S&P deixa também advertências. “Se o risco de refinanciamento externo aumentar ou se houver uma inesperada e permanente deterioração do desempenho a nível orçamental e de crescimento, poderemos rever em baixa o ‘outlook’, para ‘estável’.

“Apesar da ainda elevada dimensão da dívida líquida de Portugal em relação ao resto do mundo, existem várias razões pelas quais sentimos que a capacidade de o país cumprir as suas obrigações externas de reembolso são hoje mais fortes do que há cinco anos. Em primeiro lugar, a própria dimensão da economia portuguesa aumentou em cerca de 16,4% em termos nominais desde 2014, com as exportações a representarem uma maior percentagem do PIB. Em segundo lugar, estamos cientes de que uma ampla e crescente proporção da dívida externa de curto prazo faz parte do stock de dívida externa de curto prazo do Banco de Portugal, no âmbito do seu passivo junto do BCE”, sublinha o relatório.

A agência refere ainda que a consolidação orçamental tem sido outra das prioridades da política económica do país e aplaude os progressos. “Estimamos que existe pelo menos 50% de probabilidade de o défice em 2019 ficar equilibrado – pela primeira vez na era democrática de Portugal contemporâneo”, diz, indo assim ao encontro da previsão do governo de um défice de 0%.

Relativamente às eleições legislativas do próximo dia 6 de outubro, a Standard & Poor’s considera que não deverão trazer mudanças políticas significativas.

Perspetiva regressa ao patamar de há seis meses

Recorde-se que no passado dia 15 de março a S&P subiu o rating de Portugal em um nível, de BBB- para BBB, que passou assim para o penúltimo grau da categoria de investimento de qualidade. Mas desceu a perspetiva para ‘estável’.

Agora, com esta decisão de voltar a atribuir um “outlook” ‘positivo’, está a dar um sinal de que na próxima análise à dívida soberana portuguesa poderá subir o “rating”.

Em comentário ao Negócios, esta semana, Filipe Silva – diretor de gestão de ativos do banco Carregosa – dizia que o mais provável seria a S&P decidir-se por uma subida do “outlook”, de ‘estável’ para ‘positivo’, como de facto aconteceu.

“A agência de notação financeira continua a monitorizar o rácio da dívida pública sobre o PIB, que tem vindo a descer, e isso favorece as previsões. Contudo, o abrandamento económico mundial pode ser um travão à subida do ‘rating’”, sublinhou Filipe Silva.

“Os nossos dados económicos têm estado favoráveis, mas alguns países têm dado sinais de que podem entrar em recessão, como é o caso da Alemanha, que é a maior economia europeia”, acrescentou.

O diretor de gestão de ativos do banco Carregosa apontou também o facto de o risco de Portugal estar a diminuir, devido ao facto de os juros da dívida soberana estarem em mínimos – também muito à conta do suporte do Banco Central Europeu. E, na sua opinião, o risco que poderia surgir, a ponto de a agência descer o “outlook” para ‘negativo’, seria a nível político, caso um partido extremista estivesse a ganhar preponderância – o que não é o caso.

Percurso de melhoria do “rating” começou há dois anos

A Standard & Poor’s foi a primeira das três grandes agências a tirar Portugal do “lixo”, em setembro de 2017. A Fitch fê-lo três meses depois e a Moody’s só tomou a mesma decisão em outubro de 2018.

Neste momento, a S&P, a Fitch e a DBRS têm a dívida de longo prazo de Portugal no penúltimo nível da categoria de investimento de qualidade – ou seja, dois graus acima de “junk” (categoria de investimento especulativo).

Já a Moody’s coloca Portugal no último nível de investimento de qualidade, mas poderá colocar a dívida soberana no mesmo patamar que as restantes agências já na próxima reunião, agendada para 22 de novembro.

A canadiana DBRS também tem prevista mais uma avaliação para este ano: 4 de outubro, mesmo em vésperas das eleições legislativas.

A DBRS foi a única agência que manteve sempre Portugal acima de lixo. Quando as outras três agências atribuíam uma classificação de investimento especulativo à dívida portuguesa, a DBRS tinha o poder de ligar ou desligar Portugal da máquina do Banco Central Europeu (BCE), uma vez que era a única que garantia a elegibilidade da dívida nacional para os programas de compra do BCE.

O.P. (ECO) “Estamos confiantes” que a SIC manterá liderança “durante muito tempo”, diz CEO da Impresa

O.P.

A SIC recupera o 1o lugar e mostra o seu novo poder financeiro e bem como arrasa a concorrência em qualidade de programas.

Estão a voar à frente dos outros.

Dá muito prazer em ver.

E dá prazer em ver que Filho de Peixe Sabe Nadar.

Parabéns Francisco Pedro Balsemão.

Francisco ( Abouaf) de Curiel Marques Pereira



(ECO) Francisco Pedro Balsemão considera que a SIC conseguirá manter a lideranças nas audiências “durante muito tempo”, porque foram tomadas “decisões importantes” nesse sentido.

Opresidente executivo da Impresa, que detém a SIC, está confiante que a estação televisiva conseguirá manter a liderança nas audiências “durante muito tempo”, lembrando que foram tomadas “decisões importantes” para alcançar este resultado, disse à Lusa.Impresa sobe 8% em bolsa. Quase duplica valor este ano Ler Mais

Questionado pela Lusa sobre as expectativas que o grupo tem para o final deste ano e para o próximo em termos do desempenho da SIC, principal ativo da Impresa, – e com o mote da apresentação da nova temporada da estação na segunda-feira – Francisco Pedro Balsemão diz que estão “bem preparados”.

“Há 12 anos que não éramos líderes, até fevereiro de 2019, e, portanto, o que nós queremos, para o que nós trabalhamos, é para ter o maior número de telespetadores na nossa antena e estamos muito contentes por ter conseguido fazê-lo. Estamos com uma diferença grande [em termos de share] em agosto para a nossa concorrência. Queremos manter esta liderança o máximo de tempo possível, temos todas as condições para o fazermos. Estamos bem preparados para o futuro, conta a nossa solidez financeira, o facto de estarmos todos no mesmo edifício, o facto de termos as melhores pessoas – digo eu – e a melhor tecnologia para o efeito”, disse à agência Lusa.

Em 02 de agosto, a SIC anunciou que aumentou as audiências em agosto, segundo dados da GfK/CAEM, liderando há sete meses consecutivos. A SIC aumentou para 5,1 pontos percentuais a distância para a TVI e lidera no ano de 2019 com 18,8% de share, afirmou em comunicado.

Tomámos uma série de decisões que foram importantes para alcançar este resultado da liderança: reafetámos recursos – não aumentámos orçamento de grelha -, poupámos em determinadas áreas para reafetar noutras áreas e investimos no novo edifício e em nova tecnologia e acho que foi fundamental ter toda a gente debaixo do mesmo teto [no mesmo edifício em Paço de Arcos], com melhores condições, a trabalhar em conjunto e, naturalmente, com uma nova dinâmica que se foi conquistando com a liderança – neste caso, também na informação Expresso e SIC. Trabalha-se de uma forma muito mais integrada. Isso é muito importante para este sucesso“, explicou ainda o CEO da Impresa.SIC aumenta lucros da Impresa. Ganha 3,5 milhões de euros Ler Mais

Em 05 de setembro, a SIC e a Altice Portugal assinaram um novo acordo para a distribuição dos canais da estação na plataforma da Meo, que é válido por mais três anos, anunciaram as empresas. “A renovação deste acordo é mais um passo muito relevante na relação entre as empresas, sendo que vem consolidar, uma vez mais, a qualidade da oferta dos melhores conteúdos televisivos aos clientes Meo, assim como, através da comunicação, da tecnologia e dos conteúdos, permitir a sua ligação ao país e ao mundo”, referiu a Altice Portugal, em comunicado.

“Numa altura em que a SIC é líder de audiências, com reforço do investimento em conteúdos, em diversificação de produto televisivo e numa nova estratégia e posicionamento, a Altice Portugal assume a sua satisfação com a assinatura deste acordo. Claramente, o investimento do grupo tem dado frutos, uma vez que a SIC generalista é hoje a estação mais vista pelos portugueses, tendo ainda na SIC Notícias uma referência no que diz respeito à informação que é feita em Portugal”, disse então o presidente executivo da Altice, Alexandre Fonseca, em comunicado.

Deste modo, a SIC continuará a estar presente em todos os ecrãs dos clientes Meo, em HD (alta definição), com uma vasta oferta de canais de televisão (SIC, SIC Notícias, SIC Radical, SIC Mulher, SIC K e SIC Caras).

(OBS) Ajuda externa: Portugal reembolsa antecipadamente 2 milhões de euros

(OBS) A FEEF aprovou a solicitação de Portugal para reembolsar antecipadamente dois mil milhões de euros. O presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade confirma posição de liquidez confortável do país.Partilhe

O Conselho de Administração do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) aprovou esta quinta-feira a solicitação de Portugal para reembolsar antecipadamente dois mil milhões de euros dos empréstimos concedidos ao abrigo deste fundo durante o programa de assistência financeira (2011-2014).

Em comunicado, o FEEF indica que o ministro das Finanças português, Mário Centeno, solicitou em 28 de junho passado, o pagamento antecipado de dois mil milhões de euros, algo que necessitava da aprovação formal do Conselho de Administração da instituição, o que sucedeu então esta quinta-feira. Portugal torna-se o segundo país beneficiário de empréstimos de credores europeus a proceder a um reembolso antecipado, depois de Espanha.

O reembolso de dois mil milhões de euros corresponde à liquidação na íntegra de uma tranche do empréstimo do FEEF que vencia em agosto de 2025, e ainda ao pagamento antecipado parcial de uma tranche com maturidade até dezembro do mesmo ano.

“A solicitação de Portugal para proceder a um reembolso antecipado do empréstimo confirma o forte acesso ao mercado e a posição de liquidez confortável do paísApoio plenamente este reembolso antecipado, uma vez que melhora a sustentabilidade da dívida de Portugal”, comentou o diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, também presidente do Conselho de Administração do FEEF.

No quadro do programa de assistência financeira (2011 a 2014), Portugal beneficiou de ajuda externa no valor de 78 mil milhões de euros, providenciada, em partes iguais (um terço cada, ou seja, 26 mil milhões de euros) pelo FEEF, União Europeia (Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em dezembro de 2018, Portugal completou o reembolso antecipado dos empréstimos do FMI, tendo-se comprometido, então, com o FEEF a pagar antecipadamente a este credor até dois mil milhões de euros entre 2020 e 2023.

Em junho passado, Mário Centeno já admitira, todavia, que Portugal poderia iniciar já este ano o processo de amortização da dívida junto dos credores europeus.

“Neste momento, não existe nenhum tipo de dívida ao Fundo Monetário Internacional e iniciámos o processo, que é sempre um processo técnico de avaliação do melhor momento e da oportunidade para o fazer, de amortização antecipada da dívida no contexto europeu, o que aliás reflete muito bem o extraordinário desenvolvimento que houve nos mercados de financiamento no seu custo da dívida portuguesa”, afirmou então, em Bucareste, à margem de uma reunião informal de ministros das Finanças da zona euro, fórum a que preside.

Enquanto as maturidades da dívida do FMI, totalmente amortizada em 10 de dezembro, estavam concentradas entre 2021 e 2023, os reembolsos ao FEEF e à UE estendem-se até 2042.

(OBS) 10 de Outubro de 1999: o Bloco e o dia mais negro da democracia portuguesa – Miguel Granja

(OBS)

O que aconteceu à nossa democracia foi o 10 de Outubro de 1999: com eleição do Bloco começou a feroz colonização de universidades, escolas, redacções de imprensa, de todas as “fábricas da palavra”.

No início do milénio, eu, já firmemente ateu, estudava filosofia numa universidade católica e, fosse por imperativos de formação, vocação ou devoção, recheava os meus dias a debater com colegas crentes e professores jesuítas as perplexidades e as sinuosidades da questão da existência de Deus. Munido do “Gott ist tot” de Nietzsche e do “Deus é a solidão dos homens” de Sartre, sentia-me sempre a postos para estrebuchar argumentos contra as cinco vias de Tomás de Aquino, a aposta de Pascal ou a doutrina da eleição de Karl Barth.

Qualquer mesinha de estudo na biblioteca onde reinassem silêncios e crucifixos se transformava instantaneamente numa ágora ateniense onde explodiam silogismos, alegações, recursos e objecções, até que “A Dona Conceição da Biblioteca”, nome e patronímico ternos e eternos, nos viesse pôr na ordem ou na rua. Muitas questões ficaram por responder (hábito que se demora desde, vá, Platão) mas nenhum insulto ficou por remeter. Simplesmente porque, naquele tempo, o insulto não existia. Insulto e debate eram então eventos mutuamente exclusivos. Trazer um insulto para um debate era tão sacrílego como entrar um porco no Santo dos Santos.

Algo, no entanto, mudou entretanto. O ambiente mudou. Está hoje menos, muito menos, livre para o debate de ideias. No ano 2000 podia discutir-se apaixonada e livremente a existência de Deus nos claustros de uma universidade católica sem se ser ameaçado com as labaredas e as forquilhas do inferno. Em 2019 não se pode discutir sequer a privatização do SNS sem se ser chamado de fascista ou o problema da imigração sem se ser acusado de xenofobia. Hoje o porco chafurda e ronca no Santo dos Santos como numa pocilga. Tenho-me perguntado o que aconteceu no caminho para cá. Hoje sei: aconteceu o 10 de Outubro de 1999.

Se eu tivesse que escolher a data mais negra da história da democracia portuguesa, seria 10 de Outubro de 1999. Desde esse dia, o espaço público, que já foi mais livre, mais leve, mais divertido, tem vindo a tornar-se cada vez mais intolerante, mais policiado, mais claustrofóbico. O esforço de compreensão deu lugar à ânsia de compressão. Onde antes se tolerava discutir a morte de Deus, hoje não se tolera sequer abordar os padecimentos da Segurança Social. Onde antes padres jesuítas convidavam alunos a ler e discutir Ludwig Feuerbach, hoje sacerdotes jacobinos intimam juízes a criminalizar (e directores de jornais a silenciar) Fátima Bonifácio. Ontem éramos encorajados a descobrir refutações para capítulos profundamente blasfemos, hoje somos atiçados a fantasiar punições para parágrafos vagamente controversos. O politicamente correcto é apenas o nome politicamente correcto que chamamos, desde então, a esta crescente claustrofobia antidemocrática.

O que aconteceu à nossa democracia foi o 10 de Outubro de 1999: o dia em que o Bloco de Esquerda recolheu 132 mil votos nas eleições legislativas e Francisco Louçã e Luís Fazenda foram eleitos deputados à Assembleia da República. Pela primeira vez, a “doença infantil do comunismo” passou a ter representação parlamentar. O resto não é apenas história: é metástase. A partir desse dia começou a feroz colonização das universidades, das escolas, das redacções de imprensa, de todas as “fábricas da palavra” (porque as outras fábricas, as de braços e mãos, estão há já muito tomadas pela versão adulta da doença). A 10 de Outubro de 1999, com a eleição do Bloco, teve início em Portugal o sistemático sequestro das palavras. O que sentimos hoje, nos ecos remotos de uma esfera pública cada vez mais inflamada e menos vibrante, é o vazio crescente deixado pelas palavras já sequestradas e cujos sussurros familiares, ao longe, de vez em quando somos ainda capazes de escutar e reconhecer.

O triunfo dos porcos no Santo dos Santos é a instituição de uma novilíngua, vala comum de velhas palavras executadas. Parafraseando o outro, se querem uma visão do futuro, imaginem uma bota a pisar uma palavra — para sempre. 1984. E porque até nos processos de degradação estamos sempre crónica e pontualmente atrasados, só chegámos a 1984 em 1999. 1999 de 1984. 10 de Outubro de 1999: o anti-25 de Abril de 1974. Ainda tereis saudades, como eu, do 9 de Outubro de 1999.

(Yahoo) Why Portugal should be part of your next Europe trip

(Yahoo)

Have you thought about visiting Portugal? Photo: Yahoo Lifestyle
Have you thought about visiting Portugal? Photo: Yahoo Lifestyle

With only 15 weeks till Christmas, many of us are locking in our end-of-year travel plans, and as per usual, Europe is a popular destination amongst a lot of Aussies.

Paris, Venice, Amsterdam and Budapest often quickly cross the minds of eager holiday lovers, but there’s another city that could make for a unique getaway up North, and that’s Lisbon.

As the capital of Portugal with a population of just over half a million, it’s a city free from overcrowding with a culture and history dating back centuries.

Whether it be Lisbon’s palaces, patisseries or the picturesque Tagus river that gives you instant Instagram bragging rights, tourists are promised something different to other European hot spots, and that means more than peri peri chicken.

Food

Some of the delectable cuisine at Portugal's SUD Lisboa. Photo: Yahoo Lifestyle
Some of the delectable cuisine at Portugal’s SUD Lisboa. Photo: Yahoo Lifestyle

The cuisine in Portugal is varied across the country, and during my recent trip to Lisbon with Qatar Airways, I learnt that the capital is known for its delectable cod fish.

The locals specialise in this flavoursome seafood dish, which can be found at most eateries across the city.

Many hotel restaurants tend to feature the dish on their menus, but if you’re looking for a feed on a budget while you sightsee, try popping by one of the onsite cafes at the palaces in Sintra.

We stopped by the Monserrate Palace in Sintra for a relaxing lunch after a morning on the go.

As for those with a sweet tooth, look no further than the famous Portuguese egg tarts.

The famous Portuguese egg tart served at Pastéis de Belém in Lisbon. Photo: Yahoo Lifestyle Australia
The famous Portuguese egg tart served at Pastéis de Belém in Lisbon. Photo: Yahoo Lifestyle Australia

The queues can be a bit long at popular cafe Pastéis de Belém, but the wait is worth it for their famous treat that literally melts in your mouth. Just team it with a classically thick European-style hot chocolate and your tastebuds will feel the magic mine did.

For nibbles and drinks by the pool, SUD Lisboa is a new hot spot that has recently opened.

As well as trying out their Mediterranean menu and extensive cocktail list, you can actually take a dip in their rooftop pool while enjoying breathtaking views of the river.

Culture

A great way to see the city is via a vintage moto side car tour. Photo: Yahoo Lifestyle
A great way to see the city is via a vintage moto side car tour. Photo: Yahoo Lifestyle

There is lots to see in Lisbon, so planning an itinerary in advance is a good idea depending on your time constraints.

For those keen to dip their toes into a pool of Portuguese culture, a good starting point is the National Palace and Gardens of Queluz.

Built in 1747, the palace and its surrounding gardens were the home of royals up until the early 19th century when they departed for Brazil as the French invasions struck.

There are options for self-guided audio tours or booking with an official tour guide to take you through each room, with a coffee shop at the exit to recharge before your next tourist attraction.

Just 25km from Lisbon’s city centre, Sintra is a resort town known for its beautiful parks and gardens.

Inside the beautiful Monserrate Palace in Sintra. Photo: Yahoo Lifestyle
Inside the beautiful Monserrate Palace in Sintra. Photo: Yahoo Lifestyle

The Monserrate Palace in Sintra is known for its spectacular monuments and the surrounding park that is listed as a Cultural Landscape World Heritage site by UNESCO.

While in the Sintra area, Cabo da Roca is another spot to check out as it’s a mere 25-minute drive from the resort town.

Cabo da Roca is the westernmost point of mainland Europe, meaning this is one unique photo opportunity that cannot be captured anywhere else in the world.

If we steer back towards Lisbon’s central district, the Belém Discovery area boasts the Jerónimos Monastery and the Tower of Belém, which are two of the most visited sites in Lisbon.

If you are thinking of a holiday around Christmas time or New Year’s Eve, fear not as Portugal’s winter is still relatively mild. Bring on the pastries and glasses of port as you say goodbye to 2019 and hello to your new favourite European destination.

(Forbes) A Cozier Side of Portugal: Casa de São Lourenço

(Forbes)

house
Historic meets modern at Casa de São LourençoJOSÉ VICENTE | AGÉNCIA CALIPO 2018

“We look for something unique that could be something beautiful,” says João Tomás, “and something that we can’t let die.” And so, he and his wife, Isabel Costa, have devoted their energy in recent years to rescuing and preserving luxurious pieces of history. They say their new hotel, Casa de São Lourenço is part of their second act in life, after successful careers as a lawyer and retail business director in their native Portugal.

This gave them the means to act when they saw some elements of their culture that were in danger of being lost. Their first major rescue: the industrial-glam 19th-century machines used to weave burel wool, a durable and quietly luxurious mountain material whose references go back to the 11th century. Now they run a factory atelier that uses traditional methods to produce blankets and throws under the label Burel Mountain Originals. These are sold in ABC Carpet & Home, and other shops of that stripe around the world.

factory
The Burel factory atelierANN ABEL

Today In: Lifestyle

Last year, their newest rescue was one of the first pousadas (or independent small inns) ever built in Portugal. Pousada de São Lourenço (named for the patron saint of cooks—which should tell you something about the quality of the food) was designed in 1949 by Portuguese architect Rogério de Azevedo. It was an absolutely innovative concept at the time. Then it went downhill until the government put it up for sale—potentially to developers who would have done who-knows-what to it. Today, it’s the first five-star mountain hotel in Portugal, and one that’s true to its origins.

And it compliments that wool factory, which has daily tours for hotel guests. “What they have in common is history and life,” says Costa. “Both projects died, and we found a new way to see them and give them life.

bedroom
A bedroom at Casa de São LourençoANN ABEL

After a €3 million renovation and name change to Casa de São Lourenço – Burel Panorama Hotel (to emphasize the home-like atmosphere the couple wants to create), the hotel is also a showplace for the furniture and artwork of Maria Keil, one of the most important Portuguese artists of the 20th century. Now many of her original pieces are complemented by works from other Portuguese designers, including Marco Sousa Santos, Vicara, Cestaria de Gonçalo and, of course, lots of Burel fabrics.

But the real star is the jaw-dropping view over the Serra de Estrela mountains and the Zêzere Glacial Valley. You can see it from the 21 rooms and suites, the restaurant and the indoor pool in the spa. You can also walk out the door, follow a road for a bit, and find yourself on a lovely hiking trail.

And if you go further down the road, you can meet up with a guide from the couple’s first hotel, the sporty, four-star Casa das Penhas Douradas. Aside from its vaguely Nordic design, this one was conceived following the Scientific Expedition of 1881 carried out by Sociedade de Geographia de Lisboa. It’s full of archival photos, and it’s the center of a network of trails that were chosen by Tomás, a lifelong mountaineer.

view
The Serra de Estrela (not one of the hotels in this story)ANN ABEL

A note here about Portugal’s mountains: They exist! American visitors know the colorful cities and cliffside beaches. Maybe the spare landscape of the Alentejo. But mountains? Most tourists don’t know. Even I didn’t know, despite living in Portugal for nearly three years. I spent my weekend at Casa de São Lourenço—as their guest—marveling at the 6,000-some-foot peaks and the valleys far, far below. It sometimes reminded me of my childhood in the mountains of New Mexico. There’s a tree line? How come no one told me? I asked repeatedly.

Historically, the Serra de Estrela have been home to many sheep, which explains the wool production (and also the delicious cheese). As Tomás and Costa came here on vacations, they became more and more interested in that heritage. But the decision to jump into it themselves happened quickly.

At the time, about seven years ago, the wool factory was virtually defunct. Already involved, they won a large order from Microsoft—they wanted to cover many walls in their Portuguese headquarters with burel, which works as an acoustic material. The timing wasn’t great. The factory had closed. The workers were gone; they had moved on to other jobs. Costa went through the town of Manteigas, knocking on doors, eventually finding enough women and retired weavers to get the enterprise going again. At first they rented the factory, and then they bought it.

pool
The pool at Casa de São LourençoBUREL MOUNTAIN HOTELS

And it’s those workers who came out of retirement who are Burel Mountain Originals’ greatest asset. They’re teaching traditional weaving—and machine repair—to new generations. It’s a neat inversion of the usual structure in the corporate world, where the young workers are the rising stars and the older employees are made to feel increasingly obsolete.

But more to their point, following tradition produces a superior product, one with minuscule imperfections that show that it was made slowly, with great attention, by hand. And Casa de São Lourenço makes excellent use of the fabric. There are blankets at the foot of each bed, throws on the couches, colorful cushions on the chairs, soft surfaces on the walls and perhaps most impressive, a constellation of burel “flowers” hanging from the ceiling in the restaurant. At night, they come alive with a golden glow.

resto
The dining room at Casa de São LourençoJOSÉ VICENTE | AGÉNCIA CALIPO 2018

All that fabric gives Casa de São Lourenço its greatest asset. It is an undeniably cozy hotel, a place to curl up with a book and a blanket, sipping tea by the fire. In spring, the view out the window is a tapestry of wildflowers; in summer, a collage of green; in autumn, a riot of yellows and oranges.

In winter, there’s often a blanket of snow. More blankets come out, and more logs are placed on the fire. The coziness quotient goes up. Or at least I imagine it does. Along with my surprise that Portugal has proper mountains, I got another one.

I, a self-described warm-weather travel writer who has spent the past decade trying to avoid cold, discovered that I want to return to Casa de São Lourenço in the winter.

(Yahoo) Top 10 countries in the world for best quality of life

(Yahoo)

Porto, Portugal old town cityscape on the Douro River with traditional Rabelo boats. Photo: Getty
Porto, Portugal old town cityscape on the Douro River with traditional Rabelo boats. Photo: Getty

Taiwan may have come first in the ranking for the best country in the world to live as an expat but when it comes to quality of life —Portugal gained the top spot.

InterNations, the world’s largest expat networking group, released its benchmark Expat Insider 2019 report revealing where the best places are in the world to live as an expat.

An expat is defined as an employee sent abroad on a corporate assignment or classed as a new international hire. This will also mean that the experiences of that certain demographic could significantly differ from a local — especially being away on corporate assignment can entail bonuses, such as relocation stipends for example.

READ MORE: The 10 best places in the world to live as an expat

The Expat Insider 2019 report was conducted by InterNations and surveyed 20,259 expats, representing 182 nationalities, living in 187 countries or territories. The survey ran from 7 to 28 March. Respondents were asked to score 48 different factors — which fall into 17 subcategories — related to living abroad. Those 17 subcategories are then put into five pillars — Quality of Life, Ease of Settling In, Working Abroad, Family Life, and Personal Finance.

For a place to be ranked, there needs to be a sample size of at least 75 survey participants per destination.

The Quality of Life index is made up of Leisure Options, Health & Well-Being, Safety & Security, Personal Happiness, Travel & Transportation, and Digital Life. Respondents rated factors on a scale from one to seven.

Here is the top 10 country ranking:

Country ranking for best quality of life. Table: InterNations/Yahoo Finance
Country ranking for best quality of life. Table: InterNations/Yahoo Finance

Portugal rose from second to first after improving its rankings across safety and security, specifically in terms of political stability — 81% rate this factor favourably.

One expat from Brazil describes Portugal as “friendly and safe” while an expat from the Netherlands said Portugal’s great quality of life is down to “a combination of things… weather, food, plenty of sites and events, the people, proximity to the beach, everything.”

Spain came in second, thanks to its climate and weather — 76% of expats in the country are completely happy with this factor versus 26% globally.

However, Internations points out that while the country places in the top 10 in almost all other subcategories of the index, it doesn’t make it into the top 20 for Digital Life and Safety & Security.

An expat from Sweden said :“The somewhat corrupt political system and the independence movement in different areas.”

(EXP) Roubaram-lhes tudo, dispararam uns tiros, era como “uma cena de guerra”: os relatos de quatro portugueses atacados na África do Sul

(EXP)

Um dos carros incêndiados na Jules Street, em JoanesburgoSOWETAN/ GETTY IMAGES

Quatro portugureses vítimas de ataques de xenofobia, pilhagem e destruição de estabelecimentos em Joanesburgo criticam a aparente passividade da polícia. Dizem que sofreram prejuízos superiores a pelo menos 8.800 mil rands (537,5 mil euros)

Lusa

LUSA

Os ataques de xenofobia, pilhagem e destruição de estabelecimentos em Joanesburgo, com aparente passividade da polícia, afetaram quatro comerciantes portugueses, que estimaram à Lusa ter sofrido prejuízos superiores a pelo menos 8.800 mil rands (537,5 mil euros).

O “Blue Bottle Store”, na Jules Street, onde José Manuel Ramos empregava cinco colaboradores, desde abril de 2014, foi arrombado várias vezes no início da semana, tendo o edifício sucumbido por completo às chamas, na madrugada de terça-feira.

“Eles foram lá no domingo à noite, por volta das 20h30, arrebentaram as portas e começaram a roubar tudo. Cheguei lá às 02h da manhã, estava lá a polícia, mas não se metia. Disseram que também tinham medo, porque tinha sido morto um polícia, e eles sempre a roubar. Depois chegou mais polícia e começaram a disparar e fugiram”, contou à Lusa.

O comerciante contratou uma pessoa para lhe “soldar as portas”, mas o espaço foi novamente vandalizado e, na terça-feira de manhã, encontrou “a loja toda queimada e tinham levado o resto da mercadoria”.

“Está tudo destruído, uma pessoa trabalha uma vida e vai tudo embora de um momento para outro”, declarou, estimando o prejuízo total “à volta de 5 milhões de rands (305,4 mil euros) ou mais”, dos quais 1,5 milhões de rands só em mercadoria, ficando sem nada.

Natural de Ponta do Sol, Madeira, José Manuel Ramos, 56 anos, emigrou há 30 anos da Venezuela para a África do Sul, onde desde 1989 já foi assaltado 17 vezes, uma das quais baleado numa perna, noutros negócios que teve.

“Fiz uma participação na esquadra da polícia em Jeppe, mas a polícia testemunhou a pilhagem e vandalismo, não fez detenções e nem sequer os bombeiros quiseram chamar”, afirmou o comerciante, admitindo estar com receio da violência e criminalidade e sem saber como recomeçar das cinzas.

A meio da avenida Jules, os ataques xenófobos obrigaram os irmãos lusodescendentes Serra a fechar os seus negócios após 30 anos na capital sul-africana.

“O meu irmão ficou sem nada, ele roubaram tudo”, contou Filipe da Serra, 50 anos, dono do “Phil’s Auto Spares”, que escapou à violência e aos saques.

O irmão não teve a mesma sorte e, no domingo à noite, quando se aproximaram do estabelecimento, ainda disparam “uns tiros”, mas, contou, “foi tanto bandido que uma pessoa não podia fazer nada”, descreveu o filho de imigrantes da Madeira.

Segundo Filipe, o irmão, Roberto Carlos da Serra, 47 anos, “tinha lá três milhões de rands [183 mil euros] em mercadoria”, uma loja de bebidas, supermercado e “take away”, que abriu em 1989.

“O estabelecimento está fechado. O meu irmão agora vai vender tudo e vai-se embora para a Madeira. O que é que uma pessoa está aqui a fazer?”, questionou Filipe da Serra, que colocou “tudo à venda”.

No município de Benrose, na estrada Main Reef, a sul da Jules Street, o “tsunami de xenofobia”, como descreveu Maria da Conceição, alegadamente levantado por simpatizantes do ANC (Congresso Nacional Africano), partido no poder desde a queda do ‘apartheid’, em 1994, deixou o restaurante de refeições rápidas “Ben Fish & Chips” destruído.

“Aquilo era uma cena de guerra”, declarou a comerciante de 50 anos, natural da Ponta do Sol, Madeira, radicada na África do Sul desde 1989.

Foi pelas 18h30 de segunda-feira, ao anoitecer, acompanhada pelo cunhado, que viu arrombarem o estabelecimento, a 20 metros de um supermercado onde estava a polícia, mas quando pediu ajuda aos agentes armados responderam que “não podiam porque estavam ocupados no supermercado”.

“Para minha sorte, chegaram dois veículos blindados ‘Nyala’ da polícia, como aqueles que usam na guerra, e eles fugiram em todas as direções e largaram muita coisa. Mas já lá tinham ido roubar por duas vezes, segundo o empregado, porque nós encontrámos balas de borracha dentro do estabelecimento”, disse.

Maria da Conceição estimou o prejuízo em mais de 300 mil rands (18,2 mil euros) e contou que, quando foi participar o roubo à esquadra em Malvern, “a polícia foi muito mal educada” e só “abriram o caso quando um gajo do ANC que estava” lá sentado “lhes disse qualquer coisa”.

“Estou cá há 30 anos, mas agora que não tenho marido estou com muito receio disto”, salientou a comerciante, que quer vender o estabelecimento por ter ficado viúva, há dois meses, num acidente rodoviário.

Em Jeppestown, José Manuel de Abreu, 58 anos, começou aos 17 num talho na esquina entre a Fox e Gus Street, e hoje possui “dois blocos de prédios” com cinco negócios e três lojas alugadas e um armazém para a exportação.

Filho de madeirenses, atualmente com 60 colaboradores, o seu “Los Angeles Take Away & Tavern” também foi alvo de “pilhagem completa” na madrugada de segunda-feira, apesar de ter adquirido do seu bolso três terrenos baldios adjacentes para um “taxi rank” (praça de táxis) para a comunidade africana local.

“Temos tudo gravado em vídeo, eram talvez 80 indivíduos, pareciam selvagens, e era uma pilhagem desenfreada e sem medida”, contou à Lusa, acrescentando que enquanto ia a caminho “a polícia já tinha dispersado a multidão com balas de borracha”.

José Manuel de Abreu admitiu já ter falado com o irmão e pondera “contratar um advogado para processar o Governo”, perante “um prejuízo talvez de 500 mil rands (30.541 euros)ou mais”.

“Eu por acaso sou filho da terra, mas tenho vergonha de dizer que nasci aqui, porque isto está uma grande tristeza. Não há proteção nenhuma, a polícia não se importa, e na minha opinião se a polícia tivesse oportunidade também começava a roubar. Desculpe falar assim, mas é a verdade”, afirmou.

Uma outra loja de bebidas de uma conhecida marca de ‘franchising’, propriedade de portugueses, foi também filmada na quarta-feira pelo canal televisivo ENCA, após ter sido saqueada e queimada nos arredores de Joanesburgo, mas o empresário escusou-se a falar à Lusa.

Segundo as autoridades consulares portuguesas, cerca de 200 mil cidadãos encontram-se registados na África do Sul, 68 mil destes na grande Joanesburgo, mas líderes luso comunitários acreditam que os números sejam superiores.

Pelo menos dez pessoas morreram, entre as quais um estrangeiro, devido à violência que desde domingo afeta a África do Sul.

Numa declaração na quinta-feira, a partir da Cidade do Cabo, o chefe de Estado sul-africano Cyril Ramaphosa disse que a violência “diminuiu bastante” e que 423 pessoas foram detidas na área de Joanesburgo.

P.O. (OBS) A grande vitória de Passos Coelho

O.P.

Eu declaro desde já, que em consciência, me encontro inibido de votar no PSD, CDS,estes por serem um atentado à inteligência, PCP e sobretudo Bloco de Esquerda por representarem ideologias comprovadamente falhadas, falsas e caducas.
Considero o Bloco de Esquerda a maior ameaça para Portugal, e sou de opinião que se fosse crime os políticos deturparem a realidade e dizerem precisamente o contrário do óbvio, poucas e poucos sobrariam no BE sem serem presos…
Portanto vejam o que me sobra…
Seguramente não o Partido dos Animais e da Natureza…
Vou votar de certeza.
E também de certeza que não voto nulo ou em branco…

FCMP



(OBS) Costa e o PS não mudaram porque descobriram de repente as virtudes do controlo da despesa pública. Mudaram porque os portugueses os forçaram a mudar e perceberam-no quando perderam as eleições de 2015

Como mostra o início da campanha eleitoral, agora todos os partidos políticos são anti-despesistas. Até Catarina Martins, no debate com António Costa, quis sossegar os portugueses, dizendo que o Bloco é a favor das contas públicas equilibradas. Longe vão os tempos em que o Bloco fazia campanha contra as regras fiscais da zona Euro, ou quando os dirigentes do PS, como Pedro Nuno Santos, procuravam assustar os alemães com a ameaça da recusa do pagamento da dívida. Aliás, a famosa restruturação da dívida ainda nem entrou na campanha, nem entrará a sério.

Na relação dos partidos portugueses com o défice a dívida há o pré-Passos Coelho e há o pós-Passos Coelho. Antes de Passos Coelho, como se viu com os governos de Guterres e sobretudo com os de Sócrates, para o PS a despesa pública não era um factor central das suas políticas económicas. Como resultado, veio o desastre de 2011 e a intervenção da troika. Mas nem assim, os socialistas aprenderam, e atacaram o governo de Passos e Portas pelas políticas de consolidação orçamental, o que chamavam de “austeridade”. Mas Passos Coelho insistiu e explicou aos portugueses que deveria haver limites para as despesas. Caso contrário, a economia nunca recuperaria e o país continuaria nas mãos dos seus credores.

O resultado das eleições de 2015 obrigou o PS e António Costa a mudarem. A vitória eleitoral de Passos e Portas, apesar dos anos difíceis entre 2011 e 2015, forçou Costa a reconhecer que os portugueses ainda não confiavam no PS. Por isso, Costa fez tudo para se distanciar do despesismo de Sócrates e percebeu que Mário Centeno seria o ministro mais importante do seu governo. No essencial, em matérias orçamentais, Centeno pensa como Vitor Gaspar: ambos olham para o Euro como o elemento indispensável para disciplinar as contas públicas, e ambos se identificam com a ortodoxia do FMI (onde Gaspar trabalha numa posição de grande destaque e para onde Centeno não se importaria de emigrar).

Costa impediu Passos Coelho de se tornar PM, mas aceitou as suas políticas fiscais. O derrotado, Costa, aprendeu com o vitorioso, Passos, que para ganhar no futuro teria que adoptar as suas receitas orçamentais. Costa e o PS não mudaram porque descobriram de repente as virtudes do controlo da despesa pública. Mudaram porque os portugueses os forçaram a mudar, e perceberam isso quando perderam as eleições de 2015.

A ‘Europa’ também explica a mudança das esquerdas em matérias fiscais. Há uma relação ambígua entre o Portugal socialista e a União Europeia: as regras do Euro ajudam a disciplinar os socialistas portugueses mas, ao mesmo tempo, os dinheiros de Bruxelas são indispensáveis para manter o Estado e as suas clientelas partidárias a funcionar. Se o Euro estabelece as regras, a ‘Europa’ é o ‘petróleo’ do regime socialista, que dá o dinheiro para distribuir.

A mudança de paradigma introduzida por Passos Coelho e pelo seu governo tem um triplo significado. Em primeiro lugar, a recusa do despesismo impede outras políticas que os comunistas, os bloquistas e muitos socialistas gostariam de implementar, como nacionalizações e a introdução de obstáculos ao investimento externo.

Em segundo lugar, quando a direita regressar ao governo (daqui a alguns anos e seguramente no pós-Rio), as esquerdas terão uma enorme dificuldade para contestar as políticas orçamentais mais ortodoxas dos governos de direita. Quando o PCP e o Bloco forem para as ruas contestarem as políticas económicas, bastará mostrar-lhes os orçamentos que aprovaram entre 2015 e 2019. Eles continuarão nas ruas e a fazer barulho, mas a maioria dos portugueses não os levará a sério.

Por fim, Passos Coelho preserva capital político para um dia regressar. Muitos políticos podem chegar a PM, mas são poucos os que provocam uma revolução no discurso e nos consensos políticos de um país.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

(ABC) EDITORIAL ABC: Las claves del milagro portugués

(ABC) El éxito económico que ha cosechado Portugal en los últimos años evidencia, una vez más, que la combinación de reformas estructurales y austeridad presupuestaria es la receta correcta para salir de la crisis

El éxito económico que ha cosechado Portugal en los últimos años evidencia, una vez más, que la combinación de reformas estructurales y austeridad presupuestaria es la receta correcta para salir de la crisis. El Estado luso, al igual que otros países de la zona euro, precisó de un rescate internacional para evitar la quiebra en plena crisis de deuda, pero las medidas aplicadas inicialmente por el Gobierno conservador de Pedro Passos Coelho y su continuación bajo el posterior mandato del socialista Antonio Costa, actual primer ministro, han dado como resultado un sólido crecimiento, una fuerte reducción del paro y la recuperación de la solvencia financiera. A diferencia de lo que propone Pedro Sánchez en España, Costa no solo no anuló las reformas aprobadas con anterioridad, sino que profundizó en ellas, favoreciendo así la competitividad. Los socialistas portugueses, pese a contar con el respaldo de la extrema izquierda, han hecho de la austeridad su bandera, tras reducir el déficit público al 0,5 por ciento del PIB en 2018, su tasa más baja desde 1995.

Además, han incentivado el emprendimiento y la llegada de inversión extranjera mediante la aplicación de incentivos fiscales, al tiempo que rebajaban los impuestos y favorecían el desarrollo tecnológico. Asimismo, tras duros años de ajustes y contención salarial, el Ejecutivo portugués ha subido el salario mínimo, las pensiones y los sueldos públicos, pero siempre de forma negociada, gradual y sostenible para garantizar el necesario equilibrio presupuestario. Como consecuencia, Portugal ha registrado un crecimiento muy superior a la media europea durante los últimos tres años, hasta el punto de cosechar el mejor desempeño económico y financiero en décadas. La vía portuguesa que tanto ansía Sánchez, por el contrario, es muy diferente, puesto que su receta es la rigidez, el despilfarro y la asfixia fiscal.

(ABC) Portugal: el milagro económico que no olvidó la austeridad

(ABC) La izquierda española mira de reojo al país vecino, con un gobierno socialista en minoría que ha impulsado el crecimiento y reducido el déficit a mínimos de 1995

El vecino que resurgió de las cenizas del rescate es ahora el modelo a seguir. Frente al atasco político de España, y con la cuenta atrás para una nueva convocatoria electoral, Portugal exhibe desde finales de 2015 un Ejecutivo en minoría pero estable que Pedro Sánchez busca –sin éxito por el momento– emular. El anzuelo lanzado a Unidas Podemos es que el Ejecutivo luso, liderado por el socialista Antonio Costa, recibe el tan ansiado en España respaldo parlamentario del Partido Comunista de Portugal (PCP) y el Bloque de Izquierda (BE), y que con ello ha logrado darle la vuelta al país y afianzar su economía y su imagen internacional. Sin embargo, las medidas puestas en marcha por los socialistas lusos, articuladas en torno a la ortodoxia presupuestaria, poco tienen que ver con las propuestas del Ejecutivo de Sánchez y están a años luz de las pretensiones de la formación que lidera Pablo Iglesias.

Y es que poco queda ya del país bajo sospecha al que nadie quería prestar. Portugal ha logrado enlazar cinco años de recuperación y el crecimiento se mantiene todavía sólido. Las medidas del Ejecutivo, además, han conquistado al entorno internacional, tanto financiero –cuatro grandes agencias internacionales de calificación han elevado su nota a Portugal en los últimos meses y su prima de riesgo está prácticamente a la par de la española– como entre las «celebrities» –famosos como Madonna, Monica Bellucci o Eric Cantona han fijado allí su residencia en los últimos años atraídos por las ventajas fiscales–.

Un 6,7% de paro

«En los últimos tres años Portugal ha registrado su mejor desempeño económico y financiero en varias décadas. En este período el PIB creció un 7%, más que la media europea, y está previsto un avance de alrededor del 2% hasta 2023. En los últimos tres años la tasa de paro ha caído un 5,6% alcanzando un 6,7% en febrero de 2019, según datos del INE portugués –su menor nivel desde 2002 y por debajo de la zona euro– gracias a un crecimiento del empleo del 7,4% y a un aumento del 0,7% de la población activa, situación que no se producía desde 2010. Para el mercado de trabajo la estimación de desempleo del INE en marzo de 2019 es apenas un 6,4%, el más bajo desde agosto de 2002», explica Luis Castro Henriques, presidente de la Agencia para la Inversión y Comercio Exterior de Portugal (AICEP).

Control presupuestario

Pero todo ello ha sido a base de un estricto control presupuestario que ha llevado el déficit de 2018 al 0,5% del PIB, su tasa más baja desde 1995. «Y las perspectivas son que ronde el 0,2% del PIB este año», apunta Castro Henriques. Desde la entrada en escena del actual Gobierno, el «Ronaldo de la economía», como definió Bruselas al ministro de Finanzas, Mario Centeno, ha visto como el engranaje puesto en marcha por su hombre fuerte, el secretario de Estado Ricardo Mourinho Félix, le daba más alegrías que tristezas.

El Ejecutivo puso en marcha medidas para estimular la demanda interna y los portugueses disfrutaron de una subida del salario mínimo escalonada y pactada con los agentes sociales, se revalorizaron las pensiones, descongelaron las carreras de los funcionarios y se redujeron los impuestos a las rentas más bajas. Al tiempo se activó un plan para promocionar la inversión extranjera directa en el país (con desgravaciones fiscales para profesionales y jubilados, residencia a extranjeros a cambio de invertir en el país, etc.).

Reformas en marcha

Las reformas implantadas durante el rescate se han mantenido fuera del terreno político y han gozado del tiempo necesario para dar sus frutos, afianzando también la imagen de país estable. «Además de por las medidas puestas en marcha por el gobierno, el crecimiento en Portugal se ha visto favorecido por las reformas estructurales implementadas durante la crisis, entre las que cabe destacar la devaluación interna, que ha permitido aumentar el grado de internacionalización de la economía portuguesa. Las exportaciones de bienes y servicios al exterior pasaron de un representar en torno a un 30% del PIB en 2010 a cerca del 50% en 2018», explica Rafael Doménech, responsable de Análisis Económico de BBVA Research. Aunque también ha habido espacio para concesiones. El gabinete de Antonio Costa solo consiguió la paz social cuando acalló las protestas de los funcionarios públicos reduciendo su jornada laboral de 40 a 35 horas y restableciendo algunas pagas que se habían recortado durante los peores años de la crisis. «Queda seguramente camino por hacer, pero creemos que estamos dando los pasos necesarios para seguir en la buena dirección hacia una recuperación sostenida», dice Castro Henriques, quien señala al «nuevo contexto económico internacional y la posibilidad de nuevas turbulencias derivadas de las tensiones comerciales y el Brexit», como sus principales amenazas.

Porque, como en buena parte de los países del euro, el gobierno portugués tiene poco margen de maniobra ante estos nuevos envites. A pesar de la mejora de las cuentas fiscales, el ratio deuda pública sobre PIB continúa siendo una de las más altas de la zona euro y, según datos de BBVA Research, se situó en 2018 en el 121,5% del PIB. «Además, el sector financiero portugués continúa siendo vulnerable. Si bien es cierto que la calidad de los activos ha mejorado y que el ratio de créditos incobrables (NPL) ha disminuido en más de un 36% desde el máximo de 2016, continúa siendo elevado, cerca de cuatro veces superior al de la UE a finales de 2018», apunta Doménech.

Google, a Lisboa

Otra de las bondades de la «vía portuguesa» ha sido la apuesta por la economía digital, dando facilidades a las grandes tecnológicas que han recibido una buena acogida. «Portugal es cada vez más un vibrante ecosistema en auge para empresas tecnológicas y «startups», especialmente desde que Lisboa acoge el Web Summit, el mayor evento europeo de tecnología e innovación (con 60.000 empresas y 2.000 «startups» algunas de las cuales ya establecidas en Portugal)», explica Castro Henriques. De hecho, Google seleccionó Lisboa para crear su centro tecnológico para Europa, Oriente Medio y África y cuenta ya con 1.300 profesionales; BMW ha creado también allí un centro de ingeniería de software junto con la portuguesa Critical Software; Mercedes implantó igualmente en la capital lusa su centro digital, y Bosch optó por Braga para abrir su centro para la conducción autónoma. También Amyris ha invertido en un centro de I+D de biotecnología en Oporto, junto a Natixis. Y la lista sigue con Siemens, Vestas, VW y otras invirtiendo en Ciberseguridad, I+D y desarrollo de software…

La pregunta obligada es: ¿debería España seguir el modelo de nuestro vecino? Para Doménech, la respuesta es clara: «España podría tomar testigo de la política fiscal ortodoxa seguida por el gobierno luso, de los esfuerzos por promover la internacionalización y competitividad de su economía y de la cohesión política que permite seguir con el proceso de reformas estructurales y reducir la incertidumbre de política, clave para la inversión y la estabilidad empresarial. Y sobre todo de las medidas adoptadas para mejorar su capital humano, y reducir la tasa de fracaso escolar y abandono temprano del sistema educativo». El calendario y sus imposiciones juegan en contra.

(ECO) Portugal vai ter fábrica de 4×4. Ineos investe 300 milhões

(ECO) Portugal prepara-se para receber um investimento de 300 milhões de euros da Ineos. Multimilionário britânico Jim Ratcliffe quer arrancar produção de todo-o-terreno dentro de dois anos.

Portugal prepara-se para receber uma nova fábrica de automóveis, desta vez especializada na produção de veículos dedicados ao todo-o-terreno, avança o Jornal de Notícias (acesso pago). A Ineos quer produzir um modelo baseado do Land Rover Defender em Estarreja.

A empresa do multimilionário britânico Jim Ratcliffe prepara-se para fazer um investimento de 300 milhões de euros para a construção desta nova unidade que será dedicada a um modelo 4×4. Está previsto que sejam criados 600 postos de trabalho.PUBLICIDADE

A produção do modelo da Ineos em Estarreja deverá arrancar dentro de dois anos, de acordo com o JN.

A Ineos anunciou no arranque deste ano que pretendia lançar o Grenadier, um 4×4 “à séria” que pretende atrair os fãs do Defender, da Land Rover, que deixou de ser produzido.

A ideia da empresa do detentor da maior fortuna do Reino Unido é a de produzir 25 mil destes Grenadier por ano.

O modelo todo-o-terreno deverá contar com mecânica da BMW. Tanto o motor como a transmissão deste 4×4 deverão ser adquiridos à fabricante da Baviera.

(GUA) Room in the middle: the artisan revival of Portugal’s interior

(GUA) A small but growing number of investors are hoping to reverse the slow-motion decline of rural areas

Sierra
 A largely abandoned landscape of the Serra da Estrela, central Portugal Photograph: Mark Rice-Oxley/The Guardian

The decade has not been kind to Manteigas. Nestled in the mountains in the Portuguese interior, this pretty town has suffered a familiar kind of slow-motion decline.

“Once the factories started closing, then the schools closed, the shops closed, even the chapel closed,” says Maria José Santos Salvado, a wizard with needle and thread who was laid off as a textile patcher when her factory shut in 2011. “All the young people left. Manteigas became a town of old people.”

It’s a common enough story in southern Europe, where rural decline is a long-term tendency that has accelerated since the financial crisis.

But are fortunes about to reverse for people like Salvado? After the surprise intervention of a husband-and-wife team from Lisbon, the looms of her old factory are chugging noisily once again. With orders streaming in from as far afield as Japan, her deft skills are in higher demand than ever.

Isabel Costa, formerly a high-flyer in Portugal’s corporate retail sector, and her lawyer husband, João, are among a small but growing number of investors turning their eye to Portugal’s rural interior.

It is no easy task. Years of economic decline following the 2008 banking crisis, coupled with harsh government austerity measures, have hit the country’s rural regions especially hard. Between 2014 and 2017, the population of Portugal’s interior declined by 5.6% as birth rates stalled and young people left. Business activity (or lack of it) has followed suit.

Although Portugal’s economy is now finally getting back on its feet again (GDP grew by 2.8% in 2018), the vast bulk of this growth is concentrated in Lisbon and a handful of other (mostly coastal) cities.Quick guide

Depopulation in Europe

“More and more people are investing in the interior of Portugal … but they need to look at these projects almost as a kind of mission, not as a way of getting rich,” advises Costa.

This is true of her own venture, which, despite growing year-on-year, was never designed to be a major money-spinner. Indeed, its origins were more coincidental than commercial. Costa had placed an order with a local manufacturer for burel wool – a historical speciality of Portugal’s mountainous Serra da Estrela region.

She quickly discovered that the manufacturer was in a “bad situation” and agreed to buy its working looms and its back catalogue of patterns. She rented a disused factory space owned by the local council, re-hired 15 of the firm’s employees, and restarted operations.

With some luck (Microsoft hired her to refit its Lisbon headquarters) and plenty of hard work (she spends half the year travelling to trade shows), Costa’s Burel Mountain Originals brand now employs more than 60 people and supplies two high-end stores in Lisbon and Porto.

“We couldn’t just sit back and see this incredible heritage destroyed. I couldn’t sleep knowing about this problem and doing nothing to retain the area’s industrial history and to teach the next generation,” says Costa, who also owns two boutique mountain hotels close to Manteigas.

Catarina Vieira is of a similar mind. A former finance manager from the coastal city of Aveiro, she owns a modest six-chalet quinta, or estate, near the town of Seia and is a vocal proponent of Portugal’s nascent eco-tourism market.

Burel Mountains Originals factory
 Costa rented a disused factory space owned by the local council, re-hired 15 of the firm’s employees, and restarted operations. Photograph: Rupert Eden/Burel PR Handout

Chao do Rio is the polar opposite of the vast, package-holiday complexes that now litter the Algarve. The food she serves is all locally sourced, the swimming pool is “biological” (read: unchlorinated and teeming with frogs), and the only loud music you will hear is the sound of birdsong.

“The whole idea behind projects like ours is that they are on a small scale and they show concern for the environment and social awareness,” says Vieira.

Her vision of a small-scale, culturally-sensitive mode of development is shared by many of those investing in Portugal’s interior. Like Bruno Vargas. A 41-year-old former marketeer, he jacked in his city job five years ago to run a four-hectare farm in Rio Maior, a village located in the Centro region.

His venture, Herbas Organic Herbs, specialises in hand-crafted aromatic tea infusions. Business is good. He exports to various European countries and employs seasonal labour from the local area. By his own admission, however, the venture grew out of the “romantic idea” of a more balanced lifestyle as much as turning a profit.Quick guide

What is the Upside?

Show

“I had the idea that it would be a different kind of life, with more time for my family and less pressures. That’s not turned out to be true, of course. If you have a business, you have pressures, but at least my mind is clearer about why I’m doing this,” he says.

Not all embrace this pared-down model of rural development. The Portuguese government provides warm words, for instance, but little in the shape of financial support. Such public investment as exists for rural enterprise development tends to come from the European Union.Advertisement

To get started, for example, Vargas received €40,000 (£37,000) in seed-funding from ProDer – a nationally-managed fund for rural development primarily financed by the EU. Costa and Vieira also received help from the same fund.

Even less sympathetic are large-scale investors, for whom big is – as ever – beautiful. Despite being located in an officially designated natural park, for instance, Manteigas is soon to have a huge, luxury hotel constructed in the wooded glacial valley overlooking the town.

In a similar vein, international mining firms are now sniffing around. It transpires that Portugal’s central belt is especially “blessed” with reserves of lithium, the alkali metal used in batteries for smartphones and electric cars.

“If mega-mining comes to the centre of Portugal, it will spoil everything. We really need to cherish these small projects and put away these crazy dreams of Portugal as the future Arabia,” says Vieira.

Porto
 Burel Mountain s Originals store in Porto. Photograph: PR HANDOUT


The economists would disagree, arguing that mega-mining and commercial tourism promise far higher levels of capital investment and job creation. The central government, which campaigners fear is poised to greenlight a lithium mine on the edge of Serra da Estrela, appears to agree.

From his holistic yoga retreat near Tábua, in the district of Coimbra, Tony Speirs is watching with anxiety. Originally from north Wales, he set up shop in central Portugal a decade ago. Over that time, he has seen large-scale commercial investment completely alter the once sleepy coastline of the Algarve. He hopes his neighbours will take note and opt for a different route.

As he himself readily admits, micro-enterprises like his will not transform Portugal’s rustic interior into dynamos of economic development. But they are helping spark into life pockets of entrepreneurial vitality. For Speirs, that’s enough. His neighbours, he says, are of like mind: “Here, people think once your business is working, why grow it?” Why, indeed?

(ECO) Lisboa é a 53.º melhor cidade do mundo para viver. Sobe um lugar no ranking da The Economist

(ECO) A capital portuguesa teve pontuações mais elevadas na área da cultura e do meio ambiente, bem como na educação, mas pontuações mais baixas no setor que avalia as infraestruturas.

Lisboa voltou a subir no ranking das melhores cidades do mundo para viver. A capital portuguesa avançou um lugar na lista elaborada pela Intelligence Unitdo The Economist, onde é considerada a 53º melhor cidade para viver. É a única metrópole portuguesa neste índice que compila um total de 140 cidades mundiais.

Em cinco anos, Lisboa subiu quatro lugares neste ranking. Estabilidade, cuidados de saúde, cultura e ambiente, educação e infraestruturas foram os elementos analisados para se chegar a esta avaliação. A capital portuguesa tem pontuações muito altas na área da cultura e do meio ambiente, bem como na educação, mas pontuações ligeiramente mais baixas no setor que avalia as infraestruturas.PUBLICIDADE

Já no topo encontra-se Viena, na Áustria, que conseguiu manter a coroa de melhor cidade do mundo para viver depois de ter destronado Melbourne, na Austrália, no ano passado. Para além da capital austríaca, apenas mais uma cidade europeia, Copenhaga, na Dinamarca, figura no top 10 do ranking realizado anualmente.

A Austrália, o Canadá e o Japão destacam-se no ranking, ao terem várias cidades no topo.As dez melhores cidades para viver mantêm-se as mesmas desde o ano passado, apesar de Sidney, na Austrália, ter conseguido passar de 5.º para 3.º lugar, graças ao fortalecimento das políticas para travar os efeitos das alterações climáticas.

Veja aqui o top dez das melhores cidades para viver:

  1. Viena, Áustria
  2. Melbourne, Austrália
  3. Sydney, Austrália
  4. Osaka, Japão
  5. Calgary, Canadá
  6. Vancouver, Canadá
  7. Toronto, Canadá
  8. Tóquio, Japão
  9. Copenhaga, Dinamarca
  10. Adelaide, Austrália

E as dez cidades que se classificaram pior no ranking:

  1. Caracas, Venezuela
  2. Argel, Argélia
  3. Douala, Camarões
  4. Harare, Zimbabué
  5. Port Moresby, Papua-Nova Guiné
  6. Karachi, Paquistão
  7. Tripoli, Líbia
  8. Daca, Bangladesh
  9. Lagos, Nigéria
  10. Damasco, Síria

(DML) Shh! It’s meant to be a secret: Never heard of Portugal’s Comporta? That’s the point – and one of the many reasons you should go there now

(DML)

  • Comporta is ‘Lisbon set’s equivalent of the Hamptons’ writes Simon Mills  
  • Jose Mourinho, Nicolas Sarkozy, Carla Bruni and Madonna are repeat visitors
  • Go for the spectacular beach, indigenous food and ‘pervading Atlantic serenity’

A hot, hour-and-a-half’s drive from Lisbon, down the dusty old Tróia peninsula road, you reach Comporta without even noticing it.

At first sight, the so-called most fashionable resort in Europe, the chicest retreat in Portugal, the Lisbon set’s equivalent of the Hamptons, seems to be hardly anything at all.

No glitz, no bling, no Dolce & Gabbana store or Nobu franchise. No house music pumping from the bars and restaurants. No pointlessly ostentatious 4X4s clogging the car parks. Just a modest collection of lime-washed workers’ dwellings — single storey, thatched roofs, blue paintwork, mostly.

Comporta is an hour-and-a-half’s drive from Lisbon. The Cliffs at Gale beach, above

+3

Comporta is an hour-and-a-half’s drive from Lisbon. The Cliffs at Gale beach, above 

The civil parish of Comporta is actually a cluster of seven even tinier villages and is, topologically, aesthetically and socially-speaking, so discreet, relaxed and low-key it almost disappears under its own radar. Which might explain why Jose Mourinho, Nicolas Sarkozy, Carla Bruni and Madonna — famous people who aren’t keen on becoming daily paparazzi quarry during their summer holidays, are repeat, if mostly invisible, Comporta visitors.

Look closer and a quietly delightful seasonal gentrification of the old fishing village slowly reveals itself.

A warehouse building on the Rua do Secador has been converted into Casa Cultura Comporta, a hipster marketplace of pop-up boutiques and artisan coffee shops.

Opposite, a former stable block is now Cavalariça Comporta, a modern, restaurant with banqueted stalls and industrial chic lighting. In a subtle indication of its summer clientele, Comporta’s excellent minimercado Mercearia Gomes, has a large gluten-free section.

Comporta mornings are wiled away on the stripy-cushioned benches at the Colmo juice bar next door to Manumaya, an elegantly ramshackle emporium specialising in Guatemalan-made hippy items.

Across the street is Stork Club, an unobtrusively smart vintage furniture store owned by Yves St. Laurent’s interior designer Jacques Grange. His social circle includes fellow Comporta homeowners, designer Philippe Starck and artist Anselm Kiefer.

But people don’t come to Comporta to shop or star spot. They come for the palpable but indefinable Comporta Bliss — a slowed pace of life, for the distinctive, indigenous food and the pervading Atlantic serenity. But mainly they come for the truly spectacular beach.

Under the radar: 'Comporta’s European seashore is equal — arguably superior — to anything on the long-haul, bucket and spade list of Mexican, Thai and Caribbean beaches,' says Simon Mills

+3

Under the radar: ‘Comporta’s European seashore is equal — arguably superior — to anything on the long-haul, bucket and spade list of Mexican, Thai and Caribbean beaches,’ says Simon Mills

Comporta’s European seashore is equal — arguably superior — to anything on the long-haul, bucket and spade list of Mexican, Thai and Caribbean beaches. And Madonna — a part-time Comporta resident while her adopted son David Banda was an apprentice at Lisbon’s Benfica football club —seems to concur.

Last summer, her social media feed showed a video clip — shot by drone, apparently — following the Material Girl as she galloped down the Comporta sand flats like Charlton Heston in El Cid. ‘This is heaven’ read the caption on Madonna’s cinematic post.

It’s hard to argue. The 40 mile-long beach that passes Comporta is like purest, rawest, coastal Outer Hebrides only die-straight, bathed in blue skies and baking hot sunshine.

A thing of wide, big waved wonder, it is wild and deliciously undeveloped; just a couple of simple, wooden restaurants —Comporta Café and Madonna’s favoured spot, Sal (both heaving in high season) — for lunches. Strictly, no other buildings allowed. For now.

Ever since the fiercely protective Comporta landowners, the super rich Portuguese banking family Espirito Santo, went bust in 2014 the area has slowly, tentatively opened up to developers. Not everyone is happy.

Jose Mourinho, Nicolas Sarkozy, Carla Bruni and Madonna (above) are repeat visitors

+3

Jose Mourinho, Nicolas Sarkozy, Carla Bruni and Madonna (above) are repeat visitors

French shoe designer Christian Louboutin, who owned a house in the Comporta region for 15 years has now moved on ‘It’s completely ruined, with ugly developments — too many people, too much electricity, and it’s the land of mosquitoes because of the rice.’

Really? I didn’t notice. Any new building work is skilfully blended into the undulating landscape or hidden away in the forests.

And the mosquitoes? They can be ruthless ‘but after 9pm they are gone,’ a local restaurateur assured me. ‘Then you can eat outside again.’ I was sceptical but checked my watch. At nine on the dot, the mozzies disappeared.

Five years on from its financial ruin, Comporta (the name translates as ‘floodgate’, by the way) aims to preserve its environmental and cultural heritage, growing as a model for sustainably developed tourism while still operating as an agricultural estate. Plans for a sprawling, high-end ‘Aman Comporta’ property on the edge of the village facing the sea were recently rejected by locals.

So, if there are no big hotel chains and no package deal hostelries, where do you stay? Comporta is a house and apartment kind of place where visitors take rental properties through specialist sites like alma-da-comporta.com. There are dozens of fisherman’s cottages, villas and cabins on Airbnb and Trip Advisor.

Want to blow the budget in a discreet and tasteful manner? Try the newly opened 73-room Quinta da Comporta, a wellness ‘boutique’ hotel at Carvalhal or Casas Na Areia, a hamlet of four thatched-roof seaside houses.

Or head to the electric gates at Sublime. Opened in 2014 this former private estate is now a 34-room retreat that includes a 16,000-sq ft garden. It’s contemporary but not flash.

To enjoy Comporta’s incredible Pego Beach in authentic Alentejo style, saddle up like Madonna and rent a horse from Cavalos na Areia.

Stable owner José Ribeira will guide you gently through the forests past rice paddies and over sand dunes before hitting the wide-open thrill ride of white beach and frothing surf. Comporta bliss indeed!

(FT) Portugal’s bright outlook offers Europe some hope – Editorial

(FT) Coalition has overseen growing foreign investment and mass tourism

For much of Europe, reasons for joy are thin on the ground. In Germany, the engine of European growth, the vital, export-dependent manufacturing sector is stuttering. Italy is plagued by economic and political instability, its relationship with Brussels tense. The UK is edging towards a disastrous no-deal Brexit, which could poison its relationship with the EU for years. On top of all of this, there is the turbulence of the US-China currency war and decoupling of global supply chains.

(ECO) O editorial do FT visto à direita e à esquerda: Costa e Catarina orgulhosos. Rio e Cristas falam da dívida e carga fiscal

(ECO) Elogios do Financial Times à recuperação económica portuguesa caíram bem junto de Catarina Martins e de António Costa. PSD e CDS desvalorizam artigo. “É a opinião de alguém que está longe”, disse Rio.

FT elogiou Portugal e dividiu partidos.

Se os elogios do Financial Times a Portugal caíram bem à esquerda, com Catarina Martins a destacar o papel da geringonça na recuperação da economia portuguesa nos últimos anos, e a António Costa, sublinhando o reconhecimento internacional do trabalho do seu Governo, os partidos à direita desvalorizaram o editorial do jornal britânico com o título “Portugal’s bright outlook offers Europe some hope — tradução livre, “Perspetivas brilhantes para Portugal oferecem à Europa alguma esperança” –, com Rui RioAssunção Cristas a considerarem que é a “opinião de alguém que está longe” e que “há algum distanciamento” para aquilo que é a realidade de quem vive em Portugal.

FT escreveu este domingo que o que de bom se passa em Portugal tem a ver com um mixde “escolhas políticas acertadas” e “uma boa dose de sorte”. E, num tom elogioso para a coligação de esquerda, o primeiro-ministro também sai bem na fotografia tirada pelo influente jornal de economia inglês: António Costa “tem razões para estar mais otimista do que muitos outros líderes europeus”.“O sagaz” Mr. Costa recebe elogios do Financial Times Ler Mais

O último a comentar o assunto foi mesmo António Costa. Os elogios “correspondem àquilo que genericamente a imprensa internacional tem sinalizado sobre Portugal e a recuperação muito grande que o país teve ao longo dos últimos anos, o que se traduz no reconhecimento dos órgãos de comunicação social, mas sobretudo daqueles que investem”, disse o primeiro-ministro.

Isto resulta do reconhecimento internacional das boas políticas económicas que têm sido seguidas, da estabilidade que tem sido conquistado e da estabilidade que é importante manter de modo a continuar nessa trajetória“, considerou ainda.PM sobre FT: “Há reconhecimento daqueles que investem” Ler Mais

De manhã, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, destacou “que o que Portugal fez de diferente na Europa nos últimos anos foi ter uma maioria parlamentar que recuperou salários e pensões. Talvez não tanto como país precisa, mas há uma diferença entre corte e reposição, e estes quatro anos foram de reposição. Isso faz diferença. Isso está a ser reconhecido e é importante”.

A dirigente bloquista sublinhou que esta reposição de salários e pensões “foi possível” devido à “participação de vários partidos que fazem uma maioria no parlamento”, afirmando-se orgulhosa do contributo do Bloco de Esquerda para este caminho.

No Twitter, a politóloga Marina Costa Lobo estranhou a ausência de qualquer menção aos comunistas no artigo do Financial Times.

Marina Costa Lobo@MarinaCostaLobo

O FT se pudesse votava Costa em Outubro com os elogios que faz ao governo. Curiosamente, ao descrever a coligação que apoiou o PS nos últimos 4 anos esqueceu-se de mencionar o PCP, não fosse algum leitor cuspir o café.
https://on.ft.com/33XS7S4 Portugal’s bright outlook offers Europe some hopeCoalition has overseen growing foreign investment and mass tourismft.com13714:24 – 25 de ago de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads39 pessoas estão falando sobre isso

“Opinião de alguém que até está longe”

As reações à direita também não demoraram, com as declarações dos líderes de PSD e CDS a procurarem retirar importância aos elogios vindos de fora.

Rui Rio foi mais expansivo nas palavras, tentando desvalorizar o editorial do FT porque foi escrito por alguém que “está longe” de Portugal e que “não tem conhecimento do que é o quotidiano aqui“.Elogios do FT? “É a opinião de alguém que até está longe” Ler Mais

“É a opinião do jornalista (…). Vê os números e diz: ‘Olha, o défice baixou’. Fica contente, acha que o défice baixou. A taxa de desemprego também baixou, mas é preciso ir ver essas coisas. A taxa de desemprego baixou, é verdade. Pois, então, se a economia internacional cresce, se a economia portuguesa quando este governo tomou conta da governação estava razoavelmente estabilizada por força do período negro que tivemos da troika e que não foi da responsabilidade do PSD, mas também foi da responsabilidade do PS, naturalmente que esses indicadores acabam por melhorar”, disse.

Rui Rio sublinhou depois que mais importante do que olhar para o défice orçamental é necessário prestar atenção ao défice externo. “Tinha sido eliminado, estávamos com excedente e agora o défice externo aumentou. Isto quer dizer que o endividamento de Portugal face ao exterior está a aumentar. Esse endividamento externo de Portugal face ao exterior foi aquilo que há uns anos determinou a falência”, notou. “Se quiserem dizer estas coisas ao homem ou mulher do Financial Times talvez mudem de opinião”, disse aos jornalistas.

No Twitter, o deputado social-democrata Duarte Marques diz que o elogio do jornal não se cinge a António Costa, e chega também ao Governo de Pedro Passos Coelho.

Duarte Marques@DuarteMarques

Ao que parece o editorial do @FT não é apenas elogioso para Costa. A versão publicada elogia Portugal e os dois governos desde 2011. Ou seja, o maldito Passos Coelho e Costa.5110:07 – 26 de ago de 2019Informações e privacidade no Twitter AdsVeja outros Tweets de Duarte Marques

Do lado do CDS, Assunção Cristas falou em “distanciamento” entre o que escreveu o Financial Times e o “concreto o que é a vida em Portugal“.

“Não acredito que as pessoas que vivem em Portugal sintam que a maior carga fiscal de sempre lhes ajuda na sua vida quotidiana, na progressão da sua vida, na forma como a constroem a sua vida, na sua família. Não creio que lhes ajuda, não creio que estejamos no nosso melhor momento”, disse a líder do CDS.

(EXP) Portugal perdoa juros a Cuba em dívida que se arrasta há décadas

(EXP) Na década de 1980 várias empresas portuguesas exportaram para Cuba, mas nunca receberam o dinheiro. A batata quente passou para o Estado, que concedeu garantias aos exportadores. Agora, ao fim de 30 anos, o Governo reestrutura a pequena mas histórica dívida cubana

O Governo acordou reestruturar uma antiga dívida que a República de Cuba tem para com o Estado português, dando a Havana mais uma década para resolver a questão, segundo um despacho de 5 de agosto do secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo.

O valor da dívida está longe de ser problemático: são 3,3 milhões de euros de dívida ao Estado e 1,1 milhões por pagar a algumas empresas portuguesas. Ou seja, o que Cuba deve a Portugal representa somente 0,002% do nosso Produto Interno Bruto (PIB). Mas, como se lê no despacho de reescalonamento, trata-se de uma situação “que se arrasta há mais de três décadas”.