Category Archives: Portugal

(DML) Benfica have produce some of the best players in the world in the last decade

(DML)

  • Benfica have a business model of selling on stars for massive profit
  • They have bought stars on the cheap and developed them in Lisbon
  • Examples include Manchester City’s Ederson, Victor Lindelof and Luka Jovic
  • They have also produced Joao Felix and Bernardo Silva from their academy
  • Sportsmail puts together an XI of stars they have sold in the last decade 

Benfica’s scouting system is the envy of Europe.

In the last decade the Portuguese champions have got into the habit of unearthing gems from European football’s backwaters and selling them on for massive profits.

Add to that an academy that has produced the likes of Atletico Madrid’s £113m new boy Joao Felix and Manchester City star Bernardo Silva and it’s a surprise that the Lisbon club have not achieved more success in continental competition.

They have, however, raked in around £500m from players sale since 2011 and a composite team of those players would take some beating.

Here, Sportsmail runs through an XI the stars that Benfica have held on their books… 

GOALKEEPER

Ederson

There is arguably no finer example of Benfica’s excellent scouting system than the fact that they were able to pick up Ederson from fellow Portuguese outfit  Rio Ave in 2015 for a paltry six-figure sum and sell him to Manchester City just two years later for a whopping £35m. Has established himself as one of the world’s best keepers but only just gets the nod ahead of another in that category: Jan Oblak.

Ederson makes a save from Porto’s Yacine Brahimi during an O Classico clash in April 2017

RIGHT BACK

Nelson Semedo

Followed the well-trodden path from Benfica to Barcelona for an initial £26m in 2017 having established himself as one of Europe’s best young full backs in his season-and-a-half in the Benfica first-team. Had been picked up from Portuguese third-tier side  Sintrense as a teenager in 2012. 

CENTRE BACKS

Victor Lindelof

There is a clear pattern emerging here. Lindelof was another picked up for a modest fee from a small club before being sold on for big money to a European giant. Lindelof took three years to establish himself as a first-team regular in Lisbon after his move from Vasteras in his Swedish homeland in 2011 but Manchester United were soon interested and he completed a £40m move to Old Trafford in 2017.

Victor Lindelof rides the challenge of Sporting’s Ezequiel Schelotto in a 2017 Lisbon derby

David Luiz

Capable of the sublime and the ridiculous, the Brazilian defender has been one of the faces of European and world football in the last decade – and it was at Benfica where he made his name. Luiz, now 32, made his first move to Chelsea for £22m in January 2011 after four increasingly impressive seasons at Benfica. He had moved to Portugal from Brazilian minnows Vitoria.

The inimitable David Luiz emerged at Benfica before enjoying two spells at Chelsea

LEFT BACK

Joao Cancelo

A right back by trade, we crow-barred Cancelo in at left back to allow for him and Semedo in the same side. Still in the early part of his career, Cancelo has emerged as one of the best full backs in Europe with his rampaging displays. Came through the Benfica academy before joining Valencia for £13m in 2015 after an initial loan.

Joao Cancelo in his Benfica days in July 2014 (left) and playing for Juventus this summer (right)

DEFENSIVE MIDFIELDERS

Axel Witsel

Few players can have had a more varied career-path than Belgium’s midfield lynchpin Witsel, who has played in Liege, Lisbon, St Petersburg, Tianjin and now Dortmund. He only spent a year at Benfica but, as is their wont, they turned over a huge profit on him when they sold him to Zenit for £35m in 2012.

Axel Witsel (left) spent just a season in Lisbon but they turned in a tidy profit for his signature

Nemanja Matic

Matic is the embodiment of what Benfica can do to a player’s career. He arrived as a raw but unfulfilled talent from Chelsea in 2011 as part of the deal that took Luiz to Stamford Bridge. He then left, back to Chelsea, three years later for £21m, having blossomed into one of Europe’s finest holding midfielders. The Blues effectively paid Benfica £21m to send Matic on a three-year loan. Not bad business at all.

Nemanja Matic blossomed at Benfica when he moved as part of the deal taking Luiz to Chelsea

ATTACKING MIDFIELDERS

Bernardo Silva

Silva has emerged as one of the best attacking midfielders in Europe with Manchester City and Monaco over the past few seasons, but incredibly he only played three times for Benfica having come through their academy. They did pocket £14m for his sale to the French side in 2015 though. 

Bernardo Silva played just three times for Benfica (left) but is as a key man for Man City (right)

Joao Felix

If Benfica experienced the rare feeling of being short-changed with Bernardo’s emergence, then they must be incredibly pleased with themselves for netting £113m for the sale of Joao Felix to Atletico Madrid this summer. Even if, as expected, he becomes one of the world’s best players, that’s an incredible fee for a player with just 43 first-team appearances – and one who arch rivals Porto let go for nothing.

Joao Felix recently joined Atletico Madrid (right) after a stellar season for Benfica (left)

Angel di Maria

Completing a scarily good trio behind the frontman is Argentinian winger Di Maria, who Benfica sold to Real Madrid for £32m in 2010. Benfica took a punt on him as a promising winger playing for Rosario Central in his homeland, and like so many before and after him he used the club as a springboard to major success.

Angel di Maria emerged at Benfica before joining Real Madrid, Manchester United and PSG

STRIKER

Luka Jovic

Real Madrid’s new £53m recruit is a rare example of Benfica missing out on a major profit for a player, but is more proof of their ability to unearth gems from minor leagues around the world. Jovic failed to score in four matches for Benfica having been signed from Red Star Belgrade in 2016, and he was sent out to Eintracht Frankfurt on loan. The Bundesliga club exercised to make the deal permanent for just £6m in April this year before cashing in this summer.

Luka Jovic struggled to make an impact in Lisbon but has just joined Real Madrid for £53m

TOTAL COST: £344m

SUBSTITUTES (£146m)

Jan Oblak (Atletico Madrid, £14m), Fabio Coentrao (Real Madrid, £26m), Ramires(Chelsea, £19m), Renato Sanches (Bayern Munich, £31m), Goncalo Guedes (PSG, £26m), Rodrigo (Valencia, £26m), Raul Jimenez (Wolves, £30m)

If you thought we’d scratched together an XI then think again! Oblak, one of the world’s best keepers, only makes the bench as do a host of top class players. The combined cost of the bench and the XI together is a staggering £490m.

(BBG) Madonna’s Welcome, But Portugal Wants Immigrants to Lift Economy

(BBG)

Pedestrians walk along Augusta street in the Baixa district of Lisbon, Portugal.
Pedestrians walk along Augusta street in the Baixa district of Lisbon, Portugal. Photographer: Patricia De Melo Moreira/Bloomberg

It’s not just the likes of Madonna and the Aga Khan that Portugal wants to attract.

Unlike many governments in Europe, Portugal wants immigrants to shore up its economy as its population shrinks and ages. While it has drawn the rich — Madonna went house hunting in Lisbon in 2017 and the Aga Khan was granted Portuguese nationality this year — the country is making a push to lure back citizens who fled the euro-area crisis and attract immigrants who can fill crucial gaps in the labor market.

PORTUGAL-RELIGION-AGA-KHAN
Portuguese President Marcelo Rebelo de Sousa, left, greets the Aga Khan at Belem Palace in Lisbon. Photographer: Patricia de Melo Moreira/AFP via Getty Images

“This isn’t about just any immigration; it’s about drawing qualified immigrants for the needs of the Portuguese economy,” said Jorge Bravo, an economics professor at the Nova University in Lisbon. “Mostly in terms of salaries, we’re not very competitive. If there was a championship for the most sought-after countries for immigration, Portugal isn’t in the Champions League.”

As Portugal prepares for a general election in October, the lack of immigrants rather than their presence may be a campaign issue for politicians. Unlike in Italy and Hungary, where the anti-immigrant parties of Matteo Salvini and Viktor Orban are in power, and France, where Marine Le Pen’s party led the European Parliamentary vote in May, Portugal has no populist forces at play. In fact, some of the country’s businesses want politicians to come up with coherent plans to lure immigrants.

Help Wanted

“It’s urgent to introduce substantial improvements to the policies for welcoming foreign workers,” said Jose Theotonio, chief executive officer of the Pestana Hotel Group, Portugal’s biggest hotel operator. “The lack of professionals already causes concern in the present and has a strong future impact.’”

Unemployment Offices And General Economy As PortugalÕs Coalition Splinters On Austerity Fatigue
A waiter serves a customer sitting on a terrace at an outdoor cafe in Lisbon.Photographer: Mario Proenca/Bloomberg

The tourism and hospitality industry is among those feeling the shortage most acutely. Finding adequately skilled housekeeping and kitchen staff is the “most complicated,” Theotonio said. He wants the government to make labor rules more flexible to accommodate temporary and seasonal workers.

“The average education level of the Portuguese has increased a lot, so it’s natural that in jobs such as room service or waiters there’s a lack of workers,” said Raul Martins, the chairman of the Altis hotel chain and the head of Portugal’s Hotel Association, which represents about 600 hotel companies.

Tourism represents about 14% of Portugal’s gross domestic product and has boosted the economy, which expanded for a fifth consecutive year in 2018. That’s helped Prime Minister Antonio Costa’s minority Socialist government to lower the jobless rate and manage the budget deficit. Portugal’s unemployment rate of 6.6% in May was less than half of Spain’s 13.6% and below the euro-area average of 7.5%.

Hiring Troubles

Still, Portugal’s debt ratio remains the third-highest in the euro area, behind Greece and Italy, and to keep the growth engine chugging along the country needs more hands.
 

Slower Phase

The Bank of Portugal warned in a report on June 12 that “some indicators suggest there are difficulties for Portuguese companies to hire workers, particularly those with higher qualification levels.”

The number of immigrants in Portugal increased 14% in 2018 to 480,300, the highest since at least 1976, according to its Immigration and Borders Service. That hasn’t been enough to offset its shrinking population, which has dropped since 2010 and reached about 10.3 million at the end of 2018. Projections show it may fall to 7.9 million in 2080.

The median age in Portugal was 45.2 years in 2018, having increased by about 4.4 years since 2008. In 2017, the country had the third-highest median age in the European Union at 44.8 years, behind Italy and Germany.

Open Arms

“The country’s arms are open for the Portuguese who want to return,” Jose Luis Carneiro, the secretary of state for Portuguese communities, said at a July 22 presentation of measures to get citizens to come back. The government is offering up to 6,536 euros ($7,276) to returnees.

PORTUGAL-BRITAIN-POLICE-MADDIE-ANNIVERSARY
People sit on a bench by the beach in Praia da Luz in the Algarve.Photographer: Patricia de Melo Moreira/AFP via Getty Images

Portugal has had some success in drawing so-called non-habitual residents. Lured by its beaches, clement weather, laid-back life and, crucially, its tax breaks, almost 30,000 people have made the country their home. A third of them earn a pension overseas. 

Italian actress Monica Bellucci, French fashion designer Christian Louboutin and former Manchester United Football Club player Eric Cantona are among those who’ve bought property or are reportedly sometime-residents in Portugal. 

The government has been criticized for its tax breaks to the rich. Critics also say wealthy foreigners have boosted real estate values, pricing out locals. The regime allows expatriates to pay as little as 20% on their income tax during a decade and exempts some pensioners from taxes altogether.

Like Singapore

“Retirees locally spur some sectors linked mostly to tourism and leisure, as can be seen in the Algarve, or in the cities of Lisbon and Oporto, and in small inland areas,” said Bravo. “But it’s not the solution.”

On July 23, the government expanded the regime to add farmers and machine operators to the list of eligible professions, citing difficulties in hiring workers.

Commercial Vegetable Production At Monliz-Produtos Alimentares do Mondego e Liz SA Plant
Workers throw broccoli plants into a trailer during harvesting in Alpiarca, Portugal.Photographer: Mario Proenca/Bloomberg

Portugal needs an “intelligent immigration policy,” like in countries such as Singapore and Canada, that isn’t just based on tax incentives, Antonio Horta-Osorio, the CEO of Lloyds Banking Group Plc and a Portuguese national, said at a conference near Lisbon on May 17.

“We have an extraordinary demographic problem compared to the rest of Europe,” he said. Portugal should work on attracting “people with the qualifications and abilities that our companies and society need,” he said.

(DV) Número de turistas portugueses a visitar Israel duplica em junho

(DV) O número de turistas portugueses a conhecer Israel aumentou em junho. Atualmente, há 12 voos diretos semanais a ligar as duas capitais.

O número de turistas estrangeiros a visitar Israel cresceu desde o início do ano. Os dados revelados pelo ministério do Turismo israelita mostram que, no primeiro semestre deste ano, visitaram o país 2.265 milhões de turistas, o que representa uma subida de 10% em comparação com o período homólogo do ano passado.

Olhando apenas para o mês de junho, o número de turistas oriundos da Europa cresceu face ao sexto mês do ano passado. Os franceses foram a nacionalidade que mais cresceu: 27.300 em junho. Da Alemanha, houve mais de 21 mil turistas, o que representa uma subida na casa dos 47% face ao período homólogo.

O número de portugueses a conhecer Israel também subiu: foram duas mil pessoas, o que representa o dobro do registado no mês de junho de 2018. Esta evolução tem lugar numa altura em que se realizam 12 voos diretos semanais entre o Aeroporto da Portela e o Aeroporto Ben Gurion, sete dos quais da TAP e cinco da EL AL.

O embaixador de Israel em Portugal, Raphael Gamzou, em comunicado, nota que “apesar de os números ainda serem modestos, a tendência é bastante positiva”.

“Os israelitas têm vindo a visitar Portugal e a ficar apaixonados pelo país e pela amabilidade e hospitalidade do povo português, muitos deles regressando após a sua primeira experiência. Por outro lado, temos a expectativa de vir a receber mais e mais portugueses em Israel e ficamos muito felizes com o aumento desta tendência”, acrescentou o embaixador Raphael Gamzou.

A publicação israelita Globes indica ainda que, em junho, 132 mil turistas oriundos da América do Norte em junho – a maioria dos quais dos EUA -, ou seja mais 11% que em junho de 2018.

(Exp) Portugal faz história e afunda preço da energia solar para novo mínimo mundial

(Exp) Maior leilão de energia da última década em Portugal fechou com a EDP e a Galp em branco. Várias multinacionais ganharam grande parte da capacidade em disputa, com preços inéditos à escala global

O leilão de energia solar em Portugal terminou esta segunda-feira e já entrou para a história. Segundo apurou o Expresso, a proposta mais baixa apresentada por um dos lotes apresentou um desconto de 67% face ao preço-base da licitação, que era de 45 euros por megawatt hora (MWh), fixando a mais competitiva das ofertas em apenas 14,8 euros por MWh, um novo recorde mundial.

No ano passado, segundo um relatório da associação Solar Power Europe, as mais baixas ofertas em leilões de energia solar tinham sido alcançadas na Índia, com 18,6 dólares (16,7 euros ao câmbio atual) por MWh. Mas as ofertas agora apresentadas no leilão em Portugal batem não apenas os preços mais baixos que são praticados na Europa como também os mínimos mundiais.

No leilão estavam inscritas 64 empresas, interessadas em garantir algum dos 22 lotes em disputa, que concedem o direito de ligação na rede de 1400 megawatts (MW) de novas centrais solares. Essa capacidade é cerca do dobro da capacidade fotovoltaica que Portugal tem hoje em operação.

A forte concorrência colocou na corrida a EDP, a Galp, a francesa EDF, a Iberdrola, Finerge, Voltalia, num conjunto de operadores com distintas experiências. Alguns sem qualquer histórico na energia solar, outros com posição firmada nesta indústria.

EDP E GALP FICARAM EM BRANCO

Segundo apurou o Expresso, a EDP e a Galp, ainda pouco expostas ao negócio solar, foram ultrapassadas pela feroz concorrência internacional. A EDP chegou a ter um lote em que concorreu sozinha, mas o preço que aí ofereceu não terá superado o valor médio do leilão, deixando a elétrica nacional arredada desse lote.

Também a Finerge, que é o segundo maior produtor eólico em Portugal, e o fundo de infra-estruturas de Sérgio Monteiro e António Pires de Lima ficaram entre os candidatos que não conseguiram arrematar qualquer lote.

A elétrica francesa EDF também ficou em branco, de acordo com as informações recolhidas pelo Expresso. Mas a espanhola Iberdrola conseguiu uma parte dos projetos a que se tinha candidatado.

Também a francesa Total Solar (que este ano comprou a portuguesa Generg) terá sido um dos vencedores do leilão, ao que foi possível apurar.

OPERADORES INCRÉDULOS COM PREÇOS MÍNIMOS

Os resultados finais do leilão apenas deverão ser publicitados em agosto pela Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), mas os números a que o leilão chegou deixaram incrédulos vários participantes no leilão.

“Uma loucura”, disseram ao Expresso duas fontes do sector, referindo-se aos preços historicamente baixos oferecidos no leilão nacional. Na quinta-feira, primeiro dia do leilão, chegou a haver lotes ganhos com preços de 20 euros por MWh.

Na sexta-feira a oferta mais baixa ter-se-á fixado em 17,9 euros por MWh. Mas esta segunda-feira, último dia do leilão, os últimos lotes disponíveis afundaram ainda mais o preço.

Vários gestores ouvidos pelo Expresso manifestaram as suas dúvidas sobre a rentabilidade dos projetos que ofereceram estes valores.

Assumindo que uma central solar conseguirá operar 25% do tempo, cada megawatt instalado conseguirá produzir 2190 MWh por ano. Se a eletricidade for vendida a 20 euros por MWh, essa central conseguirá em 15 anos gerar uma faturação de 657 mil euros por MW.

Ora, hoje em dia o custo de instalação de centrais solares de larga escala ronda os 600 a 700 mil euros por MW, o que significa que aquela receita pagaria, no máximo, o custo dos painéis solares, mas seria insuficiente para cobrir o custo de financiamento do projeto.

O QUE SIGNIFICA PARA AS FAMÍLIAS PORTUGUESAS?

O leilão que agora terminou permitirá ligar à rede 1400 MW de nova capacidade solar, mas os preços historicamente baixos verificados nesta licitação apenas se aplicarão a alguns dos lotes. Em todo o caso, o leilão foi desenhado para que nenhum projeto tenha um custo para o sistema superior a 45 euros por cada MWh que venha a ser produzido.

Os 1400 MW agora leiloados, a ser construídos no prazo de 3 anos (os promotores que não o cumpram perderão as respetivas cauções, de 60 mil euros por MW), cobrirão apenas uma parte do consumo elétrico nacional durante o dia.

Outra parte do consumo diário, e ainda do consumo noturno, virá de outros produtores (eólicos, hídricos, centrais a gás natural, entre outros), que terão níveis de remuneração diferentes (e previsivelmente superiores aos agora atribuídos a estes novos produtores solares).

Em todo o caso, os preços agora assegurados no leilão deverão beneficiar os consumidores nacionais por duas vias.

Por um lado, os produtores que tenham ganho lotes na modalidade de tarifa garantida venderão a energia durante 15 anos a menos de 45 euros por MWh (abaixo do atual preço de mercado da eletricidade, que ultrapassa os 50 euros por MWh).

Por outro lado, os produtores que tenham ganho na modalidade de compensação ao sistema elétrico, embora sejam livres de contratar no mercado a tarifa de venda que queiram, pagarão anualmente ao sistema elétrico uma contrapartida pré-determinada pela energia produzida, sendo esse montante usado para abater nas tarifas de acesso pagas pelos consumidores portugueses.

(ECO) Com nova paralisação dos motoristas de matérias perigosas, Siza Vieira defende revisão da lei da greve

(ECO) O ministro da Economia diz que a lei é dos anos 70 e defendeu uma reflexão sobre se faz sentido mantê-la. Sobre os combustíveis, aconselhou aos portugueses “moderação no consumo”.

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, defende a revisão da lei da greve.A menos de duas semanas de os motoristas de matérias perigosas voltarem a parar para reclamar aumentos salariais, o socialista lembrou, em entrevista à RTP, que o diploma foi criado há cinco décadas.

“É uma questão que tem de ser equacionada do ponto de vista político e os protagonistas políticos vários têm de ponderar a conveniência e a necessidade de rever a lei da greve nessa matéria. Não queria avançar com uma ideia, mas a lei é dos anos 70 e faz sentido pensar se devemos mantê-la ou não”, afirmou Siza Vieira, à RTP.Motoristas vão ter aumento de 300 euros já em janeiro? Ler Mais

As declarações acontecem a duas semanas de o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) iniciarem paralisações. A greve, por tempo indeterminado, arranca às 00h00 do dia 12 de agosto.

Siza Vieira refirmou considerar não compreender a posição dos trabalhadores que têm assegurado um aumento salarial no próximo ano. “Aquilo que constatamos é que uma das matérias que neste momento justifica o pré-aviso de greve é uma matéria que foi já objeto de discussão”, afirmou.

“Nesse sentido, é difícil perceber que um acordo que garantia desde já, a partir de janeiro de 2020, ganhos substanciais do ponto de vista salarial, além de um conjunto de outras matérias importantes para os motoristas, possa ser posto em causa por causa de aumentos salariais que só se verificarão daqui a dois ou três anos”, sublinhou.

Portugueses devem “moderar os consumos” durante a greve

Motoristas vão ter aumento de 300 euros já em janeiro? Ler Mais

Para que não se repita a situação vivida em abril, quando as bombas ficaram sem combustíveis após uma corrida para abastecer, serão fixados serviços mínimos. Esta tarefa ficará a cargo do Governo, depois das propostas dos sindicatos e da ANTRAM terem divergido entre os 25% e os 70%, bem como sobre se incluem trabalho suplementar e operações de cargas e descargas.

O ministro Adjunto e da Economia aconselhou ainda que “as pessoas tentem moderar os consumos” e “evitem deslocações desnecessárias durante os dias de greve” para evitar o caos. “Vai causar transtornos, não temos dúvidas, mas é preciso que os portugueses reajam com maturidade“, acrescentou.

(EP) La conquista portuguesa del corazón de Cataluña

(EP) El líquido es de la tierra, pero el tapón y la botella del cava son de fabricación lusa

Trabajador del corcho en Girona.
Trabajador del corcho en Girona. MÍRIAM LÁZARO

Cuando se pisa la Sagrada Familia, se pisa suelo portugués. Cuando se brinda con cava, salvo el líquido, todo es portugués. No es mucha la huella portuguesa en Cataluña, y aún menor la inversa, pero su presencia toca las raíces de la economía regional, especialmente en este siglo. No hace tanto, cincuenta años atrás por ejemplo, España era líder mundial de la industria del corcho, más concretamente, Cataluña, aún más concretamente Girona, y ya apuntando a una saga familiar, los Nadal.

Cassà de la Selva (Gironès) y Palafrugell (Baix Empordà) concentraban un negocio que parecía casi tan seguro como el funerario, sellar las botellas de vino. Hasta que a alguien se le ocurrió fabricar tapones de plástico, más baratos y con la supuesta ventaja de acabar con el vino picado por culpa del corcho. La moda arrastró a buena parte de la industria catalana del sector que solo pensó en vender, mientras que en Portugal, una familia solo pensaba en comprar. En medio siglo, el reinado mundial del corcho cambió de geografía y de manos, de Cataluña a Portugal y de los Nadal a los Amorim.

La familia portuguesa compraba todo lo que podía en su país y fuera de él, a veces la materia prima y a veces su manufactura. Y así en 2007 se hizo con la fábrica de los Nadal y cinco años después con Trefinos, la corchera más importante de Cataluña, llamada así porque de allí salían tapones de lujo, très fins.

La familia Amorín compró en 2007 la fábrica de corcho de los Nadal y cinco años después, la de Trefinos

Hoy la empresa portuguesa tapa 5.400 millones de botellas cada año, un tercio de todas las que se fabrican en el mundo, domina el 35% del mercado del tapón y el 25% de la explotación del corcho. António de Amorim viaja mucho por España y por Cataluña, es amigo de los Nadal y hasta se lee los libros de Rafael sobre la saga familiar y la historia de su decadencia manufacturera, a la que han contribuido unos y otros.

Los Amorim vieron en el corcho algo que los demás no vieron, que era un producto único, natural, ligero, un aislante térmico y también acústico. “El más mágico de los elementos”, como tiene dicho Josep Roca, sommelier de El Celler de Can Roca. “Es un elemento orgánico, expansivo. Es un guardián de tesoros y el primer confidente de aquello que guarda. El corcho simboliza la naturalidad”.

La industria del corcho depende cada año menos de las botellas. El 30% de los ingresos del imperio Corticeira Amorim proviene de aplicaciones ajenas al envasado, desde aislamientos para aviones y trenes, a las habitaciones infantiles. Los 7,5 millones de euros que cada año la empresa destina a investigación van dando sus frutos, lo mismo para conseguir el tapón de rosca Helix como para crear el suelo del templo concebido por Antoni Gaudí, resistente a las multitudes —unos 4,5 millones de visitantes pasan por la Sagrada Familia cada año— y amortiguador de sus ruidos.

Cambian los roles: el portugués es el arrojado inversor, mientras el Ejecutivo catalán, o lo que sea, se lo mira

La preocupación de António Amorim es que a corto plazo no va a haber corcho para la creciente demanda. Para evitarlo, acelera, por un lado, la producción con cultivo de encinas que empiecen a dar corcho a los diez años en lugar de a los 25. Por otro, busca terrenos donde crecen encinas y alcornoques aún sin explotar. Es el caso de las tierras altas de Tarragona, con miles de hectáreas de encinas salvajes.

El portugués lleva años llamando a las puertas de la Generalitat, pero no sabe qué puerta es la buena, quién manda o quién decide y, en caso de encontrar a la persona, si su decisión es sostenible en el tiempo. Amorim vende un proyecto en el que todo ganarían: se fijaría la población rural —el trabajo del descorche es el mejor pagado de la agricultura—, se evitaría el alto riesgo de incendio que tiene la zona en su actual estado de abandono y su empresa aumentaría la cosecha alcornocal. El portugués —cambiando papeles de los tópicos antropológicos— es el aventurero y arrojado inversor, mientras el Ejecutivo (¿¿??) catalán, o lo que sea, se lo mira.

Desde luego, el cava y los vinos del Priorat tienen asegurado, gracias a inversores portugueses, los tapones y también las botellas de sus caldos. Rita Mestre Mira de Silva Domingues es propietaria —junto a su extensa familia— de BA Vidro, un siglo de historia fabricando botellas. Más de 50 millones de sus botellas van para Freixenet y otras marcas de cava. Las famosas botellas blancas y los benjamines proceden de fábricas de los Silva Domingues, extendidas por Portugal, España, Alemania, Bulgaria, Rumania y Grecia, de donde salen diariamente 14 millones de botellas.

Corren los tiempos, y ahora de Cataluña van para Portugal oleadas de turistas, que descubren el Monasterio de los Jerónimos y los tintos del Duero y los blancos del Dão, y de aquí para allá va tecnología e inversión. Cada uno en un extremo de la península, de espaldas, uno hacia el Atlántico, otro hacia el Mediterráneo, pero al final, siempre hay gente que prefiere mirar hacia otro lado, más allá y más distinto.

(Reuters) Portugal J.Martins’ quarterly profit jumps 14% to 109 mln euros

(Reuters) Portuguese retailer Jeronimo Martins reported a sharp 14% rise in second-quarter net profit on Thursday as sales rose 10% helped by the calendar effect even as it geared up for the reintroduction of the retail tax in its market Poland.

The company, which is the largest food retailer in Poland and the second-largest in Portugal, where it owns the Pingo Doce supermarket chain, also saw its earnings before interest, taxes, depreciation and amortization (EBITDA) jump over 11% to 257 million euros.

(JN) Moody’s melhora ratings de quatro bancos portugueses

(JN) A agência financeira decidiu subir o ratings da Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Totta e Novo Banco perante a melhoria do cenário operacional no setor financeiro nacional.

A Moody’s decidiu subir os ratings dos depósitos da Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Totta e Novo Banco. Isto perante a melhoria do cenário operacional do setor financeiro nacional, conforme justifica a agência de notação financeira numa nota emitida esta quarta-feira, 24 de julho. 

Para o banco liderado por Paulo Macedo, a Moody’s aumentou o rating dos depósitos para Baa3/Prime-3, face aos anteriores Ba1/Not Prime, o que reflete a “melhoria do perfil macro [de Portugal] em conjunto com o progresso significativo do banco na implementação do plano estratégico 2017-2020”. 

A mesma alteração foi feita no caso do BCP, que viu ainda o rating do programa de dívida sermelhorado de Ba1 para Ba2. O banco do Estado e o BCP passam assim a ter uma classificação dos depósitos num nível fora de lixo.


Já o rating do Santander Totta subiu para Baa1, enquanto antes era Baa2. Isto numa altura em que o banco liderado por Pedro Castro e Almeida conseguiu “fortalecer o perfil de crédito após ter concluído com sucesso a integração do Popular”. 

Também o Novo Banco assistiu a uma melhoria do rating para B2 face a Caa1, com a agência de notação a destacar o progresso que o banco tem feito na redução do risco no seu balanço. O banco liderado por António Ramalho, que viu o seu “rating” melhorar em dois níveis, tem vindo a apostar na venda de carteiras de crédito malparado e imóveis.

Quanto ao BPI, a Moody’s aproveitou para reafirmar o rating dos depósitos no BPI, em Baa1/Prime-2. Mas também para colocar o rating do Montepio em análise para eventual subida.
“O principal catalisador desta alteração do rating é a melhoria do cenário operacional do sistema bancário, em particular a desalavancagem significativa do setor privado”, afirma a Moody’s no comunicado. 

A Moody’s melhorou o perfil macro de Portugal de Moderado para Moderado+. O rating está em estávem em Baa3.

Além disso, continua a agência, a alteração dos ratings dos bancos nacionais também reflete “o novo quadro legal que foi implementado em março de 2019” e que determina que os grandes depósitos em Portugal estão mais protegidos do que a dívida sénior no caso da resolução de um banco.

(OBS) Queixa contra o sexismo da Associação Portuguesa de Mulheres Juristas – José Diogo Quintela

(OBS) Aposto que as mulheres da APMJ conseguem implicar com a novidade da próxima 007 ir ser uma mulher. “Licença para matar? Mas a mulher precisa de licença? É um homem que a dá, não? Opressão patriarcal!”

A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas apresentou uma queixa à Direcção-Geral do Consumidor, contra a campanha de publicidade da L’Oreal “É de homem!”, por perpetuar estereótipos de género que contribuem para “o reforço da hierarquização e discriminação social, designadamente a discriminação contra as mulheres”.

Por isso, eu, José Diogo Quintela, apresentei uma queixa à Direcção-Geral do Consumidor, contra a campanha de publicidade da APMJ (sem nome conhecido, mas suponho que seja qualquer coisa como “Esta queixinha é mesmo à gaja”) por perpetuar estereótipos de género que contribuem para o reforço da hierarquização e discriminação social, designadamente a discriminação contra as mulheres.

Dirijo-me à DGC por considerar que a queixa da APMJ é, claramente, uma campanha de marketing para vender serviços de advocacia a homens acusados de violência doméstica. Fá-lo convencendo os abusadores de que são advogadas que partilham com eles a convicção de que a mulher é um ser inferior, que precisa de estar sob a alçada de um macho. Mormente, com recurso à perpetuação dos seguintes estereótipos sexistas:

  1. O da mulher como um ser que não liga a factos e se rege apenas pelas sensações. Neste caso, protestando contra o slogan “bolas grandes é de homem”. Ora, sucede que, por mais que isso irrite a APMJ, bolas grandes é, de facto, um atributo dos homens. As bolas são os testículos e, como é sabido, é nos testículos que se produz a maior parte da testosterona, a hormona responsável pelo desenvolvimento das características masculinas. O nível de testosterona nos homens é cerca de 8 vezes maior do que nas mulheres.
    Portanto, “bolas grandes” é uma metáfora para grande produção de testosterona, logo, é de homem. Podem até sentir o contrário, senhoras juristas, mas trata-se de ciência;
  2. A APMJ refere que o anúncio que contrapõe “o ‘banhinho para meninos’ com o duche para os homens, (…) claramente indicia que o ser ‘homem’ é não ser fraco nem vulnerável”. Reforça assim o segundo estereótipo sexista sobre as mulheres: aquele que diz que estão sempre à procura de insinuações e segundos sentidos maldosos em afirmações inócuas por parte de homens. Onde é que, a partir da frase “Banhinho é para meninos, duche é de homem”, se está a dizer que ser homem “é não ser fraco nem vulnerável”? A única hipótese que vejo para um fraco tomar banho em vez de duche é se aquele manípulo que muda da torneira para o chuveiro estiver tão enferrujado que é necessário fazer muita força para o mudar. No fundo, a APMJ está a confirmar o cliché da mulher que procura ofensa implícita em tudo o que é dito;
  3. No ponto 6 da queixa, a APMJ afirma que “as imagens e as frases constantes dos anúncios acima reproduzidos afirmam que a abnegação, a fortaleza, (…) são características identitárias exclusivas da masculinidade e não de toda a espécie humana, designadamente das mulheres”. Querem com isto dizer que não se deve discriminar entre homens e mulheres, pois somos todos humanos. Uma posição perfeitamente razoável, não fosse ser tida pela Associação Portuguesa das Mulheres (note-se, “das Mulheres”) Juristas. Se não há coisas só “de homem”, logo, outras só “de mulher”, porque é que há uma APMJ? É o terceiro estereótipo propagado, o da volubilidade da fêmea, que diz uma coisa num dia e o seu oposto no dia seguinte. La donna è mobile, e tal, como uma pena ao vento, que muda de palavra e pensamento. As mulheres da APMJ não vão concordar comigo. Hoje. Amanhã, sim;
  4. O último estereótipo que a denúncia da APMJ reforça é o de que as mulheres se queixam por tudo e por nada. Numa campanha publicitária destinada a homens, a APMJ encontra razões para se ofender. Sublinho o facto de: i) ser destinada a homens; ii) ser uma campanha publicitária. Não é um manifesto político, são anúncios. Perpetua o lugar-comum da mulher como pessoa que gosta de embirrar e fá-lo histericamente na praça pública. As mulheres da APMJ encarnam o chavão das rezingonas. Aposto que conseguem implicar com a notícia de que a próxima 007 vai ser uma mulher. “Licença para matar? Mas a mulher precisa de licença? É um homem que a dá, não? Opressão patriarcal!”

Concluindo, através da sua queixa, a APMJ veicula um conjunto de mitos, normas e ideais sobre a feminilidade, que reproduzem padrões estereotipados sobre a inserção social das mulheres e, consequentemente dos homens, para além de promoverem expectativas rígidas da construção da identidade feminina, que preenchem a esfera de compreensão do conceito de feminilidade enjoadinha. Padrões esses que combato e me esforço por desconstruir, mais não seja através desta minha lamúria, pouco coerente com o paradigma de masculinidade socialmente aceite, que diz que o homem se está a borrifar para ninharias.

Não quero, com a minha queixa, retirar a razão que, apesar de tudo, assiste à APMJ. De facto, a L’Oreal errou ao dirigir a campanha de produtos de higiene apenas a homens. Acabou por discriminar as mulheres, se bem que apenas as da APMJ. Pelos vistos, são mulheres que entram em ebulição tão facilmente que é provável que suem bastante e precisem de desodorizantes com bolas grandes.

(TSF) “Para os judeus sefarditas, a terra prometida nunca foi Israel. É Portugal e Espanha”

(TSF) Da passagem medieval por Castelo de Vide à sinagoga do Porto criada no século XX. Do imaginário literário à materialidade da saudade. A TSF seguiu a rota da memória sefardita por Portugal e nela encontrou a terra prometida.

Michael Rothwell leva o livro sagrado até à linha dos olhos e abre-o com reverência, diante de uma sinagoga calada, a 25 Sivan do ano hebraico de 5779. O calendário civil marca 28 de junho de 2019, uma sexta-feira, e faltam poucas horas para o pôr-do-sol que inicia o sabat, e que apenas se extingue, de acordo com o Génesis, ao aparecimento das primeiras três estrelas da noite de sábado.PUB

Aqui, em Portugal, não temos medo. O que temos é uma consciência histórica.

O templo está esvaziado da união de 10 homens de mais de 13 anos necessária ao serviço religioso, mas guarda a luz, sempre acesa, dirigida para Jerusalém. Para os judeus, a sinagoga tem de se orientar, como a própria ação o indica, para Oriente, onde o templo verdadeiro existiu em tempos.

“Escuta, Israel, o eterno é nosso Deus, o eterno é um. Bendito seja o nome daquele cujo glorioso reino é eterno. Amarás ao eterno, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas posses.” As palavras são lidas da Tora, onde o hebraico e o português convivem como secularmente se falaram, sem empecilhos. A sinagoga portuense, Kadoorie – Mekor Haim (“Fonte de Vida”), a maior da Península Ibérica, reverbera as palavras de culto contra as paredes de azulejos com inspirações marroquinas, a favor da estrela de David.

SUBSCREVER NEWSLETTER

Subscreva a nossa newsletter e tenha as notícias no seu e-mail todos os diasSUBSCREVER

Michael Rothwell© Catarina Maldonado Vasconcelos

Com a eclosão da Guerra, as ideias de um projeto encantado desabaram. A ideia de resgate de marranos foi substituída pela necessidade da sobrevivência.

Michael Rothwell não ignora que há 500 anos poderia ser apanhado entre as rezas, pelos colarinhos, e levado até aos autos-de-fé. Há um peso histórico que se abate sobre os seus ombros, uma lembrança que vai sendo renovada, como uma história que tem várias formas de ser contada.

“Aqui, em Portugal, não temos medo. O que temos é uma consciência histórica, e sabemos que o que hoje está bem amanhã pode não estar”, confidencia, à TSF, o professor de matemática, inglês, de 65 anos. As sombras de uma mão pesada da Inquisição são apenas silenciadas nos programas escolares, onde a questão judaica, aponta, raras vezes encontra protagonismo.

“Luz simboliza vida, não é? Tem de se manter sempre acesa essa luz.” Foi debaixo deste ideal que a comunidade judaica do Porto foi criada há 96 anos, em 1923. Reza a história judaica que o militar Barros Basto, guiado pela motivação de fazer retornar ao judaísmo as famílias de cripto judeus/ marranos que tinham sido forçadas à conversão a partir de 1496. Em plenos anos 20, lembra Michael Rothwell, criar pontes entre as várias aldeias remotas de Portugal era uma tarefa hercúlea.

Ainda há orações em português e noutra língua muito rica, o ladino, formada com junção do espanhol e do português medievais.

Alguns jovens foram trazidos para o Porto para se tornarem líderes comunitários, depois de uma jornada penosa: “Não havia estradas, e ele ia a cavalo. Foram muito difíceis as viagens e as conversas com os cripto judeus, que por natureza escondiam a sua religião.”

Na escalada que antecedeu a II Grande Guerra, no entanto, “o capitão foi alvo de inveja e de ódio, acusado de crimes que não tinha cometido, pelo que foi afastado do exército”. Os marranos deixaram de sentir confiança no líder e regressaram às aldeias de origem. “Com a eclosão da Guerra, as ideias de um projeto encantado desabaram. A ideia de resgate de marranos foi substituída pela necessidade de sobrevivência”, conta o representante da maior sinagoga da península.

Muitas famílias ainda hoje possuem chaves medievais das suas casas em Portugal da altura em que receberam o édito de expulsão em 1496.

As obras tinham terminado em 1938, um ano particularmente dramático para os judeus, com novembro a assinalar a Kristallnacht (Noite de Cristal), em que dezenas de judeus foram violentadas até à morte e as suas lojas vandalizadas, até partir o orgulho judaico em mil pedaços de vidro que faziam sangrar no peito. “Provavelmente foi a única sinagoga inaugurada na Europa nesse ano.”

Ainda que o projeto de Barros Basto tenha sido deitado por terra nos seus primeiros anos, as sementes judaicas portuguesas tinham-se espalhado pelo mundo, sem que os fundamentalismos tivessem conseguido dizimá-las. “A cultura sefardita manteve-se ao longo dos séculos. Ainda há orações em português e noutra língua muito rica, o ladino, formada com junção do espanhol e do português medievais”, explica Michael Rothwell.

É praticamente impossível que alguém em Portugal não descenda desses judeus.

Hugo Vaz, 31 anos, um dos casos raros de conversão ao judaísmo, ergue um molho de chaves, que tilintam: “Um dos objetos mais representativos dessa presença é precisamente este. Muitas famílias ainda hoje possuem chaves medievais das suas casas em Portugal da altura em que receberam o édito de expulsão em 1496.”

“As casas já não existem, mas as chaves ainda existem”, completa o professor de 65 anos. Em tempo de diáspora, os judeus levaram pedaços de Portugal e Espanha dentro do coração e pelos quatro cantos do mundo. “Ainda hoje há pessoas na Turquia com avós que falam ladino e que conseguem chegar cá e entender-nos, sem que qualquer membro da família, desde 1497, tenha pousado os pés na Península Ibérica”, assevera o membro da direção da comunidade judaica do Porto.

Michael Rothwell© Catarina Maldonado Vasconcelos

Vem da inveja (…) Basta ver as estatísticas dos prémios Nobel para perceber que os judeus os ganham numa proporção bastante elevada.

Docente, Michael Rothwell volta-se para a História com a mesma ênfase com que soma conhecimentos matemáticos. Na perspetiva do inglês radicado em Portugal, é urgente rever os manuais escolares. “Muitas pessoas, senão todas, têm raízes judaicas em Portugal. Depois da expulsão decretada em Espanha, em 1492, estimamos que 100 mil judeus de Espanha se tenham juntado aos 100 mil que já havia em Portugal, o que perfazia 20% de população judaica. É praticamente impossível que alguém em Portugal não descenda desses judeus.”

De acordo com Michael Rothwell, a comunidade judaica prefere manter-se discreta, resguardada do antissemitismo que “vem da inveja, porque há, sem dúvida, muitos judeus bem-sucedidos e inteligentes”.”Basta ver as estatísticas dos prémios Nobel para perceber que os judeus os ganham numa proporção bastante elevada relativamente à sua quantidade”, concretiza.

Uma comunidade pequena, sobre a qual ainda são apregoadas “teorias da conspiração”, com um léxico português a favorecer preconceitos. As expressões ‘és como um judeu’ ou ‘judiarias’ não encontraram trava-línguas com o passar dos séculos e radicaram-se na cultura do país.

A ideia “ultrapassada” referente ao aspeto do judeu© Catarina Maldonado Vasconcelos

A chave que voltou a casa, 400 anos depois

Foi em Castelo de Vide, no nordeste alentejano e a 12 quilómetros de Espanha, que se construiu uma das mais antigas e significativas ruas de habitações judaicas portuguesas. É um marrano que anda pela judiaria (no Priberam, ‘bairro de judeus’ ou ‘reunião ou conjunto de judeus’) sem travessura, mas com o olhar atento sobre os menorás – candelabros de sete braços – estilizados na pedra à porta das casas e sobre as reentrâncias onde se guardavam as escrituras judaicas sagradas.

© Catarina Maldonado Vasconcelos

Carolino Tapadejo, antigo autarca e estudioso dos assuntos sefarditas em colaboração com a Universidade Hebraica de Jerusalém, conta de cor as origens da História judaica em Castelo de Vide, que são também as páginas escritas pelos seus antepassados. E inicia-se assim: quando, em 1320, 17 famílias hebraicas se estabelecem na vila pertencente ao concelho de Portalegre. “Com o tempo, juntaram-se muitas outras famílias na rua da judiaria.”

A rua da sinagoga© Catarina Maldonado Vasconcelos

Com a chegada da Inquisição a Portugal, em 1536, a lista de vítimas assassinadas em autos-de-fé avolumou-se, e o branco no preto não mente: foram mais mulheres perseguidas, para que se quebrasse o vínculo da educação judaica que a progenitora passaria aos filhos. Clara Mendes, Catarina Gomes, a Bonita, Isabel Gomes, Beatriz Henriques, Violante Lopes, Mécia Rodrigues, Inês Tristôa, Leonor Vaz. Estes são apenas alguns dos nomes por que Mário Soares, Presidente da República em 1989, pediu perdão “em nome de Portugal”.

Sefarad transformou-se quase num mito.

Algumas das vítimas da perseguição da Inquisição em Portugal© Catarina Maldonado Vasconcelos

Em compromissos velados, algumas casas mantiveram as práticas (e as sinagogas escondidas) que o judaísmo lhes instruíra. Os cripto judeus, forçados à conversão por um batismo na fonte central da vila, continuaram a dizer ‘dessa água não beberei’, no que ao catolicismo dizia respeito, tudo isto consagrado em rituais secretos e à sombra do medo. “As minhas vizinhas, nas sextas-feiras à tarde, faziam umas cerimónias que eu nunca compreendi, e uma delas colocava aqui uma vela [retira a tampa de um jarro de argila]. Ela cortava em pedaços o rebordo do recipiente para lá dentro poder alojar a candeia. Dizia que a luz não podia ser vista da rua. Faziam isto sem saber explicar muito bem porquê”, recorda Carolino Tapadejo, em entrevista à TSF.

Menorá, o candelabro de sete braços que representa os dias da semana© Catarina Maldonado Vasconcelos

O entusiasta que já passou por Espanha, Grécia, Itália, França, Inglaterra, Bélgica, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Canadá e Brasil numa cruzada com recurso apenas ao dom da palavra veio a encontrar uma das histórias de amor à terra mais surpreendentes em Israel.

“Estive a dar uma palestra numa universidade a norte de Telavive. Quando já estava a sair do palco, uma das senhoras, já idosa e muito doente, disse-me, num ladino muito alterado: ‘Eu sou de Castelo de Vide, mas eu nunca lá fui.’ Eu disse-lhe que não tinha compreendido, e ela respondeu-me: ‘A minha família fugiu de Castelo de Vide, na primeira metade do século XVI, para o Império Otomano; Constantinopla, depois Istambul, mas sempre me disseram que a minha terra era Castelo de Vide. Eu vi que vinha cá um homem da minha terra-mãe, e quis vir ouvi-lo.'” A castelo-vidense, deslocada em geografia mas nunca em identidade, percorreu mais de 170 quilómetros, porque não tinha descendentes, estava com cancro e só queria voltar a casa.

As chaves do retorno© Catarina Maldonado Vasconcelos

Foi em 2015 que se fechou o último capítulo de um livro há tanto tempo guardado nas prateleiras do legado familiar. Chegada a Castelo de Vide, “a senhora depositou nas minhas mãos a chave medieval e os nomes da rua e de umas vizinhas”. Guardião da casa e da História dos seus conterrâneos espalhados pelo mundo, Carolino Tapadejo afiança: é a primeira vez que uma chave daquela época retorna à porta que em tempos abriu.

Carolino Tapadejo e a chave medieval© Catarina Maldonado Vasconcelos

Em ladino, também se diz ‘saudade’

“É interessantíssimo como chegámos ao século XX e depois ao século XXI com uma diáspora de judeus pelo mundo que mantém uma lagrimazinha no cantinho do olho quando se fala de Sefarad. Sefarad transformou-se quase num mito, o que significa que muitos judeus de origem portuguesa hoje procuram Portugal para fazer uma arqueologia da sua memória.” As palavras são de Paulo Mendes Pinto, coordenador da área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona.

A História dos judeus em Portugal é fascinante, dramática, mas maravilhosa.

Sefarad – Portugal e Espanha – permaneceu no imaginário destas famílias obrigadas a abandonar o território peninsular como uma terra de esperança, uma terra onde foram felizes, onde houve prosperidade e possibilidade de diálogo, desde a época do domínio islâmico e até à primeira dinastia. “Efetivamente, para muitos judeus sefarditas, o fim da história não é Jerusalém. O fim da história é Portugal e Espanha”, analisa o embaixador do Parlamento Mundial das Religiões e fundador da European Academy of Religions.

Capítulos que ainda não encerraram com um final feliz encontraram oportunidades de reconstruir a imagem idílica que estes antepassados longínquos têm de terras lusas. Desde 2016, mais de 2100 sefarditas solicitaram cidadania portuguesa , e, no final de junho de 2018, os israelitas já se encontravam em segundo lugar entre os candidatos à nacionalidade portuguesa. De portas abertas, Portugal dificilmente voltará a sofrer fenómenos de perseguição à comunidade judaica, de acordo com Paulo Mendes Pinto, que explica: “Curiosamente, nós não temos o antissemitismo que grassa pela Europa central. A maioria dos portugueses garantidamente nunca se cruzou na rua com um judeu, e, mesmo que tivesse cruzado, não o saberia.”

Com mais literacia e cuidados com a higiene que os demais habitantes medievais das vilas e centros urbanos, os judeus foram ostracizados e incompreendidos. “O judeu começa a ser visto como o bode expiatório por todas as situações que corram mal: pode ser um ano em que há fome, pode ser um ano de peste, pode ser uma fonte com água contaminada”, revela o autor, que aponta que os judeus mais religiosos não adoeciam por terem já hábitos de desinfeção, limpeza e fervura das roupas usadas.

As pessoas tinham medo e não queriam investigar ascendência judaica nas suas árvores genealógicas. Era um tabu.

O Bar Mitzvá, realizado aos 13 anos no caso dos rapazes e aos 12 para as raparigas, obrigava também a que todos comungassem da literacia para que, sem dificuldades, dissessem as palavras sagradas. “Aos 12 anos, qualquer judeu é letrado, sabe ler e escrever. Temos provas de que funcionava assim, e isso lançava sobre eles um olhar incómodo da turbe cristã analfabeta. No século XV, alguém que é letrado, tem conhecimentos de matemática e consegue calcular juros e percentagens está muito mais preparado para ter sucesso.”

“Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória”

Para ter sucesso e para gerir as finanças das grandes instituições portuguesas. “A História dos judeus em Portugal é fascinante, dramática, mas maravilhosa. Antes da conversão forçada, todas as cidades e aldeias tinham uma comunidade judaica. Eram sapateiros, mercadores, alfaiates e participavam ativamente na vida pública. Tiveram também a sua participação nos Descobrimentos.” É assim que Richard Zimler, autor de 11 romances, levanta o véu ao que desvelou, desde 1996, data de publicação d’O Último Cabalista de Lisboa.

Muitos poetas sefarditas escreveram sobre a saudade que tinham de Segóvia, Granada, Toledo, Barcelona, Valência, Lisboa, Évora ou Porto.

“Começava ao mesmo tempo a compreender que, ao voltar para Lisboa, me era dada a possibilidade de reparar o desvio do meu destino”, está escrito nas primeiras páginas. Longe desse mergulho iniciático, Richard Zimler, mais judeu por identidade do que por crença, norte-americano, português, filho de um marxista que considerava ser a religião o “ópio do povo”, continua a encarar com fascínio a presença sefardita na Península Ibérica.

“O que mais me espantou, quando comecei a escrever ‘O Último Cabalista de Lisboa’, foi que, sempre que eu falava com os meus amigos sobre o massacre de Lisboa de 1506, em que milhares de cristãos-novos foram queimados e mortos no Rossio, todos eles – advogados, médicos e professores catedráticos – respondiam: ‘Mas qual massacre?’ Ninguém sabia de nada, talvez apenas meia dúzia de peritos”, recorda Richard Zimler. O estigma fazia com que nem mesmo o código genético e as raízes dos portugueses lhes fossem assuntos familiares: “As pessoas tinham medo e não queriam investigar a ascendência judaica nas suas árvores genealógicas. Era um tabu, porque aprenderam, depois de 240 anos de Inquisição e de 50 anos de ditadura, a não falar de certos temas como o judaísmo.”

Richard Zimler© Maria João Gala / Global Imagens

Numa mesa de café, à roda das conversas mundanas, o autor, cidadão de Nova Iorque, Porto, Lisboa, Israel, mundo, faz questão de lembrar que os próximos tempos testarão a abertura e flexibilidade da jovem democracia portuguesa. “Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória.” É a frase de José Saramago que ali se entrelaça nas ideias e convicções do também jornalista.

“A terra prometida, para os judeus sefarditas, não era a Palestina. Era Espanha e Portugal. Muitos poetas sefarditas escreveram sobre a saudade que tinham de Segóvia, Granada, Toledo, Barcelona, Valência, Lisboa, Évora ou Porto.” Podiam não falar um português perfeito, mas sabiam como soa, quando bate, a palavra ‘saudade’.

Embaixadores do judaísmo português da época moderna

Para José Oulman Carp, antigo presidente da Comunidade Israelita de Lisboa, basta abrir o álbum de família para compreender como a História de Portugal se dilui, anónima e indistintamente, no legado dos judeus sefarditas. O primeiro registo que encontra data de 1818, ano em que Abraão Bensaúde retorna aos Açores, à ilha de São Miguel, por ainda constatar que, no território continental, o cenário não era nada católico, ou, por outra, era demasiado católico.

“A minha família chegou a Marrocos com o nome Hassiboni. No cemitério judaico de Ponta Delgada – um cemitério muito bonito, aliás, e com um nome muito adequado para um cemitério, que é Campo da Igualdade -, as campas mais antigas são de Bensaúde, depois de Hassiboni, e, mais tarde, voltam a ser Bensaúde”, conta. Os primeiros retornados judeus pós-Inquisição iniciaram a edificação da mais antiga sinagoga portuguesa desde a perseguição cristã em Ponta Delgada, logo no ano de 1836.

Pioneiros na exportação da laranja açoriana, fundadores da fábrica de tabaco micaelense e donos de estufas de ananases, os Bensaúde, família judaica, impulsionaram a economia da região insular. Os conhecimentos eram trazidos do estrangeiro, onde os mais novos estudavam, porque, “nos finais do século XIX, os judeus não podiam frequentar universidades portuguesas”.

José Oulman Carp detém-se sobre cada uma das fotografias, e, entre os dedos, desfia as contribuições mais diretas dos seus familiares. “A Matilde era uma mulher notável, que estudou em Portugal e nos Estados Unidos, e introduziu o certificado fitossanitário, que hoje ainda é utilizado em muitas transações de mercadorias.”

“O Joaquim foi engenheiro e historiador. Publicou cerca de 300 livros, todos sobre o período das viagens de circum-navegação”, continua. “O Alfredo Bensaúde fundou o Instituto Superior Técnico.” José Oulman Carp é também sobrinho de Alain Oulman, poeta e compositor de fados cantados por Amália Rodrigues.

Portugueses, judeus, comerciantes, engenheiros e artistas, devolveram a diversidade religiosa e cultural ao país. “Cada pessoa é uma planta de estufa. Precisamos de luz, de água, de terra. Temos de cuidar uns dos outros, sobretudo quando somos uma comunidade tão pequena. Ser presidente da comunidade foi como ser um jardineiro que cuida desta página da História do judaísmo”, conclui José Oulman Carp.

(JP) PORTUGAL OKS 10,000 CITIZENSHIP REQUESTS BY DESCENDANTS OF SEPHARDIC JEWS

(JP) Portugal has approved about a third of approximately 33,000 applications for citizenship under its 2015 law for descendants of Sephardic Jews

Lisbon, Portugal

View of Lisbon, Portugal.. (photo credit: Wikimedia Commons)



 Portugal has approved about a third of approximately 33,000 applications for citizenship under its 2015 law for descendants of Sephardic Jews, according to official data.Applications based on the 2015 law, primarily from Israel, Turkey, Brazil and Venezuela, are behind a 10-percent increase in applications in 2018, which saw 41,324 such requests in 2018, the Publico magazine in Portugal reported last month. It was the highest tally in at least five years.The report did not say how many applications have been declined.

Israel, which used to provide Portugal with no more than a few dozen new citizens per year before 2015, provided 4,289 applications in 2018 — the second-highest number of any country after Brazil. Israelis submitted more applications for naturalization than even former Portuguese colonies like Cape Verde (4,259) and Angola (1,953.)

Citizens of Turkey, who in past years had made few applications for Portugal citizenship, accounted for 1,141 last years. Venezuelans submitted 562 such requests.

The Foreigners and Borders Service told Publico the increase owed primarily to the law about descendants of Sephardi Jews passed in 2015.

Portugal passed that law shortly before Spain passed a similar law, which is more restrictive and ends in October 2019. Thousands of descendants of Sephardim have obtained Spanish citizenship. Portugal’s law is open-ended. Both countries said the law was to atone for the Church-led persecution of Jews in the 15th and 16th centuries, known as the Inquisition.

(Reuters) Bidders line up offers for Portugal’s largest motorway operator Brisa: sources

(Reuters) LISBON/MADRID (Reuters) – At least three infrastructure funds and a Spanish toll road operator are lining up offers for a stake in Portugal’s largest motorway manager Brisa, three sources with knowledge of the matter said.

The deal could value the company at between 4 to 5 billion euros including debt, the sources said on condition of anonymity.

Funds focused on infrastructure investments are eager to deploy capital after raising billions of dollars to deploy in businesses with recurrent cash flows against a background of low interest rates and narrowing yields.

France’s Ardian and Australia’s Macquarie and IFM are among infrastructure investors preparing offers for Brisa, along with Spanish firm GlobalVia, which would only bid for full control of the company owned by Britain’s Arcus and Portugal’s Jose de Mello Group, the sources said.

Arcus, which owns 20.7% of Brisa, is actively looking to cash out and is working with Morgan Stanley and BCP to sell its stake.

But it is not clear whether Jose de Mello Group, which is represented by Rothschild, would also sell its stake.

“If Arcus presses ahead with the sale, then Jose de Mello group will need to evaluate a joint process,” said a source familiar with the matter.

Ardian, Macquarie, IFM, and Jose de Mello Group declined to comment. Arcus was not immediately available to comment.

The de Mello family has a 33% direct stake in Brisa and Tagus Holding — 55% owned by Jose de Mello Investimentos and 45% by Arcus — a 44% stake.

“A joint sale would mean the sale of a controlling stake and the premium that the buyer would pay would be higher,” the source added.

Brisa operates 1,628 km of highway in Portugal in a network of 17 motorways, 6 complementary routes and 6 national roads. Its main concession, BCR — comprised of 12 motorways covering 1,014 km of toll roads — will end in 2035.

Brisa’s operating profit (Ebitda) was 554 million euros in 2018, with a net financial debt of 1.7 billion euros.

(DN) Mário Centeno entre os favoritos para suceder a Lagarde no FMI

(DN) Além do ministro das Finanças português, estão também na shortlist o ex-presidente do Eurogrupo, Jeroën Dijsselbloem, o finlandês Olli Rehn e a espanhola Nadia Calviño

O governador do Banco de Inglaterra liderava a lista de nomes prováveis para suceder a Christine Lagarde quando esta deixar a cadeira de diretora-geral do FMI (que já suspendeu), a 12 de setembro, para assumir a presidência do Banco Central Europeu (BCE), no mês seguinte, quando Mario Draghi sair. Mas a shortlist divulgada nesta quarta-feira nem sequer refere Mark Carney.

De acordo com o Wall Street Journal, são quatro os candidatos ao lugar – e dois deles com relação muito próxima com Portugal: o ministro das Finanças português e atual presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, e o seu antecessor na Europa, Jeroën Dijsselbloem, que afirmou, em pleno resgate financeiro a Portugal, que os países do Sul tinham o péssimo hábito de gastar o dinheiro todo em mulheres e copos.

A shortlist fica completa com os nomes da ministra da Economia espanhola, Nadia Calviño, e do governador do banco central finlandês, Olli Rehn.

Quem será o próximo líder do FMI? A questão terá sido abordada esta noite à margem da reunião do G7 em Chantilly, avança o Wall Street Journal, onde estiveram os ministros das Finanças dos quatro países europeus mais ricos: Alemanha, França, Itália e Reino Unido. A mesma publicação adianta que haverá um acordo informal de troca de apoios entre os sete países mais ricos, com os europeus a apoiarem o candidato norte-americano para liderar o Banco Mundial e os restantes a darem apoio a um europeu para o FMI.

Segundo a Bloomberg, não é porém o candidato português mas o holandês que mais apoios tem recolhido, sendo considerado, pela experiência no Eurogrupo, como um negociador talentoso. Aquela publicação dá também espaço à possibilidade de a opção recair sobre uma mulher – caso em que a ministra espanhola teria vantagem -, mas o próprio governo do país vizinho terá assegurado que Calviño está bem na posição que ocupa em Madrid.

“Qualquer que seja a escolha, deverá ser baseada no mérito”, disse em Chantilly o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, citado pela Bloomberg. “Qualquer dos nomes que têm sido falados será uma bela escolha e garantirá que ficamos em boas mãos.”

(PUB) Funcionário da embaixada em Teerão atingido a tiro levou a suspensão de vistos

(PUB) Funcionário iraniano da embaixada portuguesa foi atingido a tiro em Março nos arredores da instalação diplomática. Incidente foi considerado como uma quebra de segurança.

O facto de um funcionário iraniano da embaixada portuguesa em Teerão ter sido atingido a tiro nos arredores da instalação diplomática em Março foi a razão que levou à suspensão de vistos a cidadãos do Irão e de todas as actividades da secção consular.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, revelou na terça-feira, no Parlamento, que a atribuição de vistos a cidadãos iranianos tinha sido suspensa por questões de segurança, sem avançar mais pormenores. Mas a principal razão, apurou o PÚBLICO, prende-se com o incidente de Março, que foi considerado como uma quebra de segurança nas instalações diplomáticas.

” data-resize=”g7izow-interchange” id=”g7izow-interchange” src=”https://imagens.publicocdn.com/imagens.aspx/1376267?tp=UH&db=IMAGENS&w=183&h=103&act=cropResize” data-t=”z8zgbs-t” style=”box-sizing: inherit; border: 0px; display: inline-block; vertical-align: middle; max-width: 100%; height: auto; position: absolute; top: 0px; left: 0px; width: 177.594px;”>

Portugal suspende vistos a cidadãos iranianos “por razões de segurança”

O incidente com o funcionário iraniano deu-se a 12 de Março e foi confirmado na altura por Santos Silva e pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão, Bahram Qasemi, que, em declarações à agência de notícias iraniana IRNA, afirmou que o ataque ocorreu ao norte de Teerão e que as investigações iniciais mostram que o incidente ocorreu devido a “questões pessoais”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português esclareceu na altura que o funcionário iraniano que trabalha na embaixada de Portugal, ao sair da instalação diplomática, “foi vítima de uma emboscada”. “Isto é, foi atingido provavelmente a tiro por uma pessoa que circulava numa motorizada. Felizmente, o funcionário já se encontra em casa e, portanto, os ferimentos não foram graves”, sublinhou o ministro.

Ao final da tarde de terça-feira, em comunicado, Augusto Santos Silva assegurou que a suspensão de vistos a cidadãos iranianos se devia às “condições de funcionamento da secção consular” em Teerão e nada teria que ver com questões de segurança naquele país.

O chefe da diplomacia portuguesa justificou que avançou com o comunicado “para que não haja interpretações erróneas” do que tinha dito na Comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros.

Santos Silva disse ainda que “as razões de segurança prendem-se com as condições de funcionamento da secção consular” da Embaixada de Portugal em Teerão que “estão a ser identificadas e corrigidas” e, uma vez ultrapassadas, “possibilitarão a retoma do seu funcionamento, tão brevemente quanto possível”.

“A suspensão das actividades da secção consular compreende todas as actividades, não se dirigindo especificamente à emissão de vistos para cidadãos iranianos (ou dos outros países cobertos pelo posto) em viagem para Portugal”, refere ainda.

A nota salientava também que “a suspensão é uma decisão cautelar das autoridades portuguesas, para melhorar a segurança do seu posto consular e em nada resulta de uma avaliação sobre as condições gerais de segurança na República do Irão, ou de qualquer outro aspecto de natureza institucional ou política”.

“A suspensão é temporária, pelo mais breve prazo possível, e, enquanto durar, procurar-se-ão meios alternativos para a emissão dos documentos indispensáveis à circulação de pessoas”, acrescentou.

O PÚBLICO enviou por email um conjunto de perguntas ao Ministério dos Negócios Estrangeiros sobre este assunto. O MNE enviou a seguinte resposta: “Neste momento o que temos a dizer consta do comunicado de ontem.”

(JN) Goldman recomenda aposta na dívida portuguesa para aproveitar compras do BCE

(JN)

Os juros da dívida portuguesa negoceiam perto de mínimos históricos, mas o Goldman Sachs acredita que há espaço para mais descidas, uma vez que o BCE vai comprar mais dívida do que o mercado está à espera.

O Banco Central Europeu vai arrancar em setembro com um novo programa de compra de dívida (“quantitative easing”), aplicando um total que oscilará entre 200 e 250 mil milhões de euros.

A estimativa é do Goldman Sachs e duplica as expectativas atuais do mercado, que está incorporar um programa entre 100 e 150 mil milhões de euros, pelo que o banco considera que as obrigações soberanas europeias ainda têm espaço para valorizar.

Desta forma, o banco de investimento está a recomendar aos clientes a aposta em títulos de dívida de Portugal e Espanha antes da reunião de 12 de setembro, altura em que a instituição liderada por Mario Draghi deverá oficializar o lançamento de um novo programa de compra de dívida.

O Goldman Sachs entende que reforçar as posições longas nas obrigações de Portugal e Espanha é a melhor estratégia para tirar partido da política monetária do BCE, uma vez que nos títulos de dívida de países como França, Bélgica e Áustria o “quantitative easing” da autoridade monetária já está mais descontado. Segundo o Goldman, a dívida da Irlanda também deve ser beneficiada.

“Pensamos que há mais margem” para que a dívida europeia “continue a ser suportada” pelo anúncio do programa de compra de ativos na reunião de setembro do BCE, referem os analistas do Goldman, numa nota que está a ser citada pela Bloomberg. “Tal sugere que há mais margem para um ‘rally’”, acrescentam.

O banco de investimento considera ser “exequível” que Mario Draghi, na última reunião enquanto presidente do BCE (12 de setembro), anuncie um programa de compra de dívida de 25 mil milhões de euros por mês durante nove meses.     

As taxas de juro da dívida de diversos países europeias caíram para mínimos históricos depois de Draghi ter sinalizado em Sintra que o BCE iria adotar mais medidas para travar o abrandamento da economia europeia e impulsionar a inflação da região, que persiste bem longe da meta dos 2%.

O mercado incorporou que o banco central iria reativar o programa de compra de ativos e baixar a taxa dos depósitos, que já está em terreno negativo (-0,4%).

A “yield” das obrigações portuguesas a 10 anos baixou dos 0,30% na sessão de 3 de julho, sendo que desde então registou uma trajetória de agravamento, até aos 0,6% registados ontem de manhã. Esta terça-feira está de novo em queda acentuada, com uma descida de 5,4 pontos base para 0,52%.

Nos restantes países periféricos, que estão a ser beneficiados por esta nota do Goldman, a tendência é a mesma. A taxa das obrigações espanholas a 10 anos desce 5 pontos base para 0,45% e nas obrigações italianas com a mesma maturidade a descida é de 5,1 pontos base para 1,59%.

(Cargo) Eurostat: Porto de Sines ocupa 20º lugar do ‘ranking’ dos maiores portos da União Europeia

(Cargo) De acordo com o Eurostat, o Porto de Sines ocupa a vigésima posição no ranking dos maiores portos da União Europeia (UE) em termos de peso bruto de mercadorias movimentadas – os dados compilados pelo Eurostat dão conta que o porto alentejano movimentou 46,473 milhões de toneladas em 2017, entrando no top-20 de um ranking liderado pelos portos Roterdão (Holanda), de Antuérpia (Bélgica) e Hamburgo (Alemanha).

Os números do Eurostat revelam que os vinte maiores portos de carga da UE representaram cerca de 39% das toneladas totais de mercadorias movimentadas nos principais portos dos países inquiridos em 2017 (últimos dados disponíveis), denotando-se neste capítulo um ténue decréscimo face ao período homólogo. Sines, que 2017 contribuiu com 46,5 milhões de toneladas, teve a sua quota-parte fixada nos 48 milhões em 2016.

O líder, o Porto de Roterdão, sentou-se no trono com 433 milhões de toneladas, bem distante do segundo lugar, o porto belga de Antuérpia, que atingiu os 201 milhões de toneladas. O top-4, registe-se, conta apenas com países do Norte da Europa, havendo, no entanto, grande predominância para os portos mediterrânicos (com os portos de Marselha, em França, e Algeciras, em Espanha à cabeça).

O Porto de Sines tem apostado intensamente na sua internacionalização, que tem visto o seu incremento ser exponencial na relação comercial com a China: de acordo com dados apurados pela Revista Cargo, entre 2015 e 2018, a movimentação de mercadorias contentorizadas entre o Porto de Sines e os diversos portos chineses cresceu 19,7%.

(Xinhua) Portugal’s business investment expected to increase by 3.7 pct in 2019: stats

(Xinhua) LISBON, July 9 (Xinhua) — Business investment in Portugal is expected to increase by 3.7 percent in nominal terms in 2019, after a nominal growth of 4.7 percent last year, the National Statistical Institute of Portugal (INE) announced here on Tuesday.

Based on an investment survey conducted between April 1 and June 25, the INE report said that the increase in corporate investment in 2019 was revised downwards from the 4.4 percent increase estimated in the survey of last October.

The report also said that among the investment objectives, between 2018 and 2019, the relative weights of streamline production investment and extension of production capacity investment are expected to increase, adding that the replacement investment will continue to stand as the most mentioned investment objective.

The main limitative factors for business investment identified by the companies surveyed are the deterioration of sales perspectives, followed by the uncertainty about investment profitability, said the report.

Self-funding continues to be the main source of funding for the surveyed firms, weighting 65.7 percent and 65 percent of the total in 2018 and 2019, respectively, the report said. Enditem

(PUB) Um elogio dos alemães – Miguel Esteves Cardoso

(PUB) Os espanhóis que cá vêm tratam-nos de igual para igual. Os americanos são infantis mas são bem-educados. Só os alemães nos tratam com sobranceria como se tivéssemos sido criados para servi-los.

Chega um alemão da minha idade à esplanada onde estou a almoçar. Aponta para uma mesa e diz “three!”, em inglês contrariado. Não diz “boa tarde” nem “se faz favor”, nem sequer “please”. Não diz “table for three”. Só “three!”. Na véspera tinha reparado como não há espanhol que não diga “muito obrigado” enquanto muitos estrangeiros conseguem chegar a Portugal pensando que “gracias” chega para as encomendas.

Os espanhóis que cá vêm tratam-nos de igual para igual. Os americanos são infantis mas são bem-educados. Só os alemães nos tratam com sobranceria como se tivéssemos sido criados para servi-los.

“Coitados”, pensei, “são selvagens, não sabem comportar-se. Tanto podiam estar na Grécia como na Tunísia”.

Explicaram ao homem — em inglês — que não havia mesas, que era sábado, era Verão, era preciso reservar.

O homem retirou-se com um grunhido. Fiquei chocado. Disse-o a um dos empregados, que calmamente largou a bomba H: aquela besta daquele homem já mora em Portugal há 30 anos.

Há outros alemães — e são sempre alemães — que cá moram há 30 anos e que têm atitudes e comportamentos insuportáveis. Mas, pelo menos, aprenderam a falar umas palavras de português. A superioridade imaginária deles é ridícula mas pode ser contestada — e eles dispõem-se a defender-se, permitindo a discussão e até a cordialidade.

Felizmente, são só os alemães com mais de 60 anos de idade. Sendo mais velhos, só se salvam os aristocratas. É como a própria Alemanha: melhorou imenso em pouco tempo.

De que outro país se pode dizer a mesma optimista coisa?

(Diplomat) How Portugal Forged an Empire in Asia

(Diplomat) How did a small, impoverished kingdom on the edge of Europe become a global maritime power at the beginning of the 16th century?

In just a little over 16 years at the beginning of the 16th century, the impoverished Kingdom of Portugal, under the House of Aviz, became the dominant power in the Indian Ocean region and laid the foundation for one of the largest and longest-lived empires in world history. Between Vasco de Gama’s epoch-making 309-day voyage from Lisbon around the Cape of Good Hope and across the Indian Ocean to the docking at the Indian port of Calicut on May 20, 1498, and the death of the general Afonso de Albuquerque in December 1515, Portugal established a permanent foothold in Asia from which it would not be finally dislodged until 1999 when China repossessed Macau.

The Portuguese were the first exporters of shipborne western imperialism into Asia. As a result, the kings of Portugal, a country with a population of a little over a million in the middle of the 15th century, became rich monarchs, or rather “merchant capitalists, sucking in large monopolistic profits,” from the Asian spice trade (primarily cinnamon, cloves, and pepper) in the 16th century, according to Roger Crowley’s Conquerors: How Portugal Forged the First Global Empire. Muslim traders had dominated that trade, prior to the arrival of the Portuguese to the Indian Ocean, with monopolistic Venice as their European intermediary. The breaking of this monopoly was one of the principal objectives of Lisbon’s expansion into Asia. Profits reaped from the trade were enormous. For example, Vasco da Gama returned from his first voyage to India with cargo worth sixty times the initial capital investment. And despite annually dispatched Portuguese India Armadas suffering losses in ships and men of up to 35 percent, it remained hugely profitable throughout the 16th century.

Besides trade, the Portuguese, steeped in Iberian crusading traditions where the last Muslim outpost (Grenada) was only conquered in 1492, also ventured into Asia to outflank the Ottoman Empire and attack it from the rear by linking up with the mythical figure of Prester John, who was thought to rule a powerful Christian kingdom somewhere in the East.  Their ultimate goal was the liberation of Jerusalem. In other words, the Portuguese fidalgos (noblemen), sailors and soldiers saw themselves first and foremost as devout crusaders in the name of Christ. At the seafaring empire’s apogee in 1572, Portugal’s nobles, because of their daring exploits against infidels and conquests in Asia, considered themselves not less equal if not superior to the heroes of antiquity, as the poet Luís de Camões, in the dedicatory prologue to his epic poem, The Lusiads, boldly manifests: “Let us hear no more…of Ulysses and Aeneas and their long journeyings, no more of Alexander and Trajan and their famous victories. My theme is the daring and renown of the Portuguese, to whom Neptune and Mars alike give homage.”Enjoying this article? Click here to subscribe for full access. Just $5 a month.

Yet, how did the Portuguese come to dominate the Indian Ocean region and its trade routes in the first years of the 16th century?

As with any historical development, there are multiple reasons for Portuguese dominance at the beginning of the Age of Discovery, but one stands out: military power, predicated upon superior Portuguese naval gunnery, shipbuilding (e.g., the caravel, a light sailing ship that could sail windward), and seamanship paired with a ruthless fighting style, centered around the fidalgos’ honor code, which was infused by a deep-seated hatred of Muslims, and an “unbending ethic of retribution and punitive revenge,” according to Crowley. As the historian J.H. Elliot notes: “The history of the Portuguese intrusion into the Indian Ocean is an epic of ruthless savagery.” In the bloody annals of the European conquest of Asia, Portuguese barbarity stands out. Indeed, it apparently was an essential component of the Portuguese’s strategy to subdue the local populations. “This use of terror will bring great things to your obedience without the need to conquer them,” Afonso de Albuquerque, chief strategic mastermind behind the Portuguese expansion into Asia and intermittently known as “the Terrible” or “the Great,” wrote to the King of Portugal in 1510 after the sacking of the Indian city of Goa. “I haven’t left a single grave stone or Islamic structure standing,” he boldly claimed. In another letter to the king, he wrote: “I tell you, sire, the one thing that’s most essential in India: if you want to be loved and feared here, you must take full revenge.”

Exemplary terror and wanton violence were therefore integral to Portuguese expansion and the securing of trading rights in Asia right from the start of the European conquest. Diplomacy came second. Examples of Portuguese wanton violence abound throughout the historic record. For example, following Vasco da Gama’s first voyage, the nobleman Pedro Alvares Cabral was dispatched with a large fleet to the Indian Ocean. When the fleet stopped at Calicut in southern India on the Malabar coast in 1500, fighting ensued that killed over fifty Portuguese. In response, Cabral seized ten Arab merchant ships anchored at the port and killed over 600 of their crews. In addition, he bombarded the entire city with his ships’ artillery killing countless others.

During his second voyage to the region in 1502, Vasco da Gama attacked a ship carrying 240 Muslim pilgrims including women and children off the coast of Malabar and despite the vessel surrendering without a fight and the rich Muslim merchants offering their wealth, da Gama refused and decided to burn the ship and everyone on it. “[W]ith great cruelty and without any pity the admiral burned the ship and all who were in it,” an eyewitness recounted. The shock upon hearing of the massacre was profound, according to chroniclers, and Hindus and Muslims in India would not forget the heinous deed for centuries. During the same voyage, da Gama bombarded Calicut as further retribution for the attack on Cabral and his men in 1500, hanged 34 Muslim captives, had their heads, hands and feet cut off and sent the decapitated body parts in a small fishing boat with a letter attached to its prow to the city. In the letter, da Gama wrote: “I have come to this port to buy and sell and pay for your produce.  And here is the produce of this country. If you want our friendship you must pay for everything that you have taken in this port under your guarantee. (…) If you do that, we will immediately be friends.”

Da Gama’s behavior was the rule and not the exception. In December 1508, Portuguese naval forces attacked the Indian port city of Dabul (now Dabhol) breaching its defenses and slaughtering its populations indiscriminately after which it was burned to the ground. The assault on Dabul was in retribution for the earlier defeat of Portuguese forces by an Egyptian Mamluk fleet in the harbor of Chaul. Francisco de Almeida, whose son died at Chaul, told his captains prior to the attack to “instill terror in the enemy that you’re going after so that they remain completely traumatized (…)”  Crowley calls the attack “a black day in the history of European conquest that would leave the Portuguese cursed on Indian soil.” Along the Indian coast, a new curse would emerge around that time among the locals: “May the wrath of the Franks [Portuguese] fall upon you.” Afonso de Albuquerque, in a letter to the kind emphasized that although, your “Highness thinks one can keep them with good words, offers of peace and protection (…) the only thing they respect is force…No alliance can be established with any king or lord without military support.”

Yet, there was method to this violent madness.

Francisco de Almeida and Afonso de Albuquerque were cold-blooded killers, but they were also the chief architects of the permanent Portuguese presence in Asia. They were the first and second Viceroys of India and locked in fierce competition with one another. Crucially, both men, during their respective tenures, sought to expand the network of permanent fortified trading bases, stout forts along coastlines capable of withstanding prolonged sieges, in what was to be called the Estado da Índia—the state of India or Portugal’s Empire in the East. While under Almeida’s leadership, Portugal for the first time permanently stationed a fleet in Asia. And it was Albuquerque, who attempted to secure all strategic exit points of the Indian Ocean to put the entire oceangoing trade of the region under Portuguese control, a task for which Portuguese military resources, however, proved ultimately insufficient. “The Islamic world, even if divided within itself, was too extensive and too powerful to crumble beneath the attacks of a handful of Portuguese stretched out over vast areas,” Elliott writes. Consequently, the Portuguese were never able to establish a monopoly over the spice trade. They had to share it with the Mamluks in Cairo. However, because of the Portuguese, spice consumption in Europe more than doubled in the 16th century.

Despite the failure to control all trade in the Indian Ocean region, Albuquerque did seize Goa, “the Rome of the East,” which would become the lynchpin of Portugal’s presence in the region, and Malacca, the major port at the eastern entrance to the Indian Ocean and “the center and terminus of all the rich merchandise and trades (…) source of all the spices,” according to Albuquerque, who was the first to recognize it as the nerve center of all Indian Ocean trade.

By seizing Goa and Malacca, Albuquerque permanently established the Portuguese presence in Asia and laid the foundation for further expansion into Southeast and East Asia. When he died in 1515 off the coast of Goa, Portugal was an Asian power. The important role of Albuquerque in the establishment of this overseas empire cannot be overemphasized according to Crowley, who writes that the Portuguese general consolidated a revolutionary concept of empire:

The Portuguese were always aware of how few they were; many their early contests were against vastly unequal numbers. They quickly abandoned the notion of occupying large areas of territory. Instead, they evolved as a mantra the concept of flexible sea power tied to the occupation of defendable coastal forts and a network of bases. Supremacy at sea; their technological expertise in fortress building, navigation, cartography, and gunnery; their naval mobility and ability to coordinate operations over vast maritime spaces; the tenacity and continuity of their efforts—an investment over decades in shipbuilding, knowledge acquisition, and human resources—these facilitated a new form of long-range seaborne empire, able to control trade and resources across enormous distances.

The Portuguese’s immense cruelty as such in their subjugation of the Indian Ocean region and other parts of Asia was then partly the result of their numerical inferiority and the need to avoid unnecessary fighting. They did so by a brutal psychological warfare campaign that spread throughout the region by clearly conveying what would happen to those who resist Portuguese demands. As the historian William Greenlee writes, the Portuguese “were few in numbers and those who would come to India in future fleets would always be at numerical disadvantage; so that this treachery must be punished in a manner so decisive that the Portuguese would be feared and respected in the future. It was their superior artillery which would enable them to accomplish this end.”

However, it is worth pointing out that Crowley’s observation about the Portuguese’s multiple strengths and advantages under Albuquerque, neglects to mention some of their numerous shortcomings. For one thing, Portugal’s imperial ambitions in the East were chronically underfunded (the main ambitions of the Portuguese kings remained the Iberian Peninsula and North Africa.)

Furthermore, when it came to warfare, the Portuguese, especially the fidalgos, were slow to adapt to new methods of warfare. The Portuguese expansion into the Indian Ocean occurred at the time when medieval warfare, centered around the individual and hand-to-hand combat, was slowly passing and being replaced by a more modern Renaissance style of warfare, focused on massed formations (the so-called Swiss fighting tactics) and long-range fire (whether by crossbow or musket). The death of the medieval military culture, however, was slow and more than once Portuguese troops were defeated or almost met disaster because they chose to engage in close combat rather than rely on their superior fire power. Despite that clash of cultures, Portugal nevertheless prevailed.

The Portuguese triumphed in the 16th century in Asia because of their superior naval and military technology combined with seemingly boundless aggression and a propensity for cruelty and violence. Without a doubt, the Indian Ocean was not exactly a peaceful region prior to the arrival of the Portuguese. “A peaceful state never existed in South Asia,” the historian Upinder Singh notes in Political Violence in India describing three millennia of almost continuous warfare on the Indian subcontinent. If nothing else, the Portuguese just proved to be better navigators and killers throughout the 16th century than their Asian counterparts and utterly ruthless. Or as the Florentine merchant Piero Strozzi, who witnessed the Portuguese conquest of Goa, noted: “I think they [the Indians] are superior to us in infinite ways, except when it comes to fighting.”

(ECO) Lisboa vai ter zonas “castanha” e “preta”. Estacionar custará até 3€/hora

(ECO) Além de “verde”, “amarela” e “vermelha”, haverá duas novas cores no estacionamento na capital. Preços chegam aos três euros por hora, havendo limite de horas para ter o automóvel estacionado.

Vêm aí duas novas cores no estacionamento na capital portuguesa. Além da “verde”, “amarela” e “vermelha”, a autarquia prepara-se para avançar com as zonas “castanha” e “preta” em locais em que se verifica “maior pressão de estacionamento”. Com estas novas cores vêm preços ainda mais elevados, mas também limites ao tempo em que se pode deixar o automóvel estacionado.Famílias com bebés vão ter estacionamento à porta em Lisboa Ler Mais

Estas duas novas zonas de estacionamento localizam-se nas zonas de “maior pressão de estacionamento”, nomeadamente nas “zonas do eixo central”, revelou o vereador da mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar.

Estacionar nestes locais vai ficar mais caro, ainda mais do que o que já é nas zonas “vermelhas”, onde uma hora custa 1,60 euros. Nas zonas “castanhas”, estacionar o automóvel vai custar dois euros por hora.

Mais caro ainda será deixar o carro numa zona “preta”. A proposta da autarquia é de que a EMEL aumente o custo do estacionamento nestas zonas para três euros por hora, quase o dobro das zonas “vermelhas”. Nestas zonas “pretas” só será possível estacionar o carro até um máximo de duas horas.

À superfície, a EMEL tem 65 mil lugares de estacionamento tarifados e mais 8.600 para residentes. E está a criar 20 mil lugares pagos por ano, sendo que o objetivo da empresa pública de estacionamento de Lisboa, admitido por Luís Natal Marques, presidente da EMEL, é o de cobrir a totalidade da capital já no próximo ano.