Category Archives: Portugal

(JTA) Portugal’s only rural Jewish community seeks a seat at the table

(JTA)

A view of Pelourinho Square in Belmonte, Portugal. (Filipe Rocha/Wikmedia Commons)ADVERTISEMENT

BELMONTE, Portugal (JTA) — To a casual observer, the weekend routines of the Jewish community of this placid town of about 6,000 in eastern Portugal are deceptively normal.

There are Shabbat services at the local synagogue on Friday night and Saturday morning, and receptions at the local Jewish museum. Once a year, a small Sunday kosher market is held by the approximately 70 members of its Jewish community of Belmonte — the only one in Portugal outside the larger cities of Lisbon and Porto.

But the community here is the only one on the Iberian Peninsula that has retained rituals and other quirky elements of its identity that date back to the Spanish Inquisition, thanks to the sacrifices and commitment of successive generations of crypto-Jews — Jews who were forced to convert to Christianity under the Inquisition but continued to practice Judaism in secret.

This year, the Jewish Community of Belmonte is for the first time seeking from the government equal status and access to funding as those enjoyed by Portugal’s two larger Jewish communities of Lisbon and Porto.

The post-Inquisition Jewish presence in Belmonte was first documented in 1917 by Samuel Schwarz, a Jewish engineer from Poland who was working at a nearby tin mine when he noticed peculiar habits of certain families in the town.

In a 1925 book titled “New Christians in Portugal in the 20th Century,” he chronicled how only three Jewish holidays were observed in Belmonte: Passover, the Fast of Esther — part of the Purim holiday — and Yom Kippur. On Yom Kippur, Jews would meet to play cards so as not to appear to be worshipping, and they’re still following the custom today.

Belmonte Jews browse the annual kosher market there, Oct. 14, 2018. (Cnaan Liphshiz)

Shabbat was regularly observed, featuring three daily prayers, Schwarz wrote. On that day, Belmonte’s crypto-Jews did not eat pork. Today, pork is off the menu for most Belmonte Jews, who eat mostly kosher food — some of it even locally produced, including two types of beer and several kinds of cheese.

The food is on display at the annual kosher market during the High Holidays period, where actors dressed in medieval costumes regale visitors with scenes from that period. Some of the enactments show Jews sobbing upon learning of the Inquisition’s arrival in Portugal and Jewish merchants haggling while peddling textiles. The members of the Jewish community don’t seem to mind the humorous approach, playing along with the acts.

“The story of Belmonte’s Jews is like something out of a fairy tale or science fiction series,” Eliyahu Birenboim, a former chief rabbi of Uruguay and the head of Israel’s Strauss-Amiel Rabbinical Seminary, wrote in a 2012 essay detailing his research of the place.

There are darker sides to the community’s strict adherence to centuries-old customs. It’s so old and tight knit that the inmarriage that helped sustain the community at one point has created endemic health problems to many of its members. Many community members suffer from night blindness, among other afflictions. One family has a gravely ill daughter due to genetic complications, said Elisha Salas, a Chile-born rabbi who led the Belmonte Jewish community for eight years before leaving for El Salvador in 2018.

This issue exposes Belmonte Jews to ridicule by some of their coreligionists from elsewhere in Portugal.

“They are all pretty much married to their cousin,” Salas said of his previous congregation.

Actors re-enact scenes from the Inquisition period outside Belmonte’s Jewish museum, Oct. 14, 2018. (Cnaan Liphshiz)

Then there are the normal challenges of life in a small and remote Jewish community. Belmonte’s rural area offers few employment opportunities, and there are only a handful of Jewish children there, raising concerns about the community’s long-term viability. Several dozen people have left for Israel in recent years.

Salas said the effects of this depletion has deepened the impact that old family feuds have on communal life.

“There are whole families who are not on speaking terms not because of something that went on recently,” but due to fights over unrequited marriage proposals from decades ago, he said.

The Jewish communities in Lisbon and Porto announced last year with a Chabad rabbi the formation of a national rabbinical council, omitting Belmonte. In fact, the community wasn’t even informed in advance of the council’s creation, Salas said.

“It’s obvious, isn’t it?” said Jaime Henrique Rodrigo, a Belmonte Jew. “Porto and Lisbon are trying to protect their monopoly. They don’t want us taking a seat at the table, so they try to exclude us.”

Belmonte also is not recognized by the state as qualified to vet citizenship applications by descendants of Sephardic Jews. (Portugal passed a law in 2015 that said it will aim to naturalize descendants of Sephardic Jews who can prove their heritage.) This owed to the fact that at the time of the law’s passage, the community had not yet been officially registered with the state for a required minimum period of 30 years. But the community will hit the mandated mark later this year.

It will be at the Justice Ministry’s discretion to recognize Belmonte as vetters once its application is complete; the application is in its early stages.

Rabbi Elisha Salas, wearing kippah, celebrates Tu b’Shvat with Belmonte Jews, Feb. 10, 2017. (Courtesy of Shavei Israel)

When asked, representatives from the communities in Lisbon and Porto would not explain why they excluded Belmonte from the rabbinical council.

Gabriel Szary Steinhardt, the president of the board of directors of the Jewish Community of Lisbon, said JTA’s questions on the matter “do not deserve any response at all.” Meanwhile, the Jewish Community of Porto accused a JTA reporter of working “for proselytizing organizations,” which it did not specify.

The vetting issue is more than about prestige. It has been an unexpected cash cow for the two larger communities, which charge hundreds of dollars for each application, of which there have been hundreds. Salas said the Jewish Community of Belmonte has hired a lawyer and is taking legal action to obtain recognition as a certified vetter.

The dispute underscores the historical differences between the community in Belmonte and those in Lisbon and Porto. While Belmonte Jews are the descendants of those who steadfastly stuck to tradition in secrecy, and against harsh odds, the two others are made up of a mix of Ashkenazi and Sephardi Jews who immigrated in or after the 19th century, and bnei anusim (or forced converts) who converted back to Judaism as individuals.

Despite the challenges, the Belmonte Jewish community may cheat death yet again, Salas suggested.

The Sephardic citizenship law is bringing dozens, perhaps even hundreds, of Jewish immigrants to Portugal, primarily from Latin America and Israel. At least three Jewish families have bought homes in Belmonte in recent years. There are also hopes that this trend will increase with the completion of the first train station here, connecting it with major cities.

And if Portugal allows Belmonte to vet citizenship applications, its Jewish community would come by a substantial source of income for communal activities and institutions, such as a school, which the community does not have.

“It could go either way for Belmonte’s Jewish community,” Salas said. “But if there’s one thing we do know, it’s that it has a pretty good track record of surviving.”

(DB) How Lisbon Went from Backwater to Drowning in Riches

(DB)

In less than a century, Lisbon went from backwater to center of the world. Uncountable riches poured in as the city went mad with palaces, churches, and exotic animals.

Barry Hatton

01.12.19 9:06 PM ET

Queues are a common sight outside the midnight-blue doors of the Antiga Confeitaria de Belém, in the Lisbon riverside district of the same name. Inside this café, some very special pastries are on sale. Only three members of staff possess the secret recipe for the sweet custard tarts produced there since 1837, and they say the bakery in the back produces on average 40,000 of them a day in the peak tourist season. The tarts are called pastéis de Belém or pastéis de nata. They offer light, crispy pastry cupping a silky, vanilla-flavored custard that is slightly charred on top. Each tart comes with miniature sachets of caster sugar and cinnamon to sprinkle over them. And, in their sprinkling, the twenty-first-century customers unwittingly join up more than 500 years of  Portuguese history.The fabulous wealth Portugal harvested during those days of empire was concentrated almost entirely in the capital.

The café lies close to the spot from where, during the Age of Exploration starting in the fifteenth century, Portuguese sailing ships that were among the biggest on the seas were seen off on their sometimes years-long voyages. The Portuguese Discoveries delivered a giddy period of milestones in world history. It was a flush of genius and enterprise never witnessed again in Portugal. The Portuguese, wrote the historian Jaime Cortesão in his 1960s work Os Descobrimentos Portugueses (The Portuguese Discoveries), “set in motion a world revolution” by leading Europe out of the Mediterranean and into the Atlantic and beyond, creating new horizons.

Back in Lisbon, it rained money. At least, it did if you were plugged into the intercontinental trade that to a large degree was run as a monopoly by the Crown. The fabulous wealth Portugal harvested during those days of empire was concentrated almost entirely in the capital. Cosmopolitan Lisbon was the place to be if you wanted news or gossip about what was happening across the globe. Portugal went from European minnow to big fish.

A Portuguese battle fleet that sailed out of the Tagus on 25 July 1415 turned left toward North Africa and its target: Ceuta. The successful attack on that Muslim stronghold was the starting gun for the Age of Exploration. The Portuguese inched down the West African coastline, growing bolder and bolder, until King João II hatched the Plano das Índias (the Indias Plan) later in the fifteenth century. The scope of his ambition was staggering: to divert through Lisbon the trade in lucrative spices from the Orient to Europe. At that time the spices, used by Europeans in cooking and by apothecaries for medicines, came overland to Alexandria and then by sea to Venice, from where they were sold across Europe. This audacious Portuguese monarch wanted to cut out the middle man and bring them from India straight to Lisbon by ship. And he did.Officials told them to come back another day because they didn’t have time to count it all.

Dreaming big paid off, in a big way. By virtually cornering the European market in goods from the East and Africa, the Portuguese kingdom became cash-rich. Pepper cost the Portuguese two cruzados a sack in Cochin, on India’s west coast, and they sold it in Lisbon for thirty cruzados. With that steep mark-up, Lisbon prospered and a degree of euphoria took hold. The Portuguese were, said the 19th-century Portuguese historian Oliveira Martins, “intoxicated by the scale of the wealth.” Damião de Góis, one of Portugal’s outstanding Renaissance figures who by royal appointment chronicled the reign of King Manuel I, reported that he often saw at the riverside Casa da Índia, where the arriving goods were inventoried and stored, “merchants with bags full of gold and silver currency to make payments [but] officials told them to come back another day because they didn’t have time to count it all.”

The flourishing economy propelled Lisbon’s urban expansion. The city dilated, in buildings and population. Plague, drought and hunger drained the countryside, and peasants converged on the capital in hope that the wealth might trickle down. The population swelled from around 70,000 in 1528 to some 120,000 by the end of that century.

It was a time of plenty for the Catholic Church, too. Lisbon  became sown with grand religious monuments.

Convents, monasteries and churches flourished in the city’s soil. By the second half of the sixteenth century, Lisbon had more than a dozen substantial convents and monasteries. The religious orders often grabbed the most prominent hilltop locations, such as Graça, Nossa Senhora do Monte, Santana, Pedreira, São Vicente and Penha de França, and these new buildings gave birth to new neighborhoods in their vicinity. A new architectural scale took hold, exemplified by the immense Hospital Real de Todos os Santos (Royal All Saints Hospital) and the spectacular Jerónimos Monastery.

Vasco da Gama’s 1499 arrival back in Lisbon after two years at sea, during which he found the sea route to India, provided one of the last major royal occasions at St George’s Castle. Caravels went out to meet Gama in the mouth of the Tagus and escorted his two surviving, battered carracks into port. King Manuel and Gama, side-by-side, went on horseback up to the castle as people crowded along the streets and waved from houses.

The castle was their destination, but the king had something else on his mind—something that would change Lisbon forever. He had already set his master plan in motion, clearing land by the river from 1498 onwards. In 1500 construction of a new palace began, and several years later the  monarch moved in.

King Manuel I’s decision to abandon St George’s Castle and switch the court to a magnificent new royal palace by the river was a milestone that reflected Lisbon’s deep political, administrative, economic and cultural changes. The move added momentum to the reshaping of the city by shifting its center of gravity from the hilltop down to the river. The relocation also carried a heavy symbolism, pulling back the curtain on a new era that wedded Portugal’s destiny to the sea. The Portuguese monarch went from being a crusading warrior king who had conquered the castle to a trade king who had conquered international commerce.

With its overseas triumphs Lisbon grew in confidence and burst out of its medieval defensive boundaries, spilling into surrounding land. Not everyone was impressed, however. France’s King François I looked down his nose at Portugal’s commercial success. He sniffily referred to King Manuel as Le Roi Mercier (The Grocer King).

King Manuel’s construction of the new palace, called Paço da Ribeira, set off an urban revolution in the early 1500s. It provided a cue for the riverside area, which had been growing in importance since the previous century, to finally take precedence as the city’s commercial and administrative heart.

The palace was “the richest, the most luxurious, the most stunning Portuguese dwelling ever seen,” according to historian Paulo Caratão Soromenho. The building was rectangular, at a right angle to the river and had a stone bulwark over the water. The opulent rooms were on three floors, with arcades at street level. Over the coming years the palace was improved and stocked with sumptuous riches, including rare jewels, great tapestries, works of art by old Masters, a royal library containing some 70,000 books, and an elaborate royal chapel.

The huge space cleared along the riverfront, in addition to the simultaneous landfill operation that reclaimed land from the Tagus in a major engineering operation, was intended for more than just a big new palace. The palace itself occupied the west side of what became known as the Terreiro do Paço (Palace Courtyard), a public area. This broad square still exists and is known as the Praça do Comércio (Commercial Square). The palace’s main entrance, decorated with marble balconies, was on the northern side away from the river. The palace was destroyed in the calamitous 1755 earthquake, which razed much of downtown Lisbon.

The area around the palace came to include the India House, the royal mint, the royal armory, royal warehouses and royal shipyards. King Manuel could admire from his window the evidence of his power. This part of the city was the heart of Portugal’s military-industrial complex and ground zero of Portugal’s imperial might. It bore comparison with the Arsenal of Venice, regarded as the most significant centralized production complex of pre-industrial Europe.

King Manuel could watch from his palace the loading and unloading of the ships after he built the Cais de Pedra, a stone quay jutting out into the river from the vast courtyard. He was also close to the Armazéns da Índia (India Warehouse), located on the opposite, eastern side of the square from the palace, which took care of naval logistics and provisioning.

The nerve center for the India operations was right under the monarch’s nose, in the India House. It was set up on the ground floor of the palace and was in charge of the administration and management of trade throughout the empire. Góis described the Casa da Índia as an “emporium of aromas, pearls, rubies, emeralds and other gems that year after year are brought from India.”

But being wealthy wasn’t enough. In Renaissance Lisbon, you had to be seen to be wealthy, and the monarch was no exception. The showiness and pageantry of the royal entourage was legendary.

The first elephants seen in Europe since Roman times were unloaded in the Portuguese capital in the early sixteenth century. These gifts from India for King Manuel performed tricks, bowing on command and blowing water, and delighted the courtiers and the inhabitants of Lisbon. Other arrivals were an African rhinoceros, gazelles, antelopes, monkeys, parrots and a jaguar.

The animals made up the monarch’s cortège whenever he proceeded through Lisbon. Góis described the procession: it was led by the rhino, followed at some distance by five elephants rigged out in gold brocade, then an Arabian horse, the jaguar, and the king and his entourage accompanied by the beat of drums and the fanfare of trumpets.

The exotic animals were kept on the palace’s ground floor, in barred rooms. The king fancied seeing a fight between an elephant and a rhino, so the two were brought together in an interior patio, with members of the court hanging out of the windows to watch the whimsical spectacle. The entertainment was brief, however. The elephant soon turned and ran, smashing through a door and running into the street, eventually reaching Rossio Square several hundred meters away before it came to a halt.

King Manuel wanted the rest of the continent to know about his affluence. In a flamboyant gesture, in 1514 he sent to Rome a white Indian elephant as a gift for the new pope, Leo X. An elephant was a fitting symbol for Portugal and the pontiff, possessing power, longevity and stoutness. The animal certainly made a splash in Renaissance Europe, hungry for novelties. Transported by ship from Lisbon, it took several weeks for the elephant to be led from the Italian coast to Rome, because so many people crowded around to see it. The first elephant in Rome since Hannibal was a great success. Pope Leo X was enthralled by the animal and very fond of it. He named it Hanno, after Hannibal, and Portugal was the talk of the town.

The following year King Manuel sent a 2-ton rhino called Ganda to Rome. It wore a green velvet collar embroidered with golden roses. The ship had to stop off in Marseille so that King François I, intrigued, could see it. The adventure went awry, however, when the carrack was shipwrecked off the Italian coast and the rhino, chained to the deck, died. When it later washed up on shore, King Manuel had it stuffed and taken to Rome anyway. The German artist Albrecht Dürer never saw the rhino, but his woodcut of it became more famous than the animal itself.

The lavish spending extended to projects that were intended to magnify King Manuel’s accomplishments, emphasize his piety and immortalize his reign. It was also an example of the extravagance that absolute power and mega-wealth invite.

The greatest expression of that temperament was the Jerónimos Monastery, in Belém. It is regarded as a masterpiece of what would later become referred to as the Manueline style of architectural ornamentation. Completed 100 years after it was begun in 1502, the building was the monarch’s biggest prestige project. Having survived the 1755 quake mostly intact, the national monument is one of Lisbon’s signature buildings and one of Portugal’s gems.

After its completion, the Jerónimos Monastery was the city’s most important religious monument. It replaced the monastery at Batalha, about 100 kilometers to the north, as the resting place of royalty.

The building was not intended, as is often claimed, to commemorate Gama’s accomplishments. King Manuel requested the papal bull for its construction in 1495, two years before Gama’s departure for India. The monarch, whose three successive queens were Spanish, named it out of a keenness to bring closer together the neighboring Iberian kingdoms. The Spanish royals were fond of the Order of Jerónimos, and this Lisbon project was intended to be one of twelve Jerónimos Order monasteries in Portugal for which Manuel requested the pope’s blessing. He, like other Portuguese royals, had an elusive dream: a single Iberian country, with a Portuguese monarch at its head.

Belém in those days was little more than a medieval village. The monastery’s scale, muted nowadays by the modern city’s dimensions, was staggering. Artistic renderings of the time show the vast building sitting amid desolate land. Construction began on the symbolic date of 6 January—the Feast of the Epiphany, more commonly known in Iberia as Three Kings’ Day.

Jerónimos was paid for by a generous donation from the Florentine banker and slaver Bartolomeu Marchione as well as a 5 per cent tax levied by the Crown on the trade in spices, gems and gold, known as the vintena da especiariapedraria e minas. An old saying had it that Jerónimos was “built by pepper”.

The monastery and its church stand parallel to the Tagus, so that anyone passing on the river can see a lot of its 300-meter length. It fired a cultural broadside, so to speak, at anyone sailing into Lisbon. Then, as now, it was a look-at-me building, with its south-facing walls of  local limestone reflecting the sun. Jerónimos sent a message. It said, we are very wealthy and very pious.

The ornate and elaborate Manueline style was inspired by Portugal’s associations with the sea. It is intricate and busy— like the times that gave birth to it. Maritime motifs in stone capture, Medusa-like, the paraphernalia of the adventures, featuring ropes and knots, anchors and navigational equipment, as well as religious flourishes. The enchanting Jerónimos cloisters on two floors are richly sculptured, like stone filigree. Statuettes depict great historical figures. In the south portal, for example, Prince Henry the Navigator is portrayed as bearded and wearing armor and holding a sword and shield. The church’s vaulted ceiling, 25 meters high, is dizzying. Octagonal pillars soar up to the webbed dome. The Guia de Portugal says the effect is less like that of a cathedral than of a giant cave punctuated with stalactites. The stained-glass windows are, disappointingly, from the  1930s.

Belém Tower

Equally representative of the Manueline style is the nearby Torre de São Vicente, better known as the Torre de Belém (Belém Tower). This unusual military building rendered in thick blocks of stone was originally 250 meters out into the river and formed part of the Tagus defensive system. Changing currents and sedimentation have filled in the gap to the shore. It is a boxy, odd-looking structure, with two distinct parts: a square tower, in a palatial style with ceremonial rooms and featuring a Venetian-style veranda with river view; and a bulwark with positions for seventeen cannon and a magazine beneath it.

The building, completed in 1521, is utilitarian while capturing in its details a Manueline ornateness, with that style’s Islamic flourishes. Its turrets imitate Koutoubia, the largest mosque in Marrakesh where the man appointed to oversee the Torre de Belém’s construction, Francisco de Arruda, had worked for two years. On the north-west corner, one of the gargoyles is a rhino’s head, thought to represent Ganda.

In sixteenth-century Lisbon, the buzzword among the elite and contemporary authors was “grandeur”. That was the word they wanted associated with the city. After all, what else would a capital of a country with an intercontinental empire merit?

Excerpted from Queen of the Sea: A History of Lisbon by Barry Hatton courtesy of Oxford University Press.

(OBS) Viver sem ideias – Rui Ramos

(OBS)

Nenhum regime é apenas o que existe e como tal pode ser descrito. É também o que os seus líderes propõem, as expectativas e a confiança que as suas ideias são capazes de gerar.

O Estado Novo foi uma ditadura, mas também a ideia de que Portugal podia ser um mundo aparte, um Estado intercontinental quando os outros Estados europeus descolonizavam, e um regime corporativo enquanto as outras sociedades ocidentais admitiam divergências e conflitos.

A revolução de 1974-1975 também não foi apenas uma semi-ditadura militar, mas a ideia de que competia aos portugueses tornarem-se, no ocidente da Europa, um entreposto de socialismo terceiro-mundista, com as forças armadas a fazer de “movimento de libertação”.

Tudo acabou quando essas expectativas acabaram, isto é, quando deixou de ser possível escamotear as desvantagens de ser o último império ou a primeira Cuba da Europa ocidental. Até porque havia uma alternativa mais digna e mais próspera — já escolhida, aliás, pelas centenas de milhares de portugueses que, durante uma década, haviam passado legal ou ilegalmente a fronteira em direcção à França ou à Alemanha: ser simplesmente um país como os outros países da Europa ocidental.

O actual regime levantou-se em cima dessa possibilidade. Por isso, não foi apenas uma oligarquia de partidos subsidiados pelo Estado, mas também a expectativa de Portugal, um dia, vir a ser um país com as instituições e a fortuna dos países ricos e livres do norte da Europa.

Eis o que ficou em causa nos últimos anos, quando se tornou notório que o país, sobrecarregado por um Estado endividado e clientelar, não consegue aproveitar a integração europeia para continuar a convergir com a Europa. A partir daí, deixámos gradualmente de acreditar em quase tudo.

A actual maioria das esquerdas demonstrou que ninguém acredita verdadeiramente numa alternativa ao ajustamento orçamental dirigido por Bruxelas, a menos que aceitemos que sacrificar serviços públicos para pagar salários é acabar com a austeridade.

A actual liderança da direita provou, por sua vez, que, apesar de a coligação PSD-CDS ter ganho a eleição de 2015, ninguém acredita numa alternativa ao governo socialista, a menos que se considere que mudar a composição da maioria parlamentar de apoio a António Costa faça diferença.

Como podia ser diferente? Vivemos num dos países mais endividados do mundo, onde a falta do BCE significaria provavelmente uma bancarrota instantânea, e onde a política está reduzida a distribuir rendas entre os grupos de interesses que dependem do Estado e de que os governos dependem para terem boa imprensa e boas eleições.

Em Portugal, não há o Vox da Espanha nem os coletes amarelos da França. Há apenas abstenção, uma espera receosa do fim da actual festa, da última estação deste tempo de vésperas em que os juros baixos e os saldos permanentes disfarçam a perda de rendimentos e a renovação de casas para alojamento local esconde a degradação dos transportes públicos. Aguardamos – não já, como na década de 1990, pelo dia em que o nosso PIB per capita coincida com a média europeia, mas pelo dia em que os juros subam ou os turistas descubram outros destinos, e a nossa vulnerabilidade nos bata na cara.

É nestas condições que nos pedem este ano para votar, isto é, para escolher líderes e optar entre programas, quando sabemos que não há escolha nem opção. Vai ser uma experiência interessante. Em 1871, um jovem poeta impertinente perguntou a um chefe de governo se era possível viver sem ideias. Parece que estamos condenados a fazer regularmente essa pergunta.

(AFP) Portugal to welcome British tourists post-Brexit

(AFP)

Portugal's interor minister told journalists they are working on "creating obstacle-free corridors that will allow fluidity" for British tourists coming to Portugal after Brexit
Portugal’s interor minister told journalists they are working on “creating obstacle-free corridors that will allow fluidity” for British tourists coming to Portugal after Brexit AFP/File

Lisbon (AFP)

Portugal wants to exempt British tourists, a major revenue source, from entry visa requirements if Britain crashes out of the European Union without a negotiated deal, Lisbon said Friday.

“We are working… on creating obstacle-free corridors that will allow fluidity for British citizens entering the national territory” at airports, Interior Minister Eduardo Cabrita told journalists.

He was speaking ahead of a crucial vote by British lawmakers next week on Prime Minister Theresa May’s draft “divorce” deal.

Some 2.6 million British tourists fly into Portugal every year, and many retire there.

The government in Lisbon has urged Brits living in Portugal to register at their town halls before March 29, the day Britain is due to leave the European bloc.

Foreign Minister Augusto Santos Silva has said that British qualifications recognised in Portugal until March 29 will remain valid.

The Portuguese plan envisages reinforcing the number of staff at the Portuguese consulate in Britain to answer Brexit-related questions.

Back home, agents from the Foreigners and Borders Service will stand ready to assist Brits living there.

Further details will be announced next week, said Santos Silva.

May faces defeat over her proposed deal, which has aroused fierce opposition from EU supporters and Brexit enthusiasts alike, raising fears Britain could leave the bloc with no agreement in place.

(JN) Dois pesos e duas medidas – Nuno Melo

(JN)

A cinco meses de eleições determinantes para o futuro da União Europeia, o telefonema do presidente da República em direto num programa matinal da SIC e a entrevista no seu equivalente da TVI a um simpatizante neonazi que foi condenado e cumpriu pena, fazem manchetes.

Tudo normal, quando as massas se agregam hoje à volta do entretenimento superficial, com mais facilidade do que antes respiravam causas públicas. Inqualificável, contudo, é que no comentário a propósito, a extrema-esquerda não aplique a si os critérios que exige aos outros.

A dirigente do BE Mariana Mortágua indignou-se na SIC pelo tempo de antena dado a Mário Machado, “delinquente condenado por agressão e extorsão”, sublinhando que “não devemos banalizar uma suástica num programa de televisão (…) símbolo de um regime que matou milhões”. Como é evidente, o nazismo e a natureza hedionda do que significou só podem ser repudiados. Não se compreende é que se esqueça o resto, como o BE faz, quando em causa estão doutrinas que lhe deram vida, ou responsáveis que aceitam como representantes. Dois pesos e duas medidas, num sectarismo que por definição também é totalitário.

O nazismo matou milhões, é verdade. Sucede que o comunismo matou muitos mais. Não é aceitável banalizar uma suástica num programa de televisão. Mas para o BE, a foice e o martelo que simbolizam a tortura e o massacre de povos em todos os continentes não tem problema algum. Entrevistar um extremista neonazi na televisão é pecado. Mas exibir a imagem de Che Guevara ao peito em reuniões do BE, que em 1964 na ONU discursava dizendo “fuzilamos sim, e continuaremos fuzilando”, é uma imagem de marca chique.

Acresce a propósito de criminosos, não constar que a simpatia pelo BE seja uma atenuante prevista no código penal.

Os operacionais da organização terrorista FP25 assassinaram 17 inocentes, um dos quais criança, feriram muitos mais, assaltaram bancos e destruíram património valioso. No entanto, em 2017, o BE escolheu para candidato em eleições autárquicas no Barreiro, precisamente um dos fundadores das FP25. Nenhum problema.

Camilo Mortágua assaltou bancos, ocupou terras alheias e participou no assalto ao navio Santa Maria, que em 1961 resultou no assassinato do 3.º piloto João José do Nascimento Costa. Apesar disso foi condecorado Grande Oficial da Ordem da Liberdade, tal qual Isabel do Carmo, fundadora das Brigadas Revolucionárias.

Escusado será dizer, foram todos muitas vezes presença televisiva e notícia. Mas claro, em Portugal, ser de extrema-esquerda é outra loiça.

*DEPUTADO EUROPEU

(JN) Exportações em 2019 devem abrandar pelo segundo ano

(JN)

As empresas portuguesas estão menos otimistas com as vendas ao exterior. Parte da culpa é atribuída ao Brexit.

As exportações de mercadorias por parte das empresas portuguesas deverão aumentar 4,3% em 2019, o que representa o segundo ano consecutivo de abrandamento no crescimento.

Esta perspetiva consta do inquérito conduzido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) às empresas portuguesas e mostra uma degradação nas perspetivas. No inquérito anterior, realizado em meados do ano, as empresas apontavam para um crescimento de 6,4% nas exportações de 2018, o que já representava um abrandamento face ao estimado para 2017.

Este ano as empresas esperam um acréscimo de 3,2% nas exportações para os mercados fora da União Europeia (UE) e de 4,6% para os países da UE.


“Em parte a desaceleração esperada estará relacionada com o efeito do Brexit”, explica o INE, dando conta que “cerca de 17% das empresas antecipam um impacto negativo nas suas exportações” com a saída do reino Unido da UE.

Ainda no que diz respeito ao Brexit, quase metade das empresas inquiridas (46%) esperam um efeito nulo nas suas exportações. As empresas que preveem um efeito negativo (17%) foram, em 2017, responsáveis por 35% das exportações para o Reino Unido e por 21% do total das exportações de bens nesse ano.

INE revelou esta quinta-feira que no acumulado até novembro de 2018, em comparação com o acumulado até novembro de 2017, as exportações cresceram 4,9%.

Por categoria de produtos, as empresas perspetivam um aumento de 6,1% nas exportações de material de transporte e acessórios e de 5,8% nas vendas de máquinas, outros bens de capital e seus acessórios.

(BBG) Portugal, Ireland Bond Sales Show Conviction on ECB Rate Outlook

(BBG)

In one fell swoop, Portugal and Ireland completed a quarter of their refinancing for the year.

The two nations sold 4 billion euros ($4.6 billion) of bonds each via syndication Wednesday, compared with Portugal’s 15.4 billion euro target for 2019 and Ireland’s goal of between 14 and 18 billion euros. That follows banks underwriting around 21 percent of Belgium’s target issuance Tuesday.

Orders for Ireland’s 10-year syndication were above 18 billion euros, while those on Portugal’s were above 24 billion euros, according to people familiar with the matter. That’s despite European nations offering more than 30 billion euros in debt this week alone.

The robust demand for the bonds shows conviction among investors that the European Central Bank isn’t going to be able to raise borrowing costs against a backdrop of slowing economic growth and recession fears in the U.S. Their skepticism is also reflected in the yield on German bunds, which touched the lowest level in more than two years last week.

“The New Year has unleashed pent-up demand for sovereign and agency paper on the primary market, and we think this is set to continue,” said Ciaran O’Hagan, head of European rates strategy at Societe Generale SA. “The drive lower in yields has forced buyers out into the market.”

(JN) Deputados aprovam acesso do fisco a contas bancárias acima de 50 mil euros

(JN) Os deputados aprovaram hoje na especialidade a proposta do Governo que obriga os bancos a comunicarem ao fisco as contas bancárias com saldo superior a 50 mil euros.

O diploma foi aprovado, na Comissão de Orçamento e Finanças, com votos a favor de PS, BE e PCP, abstenção do CDS-PP e contra do PSD.

A legislação obriga os bancos a comunicarem à Autoridade Tributária e Aduaneira, até 31 de julho, informações sobre as contas que, em 31 de dezembro do ano anterior, tinham um saldo superior a 50 mil euros.

Este diploma ainda terá de ser votado em plenário e irá depois para o Presidente da República para promulgação.

Em 2016, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou um diploma semelhante.

Em 09 de maio do ano passado, depois de o tema do sigilo bancário ter sido levantado num debate entre a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, e o primeiro-ministro, António Costa, Marcelo Rebelo de Sousa divulgou uma nota em que lembrava que vetou o decreto do Governo sobre informação bancária em 2016 devido à “situação particularmente grave vivida então pela banca”.

Logo no dia seguinte, em 10 de maio, o Governo aprovou a proposta para levantar sigilo bancário nas contas de depósito de cidadãos residentes em Portugal com saldo superior a 50 mil euros.

Então, em conferência de imprensa, o ministro das Finanças esclareceu que a Autoridade Tributária terá acesso ao saldo mas não aos movimentos das contas. Mário Centeno disse ainda que, apesar de o fisco aceder a informação sobre contas a partir de 50 mil euros, não haverá “lugar a troca de informações com terceiros, nacionais ou estrangeiros, particulares ou públicos”.

O governante considerou a medida de “extrema importância para o combate à fraude e evasão fiscal” ao dar um “elemento adicional à Autoridade Tributária para apurar se existem indícios de práticas tributárias ilícitas relativamente a determinados contribuintes”.

“Os dados servem como desincentivo à ocultação e têm importante função preventiva”, vincou.

Contudo, o diploma esteve oito meses a aguardar os necessários avanços legislativos, só tendo sido hoje aprovado na especialidade.

(OBS) Apetece-me puxar da pistola quando não se calam com o populismo -José Manuel Fernandes

(OBS)

O fantasma do populismo serve hoje para justificar todas as piruetas dos políticos, mas de caminho vamos esquecendo que são os problemas que ficam por resolver que alimentam os ressentimentos radicais

Um espectro paira sobre Portugal – o do populismo. Todas as forças do velho Portugal unem-se numa Santa Aliança para conjurá-lo: o Presidente e o CardealCosta e Catarinaos radicais de Lisboa e os bonzos da Marmeleira.

Peço desculpa pela inspiração, velha de 170 anos, mas de repente parece que não existe em Portugal outro problema para além da ameaça dos populismos, porventura dos extremismos, quem sabe dos fascismos. Há mesmo quem desatine e até identifique uma “deriva racista e fascista nos media portugueses” a exigir “uma sanção efectiva por parte das entidades competentes”.

E peço desculpa pela inspiração porque tal como a frase gongórica de Marx e Engels tinha pouca adesão à realidade da Europa de 1848, o presente alarido parece servir para ora nos distrair do essencial, ora para iludir a verdadeira natureza do populismo lusitano.

Tomemos algumas notícias destes dias. Notícias que nem são excepcionais, tornaram-se até banais. Como a de que os directores clínicos dos hospitais históricos de Lisboa (São José, Dona Estefânia, Alfredo da Costa, Capuchos, Santa Marta, Curry Cabral) tinham subscrito um manifesto a alertar para “grave situação que compromete já hoje a segurança clínica”. Ou a de que há hospitais do SNS onde se tem de esperar mais de três anos por uma consulta de Cardiologia e que na especialidade de Urologia pode ter de se esperar ainda mais, quase quatro anos. Ou ainda a de que no último domingo não houve obstetras no Hospital de Beja, tendo as grávidas sido reencaminhadas para Évora.

Entretanto, em Marco de Canavezes, o Governo juntava-se para algum foguetório em torno da abertura de um concurso para a compra de 22 comboios para a CP (2019 é ano de eleições, não nos esqueçamos, por isso esta semana tivemos imensas cerimónias para anunciar ou reanunciar obras), comboios que só chegarão em 2023. Isto quando, como contou a TVI, hoje já 90 comboios a circular para além da sua vida útil, sendo que até à chegada das novas composições haverá mais 126 que ficarão fora de prazo, estimando-se que as necessidades reais da empresa são de 400 novas máquinas, e não de apenas 22.

Insistir exactamente no mesmo modelo que tínhamos antes da crise só podia conduzir ao mesmo resultado: para continuar a prestar o mesmo serviço, a despesa pública dispara, pois essa é a inércia da máquina do Estado e a decorrência natural de uma demografia desfavorável; para conter a despesa nos limites comportáveis, o tecido rompe-se constantemente.

Isto se este concurso for para valer, e não apenas para pacóvio ver: é que, como explicou Alexandre Homem Cristo, um dos truques deste executivo tem sido lançar concursos com preços tão baixos que ficam desertos. Dessa forma consegue anunciar que vai fazer obra e, depois, continuar a não concretizar os investimentos prometidos para, assim, conseguir encolher as contas públicas até aos limites do défice. Um bom exemplo disso foi a forma como não se fizeram as obras na histórica Escola Secundária Alexandre Herculano, no Porto, ou no Liceu Camõese no Conservatório Nacional, ambos em Lisboa.

Mais, porventura mais maquiavélico (na linguagem política doméstica, mais “habilidoso”): toda a pompa e circunstância em torno do novo aeroporto do Montijo pode não ter sido mais do que uma cortina de fumo para permitir mais uma expansão do aeroporto do Portela, como se depreende das questões levantadas pelo Observador e como argumentou, sustentadamente, António Costa no Eco.

Saúde. Transportes. Escolas. Estamos a falar de serviços que os cidadãos esperam que o Estado garanta. Até porque pagam impostos para isso. Mas nos intervalos das notícias sobre mais uma greve na Administração Pública ou, então, dos relatos de mais uma deslocação de um ministro (ou do próprio primeiro-ministro, que tem andado numa roda viva) para assinarem mais um protocolo, fazerem mais uma promessa ou anunciarem mais uma obra, lá vai espreitando esta realidade – a de um Estado que não corresponde ao que dele se espera mesmo consumindo quase metade da riqueza nacional.

Há uns anos sabíamos, ou julgávamos saber, ou queríamos acreditar que tínhamos aprendido, que não iríamos lá sem repensar a forma como o Estado desempenha o seu papel. Que insistir exactamente no mesmo modelo que tínhamos antes da crise só podia conduzir ao mesmo resultado: para continuar a prestar o mesmo serviço, a despesa pública dispara, pois essa é a inércia da máquina do Estado e a decorrência natural de uma demografia desfavorável; para conter a despesa nos limites comportáveis, o tecido rompe-se constantemente.

Há muita gente em busca de popularidade para, argumenta-se, contrariar o populismo. Nada contra se, ao mesmo tempo, o populismo que tanto nos horroriza (e que para o qual os nossos políticos nos dizem vacinados) não estivesse já entre nós. Por palavras e actos.

Em ano eleitoral deveríamos estar, no mínimo, a regressar a este debate. Mas não. O foco é o inverso, e o exemplo mais recente disso foi a forma como o ministro do Ensino Superior e o próprio Presidente da República entenderam manifestar-se a favor do fim das propinas do Ensino Superior. Porque essa é a forma mais eficaz de apoiar os estudantes? Não, como se vê olhando para a experiência de outros países. E será por constituírem um factor de desigualdade social, como argumentou o Presidente? Um Fact Check do Observador apurou que o raciocínio é enganador.

Contudo, é popular. E há muita gente em busca de popularidade para, argumenta-se, contrariar o populismo. Nada contra se, ao mesmo tempo, o populismo que tanto nos horroriza (e que para o qual os nossos políticos nos dizem vacinados) não estivesse já entre nós. Por palavras e actos. Dois exemplos.

O primeiro exemplo vou buscá-lo ao Facebook de Catarina Martins, um post de 4 de Janeiro, onde se partilha um vídeo de Marisa Matias. Cito-o na íntegra: Como a Marisa explica, “um segredo bem escondido é que Portugal dá lucro. O excedente primário do OE será de 6 mil milhões de euros mas, devido ao serviço da dívida, mais de 8 mil milhões serão canalizados para o sistema financeiro. Pouco menos do que investimos no SNS“.

Era bom que o mundo fosse assim. Que eu não tivesse de pagar os juros da hipoteca da casa em que vivo (e, já agora, também não tivesse de amortizar esse empréstimo). Levaria uma vida mais confortável, mas só até ao dia em que necessitasse de um novo empréstimo, porque nesse dia todos os bancos me fechariam os seus balcões. A verdade é que o “Portugal que dá lucro” de Catarina e Marisa não dá suficiente lucro para abater seriamente na dívida e viver sem empréstimos. Esse “Portugal que dá lucro” acabaria depressa muito mal, e só surpreende como há quem defenda que a proximidade ao poder tornou o Bloco um partido responsável e ponderado. Tiradas destas, que procuram culpar a União Europeia e as suas regras pelas nossas próprias incapacidades, enquadram-se bem no que é definível como um discurso tipicamente populista.

O segundo exemplo é porventura mais grave – e mais eloquente. Trata-se da reintrodução do horário de 35 horas na Administração Pública, uma medida em linha com o que os estudiosos do populismo costumam identificar como traços da sua actuação quando no poder – designadamente “tentativas de sequestrar o aparelho de Estado” e “clientelismo de massas”, duas marcas identificadas por Jan-Werner Müller em O Que é o Populismo?

Divirto-me com os telefonemas de Marcelo para Cristina Ferreira e devo dizer que quando vejo meio regime (Marcelo, Costa, Ferro, Medina e Catarina) a subir ao palco dos Xutos e Pontapés para trautear A minha alegre casinha só me ocorre encolher os ombros, pois daí também não vem mal ao mundo. Mas, por favor, não atirem no entretanto areia para os nossos olhos.

Para se ter uma noção da enormidade da medida foi o útil o estudo divulgado a semana passada pelo Fórum para a Competitividade sobre a excepcionalidade do regime das 35 horas. O Eco fez uma Prova dos 9 para ver se e horário era mesmo “um luxo de país rico” e o veredicto foi que se trata realmente de uma excentricidade: na quase totalidade dos países da OCDE, mesmo nos mais ricos do que nós, as semanas de trabalho são mais longas.

Divirto-me com os telefonemas de Marcelo para Cristina Ferreira – por certo não tanto como ele se diverte, e menos do que me divirto com algumas das sofisticadas análises políticas que foram feitas – e devo dizer que quando vejo meio regime (Marcelo, Costa, Ferro, Medina e Catarina) a subir ao palco dos Xutos e Pontapés para trautear A minha alegre casinha só me ocorre encolher os ombros, pois daí também não vem mal ao mundo. Mas, por favor, não atirem no entretanto areia para os nossos olhos.

Primeiro, porque o populismo já cá mora, mesmo que em formas não extremadas (sendo que o desconchavado manifesto dos nossos “coletes amarelos” está cheio de chavões que já ouvimos na boca de políticos, sindicalistas e activistas variados, mesmo que não naquela construção disforme). Segundo, porque não pensem que o povo engole tudo, que os truques resultam sempre, que esquece os casos de corrupção ou que não resmunga quando passa 12 horas na urgência de um hospital por causa de uma gripe. Ou que não percebe que o gasóleo que desceu no dia 1 de Janeiro, entre muitas fanfarras e títulos nos jornais, depois subiu sorrateiramente a 7 de Janeiro.

É por isso que um dia destes ainda puxo da pistola quando ouvir falar de populismo. Precisamente para me defender do populismo que, para atender às clientelas, há mais de três anos que se esqueceu do país.

(EP) Quando os portugueses assombravam o mundo com barcos, canhões e ferocidade

(EP) O historiador Roger Crowley revela em novo livro a extraordinária aventura lusitana no Oceano ÍndicoOtrosEnviar por correoImprimirJ

A chegada de Vasco da Gama a Calcutá, numa imagem de época.
A chegada de Vasco da Gama a Calcutá, numa imagem de época.

Houve um tempo em que os portugueses se transformaram no assombro do mundo. No final do século XV, o pequeno país do canto da Europa empreendeu uma extraordinária aventura naval que levou seus barcos e expedicionários a ultrapassar os limites do mundo conhecido no Ocidente. Numa empreitada marcada por arrojo, punições, inveja, fanatismo religioso e uma exacerbada violência, além de curiosidade, os portugueses ganharam a corrida para chegar à Índia e se transformaram nos senhores do Oceano Índico para controlar o comércio de especiarias, seguindo os passos do lendário Simbá, o Marujo, na base do canhão.

O historiador britânico Roger Crowley (Cambridge, 1951), autor dos best-sellers Impérios do Mar (Ed. Três Estrelas), Constantinopla e City of Fortune [sobre Veneza], publica agora Conquistadores — Como Portugal Forjou o Primeiro Império Global (Ed. Crítica), um ensaio apaixonante em que ele imprime toda a emoção daquele episódio histórico desconhecido para muitos. É uma história de 30 anos, a partir de 1497 (a volta ao Cabo da Boa Esperança), repleta de momentos incríveis, de maravilhas, de histórias sensacionais, de barbaridades — em Goa, mataram tanta gente que os famosos crocodilos locais não davam conta — e de grandes personagens (Cabral, Vasco de Gama, o terrível Afonso de Albuquerque, Duarte Pacheco Pereira e Francisco de Almeida). Crowley conta que os portugueses, que acreditavam ter chegado aos domínios do mítico Preste João e consideravam o hinduísmo uma forma estranha de cristianismo, levaram elefantes e rinocerontes da Índia até Lisboa, e enviaram um exemplar de cada espécie a Roma como presente para o Papa.

Ruínas do forte português A Famosa, em Malaca, Malásia.
Ruínas do forte português A Famosa, em Malaca, Malásia.

Por que é tão desconhecida a empreitada portuguesa? “Também era para mim”, responde Crowley, um homem simpático e tão apaixonado quanto os seus livros. “[Cristóvão] Colombo e 1492 certamente ofuscaram o império dos portugueses.” Será que eles erraram, deixando passar a oportunidade de serem eles os que apoiaram Colombo? “Naquele momento o correto, segundo todas as evidências que tinham, era não lhe dar muita importância. Os cálculos de Colombo obviamente estavam errados. Tornavam o mundo 25% menos do que era na verdade. É lógico que os portugueses, que possuíam grandes astrônomos, matemáticos e geógrafos — entre eles judeus que fugiram da Espanha —, com conhecimentos muito mais precisos, praticamente riram dele. Era melhor ir ao Leste. Evidentemente, logo ficou claro que Colombo havia descoberto algo grande, mas ele próprio não sabia bem o quê. Achava que tinha chegado ao Japão. Ninguém sabia que a América existia. Todo mundo ficou surpreso ao ver que ele regressava e com pessoas como souvenir que não pareciam da Índia. Somente com Magalhães ficou claro para os portugueses que ele tinha descoberto um novo continente.”

Os conquistadores portugueses se comportavam de forma diferente em relação aos espanhóis? “Os espanhóis desembarcavam com intenção de se apoderar de terras. Eram um império colonial terrestre. Os portugueses não eram muitos, seu império era mais marítimo e se baseava no controle de pontos estratégicos onde construíam fortes, e no poder naval mais do que na conquista de grandes extensões de terra, exceto no caso do Brasil”, diz o escritor. Crowley afirma que os portugueses criaram o primeiro império marítimo, prefigurando o dos holandeses e o dos britânicos. Como Portugal pôde fazer isso? “Sim, parece difícil de entender, é extraordinário; mas eles tinham 60 anos de aprendizagem na costa africana. Durante esse tempo, desenvolveram conhecimentos de navegação, engenharia naval, cartografia e um projeto nacional. Uma diferença em relação aos espanhóis é que esse projeto foi dirigido diretamente pelos reis e controlado absolutamente por eles. Já no caso espanhol, houve muitos aventureiros, que agiram por conta própria, como freelancers”, diz.

HISTÓRIAS E MISTÉRIOS DE UM EMPREENDIMENTO INCRÍVEL

Entre as muitas proezas contadas por Crowley, ficamos encantados pela do marinheiro do Porto André Fernández que, em uma batalha naval com uma frota muçulmana, se entrincheirou na torre de vigia de seu barco e rechaçou todas as tentativas do inimigo de desalojá-lo lançando pedras e proferindo insultos durante dois dias.

O autor indica que ainda há muitos mistérios na navegação portuguesa. Talvez tenham avistado a América? “É uma questão interessante. Avançavam muito para o Atlântico para pegar os ventos que os levavam a circunavegar a África, e muitos registros se perderam no terremoto que arrasou Lisboa em 1755. É de se perguntar por que moveram a linha do tratado de Tordesilhas se ignoravam a existência do Brasil. Pessoalmente não acredito que tenham chegado e, de fato, não há nenhuma prova, mas…”.

Crowley menciona algumas mulheres nas viagens portuguesas à Índia. “Temos alguns nomes, mas não sabemos com que finalidade iam. Talvez fossem prostitutas. Em todo caso, não eram muitas e os portugueses se casaram com muita frequência com mulheres locais, o que indica que não as levavam para colonizar.”

O autor diz que a empreitada portuguesa inspirou a NASA. “[A agência espacial americana] levou em consideração como os portugueses dedicaram muito tempo ao aprendizado da exploração antes de realizar suas grandes viagens”, afirma. Mantendo essa comparação espacial, às vezes parece que os portugueses se lançaram sobre o Oceano Índico e o Mar Vermelho como os invasores extraterrestres de Independence Day — O Ressurgimento sobre a Terra. “Há um componente de violência e depredação sem escrúpulos. Eram homens sedentos de riqueza, ouro e especiarias, e com fome de poder. O Índico era um lugar tranquilo. Não quero parecer inocente e romântico, mas, embora houvesse conflitos pontuais e pirataria, não existia violência em grande escala. Havia muitos agentes diferentes e livre comércio. A ideia europeia de monopólio era completamente estranha. O mar era de todos. Os portugueses levaram o terror e o caos a este mundo.”

Crowley afirma em seu livro que as frotas chinesas precederam as portuguesas, “mas sua mentalidade era completamente diferente, o dos chineses era um empreendimento de conhecimento e de propaganda, não aspiravam a conquistar espaço comercial e não representaram uma irrupção traumática nesse mundo como os portugueses”.

A violência com que os portugueses entraram na rede de cidades e reinos das costas da África, na península arábica, na Índia, especialmente na costa de Malabar, e até Malaca, pareceu incompreensível e aterradora. “Tinham forjado um fanatismo religioso na cruzada no Marrocos, que foi seu campo de treinamento, e de fato fizeram planos para destruir Meca, profanar o corpo de Maomé e liberar a Terra Santa. E também é verdade que empregaram a violência para intimidar, como arma psicológica que compensava o baixo contingente de suas tropas: tinham de inspirar medo. Havia mesmo assim algo de loucura em alguns conquistadores portugueses, como Vasco da Gama, um homem extremamente violento”. Almeida, por sua vez, com a razão comprometida pela morte de seu filho Lourenço em combate à bordo do São Miguel, chegou a decorar as portas da cidade de Diu (Gujarat) com pedaços de corpos desmembrados de seus habitantes. Com frequência se ultrajava os prisioneiros com a merdimboca, que significa exatamente isso. Para os maometanos, acrescentava-se bacon.

Tecnologicamente, a conquista portuguesa é explicada pela qualidade de seus barcos e a eficácia de suas armas, especialmente de sua artilharia, muito mais moderna que as de seus inimigos. Isso explica (além da agressividade), por exemplo, como em Mombaça em 1505 os portugueses tenham matado 700 muçulmanos e perderam apenas 5 de seus soldados.

Com frequência se ultrajava os prisioneiros com a merdimboca, que significa exatamente isso. Para os maometanos, acrescentava-se bacon.

A cultura da fidalguia, a honra, a virilidade, a necessidade de demonstrar coragem pessoal, aponta Crowley, também influíram na desmesura da conquista portuguesa. “Compartilhavam isso com os espanhóis, passavam horas discutindo quem ia ao ataque primeiro, se lançavam ao corpo a corpo, esse tipo de coisas. Eram pessoas modernas, mas ao mesmo tempo medievais. Há um lado aí também de influência britânica em Portugal: a corte portuguesa foi influenciada pelos códigos e histórias de cavalaria.”

Em seus livros, Crowley consegue colocar o leitor no clima da época. “Tento narrar de uma forma muito evocadora e visual para recriar o passado. Viajei de caravela, em uma réplica. Eram barcos pequenos e assustadores. De vinte metros por seis. Quando se tem consciência do que era viajar para lugares distantes e desconhecidos em um barco assim se entende muita coisa. Em cinco anos, os portugueses perderam 35% de sua frota em naufrágios. Há um dito português que sintetiza o que era a navegação: ‘Se quiser aprender a rezar, vá para o mar’. Era horrível. Uma expedição de Vasco da Gama passou 90 dias no mar, mais do que Colombo em sua primeira viagem à América”.

FILHO DE ALMIRANTE CONDECORADO

O historiador Roger Crowley, retratado durante sua passagem por Barcelona.
O historiador Roger Crowley, retratado durante sua passagem por Barcelona.

Roger Crowley costuma navegar? “Não, fico enjoado”, responde sorrindo. “Meu pai era da Royal Navy [marinha britânica] e passei minha infância em barcos, então sei bem.” O pai de Crowley, George Clement Crowley (1916-1999) se aposentou como almirante depois de servir valorosamente (foi condecorado com a DSC, a cruz dos serviços que se destacam) durante a Segunda Guerra Mundial, de participar da batalha do Atlântico e do Mediterrâneo (comandou um destróier em Creta) e de estar presente na rendição do Japão.

Não surpreende ouvir Roger Crowley dizer que é um admirador de Patrick Leigh Fermor, de Jan Morris e do grande escritor de viagens suíço Nicolar Bouvier. Atualmente, Crowley escreve sobre o fim das cruzadas e Acra, um livro cujo título será A torre maldita. Percorreu os cenários e encontrou pedras de catapulta, uma arma cuja tecnologia considera muito interessante.

(JewishVoice) Exploring Alentejo: A Window into Portugal’s Jewish Past

(JewishVoice)

Old Roman Bridge, Marvao- New York Jewish Travel Guide

The Alentejo is the beautiful region of Portugal that lies between the Algarve and central Lisbon region. This vast and sparsely populated area covers over 30 percent of Portugal and is characterized by its rolling hills and historic fortified towns. Alentejo, Portuguese for “beyond the Tagus River,” is the world’s largest producer of cork, and forests of cork trees are all over the countryside. Their bark is carefully peeled back once every nine years, and the trunks are painted white with a number designating the last harvest. The region has a raw rural beauty, with extensive undulating plains, fields of cork trees and numerous vineyards.

The government allocated approximately $6 million to the Portuguese Jewish Network-Sefarad Routes – a state-funded project for preservation and commemoration works at sites connected to the country’s Jewish past. So far, it encompasses approximately 30 municipalities in the country’s center and north, which includes the towns of Castelo de Vide, Elvas, and Evora.

Castelo de Vide

Scenic and charming, the town of Castelo de Vide welcomes the visitor with clusters of white houses leading up to a castle on a hill. Thirty years ago it discovered what is thought to be a medieval synagogue with a street laid out that had a Jewish influence on their names: Rua da Judiaria (Street of Jews) and Rua Nova (New Street), where Jews converting to Christianity had lived. In many nearby houses, there are markings or mezuzah slots on the doors as evidence to their former Jewish owners. On the right doorpost of one door there, visitors can find small indentations of around 10 centimeters. In Jewish tradition, before a Jew steps into the house he touches the mezuzah and then kisses his hand as an expression of faith.

A plaque beside the 2,000-year-old bridge commemorates the painful exodus- Castelo de Vide – New York Jewish Travel Guide

Castelo de Vide was close to the Spanish border and was inundated with Jewish refugees at the time of the Spanish Expulsion in 1492, with some 4,000 Spanish-Jewish refugees settling in this town. Prior to that, 800 inhabitants lived in the village, including a tiny Jewish community. They streamed across the border and over the Old Roman Bridge in Marvao, where a toll was collected from the Jews. A plaque beside the 2,000-year-old bridge commemorates the painful exodus. Ruben Obadia, communications manager of the Regional Agency of Tourism Promotion of Alentejo, told NYJTG, “The Jewish Community decided to mark this location as a memorial place of the Bridge of Portagem, as a memorial for the 500 years of dispel of the Jews of Portugal”.

In 1497 the town’s Jewish community was forcibly marched down the hill from Rua da Judiaria to Rua da Fonte to the town’s fountain, which served as the baptismal site for conversion. Centuries later from here, Mario Soares, the former president of Portugal, issued an official apology to the Jewish people in 1986. Today, Portugal grants citizenship to the descendants of those Conversos who fled (who can demonstrate their Sephardic ancestry) from all over the world — across the Mediterranean, Turkey, Brazil, Israel, India and the United States.

The municipality has since used the synagogue to create a modern and impressive museum. It serves as a memorial to the town’s Jews who suffered through the forced conversions of 1497 and the ensuing Inquisition. The museum consists of the original synagogue, two rooms (one for women and one for men), a wooden tabernacle and 14th-century stone Ark for Torah scrolls, and the ancient baths. According to Jewish practice, a lamp or candles are lit for Sabbath every Friday at sunset. But during the Inquisition, the Jews couldn’t do so openly, so they lit a candle inside a pot with a small opening to follow the customs secretly. At the museum, you can see one such earthen pot used by the New Christians (those forced to convert to the Catholic Church).

In addition, these Anusim (secret Jews) were believed to eat pork (not kosher), but the clever Jews found an ingenious method of using lamb meat as sausages. The practices of the new religion meant cooking using lard, the fat from the abdomen of the pig. To escape persecution and detection, Jewish women cleverly fried onions in olive oil using herbs and spices that perfectly disguised the anomaly.

In one of the rooms of the synagogue, we can find the names of the New Christians who were executed during the Inquisition for allegedly following Judaism clandestinely. A name that has Indian connections is the famous Portuguese botanist and physician, Garcia de Orta, who produced the masterpiece “Coloquios dos Simples e Drogas e Cousas Medicinais da India” (roughly translated as “Conversations on the Simple and Drug Colloquia and Medicinal Things of India”).

In 1534, he went to Goa, a former Portuguese territory in India, to study and residing there until his death in 1568. It was believed that despite being obligated to follow the Christian faith, he practiced Judaism in secrecy. In the same year, his sister was burnt at the stake for being a secret Jew and based on her confession Garcia’s mortal remains were later exhumed by the religious fanatics and burnt along with an effigy. There are memorials recognizing his outstanding contributions in tropical medicine built both in Portugal and India.

Synagogue Museum, Castelo de Vide – New York Jewish Travel Guide

An interesting story was told about an elderly woman from Netanya, Israel, named Esther Cohen. Her family lived in Castelo de Vide before escaping to Constantinople in the early 16th century. Her family left in 1507 when the ports were opened to New Christians wishing to emigrate, following the massacre of 3,000 New Christians in Lisbon in 1506. Esther had the two keys from her ancestors of her former home in Castelo de Vide, which were held in her family’s possession for over 500 years. The keys are now on display in the synagogue museum.

Mayor Antonio Pita of Castelo de Vide told NYJTG that there are three new projects underway now focusing on the history of the synagogue, which has received over 30,000 visitors. The first is what will be known as the “Inquisition House, which will be open to the public by March 2019 by the President of Portugal.” It will tell the story of the Inquisition “process” experienced by 300 families that “lived here from prison to persecution to their death”… To accommodate the visitors, the municipality will open a kosher hotel and other services for observant travelers. Second, he said, “there will also be a study on genealogy of the new “Christians” and the dissemination of these families, tracking their families and where they are now throughout the world,” he said. Finally, there will be a dedicated space for the House of Dr. Garcia de Orta, to open in October 2019 near the villa’s fountain.

Evora

Evora is a tourist destination South of Portugal. It is a delightful city that exudes Portuguese charm and boasts a vast array of fascinating historical monuments — in no way should it be mistaken for a sleepy old relic that is reliant upon its glorious past. The city is young and vibrant, with a large student population who attend one of the world’s oldest universities. Evora may not be as famous or instantly recognizable as other larger Portuguese cities, but it is a destination that should be high on your list while in Portugal for a Jewish heritage tour.

The Jewish Quarter is known as Fonte da Vila – New York Jewish Travel Guide

Evora is an ancient city of narrow streets, unforgettable monuments and white, sun-washed houses; left undamaged by the great Lisbon earthquake of 1755, it has been a UNESCO World Heritage site since 1986. The monuments of the historic center bear witness to a profound influence on Portuguese architecture in Brazil. In the Middle Ages, Evora was the second largest city of Portugal and had one of the most extensive Jewish quarters, with approximately 150 Jewish communities. Within a small group of streets and alleyways were believed to be two synagogues, a Jewish school, a hospital, a mikveh (ritual bath) and even a leprosarium (leprosy hospital). The Public Library also presents a rarity, the famous Almanach Perpetuum by a Jew, Abraham Zacuto, which was printed in 1496 and then translated by Master José Neighbor and the Nautical Guide Evora I in 1516.

Some recommendations of places to visit and things to do in Evora:

Praça do Giraldo, Evora – New York Jewish Travel Guide

Praça do Giraldo: This square is a place of the Portuguese Inquisition court that handed out thousands of brutal sentences. There are eight spouts in the fountain, each for one of the streets branching off the square. The north side has a striking facade of the Church of Santo Antão, while all down the east side there are cafes and specialty shops.

The Evora Cathedral is a beautiful example of Gothic architecture, which closely resembles the fortified cathedral in Lisbon.

The Templo de Diana – New York Jewish Travel Guide

Roman Temple of Evora: One of the most important landmarks of the city and a UNESCO World Heritage Site, it is also known as the Templo de Diana. Situated in the historic center, it is believed to have been constructed in the first century in honor of Augustus, the first emperor of the Roman Empire.

Aqueduto de Agua de Prata: One of the most striking sights around Évora is this 16th-century aqueduct, channeling water to the city for almost 20 kilometers. The aqueduct ensured that there was a constant supply of water to the city and is connected to the constant water springs in Graça do Divor, 18 km to the north. Outside of the city walls the aqueduct forms imposing arches, while inside the city limits, houses and shops have been constructed beneath the arches.

Museum de Evora: The city’s museum is set up in the old Episcopal palace, which dates to the 1500s and has gathered some 20,000 items relating to Évora’s history. On show are paintings, sculpture, jewelry, furniture, textiles, gold work, and ceramics.

(Forbes) Where To Travel In 2019: Douro Valley, Portugal

(Forbes)

The Douro River, PortugalELVA RAMIREZ

As you set your 2019 travel goals, imagine drifting down a lush river, surrounded by vineyards and blue sky.

Portugal’s Douro Valley is a UNESCO World Heritage site and it’s the country’s oldest demarcated region that produces both port and wines.

Here are some of Portugal’s prime destinations for wine, port and world-class Old World charm.

Croft Winery, PortugalELVA RAMIREZ

Croft Winery

Croft Winery, founded in 1588, is Portugal’s oldest active port producer. Set up a guided tour through the historic vineyards, which are dotted with vibrant wildflowers that encourage bees to linger. If you go around late summer, you may be able to catch some of the harvest, when the vineyards are packed with workers hand-picking grapes.

The winery, located on the Quinta da Roêda estate, makes a range of port styles. Taste their lively rosé port with luscious fruit notes and their white port, which is aged in oak casks.

Many American menus, even at top bars, don’t carry a wide selection of port. Or if they do, they feature just a very old tawny port, often served neat. Visiting the birthplace of port is a revelation, even to seasoned drinkers.

YOU MAY ALSO LIKE

In Portugal, port (which is a fortified wine made by blending wine with a neutral grape-based spirit, and then aging and blending it) comes in all the shades of the wine spectrum. It’s a popular day-to-night drink, and it’s often mixed with tonic.

The country’s favorite drink, many will tell you, is the “porto-tonico”, which is basically like a gin and tonic, but with port. Sip it on a hot sunny day, and you’ll discover your new favorite aperitif.

Croft Winery is in Pinhão, where you can rent a boat that will cruise down the valley, offering views of the Portuguese landscape from a different perspective. Along the way, there are some stops that you should be sure not to miss.

Douro Valley, PortugalELVA RAMIREZ

DOC Restaurant

As you cruise down the river, make a stop at DOC Restaurant, which has a small dock for boats.  It’s located in Folgosa, Armamar, along the river Douro.

A dish at DOC restaurant, PortugalELVA RAMIREZ

A dish at DOC restaurant, PortugalELVA RAMIREZ

DOC showcases dishes by Rui Paula, one of Portugal’s most celebrated chefs. Expect to find luscious seafood presented in an elegant, even austere, manner. Chef Paula’s dishes, complemented by lively wines, represent both the heritage of Portuguese cuisine but also where it’s headed next.

Amarante, PortugalELVA RAMIREZ

Amarante

Following the river further down, you’ll eventually arrive at Amarante, known as the city for lovers.

Portugal has a lot of folklore and legends surrounding love and marriage. There are saints that promise marriage, and rituals where single women walk around holy statues three times and are said to be married a year later. In Amarante, you’ll find coyly suggestive pastries, of varying sizes, on display in otherwise quaint bakery windows.

Bolos de São Gonçalo, Amarante, Portugal.ELVA RAMIREZ

These are called Bolos de São Gonçalo and they represent fertility, but also the promise of finding romance and marriage. (Who needs an app when you can have a pastry instead?)

Largo do Paço at Casa da Calçada

No visit to Amarante is complete without dinner at Largo do Paço,  the Michelin-starred restaurant located inside Casa da Calçada, a Relais & Châteaux hotel. Set inside a 19th-century palace, the charming hotel is the perfect backdrop for chef Tiago Bonito’s ambitious, artful dinners. 

Expect beautifully composed dishes that highlight seasonal ingredients and Portugal’s traditional cuisine in inventive and memorable ways.

A seafood dish at Largo do Parco, PortugalELVA RAMIREZ

A dish at Largo do Parco, PortugalELVA RAMIREZ

Depending on the day of the week, Amarante is quiet at night. You can walk for entire blocks and not encounter even a car. When that’s the case, retire to the bar at the Casa da Calcada, where you can sip your way through their selection of ports until it’s time to retire.

(DN) Como Salazar ofereceu a imortalidade a Gulbenkian

(DN) A primeira biografia sobre o multimilionário Calouste Gulbenkian chega no dia 3 às livrarias e conta minuciosamente a história de como Salazar capturou a maior fortuna que veio para Portugal. Jonathan Conlin é o autor.

No ano em que se comemoram 150 anos do nascimento de Calouste Gulbenkian (a 23/2/1869), o mundo – e principalmente os portugueses – têm finalmente uma investigação completa que relata a vida do homem que proporcionou ao país uma evolução cultural que nem o Estado foi capaz de fazer. “Dinheiro” foi a palavra-chave da vida do arménio que legou a sua fortuna a Portugal e estabeleceu uma fundação com o seu nome, que se substituiu ao próprio Ministério da Cultura durante muitas décadas, e que a biografia mostra o rasto bem visível dessa fortuna e a mão de Salazar no esforço gigantesco para não perder a fortuna que Azeredo Perdigão começara por conseguir.

Apesar de a história da futura Fundação Calouste Gulbenkian só ocupar 37 páginas das 500 de O Homem Mais Rico do Mundo – As Muitas Vidas de Calouste Gulbenkian, é na Conclusão e no Epílogo que o maior negócio do Estado Novo vem contado pela primeira vez com todos os detalhes que a investigação e consulta de documentos, correspondência e arquivos da época, proporcionaram ao autor e historiador norte-americano.

Em entrevista ao DN, o biógrafo Jonathan Conlin acrescenta mais pormenores sobre o cerco feito a Gulbenkian e aos seus homens de confiança que o futuro presidente da Fundação, Azeredo Perdigão, elabora de modo a que a imensa fortuna fique em Portugal: “Tornou-se um assunto de Estado”, é como o autor define a situação para que Gulbenkian tinha sido avisado por Cyril Radcliffe (o braço direito do milionário neste assunto) “por estar em causa uma soma tão grande.” E sentencia: “Não foram tomadas todas ou as devidas precauções.”

O que significa este desabafo? Que a ausência de um testamento “além do redigido apressadamente” em maio de 1950 permitia que o Governo português tentasse ganhar a corrida para receber a fortuna de Gulbenkian, na qual estavam envolvidas poderosas nações como a Inglaterra, a França e os Estados Unidos.

Mais, o biógrafo apresenta uma versão suportada em muitos documentos e que até agora nunca fora tão explícita quanto aos meios envolvidos para trazer até Portugal a fortuna de Gulbenkian, em que estiveram envolvidas as maiores forças políticas da altura – os presidentes do Conselho, Salazar e posteriormente Marcelo Caetano -, bem como dois embaixadores, numa disputa de poderes entre o advogado português de Gulbenkian, Azeredo Perdigão, o homem que fora apresentado em janeiro de 1952 pelo próprio braço direito do milionário, Cyril Radcliffe, sendo que este viria a ser afastado por lhe ter sido retirada toda a capacidade de manobra pelo conluio governativo e diplomático português.

Ao futuro homem forte durante décadas da Fundação, Azeredo Perdigão, cabia garantir a Calouste Gulbenkian a principal questão que o afligia: não pagar impostos sobre a sua fortuna após a morte. Perdigão não tinha resposta no início porque a legislação portuguesa nunca se confrontara com uma situação de tão grande dimensão financeira, mas quando Radcliffe se apercebe que o solicitador estava em contacto direto com Salazar para encontrarem uma forma de satisfazer os desejos de Gulbenkian já era tarde de mais. Segundo o biógrafo, chega um momento em que Radcliffe se questiona se “as exigências de Perdigão eram realmente dele ou do governo português. Estaria a falar como executor de Gulbenkian ou seria um porta-voz de Salazar?”

Calouste Gulbenkian© DN

Apatia perigosa no momento da grande decisão

A ajudar Portugal esteve uma outra situação, refere o biógrafo: “A apatia de Gulbenkian [por questões de saúde que o tornavam cada vez mais débil] foi boa para Portugal. Sem essa apatia, o país poderia não ter a Fundação.” Acrescenta: “A combinação da sua doença e os momentos ocasionais de apatia faziam com que a sua resposta aos que lhe pediam para planear [o legado] fosse a de responder ‘Deixem isso com Radcliffe’. Essa pressão para que clarificasse o destino da herança era muito violenta e ele, devido à apatia, comportava-se como se estivesse num carro e desistisse de o guiar e alguém tivesse de pegar no volante.” O que aconteceu, continua, “foi que Perdigão foi capaz de convencer Gulbenkian que não seria taxado em Portugal e fê-lo avançar num novo testamento, que ainda era muito vago. Se tivesse vivido mais tempo, provavelmente teria alterado e definido os contornos da Fundação que eram muito pouco exatos.”

Jonathan Conlin conclui: “É uma história complexa, mas sabe-se que Perdigão estava a trabalhar com Salazar de modo a cumprir a intenção que o governante queria, a de que a Fundação [e a herança] ficasse em Portugal.” Ainda por cima, diz Conlin, “a abertura de um novo oleoduto tinha tornado Gulbenkian tão rico que era imaginável para as pessoas daquela época perceberem a dimensão da fortuna e o próprio nem tinha noção do que seria a dotação que deixaria à Fundação.”

Porquê doar uma fortuna inimaginável a Portugal?

Quando se insiste na pergunta do porquê de ter a sede da Fundação em Portugal ao biógrafo Jonathan Conlin, este recorda que “Gulbenkian considerou vários locais a partir de 1937 e, com com sir Radcliffe, até 1953 continuou a debater a questão”. Foi então que o último testamento prevaleceu, explica: “Sabemos pela correspondência com os seus vários advogados que Gulbenkian queria evitar um Estado onde fosse penalizado com impostos. Era o caso da Inglaterra, onde tentou negociar a oferta de obras de arte para ter melhores condições ou ser até uma exceção, mas o clima político não lhe era favorável após a II Guerra Mundial”. O mesmo se passou em França, diz: “O Código Napoleónico dava aos filhos o direito de reclamar a herança e ele tinha tornado claro a Nubar e a Rita que nunca iriam receber a totalidade da vasta fortuna, apenas a garantia de que viveriam desafogadamente – e eles nunca se opuseram a essa decisão paternal.”

Gulbenkian, recorda, “também pensou no Panamá e no Lichtenstein”. Uma outra solução seria os Estados Unidos, no entanto não houve nunca uma resposta clara nas “negociações com o governo americano para que o isentassem de impostos em troca da fortuna.”

Diga-se que Gulbenkian era um homem com uma perspetiva diferente em relação aos impostos que o queriam fazer pagar, como esclarece o biógrafo: “As suas origens eram de famílias ricas da Arménia e a sua visão era muito próxima dessa elite do império Otomano que tinha privilégios especiais. Ele era contra o pagamento de impostos porque vinha de famílias que não o faziam.”

Em relação aos Estados Unidos, Gulbenkian também não se esqueceria de como fora bem recebido em Portugal e suspeito nos Estados Unidos. Afirma o biógrafo que “Gulbenkian tinha algum amor a Lisboa porque quando veio cá pela primeira vez estava a caminho dos EUA, mas soube que a autoridade tributária estava à sua espera para o investigar de forma mais rigorosa”. Ao saber pelo seu próprio serviço de espionagem desse facto, Gulbenkian “preferiu não viajar para os EUA e ficou por Lisboa, que era a Casablanca-dois nessa altura e onde estavam exilados milionários como Rothschild, cidade onde a temperatura era amena, não existia racionamento e de onde seria fácil fugir se os alemães avançassem para a ocupação de Portugal. Após a II Guerra Mundial, Gulbenkian regressou à sua vida normal mas nunca construiu ou comprou uma casa em Lisboa como as que possuía em Paris ou Londres”.

Segundo Conlin, o apreço de Gulbenkian por Lisboa era grande: “Gostava da cidade, provavelmente apreciava a censura à imprensa que era impedida de publicar notícias sobre a sua vida privada e uma polícia que zelava para o manter livre dentro do Hotel Aviz, impedindo qualquer jornalista de o importunar. Ele gastava muito dinheiro com a polícia portuguesa para manter os jornalistas afastados do hotel, mesmo que muitos se disfarçassem de empregados ou subornassem os criados para saberem pormenores dos seus dias. Mas o ambiente em Lisboa compensava a sua prisão pelos nazis em 1942.”

Contudo, diz o biógrafo, Gulbenkian “tinha vários mundos dentro de si e falava várias línguas, daí que tenha tentado dar aos leitores pistas sobre o seu pensamento, como o momento em que está muito doente numa das estadas no Hotel Aviz e em que, apesar de agradecer ao médico português, Dr. Fonseca, pela recuperação manda ao mesmo tempo sacrificar um carneiro em Istambul e distribuir a sua carne aos pobres da paróquia. Este era um homem que não ia a Istambul há 50 anos, mas pensa como os arménios tradicionais de seu tempo. Acredita noutras crenças, não está em contradição.”

Para o biógrafo não foi difícil recolher informações sobre a estada em Portugal pois com a sua família dividida entre Londres e Paris nessa época escreviam e falavam todos os dias: “Se quisermos saber o que Gulbenkian fazia ou lia em certo dia no Hotel Aviz é fácil saber. O que pensava ou sentia é diferente, aí temos de confiar nos testemunhos de quem era mais íntimo. No entanto, foi preciso estar muito atento à agenda de interesses pessoais de cada um dos que estavam à sua volta e triangular os relatos para perceber o que é verdade em quem o diz.”

Entre os depoimentos presentes no livro sobre o dia-a-dia de Gulbenkian em Lisboa está este, bem curioso: “Todas as manhãs, quando os médicos consentiam, um automóvel levava-o para Montes Claros, em Monsanto, que Salazar transformara em parque. Aí, Gulbenkian dava o seu passeio solitário, após o que se sentava debaixo da ‘minha árvore’, tendo primeiro descalçado sapatos e meias para poder sentir a relva debaixo dos pés”. Também apoiava financeiramente o Jardim Zoológico: “Compraz-me mostrar desta maneira a minha viva simpatia pois os animais que habitam o belo jardim são também, de certa maneira, meus anfitriões.”

A construção do principal auditório da Fundação© DN

A “imortalidade” oferecida por Portugal

Para Cyril Radcliffe, o adiar da decisão de Gulbenkian que ia favorecendo o estabelecimento da Fundação em Portugal “tornara-se uma obsessão” porque “isolava [Gulbenkian] definitivamente dos dois países que mais haviam feito no mundo para o formar e para lhe dar as suas oportunidades, a Inglaterra e a França”. Portugal era, na opinião de Radcliffe, “um refúgio agradável e atencioso, mas nunca poderia ocupar o lugar das outras nações”. O que Radcliffe observava era fácil de entender: “Já vi demasiado de governos para confiar que algum deles deixasse fontes como essa por explorar”. Numa espécie de obituário/testemunho publicado no jornal The Sunday Times, Radcliffe considerou que “Gulbenkian só tinha orgulho na ‘estrutura intrincada e complexa (…) que erguera como fortaleza e templo da sua riqueza” e, afirma o biógrafo, que “foi através dessa estrutura que Gulbenkian procurou a imortalidade” ao querer deixar uma fundação.

Azeredo Perdigão, seguindo as instruções de Salazar e mantendo este sempre informado das negociações, levou avante o processo e deu corpo ao que estava parcialmente escrito no testamento e que podia ter várias interpretações: “O enunciado do testamento de Gulbenkian deixava igualmente claro que o desejo do fundador fora que Portugal beneficiasse mais do que qualquer outro país”. E, ainda não estava concretizada a Fundação, já Radcliffe se queixava de Perdigão “começar a atribuir bolsas de estudo em nome da Fundação.” A batalha estava perdida, Salazar concedera a “imortalidade” a Gulbenkian e a Fundação mudou o rosto cultural de um país atrasado.

Apagar os “5%” do título da edição portuguesa

O título da edição portuguesa não corresponde ao original,O Senhor cinco por cento, e foi alterado para O Homem Mais rico do Mundo – As muitas vidas de Calouste Gulbenkian. Jonathan Conlin refere que “foi responsabilidade da editora Objectiva porque, creio, já havia um livro com esse título”. Uma situação que não incomodou o editor inglês, pois a anterior ‘espécie’ de biografia com esse título data de 1957, de autoria de Ralph Hewins. “Como foi traduzido para Portugal em 2009, poderia fazer confusão com este livro, que é fruto de investigação enquanto o de Hewins era uma recolha de histórias que ele teve conhecimento”, acrescenta Conlin.

Os cinco anos de investigação da biografia que agora é publicada foi integralmente subsidiada pela Fundação Calouste Gulbenkian que, garante, não interferiu no projeto apresentado por Jonathan Conlin. O próprio assegurou ao DN que “o livro foi publicado de acordo com o seu original e não houve pressão ou sugestão de alterações”.

Entre as situações mais delicadas está o capítulo em que se relata o hábito de Gulbenkian ter sexo com mulheres jovens, situação que Conlin desdramatiza: “Não via isso como prazer, antes como um caso de saúde como é habitual na Turquia e que muita gente praticava na época. O seu casamento era apaixonado, mesmo que também fosse uma união empresarial porque casara-se com a filha de uma família ainda mais rica que ele próprio. Era tão bom para o negócio como para o amor e ela nunca esperou que o marido lhe fosse fiel, até brincava com o assunto em cartas enquanto namorados ao dizer que se tivesse de ser assim era melhor acostumar-se. Ela tinha 17 anos, mas é fácil dizer hoje que o mundo oriental é muito sexualizado, só que eram outros tempos e assim deve ser contextualizado”.

Quanto ao seu interesse em escrever uma biografia de Calouste Gulbenkian, Jonathan Conlin revela que sentiu curiosidade pela primeira vez no protagonista em 2000 quando trabalhava na história da National Gallery, em Londres, e descobriu a amizade entre Kenneth Clark, o glamoroso diretor da National Gallery na altura, e Gulbenkian: “Com a chegada dos nazis e a ocupação de Paris, Gulbenkian ponderou levar parte da sua coleção de arte para a National Gallery e tive de escrever sobre este assunto. Essa foi a primeira vez em que Gulbenkian me interessou. Depois, ao dar uma conferência sobre a filantropia de Gulbenkian, vim em 2002 a Portugal consultar os arquivos na Fundação e fiquei ainda mais interessado.”

Calouste Gulbenkian

A estátua de Diana que comprou a Estaline

Garante que não escreveu a biografia para os leitores portugueses: “O meu leitor ideal é quem lê a revista The Economist. Em Portugal toda a gente sabe quem é Gulbenkian, mas na Inglaterra ou nos EUA o nome é mais ligado ao filho Nubar, porque era um membro da sociedade muito famoso, conhecido pelo monóculo ou pelo táxi adaptado em que se deslocava, sempre rodeado de belas companhias, amante de bom vinho e boa comida – exatamente o contrário do seu pai. Seria um livro diferente se fosse para o leitor português, mas Gulbenkian é uma figura mundial e é necessário pensar na audiência internacional.”

Ao perguntar-se se o Gulbenkian colecionador de arte tinha bom gosto, Jonathan Conlin responde assim: “Ele achava que o gosto tem de ser educado e desde cedo rodeou-se de curadores que o ensinaram, comprava revistas especializadas e lia livros de arte. Mesmo sendo um homem muito ocupado, conseguia arranjar tempo para estudar. O seu gosto vai até Degas, Picasso já estava além. Mas nunca disse que a arte contemporânea era lixo, apenas que não a apreciava e precisava de ser educado para gostar dela.” Entre os bons exemplos de peças que adquiriu está a estátua de Diana, a Caçadora, que comprou a Estaline: “Essa estátua mostra como Gulbenkian era um caçador de tesouros, mesmo que após os adquirir depositava as peças longe do olhar de todos durante muitos anos. A caça era o que lhe interessava, talvez o relaxasse das tarefas empresariais.”

O manuscrito original era muito maior e repleto de detalhes da vida empresarial de Gulbenkian, mas teve de o reduzir aquém das mil páginas repletas de negócios e das suas muitas vidas no livro. Os dois encartes e os mapas completam a informação escrita.

O Homem Mais Rico do Mundo – As muitas vidas de Calouste Gulbenkian

Jonathan Conlin

Editora Objectiva, 495 páginas

(ECO) E o melhor ministro das Finanças da Europa é… The Banker elege Mário Centeno

(ECO)

O português foi eleito entre os pares europeus pela The Banker. A nível global, o ministro das Finanças do ano foi Sri Mulyani Indrawati, da Indonésia.

Mário Centeno foi eleito o melhor ministro das Finanças da Europa em 2018, pela publicação The Banker, que pertence ao grupo do Financial Times. Após ter completado um ano na presidência do EurogrupoCenteno recebeu o prémio, que celebra os responsáveis políticos que “melhor conseguiram estimular o crescimento e estabilizar a economia”.

“O ministro das Finanças português Mário Centeno pode olhar para os primeiros 12 meses como presidente do Eurogrupo com merecida satisfação“, escreve a publicação. “Maratonas de negociação entre os ministros das Finanças no início de dezembro terminaram com as mais significativas reformas do bloco da moeda única desde a crise da dívida soberana. Foram alcançados acordos em dezenas de tópicos com base na prevenção e gestão de futuras crises financeiras”.

A publicação considera que Centeno foi uma escolha inusitada para um dos cargos com mais prestígio da Zona Euro já que é o primeiro presidente do Eurogrupo vindo do sul da Europa e de um país que foi resgatado durante a crise financeira, mas elogia o percurso do português. Para 2019, vê como principais desafios o Sistema Europeu para a Garantia de Depósitos e o Orçamento da Zona Euro.PIB cresce 2,2%? Costa vence eleições? 19 questões para 2019 Ler Mais

A par do sucesso com as negociações no Eurogrupo, a The Banker aponta ainda para a recuperação económica de Portugal, com o desemprego a cair abaixo de 7% (do pico de 17% em 2013) e as estimativas da OCDE a projetarem um crescimento do produto interno bruto (PIB) de 2% tanto em 2019 como em 2020. O défice orçamental deverá passar a excedente em 2020 (na visão da OCDE) e o rácio de dívida face ao PIB continuar a diminuir nos próximos anos.

Número dois de um Governo que lidera o país, desde 2015, em acordo informal com os partidos da esquerda, Centeno restruturou e recapitalizou ainda quatro dos cinco maiores bancos portugueses. A publicação acrescenta que o salário mínimo e as pensões aumentaram, enquanto os impostos às empresas e aos baixos rendimentos caíram.

Além de Centeno, houve outros eleitos noutras regiões pela The Banker. O melhor ministro das Finanças em 2018 a nível global é da região Ásia-Pacífico: Sri Mulyani Indrawati, da Indonésia. No continente americano, foi galardoado o chileno Felipe Larrain. Em África, o escolhido foi o egípcio Mohamed Maait, enquanto, no Médio Oriente, foi o israelita Moshe Kahlon.

(PUB) 2018: Um ano bom ou muito bom? – Ricardo Cabral

(PUB) O maior feito do Governo foi ter consolidado em 2018 o sentimento de estabilidade e de normalidade31 de Dezembro de 2018, 6:30Partilhar notícia

Pretende-se neste artigo avaliar, de modo necessariamente incompleto e breve, a política orçamental e alguns indicadores do desempenho da economia portuguesa em 2018. Nesse sentido, repetem-se algumas das mensagens já apresentadas nesta coluna ao longo dos últimos meses.

Como se sabe, a política macroeconómica do Governo está, desde a adesão ao euro, fundamentalmente circunscrita à política orçamental que, de forma crescente, está sujeita a restrições através das regras orçamentais europeias.PUB

O maior feito do Governo foi ter consolidado em 2018 o sentimento de estabilidade e de normalidade. Que a vida não tem de regredir, ou seja, que não temos de empobrecer e que não vivemos acima das nossas possibilidades.

Outro desenvolvimento muito positivo em 2018 foi a acentuada redução, em 20%, da taxa de desemprego (de 8,4% em Outubro de 2017 para 6,7% em Outubro de 2018), bem como do desemprego jovem, que cai de 24,5% para 21,4% no mesmo período (-13%).

Pelo prisma da redução do défice público, que o Governo quase parece adoptar como o seu objectivo primordial, 2018 foi um ano excelente, apesar da despesa relacionada com a recapitalização do (leia-se, doação ao) Novo Banco (0,4% do PIB). As últimas estatísticas do INE, em particular, o excedente de 0,7% do PIBem contabilidade nacional nos primeiros três trimestres do ano, permitem antecipar que o défice será próximo do zero (técnico), como já aqui se tinha antecipado, ou registará mesmo um excedente em 2018.

No que se refere à redução da dívida pública, a performance do Governo parece insuficiente. É certo que o volume da dívida pública, na óptica de Maastricht, praticamente estabilizou em termos nominais, mas, mesmo assim, atingiu em Outubro de 2018 o montante mais elevado de sempre, 251 mil milhões de euros. Em consequência, particularmente desde 2016, o peso da dívida em relação ao PIB, tem vindo a diminuir, após o máximo atingido em 2014, o que é positivo. Três factos menos positivos merecem, porém, destaque na política de gestão da dívida pública: a amortização de dívida ao FMI, para obter pequenas poupanças, feita com condições que, se perpetuadas no tempo, oneram mais o erário público do que o dinheiro que se poupa; a quase obsessão com o aumento das maturidades da dívida directa do Estado, numa estratégia dispendiosa para o país que mesmo alguns credores consideram peculiar; a incapacidade de reduzir a almofada financeira que se mantém em níveis muito elevados desde o início do resgate em 2011. Portugal poderia ter uma dívida de cerca de 110% do PIB no final de 2019, em vez dos 118% que prevê, se o Governo se empenhasse na redução da dimensão da almofada financeira. O pedido do Ministério das Finanças para amortizar antecipadamente dois mil milhões de euros de dívida à Facilidade Europeia de Estabilização Financeira (equivalente a 1% do PIB) em 2020-2023, pode sinalizar que o Governo tem alguma margem para reduzir o nível de dívida mais rapidamente do que apresentado no Programa de Estabilidade e pretende mesmo fazê-lo.

Contudo, a posição de investimento internacional do país, uma “medida lata” da dívida externa líquida do país, estabilizou próxima dos níveis mais elevados de sempre, 205 mil milhões de euros, ainda que continue a diminuir lentamente em percentagem do PIB (ficará em cerca de 103% do PIB em 2018 face a 105,7% do PIB em 2017 e a 118,6% do PIB em 2014). Não é possível perspectivar como será possível ao país reduzir, de modo sustentado, a sua dívida pública se não for capaz de, através de uma balança corrente e de capital excedentária recorrente, reduzir o seu endividamento e outros passivos face ao exterior.PUB

Em relação à política orçamental, no seu todo, ela parece completamente subordinada ao objectivo de atingir excedentes orçamentais e de respeitar todas as regras e regrinhas definidas pelas autoridades europeias desde 2012. Ora, essas regras e regrinhas são, no mínimo, estranhas. O Governo pode vir a registar excedentes orçamentais e, mesmo assim, não as respeitar.

Uma política inteligente e corajosa seria, ou deveria ser, respeitar as duas regras fundamentais, défice abaixo de 3% e redução da dívida acima de 60% do PIB em 1/20 avos em cada ano, mandando às urtigas as outras regras: melhoria do saldo estrutural em 0,6 p.p. do PIB e crescimento da despesa nominal “líquida” a taxas – impossíveis – de 0,1% em 2018.

Mas parece que o fundamental é manter as autoridades europeias satisfeitas. Manter Portugal fora das “press conferences” da Comissão Europeia (excepto para ouvir “elogios” de como Portugal está a cumprir os ditames de Bruxelas) parece ser prioritário. “No news are good news”!

A subordinação da política orçamental a esses objectivos nominais para o défice tem elevados custos, de médio e longo prazo, que se começam a constatar, por exemplo, na maior contestação social. É certo que o Governo já repôs a maior parte dos rendimentos nominais cortados durante o período da troika. Contudo, não é aceitável que o nível de vida dos portugueses continue estagnado e que os rendimentos reais não subam para a generalidade dos portugueses, década após década. Acresce que esse colete de forças orçamental também se reflecte na falta de investimento público e na contratação de novos recursos humanos para o sector público, com consequências graves para o desenvolvimento do país a médio e longo prazo.

O Governo demonstrou grande capacidade política, gerindo de forma hábil e moderada as tensões inerentes ao apoio parlamentar dos partidos que constituem a “Geringonça”, e às relações muitas vezes complicadas com as autoridades europeias. A estratégia tem sido evitar combates políticos de maior risco.

Mário Centeno não se cansou de repetir, nas suas intervenções em 2018, a palavra “paciência”. Por isso, defende que não podemos aceitar quaisquer retrocessos, nomeadamente na frente orçamental. Claro que a paciência que advoga é, em larga medida, a promessa do Céu na Terra no longo prazo… mas, no longo prazo, parafraseando Keynes, estamos todos mortos.

António Costa, por seu lado, reafirmou várias vezes em 2018, como já tinha feito em 2017, que não (nunca) dará “um passo maior do que a perna”.

O melhor do Público no email

Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.Subscrever×

A paciência, os “pés-na-terra” e a prudência na tomada de decisão, embora sejam qualidades e virtudes importantes, podem, no entanto, transformar-se em defeitos, se não se souber aproveitar a conjuntura macroeconómica favorável para imprimir um outro élan à economia portuguesa. Onde está a ambição, o arrojo, o dinamismo, a visão de um futuro melhor para os portugueses? Estará o país condenado a definhar?

Qual a estratégia para o país quando o défice público passar a excedente?

Perguntas que se espera que o Governo e os partidos que se candidatam às legislativas do próximo ano respondam cabalmente em 2019!

Economista

(JN) Feliz Ano Novo – Nuno Melo

(JN) O primeiro-ministro acredita que uma mensagem lida com espírito natalício e um pinheirinho decorado ao pé altera a realidade dos factos. Não altera.

Por seu lado, o PCP e o BE criticam António Costa, convencidos de que não se notará que cada Orçamento do Estado, corte e cativação desde 2015, contaram sempre com os votos favoráveis da extrema-esquerda. Enganam-se. Sabemos todos muito bem que o PS só governa, tendo perdido eleições, por causa do apoio do PCP e do BE.

Dificilmente um Governo conseguiria tão pouco, em condições tão favoráveis. Coube ao CDS e ao PSD pagar entre 2011 e 2015 as faturas antigas do PS noutro Governo trágico, o turismo disparou, porque Portugal é tido como boa alternativa aos riscos sentidos em destinos tradicionais de África e do Médio-Oriente, a economia internacional – de que somos dependentes – registou melhorias e “alavancou” o crescimento nacional, a política do BCE permite taxas de juro baixas e o clima de confiança assim gerado potenciou o investimento privado. Pena o fraquíssimo Governo.

O PS repete a cartilha da devolução de rendimentos às famílias. Só omite que se limitou a fazer cessar restrições impostas pelo programa de austeridade que o mesmo PS negociara com a troika em 2011, tal qual faria cessar qualquer outro partido à sua Direita. Dito isto, que mais se vê?

Todos os setores que dependem do Estado gerem o caos. Os hospitais são confrontados com o aumento de listas de espera, crescimento das dívidas a fornecedores, doentes amontoados em corredores, atrasos nas cirurgias, falta de roupa e demissões em bloco de diretores de serviço. Na ferrovia suprimem-se comboios, falta equipamento e manutenções, as estações estão decrépitas e responsáveis são demitidos quando se atrevem a denunciar riscos. A segurança está dependente de um MAI que apouca agentes em público com mais empenho, do que lhes concede meios básicos para cumprirem missões. A educação foi minada por ideologia a que deveria ser alheia. Somam-se greves de médicos, enfermeiros, professores, polícias, guardas prisionais, funcionários da autoridade tributária e na CP.

Perante os piores incêndios, o SIRESP ficou mudo e os helicópteros russos que António Costa comprara ao preço de milhões, não levantaram do chão. Furtaram-se armas dos quartéis e desapareceram pistolas de esquadras da PSP. Ruiu uma estrada pública em Borba, mas para o Governo, o Estado não tem nada que ver com isso. Temos a maior carga fiscal dos últimos 22 anos e muito mais trabalhadores precários. A dívida pública é uma das maiores do Mundo. Mas para a Esquerda, Portugal está melhor.

Votos de Feliz Ano Novo, com outro e melhor Governo.

Deputado europeu

(DN) “Portugal, ao expulsar os judeus, deu mundos ao mundo. E ficou a perder”

(DN) Entrevista aos rabinos Eli Rosenfeld, americano a viver há oito anos em Portugal, e Shlomo Pereira, português que é professor de Economia nos Estados Unidos. São os autores de Vozes Judaicas de Portugal. (Publicado originalmente a 21 de novembro de 2018)

Leonídio Paulo Ferreira21 Novembro 2018 — 10:18

Estas seis figuras que estão no vosso livro editado em português e inglês, posso chamá-los seis judeus portugueses? Alguns destes rabinos não nasceram cá mas tiveram uma ligação forte a Portugal, a ponto de o descrever com saudade quando estavam longe.

Shlomo Pereira: Sim. O que distingue estes judeus é terem todos em comum o facto de ou serem nascidos em Portugal, ou morreram em Portugal, ou viveram em Portugal. Dos seis, o que é interessante ver é que nenhum deles nasceu, viveu e morreu em Portugal, porque eram períodos muito difíceis e eles tinham de andar por tudo o que era sítio. Mas todos eles têm uma ligação forte a Portugal. Três deles eram cidadãos portugueses, José Chaion, Isaac Abravanel e Manassés Ben Israel, mas os outros, Isaac Aboab, Abraão Sabá e Isaac Caro, eram cidadãos espanhóis, meios espanhóis, meios portugueses, que vieram na sequência da expulsão de Espanha. São todas pessoas com uma referência clara a uma vida em Portugal, reconhecida pela coroa portuguesa.

Estamos a falar dos séculos XV e XVI?

S.P.:Sim. Grosso modo estamos a falar dos reinados de D. Afonso V, D. João II e D. Manuel I.

Tanto antes como depois da expulsão ordenará por D. Manuel I?

S.P: Depois da expulsão, por definição, nenhum deles já cá estava. Uma coisa que é interessante ver é que os livros que eles publicaram, mesmo apesar de uma parte deles ter sido feito em Portugal, já são publicados ou em Itália ou no Império Otomano, por volta de 1520/1530.

É interessante que diga Itália e Império otomano porque muitas vezes se fala das províncias unidas, da futura Holanda como o primeiro refúgio.

S.P: Exatamente. Primeiro Itália e Império Otomano. O último rabino que mencionamos, que já é fora deste período, do período filipino, esse de facto sai de Portugal e vai para a Holanda já nessa altura, mas as primeiras saídas de Portugal nessa fase são para o Império Otomano e Itália. É claro hoje que na história turca houve coisas fundamentais que os judeus portugueses levaram da Península Ibérica. Por exemplo, a imprensa foi introduzida no Império Otomano por judeus portugueses, como em Portugal também. A pólvora foi levada para o Império otomano pelos judeus portugueses, o que depois levou a alguns desequilíbrios nas relações internacionais.

Eli Rosenfeld: Às vezes o metal dos livros da casa da imprensa de Portugal, depois o mesmo tipo de metal para a impressão em Portugal, eles usaram na Turquia.

Está-me a falar que os que foram usados em Portugal para imprimir livros foram depois usados mais tarde no Império Otomano?

E.R.: Sim, os mesmos tipos.

S.P.: De facto, o ciclo dos seis rabinos, que é o grosso destes, são desse período, ou seja, ou morreram mesmo antes da expulsão de Portugal ou depois, é tudo contemporâneo dessa altura. Uma das razões que abordamos é a pergunta “porque é que escolhemos estes?”. O próprio facto de eles serem todos contemporâneos já depois da invenção da imprensa tem muito a ver, quer dizer que os trabalhos foram impressos, haverá muita coisa mais difícil de encontrar. Esta é a primeira geração de rabinos portugueses que escreve sobre estas coisas e que deixou escrito e impresso.

Percebo que um judeu português se interesse por este tema, como é o caso do rabino Shlomo Pereira. No seu caso, é americano, está em Portugal há oito anos e já tem filhos nascidos cá. Isto que está aqui no livro é uma descoberta recente ou antes de vir para Portugal já tinha noção da importância do judaísmo português?

E.R.: Mudei-me para Portugal há oito anos como rabino para ensinar a tradição judaica aos portugueses. Vim porque sabia que Portugal tem uma ligação tremenda à história judaica, por isso, tendo em conta que vim para ensinar sobre o judaísmo, decidi que ia tentar usar material não só de rabinos da América e de Israel mas também de Portugal. Quando vim só sabia de um rabino que tinha escrito algumas coisas, hoje conheço perto de 40 e os seus livros. E tenho quase todos os seus livros e quando me junto com as pessoas durante a semana para estudar, que é esse o trabalho do rabino, tento sempre dar uma voz a esses rabinos. Isto transformou-se num produto que não é apenas histórico mas que revela a forma como vivemos hoje em dia. Não se trata apenas de dizer “isto aconteceu no passado”, mas ao usar a sua voz nas aulas é inspirador. Quando um português ouve que aquilo que está a aprender foi dito por um rabino português, o conhecimento entra de forma mais profunda e há uma maior conexão com o que foi dito.

O judaísmo que encontra em Portugal hoje tem diferenças do judaísmo que é praticado no mundo inteiro?

E.R.: Os judeus portugueses são muito orgulhosos do seu país e orgulhosos do seu judaísmo. Quando temos o privilégio de poder apresentar o trabalho de um rabino português, não há nada melhor. Portugal é um país relativamente pequeno quando comparado com outros no mundo. O que é diferente em Portugal é a proximidade – eu cresci em Nona Iorque, onde há uma comunidade judaica enorme, com tanta variedade – e em Portugal é agradável, há uma maior proximidade de todos, tanto que sempre que partilhamos qualquer coisa dita por um rabino português é quase como se tivéssemos a partilhar uma coisa que nos disse o nosso próprio avô. É uma família.

Sei rabino Shlomo Pereira que vive há muitos anos nos Estados Unidos. Os primeiros judeus que chegaram a Nova Amesterdão, futtura Nova Iorque, também eram judeus portugueses. Essa consciência existe nos judeus americanos?

S.P.: Existe a consciência que eram sefarditas. Existe também a ideia que a comunidade mais antiga nos EUA é portuguesa, que a sinagoga mais antiga de Nova Iorque é portuguesa mas hoje em dia a presença sefardita nos EUA é muito mais fraca, há mais asquenazes.

Se lhe perguntar rabino Shlomo Pereira se é sefardita ou asquenaze, o que é que me responde?

S.P.: É uma resposta muito mais difícil do que parece porque culturalmente falando eu sou sefardita. Sefarade de Espanha, no sentido de Península Ibérica, mas por outro lado adotei muitos costumes asquenazes ou da Europa Oriental mas isso diz muito pouco hoje.

Isso tem a ver com a sua experiência americana?

S.P.: Exatamente. Uma coisa de que as pessoas não se apercebem no geral é que a Península Ibérica nos anos 1400 era o centro do judaísmo no mundo… em tudo, e portanto como estamos a falar da produção dos judeus portugueses ou dos espanhóis estamos a falar quase comparativamente com a presença hoje dos judeus nos EUA, em Israel ou em França, que é uma presença muito forte. O centro do mundo judaico era Portugal e Espanha nessa altura e houve uma produção muito grande dos judeus portugueses e o que achamos que é fundamental é a recuperar essa produção porque como a maior parte dela foi feita em hebraico, em Portugal ninguém conhece. Por exemplo, em Portugal toda a gente ouviu falar dos sermões do Padre António Vieira mas ninguém sabe que existem 20 rabinos que têm uma produção enorme do que é equivalente a isso, que são comentários sobre a Bíblia… e as pessoas não conhecem porque está em hebraico.

Daquilo que conhece da produção de grandes pensadores judeus, quando lê esses judeus portugueses confirma essa ideia de que eles eram do melhor que havia naquela altura do mundo judaico?

E.R.: Há uma frase que descreve Portugal e que foi escrita por rabinos portugueses depois de saírem de Portugal em circunstâncias muito tristes. Quando eles escrevem sobre Portugal e sobre as suas cidades, as formas como descrevem Portugal e Lisboa, é uma coisa incrível de ver, essa de descrever Lisboa como a melhor cidade judaica do mundo. A frase é: “nunca vi em toda a minha vida uma cidade tão bonita, tão estudiosa e tão bondosa como Lisboa”.

Estamos a falar de pessoas que usavam o hebraico na escrita, mas falavam português e dominavam o português?

S.P.: Estavam completamente enquadradas na sociedade. Todas estas pessoas não só estavam enquadradas como muitas delas tinham posições de grande relevo na sociedade portuguesa. Um dos rabinos era médico, outro, o Isaac Abravanel , era um estadista. A história dele é muito interessante porque temos histórias de vários rabinos que foram expulsos de Espanha e vieram para Portugal em 1492 e este foi expulso de Portugal e foi para Espanha em 1481 e aconteceu que foi na altura em que D. João II subiu ao trono, Isaac Abravanel estava muito bem localizado na corte de D. Afonso V e era amigo íntimo dos duques de Bragança. D. João II quando toma o poder a primeira coisa que quer fazer é eliminar a casa de Bragança, que tinha o poder económico na altura. Ele aprisionou toda a família e tentou aprisionar Abravanel, que fugiu para Espanha e tornou-se um dos grandes financeiros da corte espanhola. Depois acabou por ser expulso de Espanha outra vez e já não deu para vir para Portugal porque ainda estava D. João II no poder. Isto eram pessoas muito bem integradas na sociedade. Os judeus não vivam em Portugal num gueto.

Isaac Abravanel

Até à expulsão por D. Manuel I em 1497?

S.P.: Até esse momento não havia guetos. O facto de dizer que se vivia em guetos não quer dizer que não houvesse problemas antes – e houve vários. Mas o ponto é dizer que os judeus portugueses na altura estavam completamente integrados na sociedade. Dou outro exemplo que mencionamos de raspão no livro, que é o rabino Abraão Zacuto, que era o astrónomo-mor do reino, ele era a pessoa que estava encarregado de escrever os mapas de navegação.

Estamos a falar da comunidade judaica como importante para as descobertas?

S.P.: Exatamente. As descobertas não podiam ter acontecido sem o dinheiro e sem a ciência judaica. Da mesmíssima maneira que o declínio a seguir – hoje em dia muitos historiadores portugueses admitem que o retrocesso da expansão portuguesa vem quando se elimina o capital financeiro e o capital humano e deixa de haver base para…

Estamos a falar de que percentagem de população judaica em Portugal no momento da expulsão? Há quem diga 20% contando com os espanhóis recém-chegados.

E.R.: Historicamente é muito difícil apurar esses números. Vários rabinos apresentam números diferentes, é difícil saber qual é o certo, mas é um número enorme.

A ideia do regresso a Jerusalém era uma coisa importante ou eles já achavam que a vida deles era Portugal, Espanha ou o país onde nasceram? Ou é impossível um judeu não ter sempre essa ideia do regresso a Jerusalém?

E. R.Isaac Abravanel escreveu em Portugal, e depois outros livros foram escritos já depois de ter sido expulso e nesses sente-se a saudade que ele tinha de Portugal. Sente-se a falta que Portugal lhe faz. Claro que qualquer judeu tem uma ligação única à terra de Israel, mas ele fala sempre da sua infância e do amor que tem pelo país onde nasceu. Depois de os judeus portugueses terem sido expulsos, o que é que lhes vai no coração.

Não há ressentimento?

S.P.: Há um ressentimento, mas não apaga o amor ao país. Vou dar um exemplo, e por favor não se faça conotação política com coisa nenhuma: eu estava em Portugal em 1974, assisti às dezenas e dezenas de portugueses que voltaram do exílio político e eles estavam desejosos de vir para Portugal. Eles foram perseguidos, foram expulsos. Lembro-me de ver em Santa Apolónia quando eles chegaram… eram pessoas que sofreram imenso com o regime mas nunca puseram, pelo menos a maior parte delas, o regime e o país no mesmo saco. Os judeus portugueses obviamente que não gostavam de ser expulsos mas o sentimento dominante era o de voltarem ao seu país.

De qualquer forma, pegando nessa comparação, há uma decisão de expulsão por parte da Coroa mas também há um sentimento anti-semita em Portugal naquela época.

S.P.: Acho que a resposta é sim e não, como em tudo. Eu gostava de redirecionar a resposta e a conversa. O nosso ponto de partida para este livro é muito simples: todos os portugueses sabem que houve uma série de injustiças e perseguições feitas aos judeus. Está reconhecido, ponto final. O que nós queremos é dar o outro lado da moeda, que é dizer que todas as pessoas que foram perseguidas tiveram um contributo importantíssimo para o país, um amor para o país, é isso que queremos salientar.

Independentemente da hostilidade eles mantiveram esse amor por Portugal.

S.P.: Exatamente. Muita gente me tem perguntado para quem é que este livro é. É para duas audiências: obviamente é para os judeus de fala portuguesa, obviamente, e é para todos os portugueses porque faz parte da nossa História. É uma História comum, em que da mesma maneira que se fala das coisas más se deve falar das coisas boas. Estou farto de ouvir dizer que expulsaram os judeus. Sim, já sabemos isso. Mas olhem para estes contribuições, para a civilização e para a cultura portuguesa, olhem para o Zacuto, o rabino mor, para o financeiro mor, para o Pedro Nunes, vamos olhar para a dedicação e o amor que eles tiveram.

Uma das coisas que passa muito da história é que depois de serem expulsos muitos dos judeus expulsos puseram-se ao serviço de outras nações. Portugal fez uma estupidez e beneficiou os rivais.

S.P.: Portugal deu novos mundos aos mundos com as suas descobertas. E Portugal também, ao expulsar os judeus, deu mundos ao mundo. Mas ficou a perder. Todo o processo da expansão marítima espanhola só é possível porque tem uma série de judeus que foram expulsos que financiaram, maciçamente por Isaac Abravanel. Claramente que o facto de os judeus portugueses terem sido expulsos acabou por fertilizar uma série de outros sítios, como a Holanda também.

E.R.Há pouco perguntou sobre ser sefardita ou asquenaze. Os avós da minha mulher nasceram na Rússia, portanto seriam classificados imediatamente como uma família asquenaze. Aqui em Portugal descobrimos árvores genealógicas que nos levaram a um antepassado que tinha como sobrenome Portugale. Agora percebo que andando 40 gerações para trás, nós somos claramente descendentes de portugueses.

S.P.: Para ver a importância disso, o movimento a que estamos ligados, é de origem asquenaze mas o fundador do movimento Chabad vivia numa rua na Polónia que se chamava Rua de Portugal, que era onde os judeus portugueses viviam. A presença dos judeus portugueses em todo o mundo é impressionante.

Não me explicou ainda é porque é que Portugal e Espanha eram o centro do judaísmo mundial nos século XV.

S.P.: Essa é uma questão muito interessante: se formos olhar para a história do judaísmo, este sempre teve pontos centrais… durante os primeiros cinco séculos da era comum, o centro da vida judaica era em Israel, depois passou para o Iraque, para a Babilónia, depois à volta do ano 1000 para o Norte de África, Egito e Marrocos. Entretanto, na Península Ibérica, durante o período da ocupação muçulmana, que é muito avançada do ponto de vista político e civilizacional, os judeus tiveram uma posição fortíssima nessa altura. Como todo o período da reconquista da Península Ibérica, os judeus tiveram o papel central porque eram os únicos que falavam espanhol e português e árabe ao mesmo tempo. Quando a entrada dos muçulmanos passa pelo Norte de África, no início dos anos 700 começa a haver um fluxo muito grande de judeus para a Península Ibérica. Obviamente que acabavam por levar na cara de ambos lados porque quando você faz um tratado de rendição entre duas partes, não fica num papel muito bom. Havia uma presença até aos anos 1100, 1200 absolutamente gloriosa na Península Ibérica, que coincide com a época de ouro do Islão na Península Ibérica.

Este livro tem o objetivo de reconciliar os portugueses judeus e não judeus com esta parte da História. Nestes anos em que vive em Portugal sente que esta reconciliação foi feita?

E.R.: Vou responder dizendo como me sinto, não posso falar pelos outros. Como judeu e rabino, é uma bênção viver em Portugal. Quando alguém me pergunta se sou judeu, a pergunta é sempre seguida de uma expressão de acolhimento. Quando me perguntam como é ser judeu num país onde não nasci e cresci, esperam sempre ouvir sobre antissemitismo. O que sinto é que quando as pessoas percebem que sou judeu há sempre uma atitude de camaradagem, falam-me sempre das ligações familiares ao judaísmo, dizem-me sempre com muito orgulho que há uma história judaica forte em Portugal. É por isso que acho que este livro vai preencher um vazio de conhecimento sobre a beleza da herança judaica de pensamento.

Acham possível que depois deste livro e de dar a conhecer estes rabinos um destes nomes consiga afirmar-se como um grande pensador português?

S.P.: É possível e é desejável porque, como digo, isto faz parte da minha herança mas também da nossa herança. É de todos. Há uma herança comum e desse ponto de vista, pessoas com o Isaac Abravanel , que tem uma produção literária e filosófica incrível, é um dos grandes pensadores do tempo dele.

Está a destacá-lo neste livro conscientemente?

S.P.: Sim, sim. O facto de em Portugal termos um português que escreveu imensas coisas e nós não reivindicarmos esta pessoa como nossa e deixarmos que os italiano, porque ele morreu lá, façam a festa… não faz sentido nenhum. Há relativamente pouco tempo houve um artigo de jornal em que fazia exatamente este ponto – não tinha a ver com o judaísmo – que dizia que temos de ultrapassar a fase… só porque essas pessoas eram judeus ou muçulmanos não quer dizer que não devam ser considerados como as outras pessoas. Devemos considerar também a experiência e contribuição destas pessoas nessa altura, neste caso os judeus portugueses tiveram uma grande contribuição. O caso do Isaac Abravanel é absolutamente paradigmático porque ele era um grande estadista. Em 1935 os ingleses reconheciam a importância do quinto centenário do nascimento de Abravanel . Em Portugal não sabíamos.

Mas ao mesmo tempo sente que os portugueses de hoje dizem facilmente que têm sangue judeu. Têm certo orgulho.

E.R.: Depois de oito anos neste trabalho, no fim das aulas perguntavam muitas vezes: O que diria Isaac Abravanel ? Agora já sabem, estão em Portugal, pensam como ele. Estão ligados ao seu passado.

S.P.: Este livro tem dois objetivos diferentes: um que é muito utilitário e muito judaico, que é nós na nossa tradição inspiramo-nos na Bíblia e na Tora para viver a nossa vida e portanto todas as semanas aprendemos novos episódios. E há outra função muito diferente que é: o que é que tudo isso nos diz sobre a cultura dos judeus portugueses na altura, as contribuições do que eles escreviam. Dos anos 1500, de que autores portugueses é que alguém consegue falar? Estamos aqui a apresentar seis porque o nível de literacia dos judeus portugueses era muito alto, e estamos a esquecer uma parte da cultura portuguesa ao ignorar o que estas pessoas fizeram. O nosso objetivo é encontrar pontos, temos aqui uma ponte que nos liga. De alguma maneira, o que estamos a dizer… estamos a usar o Hino Nacional no livro para dizer que estes também são “os teus egrégios avós”.

Sendo judeu português a viver na América, quando está em Lisboa sente que o olham diferente no seu dia a dia?

S.P.: Tenho tido experiências, boas e más, mas eu prefiro focar-me nas boas. A minha casa cá é na Costa de Caparica, tenho tido imensos teenagers que querem tirar selfies comigo.

A sua carreira académica não tinha de ser na América, podia ter sido em Portugal. Não tem nada a ver com o facto de ser judeu?

S.P.: Não tem nada a ver. Faço a minha carreira na América mais de 90% do meu trabalho é dedicado a coisas portuguesas. Tenho tido a política de não confundir o meu chapéu de economista com o meu chapéu de judeu, embora não seja fácil. Quando fiz palestras no DN, a conversa é sobre economia. Se as pessoas me fazem perguntas é porque têm curiosidade, querem saber. Mas mesmo isso, consigo mover-me em todo o âmbito de política económica sem sentir a menor preocupação de coisa nenhuma. Aqui há uns anos um ministro convida-me para participar numas negociações na UE, antes do início do Euro. Havia uma avião do governo que ia seguir que era suposto sair na sexta de amanhã e o voo foi atrasado para sexta à tarde e eu disse que já não podia ir. E o ministro disse que abria a porta por mim, que fazia o que tivesse de ser…

Já agora, era possível respeitar o Shabbat assim?

S.P.: Não era, e eu não fui. Mas o ponto não é esse, é estar ali uma pessoa que não tinha nada de estar com essa disponibilidade… há uma disponibilidade muito grande. Não sinto desconforto nenhum.

É mais por não ser a norma, com a barba e a kippa, do que ser judeu?

S.P.: Completamente. Há uns anos, na Costa a coisa mais popular que os miúdos lá faziam era chamar-me Bin Laden. São brincadeiras.

E.R.: A mim perguntam-me se sou judeu e a conversa é sempre muito calorosa, isso é uma coisa única em Portugal.

(OBS) O dia em que Costa se engasgou com a austeridade – José Manuel Fernandes

(OBS) De repente Costa omitiu a palavra-fetiche: austeridade. E até descobriu que passámos “anos difíceis”. É um sinal de que o blá-blá da “reposição de rendimentos” se tornou a bomba-relógio da geringonça.

Entre uma filhó e um cálice de vinho do Porto, é possível que alguns portugueses até se tenham engasgado. Ora ali estava ele, em pose quase humilde, a falar dos seus sucessos – poderia lá deixar de fazê-lo? –, mas ao mesmo tempo a alertar para o risco das ilusões. O ano passado, por causa da tragédia dos incêndios, também tivera de se apresentar pelo Natal sem a habitual arrogância, pelo que a novidade da sua modéstia não era coisa de monta, algumas das frases que se iam ouvindo até eram quase iguais, nada parecia justificar que se interrompesse a refeição.

Até que António Costa deixou cair um sibilino sinal de mudança de discurso:

“Virada a página dos anos difíceis…”

Como? “Anos difíceis?” Então onde foi parar a austeridade? Continua? Ou afinal nunca existiu?

O primeiro-ministro não é dado a grandes inovações retóricas – bem pelo contrário, é mais comum ser enfadonho na repetição da mesma cassete – e há quatro anos que lhe ouvíamos o mantra do “virar a página da austeridade”. Fazer a agulha para “anos difíceis”, uma fórmula muitas vezes preferida pelos que tiveram de aguentar o barco quando os tempos eram mesmo tempestuosos – esses tais “anos difíceis” –, é uma inflexão que trai um estado de espírito pois a humildade não é só pose, é também alguma inquietação.

Creio que António Costa, como de resto todos nós, não acreditou que a geringonça durasse toda a legislatura. Se tivesse acreditado tinha sido mais prudente e menos inventivo nos orçamentos que fez os seus parceiros aprovar. É que se à primeira qualquer cai, à segundo só cai quem quer, à terceira quem insiste e à quarta só mesmo quem não tem alternativa – e foi isso que se passou com estes sucessivos Orçamentos do Estado que, de acordo com a avaliação do Conselho de Finanças Públicas, se revelaram documentos mais fictícios do que reais (eu chamar-lhes-ia mesmo mentirosos), já que os deputados aprovavam uma coisa no Parlamento e depois o Governo executava outra, com gigantesco sacrifício do investimento e dos serviços públicos.

Durante algum tempo foi possível ir disfarçando, e repetindo ad nauseum o slogan de que se tinha “virado a página da austeridade”, só que a verdade vem sempre ao de cima e, conforme foi ficando mais difícil dizer que todas as culpas eram do governo anterior, as demissões em cadeia nos hospitais do SNS, a degradação dos serviços ferroviários, a diminuição da acção social escolar, até a diminuição do investimento em ciência, só para dar alguns exemplos, foram tornando evidente o que alguns teimosos andavam a dizer desde o início. Por um lado, a recuperação económica que houve não serviu para aliviar a carga fiscal, antes pelo contrário, pois esta nunca foi tão elevada – os portugueses pagam hoje é mais impostos indirectos e menos impostos directos, o que cria a ilusão do “devolução de rendimentos” e nos deixa um sorriso amarelo nos lábios quando ouvimos o primeiro ministro a alertar para que não nos iludamos com os números. Por outro lado, a fatia de leão do dinheiro que houve disponível, quase dois mil milhões de euros, foi para os rendimentos e as 35 horas dos funcionários públicos, e por isso faltou para o resto, até para os consumíveis mais elementares de alguns hospitais.

E o pior é que ao fim de três anos de “sucesso” da geringonça as suas clientelas querem mais. É natural, eu diria mesmo que é humano. Para além disso, também é disso que se faz a política. Tudo porque a ilusão que se alimentou, o “fim da austeridade”, só podia trazer consigo o regresso ao “antigo regime” e às suas carreiras públicas, àquele regime que é em boa parte responsável pela sofreguidão do “monstro” e pela dificuldade de conter o seu crescimento.

Naturalmente que as “contas certas” de Bruxelas são tão conciliáveis com o regresso a essa velha ordem como as 35 horas no SNS eram conciliáveis com o não aumento da despesa pública, como mentirosamente foi prometido ao Presidente da República, e este fingiu que acreditou. Mas neste jogo de ilusões e mentiras foi-se criando pelo caminho um problema chamado “expectativas” – logo um senhor problema, pois a política é muito a arte de gerir expectativas.

Pior: no dia em que o PCP percebeu que podia ser o grande perdedor neste negócio de luzes e sombras – e esse dia foi o da derrota nas autárquicas, quando perdeu dez municípios, alguns deles emblemáticos, para o PS – tornou-se evidente que iríamos assistir a um regresso em força da máquina da CGTP. A surpresa é que quando isso aconteceu a CGTP, em alguns sectores, já estava a ser ultrapassada por novos actores sindicais, pois a natureza tem horror ao vazio e o mal-estar já se tinha instalado e outros ganho ordem de precedência.

Um bom exemplo desse mal-estar e das suas consequências é o sucesso da greve dos enfermeiros. Não tenho opinião sobre o que reivindicam por comparação com as outras categorias profissionais, mas percebe-se que estão mobilizados, que conseguiram contornar os circuitos dos sindicatos tradicionais e da CGTP e que, apesar da barragem de críticas de políticos e comentadores, não há sinais de tensão entre os utentes e os enfermeiros nos hospitais e centros de saúde.

Mas se tudo isto se passa no universo da Administração Pública, que dizer quando saímos para fora desse ambiente protegido? Esta semana foram conhecidos números muito reveladores: entre 2011 e 2017 o salário médio no sector público subiu duas vezes mais depressa do que no privado. No primeiro 6%, no segundo 3%. E a partir de 1 de Janeiro no sector privado, onde vigoram as 40 horas semanais, o salário mínimo será de 600 euros, enquanto no sector público, com um regime de 35 horas semanais, será de 635 euros. O que significa que um trabalhador não qualificado mais mal pago no público ganhará mais 21% do que um trabalhador equivalente no privado. E com mais segurança no emprego. Aparentemente é assim que se conjuga “igualdade” quando as esquerdas estão no poder.

É certo que nem todos – felizmente – ganham o salário mínimo, mas quando o Estado, que emprega apenas 14% dos trabalhadores activos, absorve com as suas diferentes funções (incluindo as sociais, bem sei) quase metade da riqueza nacional, o que sobra para a economia, para as empresas, não permite milagres.

É por isso extraordinário que um primeiro-minisro que, há um ano, na sua mensagem de Natal, tinha prometido “mais crescimento” (o crescimento diminuiu) e “melhor emprego”, com os resultados que estão à vista no depauperado sector privado, venha agora dizer que as empresas “têm de ser competitivas a recrutar e a valorizar a carreira dos seus quadros.” Pois têm, mas para isso o Estado não lhes pode sugar todos os recursos, não pode continuar a fazer orçamentos que não são amigos do investimento e do crescimento, não pode continuar a criar taxas e taxinhas que tornam Portugal muito menos competitivo fiscalmente do que países da nossa escala e campeonato.

E assim regressamos ao “virada a página dos anos difíceis”, sinal também de que se receia mesmo que outros anos difíceis venham aí. Este crescimento anémico não é um dado adquirido e, mesmo que fosse, é curto para acorrer a tudo o que já está comprometido para os anos que aí vêm e muitíssimo curto se pensarmos nas expectativas criadas pelo discurso das reversões sem limites e dos direitos para a eternidade. Qualquer solavanco é o desastre do artista, até porque ao contrário dos direitos não há cativações para a todo o sempre.

António Costa quer acalmar os parceiros – mas também já percebeu que há demasiados génios e maus espíritos no ar. Não se incendiaram aos primeiros coletes amarelos, mas ninguém conhece o dia de amanhã.

(Reuters) Portugal draws record export-oriented foreign investment in 2019

(Reuters)

  • LISBON, Dec 20 (Reuters) – Portugal signed deals on Thursday encompassing investments of about 400 million euros, raising the total agreed investment this year to a record 1.1 billion euros.

The five agreements, representing mostly foreign direct investment, involve tax and other incentives to support exports and innovation. This year’s amount was nearly double the 2017 value and exceeded the previous record of 827 million euros attracted via the AICEP state export agency in 2016.

“Having a (AICEP) pipeline of another 2.5 billion euros of investments under evaluation, I’m sure we will beat the 2018 record in 2019,” Prime Minister Antonio Costa said at the signing ceremony.

An export push and a tourism boom have contributed heavily to Portugal’s recovery from its 2011-14 debt crisis and bailout.

Last year, the economy grew at its strongest pace since the turn of the century but this year export growth slowed down and the economic expansion has been lagging last year’s.

The latest deals involve 256 million euros to be invested by the local unit of Canada’s Lundin Mining in an expansion of zinc production at its Neves-Corvo mine, and nearly 50 million euros from South Korea’s Hanon Systems in a plant that will make air conditioner compressors for cars. 

(MondoWeiss) From Portugal to Israel: You too can dream of a post-colonial future

(MondoWeiss)

The ‘Moorish Castle’ in Sintra, about 20 km from Lisbon. Photo by Jonathan Ofir.

I’m spending a vacation in Portugal with my girlfriend. Having posted various photos and videos on social media, the responses are basically all positive and endearing. “I love Portugal”, “what a place”, they write etc.

I’m from Israel, and with my political involvement and historical awareness, this immediately throws me into comparisons. I can’t help it. And the striking comparison here is that of Portugal as a past colonialist empire, as opposed to Israel, a current and continuing settler-colonialist venture.

It appears many are not that aware of how big a colonialist force Portugal was – its current size may be misleading. It was the largest and longest standing colonialist empire, starting in 1415 and ending only in 1999 (with the handing over of Macau to China). Stretching from Asia to South America, it was the leading player in the Transatlantic Slave Trade, transporting an estimated 6 million African slaves. The British were a distant 2nd place, transporting an estimated 3.2 million African slaves.

Unsurprisingly, the debate about the framing of this horrid past is still ongoing. Just this year, the Lisbon incumbent Socialist mayor wanted to establish a “Museum of the Discoveries”, and the name alone stirred a fierce debate about the whitewashing and glorification of this past.

“It would only reinforce Portuguese colonial ideology, which portrays that period as heroic and simply glosses over the glaring issues of slavery, mass killings and other abuses,” said Joacine Katar-Moreira, a researcher at the University Institute of Lisbon and co-author of an open letter criticising the proposal that was signed by 100 black activists.

Katar-Moreira went on:

“There are already so many statues and monuments paying homage to that moment in history. We don’t need another one, which, like the others, would be an instrument for stroking national self-esteem.”

But I don’t want to delve too deeply into the Portuguese colonialist past right now, because my point is really more comparative – comparing it to Israel.

The point is, I can now easily wander around in Portugal and enjoy it, appreciate its nature, its people, its current culture. Sure, I’m aware of that past, but I’m also aware that it’s a past.

With Israel, it’s different. I visit Israel because I have family there. But if I were a tourist, this would be a whole other story. Being a tourist in Israel would be visiting an Apartheid state, with a current and active settler-colonialist reality. Visiting it just for pleasure, as a tourist, would be immoral.

But Portugal gives me hope. It’s a national story that says that it is indeed possible to abolish colonialism, and to move on to a future of freedom, justice and equality. Sure, there will be ongoing debates about the past – but it would be a past. In Israel, it’s a present.

When I’m in Israel, I don’t post photos and videos as I do here in Portugal, even though my visits to Israel are in a way ‘touristic’, since I don’t live there, and I travel around with family etc. I simply do not want to help ‘market’ Israel and assist its ‘branding’. For me, this is a rather simple moral issue. It’s one thing if one is actively assisting the oppressed Palestinians, and is there for that purpose (which Israel seeks to prevent). Israel is simply so immersed in this colonial, oppressive and murderous present, that any mentioning of it is political. You are either fighting it, or you are endorsing it by promoting it.

Portugal offers me the reflection of how liberating it can be to end colonization.

To be sure, most Zionists would not appreciate the notion of colonization as a description of their venture. They consider that name-calling, an application of a generally condemned anachronism that mostly applies to the past, not the present. They do this by various means of denial. These include not only the institutional denial of the 1948 Nakba ethnic cleansing, but also the framing of the 1967 occupation as a temporary response (as the term occupation suggests), rather than an act of ongoing colonization. 

It is becoming increasingly clear to many around the world that the Israeli reality is not a mere set of nationalist military responses to this or that temporary aggression, but rather a premeditated settler-colonialist venture throughout the land, in the name of Zionism.

Right now, Israel is so much in the midst and depth of it, that a future of freedom, justice and equality seems hard to even perceive. That future is the goal of the movement for Boycott, Divestment and Sanctions, and it is something that Israel sees as a strategic threat, because equality is anathema to Zionism.

Of course, the Zionists think that it is necessary, existentially necessary, to keep those Palestinians subdued. Just as the Portuguese colonialists once thought it was necessary to keep the African slaves and the colonies.