Category Archives: Venezuela

(EurActiv) Spain PM Sánchez calls for Venezuelan migrant quotas

(EurActiv)

Venezuelan people wait in line to leave Brazilian territory, in Pacaraima, Brazil, 19 August 2018. Almost 1200 Venezuelan migrants have left Brazil during the last hours, following a violent incident where a campsite and belongings of Venezuelan people was burnt, according to numbers by the Brazilian Army. [Geraldo Maia/EPA/EFE]

Spain’s Prime Minister Pedro Sánchez said on Thursday (30 August) that Latin America should adopt a “quota system” to better manage the Venezuelan migrant crisis.

Sánchez was speaking on a trip to Colombia, which has been inundated with hundreds of thousands of Venezuelans fleeing economic meltdown in their homeland.

“If we think of Latin America as a supportive community, it’s clear that a quota system could be a good solution,” Sánchez told Blu Radio.

The socialist PM said it’s a similar deal to that which Spain is proposing in the European Union in the face of mass migration from Africa in particular.

Last month, the EU’s border agency warned that Spain is developing into the chief path for migrants trying to enter Europe.

Sánchez backs Morocco’s call for support to stem migrant flows

Spanish Prime Minister Pedro Sánchez has included Morroco’s pending demands of resources for border management, in a letter addressed to the European Commission requesting further emergency assistance to tackle the surge in migrant arrivals.

“This is a challenge affecting not just Spain, which is logically the border, but the whole European Union and that’s why we need solidarity amongst all member states,” said Sánchez during a two-day visit to Colombia, in which he met with President Ivan Duque, an ardent critic of Venezuela counterpart Nicolas Maduro.

In 2015 the EU came up with a quota plan to distribute migrants after more than a million arrived by sea as civil war in Syria saw numbers surge.

But many countries dragged their feet in agreeing to take in their quotas, while the likes of Hungary and Poland refused outright to accept refugees.

Some 1.6 million Venezuelans have fled the country since 2015 as four years of recession and hyperinflation the International Monetary Fund predicts will reach one million percent this year have left large swathes of the population in poverty.

Marco Rubio

@marcorubio

A reminder of how the Maduro regime in has become a security threat to the region, including the U.S.. https://www.cnn.com/2018/08/29/americas/venezuela-migrants-brazil-peru-colombia-intl/index.html 

Brazil sends troops to Venezuela border as migrant crisis worsens

Brazil is sending troops to its northern border to “guarantee law and order” amid an ongoing crisis which is seeing thousands of Venezuelans attempting to cross into neighboring countries and beyond.

cnn.com

And this in a country that in the past welcomed many migrants fleeing authoritarian regimes elsewhere.

James Cleverly

@JamesCleverly

The Socialist apocalypse that is has triggered a migrant crisis approaching the scale of the Syrian exodus.

How many more people will be sacrificed on the altar of this failed political theory before its proponents admit they are wrong? https://www.theguardian.com/world/2018/aug/25/venezuela-heading-for-crisis-moment-comparable-to-refugees-in-mediterranean-un-says 

Venezuela heading for ‘crisis moment’ comparable to refugees in Mediterranean, UN says

Growing numbers fleeing economic meltdown and political turmoil, threatening to overwhelm neighbour countries

theguardian.com

“Venezuela was a place that welcomed many Spaniards, Galicians, Canary Islanders… during the Francoist dictatorship,” said Sánchez, referring to the 36-year reign of Francisco Franco from 1939 to 1975.

“The lived and prospered there. So we’re a country with great solidarity. We feel very close to this drama that Venezuela is going through so we hope that Venezuelans will open a dialogue.”

Some 2.3 million Venezuelans live outside the country of 30.6 million, according to the UN, with the numbers heading to Colombia, Ecuador, Peru, Chile, Argentina and Brazil steadily increasing.

Venezuela’s far-left authorities have dismissed the claims of economic crisis as fake news and a “right-wing plot,” blaming the country’s troubles on United States and EU led sanctions.

(BBG) Venezuela’s Neighbors Join Forces to Contain Crushing Flow of Refugees

(BBG) Venezuela’s accelerating slide toward mass starvation has become a continental disaster and South American governments this week began trying to manage it together.

With thousands of migrants pouring over the border — an outflow equal to the Mediterranean refugee crisis — government officials are meeting in Colombia, Peru and Ecuador to coordinate a response that so far has been haphazard. On the agenda are measures to prevent epidemics, harmonize identification requirements and share the burden of relief.

“The migration crisis is putting Venezuela squarely on the table in a way we haven’t seen so far,” said Geoff Ramsey, an analyst at the Washington Office on Latin America, a research organization that works for human rights. “It’s no longer an internal affair.”

In all, 2.3 million Venezuelans live outside the country, with more than 1.6 million fleeing the ravaged petrostate since 2015, according to the United Nations High Commissioner for Refugees. That’s roughly equal to the flow of migrants to Europe in the same period. The crisis looks likely to worsen as oil output plunges thanks to mismanagement, and hyperinflation defies attempts to rein it in.

Open Question

There’s another discussion on what to do about Venezuelan President Nicolas Maduro, a socialist autocrat who has withstood protests, coup and assassination attempts and U.S. sanctions. Peru and Argentina said this month that they will join Chile, Colombia and Paraguay to accuse Maduro of crimes against humanity at the International Criminal Court in the Hague. Leaders have called for elections and the restoration of Venezuela’s nullified National Assembly, but U.S. President Donald Trump’s suggestions of military intervention have few backers. Instead, neighboring countries are contending with the burden Maduro has handed them.

In Boa Vista, Brazil, the capital of impoverished Roraima state, the situation is desperate. Dom Mario Antonio da Silva, the state’s Catholic bishop, said Wednesday that about 25,000 refugees have reached the city, and as many as 4,000 sleep on the streets. The church is offering food baskets, serving breakfast to 1,200 people and teaching migrants Portuguese.

“What we need are effective immigration policies,” da Silva said. “At the moment, we have no immigration policies. What Brazil is doing at the moment is just first aid, emergency measures.”

Common Cause

This week, officials from Colombia, Peru, Ecuador and Brazil met in Bogota to discuss joint strategies on health care, schooling and employment for migrants. On Wednesday, there were further meetings in Lima to formulate a request to organizations including the UN and the Red Cross to step up financial and logistical support, said Enrique Bustamante, head of policy at Peru’s immigration agency.

“The number of Venezuelan migrants in the region is unprecedented,” he said. “There’s never been a migratory flow like this in such a short time.”

Ministers from as many as 14 countries and 10 international organizations are to meet Sept. 3-4 in Quito, Ecuador, to discuss the crisis more broadly.

Catching Up

Not a moment too soon, said Ian Vasquez, director of the libertarian Cato Institute’s Center for Global Liberty and Prosperity in Washington. “The region appears unprepared and surprised,” he said. “It’s turning into a wider humanitarian crisis.”

The costs of an effective response are unknown. So far, the U.S. is spendingmore than $65 million on development and humanitarian assistance. Nikki Haley, the U.S. envoy to the UN, visited Colombia’s border with Venezuela this month and said the burden on neighboring countries compelled the U.S. to act.

“When a region condemns one of their own, the international community listens,” she said.

The U.S is sending a Navy hospital ship to Colombian waters in September, and China is dispatching a similar vessel to Venezuela itself.

Pay Now

The UN High Commissioner is halfway to funding a $46.1 million mission in which it is working with governments to improve asylum and refugee management systems and meeting basic needs. Olga Sarrado, a spokeswoman on Venezuelan matters, stressed the need for donor countries to immediately provide the rest of the money. Humanitarian organizations and governments are being swamped by the almost 5,000 people who leave daily, she said.

“They are still responding, they are not overwhelmed, but they are reaching a saturation point,” she said Wednesday night.

Colombia, which has a 1,400-mile border with Venezuela, has borne the brunt, with almost a million migrants now in the country, according to authorities. But Colombia has its own problems, including one of the region’s highest unemployment rates, and it has tightened visa rules and deployed troops to patrol informal border crossings.

At a Bogota restaurant called Caraota (Venezuelan dialect for “bean”), owner Jorge Lara has a stack of resumes from Venezuelan migrants. He gets two or three per day.

“They don’t mind what type of work it is,” Lara said Wednesday at his restaurant, which sells Venezuelan staples such as arepas. “They are simply looking to get established, to get some income as soon as possible.”

Closing Crossings

Many Venezuelans continue south over land. But Peru and Ecuador this month barred immigrants without passports. Ecuador suspended the measure after a judge’s order, but the government introduced a requirement for still more documentation. Peru said it would accept children, pregnant women without passports as well as those requesting refugee status.

Brazil President Michel Temer said that the deteriorating situation is increasing tensions not only along the remote northern border, but throughout the region. An influx of as many as 800 Venezuelans per day is overwhelming efforts to vaccinate the new arrivals against measles and other illnesses, and this week soldiers were sent to help with patrols and humanitarian aid. The country is considering restricting border passage by handing out numbered tickets or vouchers, Temer said.

“Our policy and that of international accords is to offer refuge, but the ideal for us is that they receive our humanitarian aid there and could stay there,” Temer said.

Freedom Flights

The government has tried to alleviate pressure on remote border towns by relocating some Venezuelans. On Tuesday, television broadcasts showed jets taking off from Boa Vista carrying Venezuelan refugees south. Each was to get a work permit.

They aren’t the only migrants in the air — Maduro earlier this week tried for a public relations coup: On Monday, one day before Peru declared a state of emergency, 89 Venezuelans were flown from Lima. The repatriated group had supposedly contacted the Venezuelan Embassy after xenophobic and inhumane treatment. They arrived in Caracas to applause and tearful embraces. The spectacle was all captured by state television.

“To all who want to return from economic slavery, persecution and hate, stop scrubbing toilets in other countries and come back home,” Maduro said. He spoke from his presidential palace.

(Economist) Hocus pocus economics in Venezuela

(Economist) The socialist regime’s plan to rescue the economy will probably fail

NICOLÁS MADURO calls it “a really impressive magic formula”. His paquetazo rojo (big red package) features a new currency that lops five zeroes off the nearly worthless bolívar, a sharp increase in the price of fuel and a rise in the minimum wage of more than 3,000%.

Forget magic. The president’s formula, even with some welcome new bits of realism, will almost certainly fail to rescue Venezuelans from their economic agony.

Venezuela has the world’s worst-performing economy among countries not at war. GDP fell by more than a third between 2013 and 2017. Inflation could pass a million per cent this year, says the IMF. The country with the world’s largest oil reserves cannot import enough food and medicine. Water shortages and blackouts plague cities. More than 2m Venezuelans have fled, unsettling neighbours (see article).

Mr Maduro says this is the fault of “imperialist” powers like America, which are waging “economic war” on Venezuela. In fact, the catastrophe is caused by the crackpot socialism introduced by Hugo Chávez and continued by Mr Maduro after Chávez’s death in 2013. Expropriations and price controls have undermined private firms, depressing production. Corruption has subverted the state. Mismanagement of PDVSA, the state-owned oil company, has caused oil output to drop by half since 2014. Just as the regime has asphyxiated democracy, by rigging elections and governing without reference to the opposition-controlled legislature, so it has strangled the economy.

Belatedly, Mr Maduro has recognised the need for change. He has admitted for the first time that hyperinflation is caused by the unbridled creation of money to finance the budget deficit, which will exceed 30% of GDP this year, according to the IMF. By reducing fuel subsidies and raising taxes, he now aims for a “zero deficit”. His paquetazo devalues the currency from the official rate of 250,000 old bolívares to the dollar—available to a favoured few—to the market rate of 6m.

But Mr Maduro has set up his plan to fail. The new “sovereign bolívar” is supposedly pegged to the petro, a new unit of account that is ostensibly backed by oil reserves. But since no one knows how the petro will work and nothing binds the new currency to it, this peg inspires little confidence. In practice, the regime can still print as many bolívares as it chooses. The pledge to eliminate the budget deficit is undermined by a recent tax break for the oil industry and the rise in the minimum wage. This will swell the public-sector wage bill, stoke even more inflation and bankrupt firms. There is talk of tougher price controls, which would further discourage production.

A hat with no rabbit

With somebody else in charge, Venezuela might still have a chance. A competent president would keep parts of Mr Maduro’s therapy, such as the devaluation, and add new remedies. Business would be freed from price controls and given legal security. The bolívar would be issued by a truly independent central bank, or perhaps replaced by the dollar. Venezuela would gain external credibility and financial support by negotiating an adjustment agreement with the IMF. It would start serious negotiations to restructure its foreign debt.

All this would need the co-operation of the opposition and of the international community. It is hard to imagine any of it happening while Mr Maduro is president. Venezuela needs real reform, not hocus-pocus.

(GUA) Fleeing Venezuelans face suspicion and hostility as migration crisis worsens

(GUA) Ecuadorian border town struggling to cope with exodus driven by economic collapse and political turmoil

Venezuelans queue to register their exit from Colombia before entering into Ecuador at Rumichaca Bridge.
 Venezuelans queue to register their exit from Colombia before entering into Ecuador at Rumichaca Bridge. Photograph: Reuters

Nicolás Maduro has belittled the hundreds of thousands of Venezuelans fleeing across the Andes as gullible “slaves and beggars” duped into scrubbing foreign toilets by enemies of the Bolivarian revolution.

The United Nations said 2.3 million people, more than 7% of Venezuela’spopulation, have left the country since 2015, with most heading to Brazil, Chile, Colombia, Ecuador and Peru. Half a million have arrived this year in Ecuador alone.

But when Daniel Luquez, an unemployed carpenter, set off from his home in the city of Guanare in July he was not, as Venezuela’s president recently scoffed, chasing “the honeys” of a life abroad. He was fighting for his daughter’s life.

Two-year-old Jolismar was diagnosed with thoracic cancer last year after doctors found a small lump near her heart. On Tuesday, and after an arduous three-week journey across Colombia, her father arrived in the Ecuadorian border town of Tulcán determined to earn the money to support his ailing daughter as she undergoes chemotherapy back in their rapidly unravelling nation.

“Getting here was tough, but I have to battle for my family,” said Luquez, 27, who hitchhiked and hobbled almost 1,200 miles to Ecuador. Six years ago his left leg was amputated as a result of a car crash.

Daniel Luquez,27, travelled 1,200 miles and is one of more than 500 000 people who have crossed into northern Ecuador this year.
Pinterest
 Daniel Luquez,27, travelled 1,200 miles and is one of more than 500 000 people who have crossed into northern Ecuador this year. Photograph: Tom Phillips for the Guardian

Luquez is one of the more than 500,000 Venezuelans who have crossed into northern Ecuador via Colombia this year as his country’s migration crisis escalates. Regional governments struggle to cope with the humanitarian and political fallout from one of the largest mass migrations in Latin American history.

The exodus appears to have accelerated in recent weeks with almost 43,000 Venezuelans streaming into Tulcán over Rumichaca Bridge in the first 14 days of August alone.

José de la Fuente, the regional head of the UN’s refugee agency, UNHCR, said the number could hit 100,000 by the end of this month. “I don’t think anybody imagined a crisis of this size,” he said.

Andrea Obando, who is leading the humanitarian response for Tulcán’s town hall, said even 50 years of conflict involving Colombian paramilitaries and guerrillas had not pushed so many people across the border.

Maduro, who took power after Hugo Chávez’s death in 2013, has struck a defiant tone after the recent attempt to assassinate him, detaining political foes and vowing to revive Venezuela’s nosediving economy.

“I want the country to recover and I have the formula. Trust me,” he said in a televised address on Friday, announcing a major currency devaluation many economists say will make the situation even worse.

Crowds of Venezuelan migrants wait to cross into Ecuador on the Rumichaca bridge.
Pinterest
 Crowds of Venezuelan migrants wait to cross into Ecuador on the Rumichaca bridge. Photograph: Tom Phillips Latin America correspondent for the Guardian

But with no hint of the economic or migratory crises easing, Venezuela’s neighbours appear to be losing patience.

Brazil, which has taken in tens of thousands of Venezuelans, briefly sealed its northern border in early August, with regional authorities claiming they could no longer cope. “If we carry on like this, by the end of the year we will have lost control of the city,” warned the mayor of Boa Vista, which is near the border.

On Saturday, angry Brazilians set fire to migrant camps in the frontier town of Pacaraima and forced about 1,200 Venezuelan immigrants back over the border after a restaurant owner was robbed and stabbed – allegedly by Venezuelans. The Venezuelan foreign ministry expressed concern over the attacks and urged Brazil to protect the immigrants and their property. Brazil said it would send extra troops to the Roraima border to counter the unrest.

Earlier this year, Chile and Colombia introduced measures designed to deter Venezuelans from coming, and this week Ecuador and Peru followed suit, announcing they would only admit those with passports, something many lack because of the turmoil back home.

Ecuador’s decision was denounced by activists as unconstitutional and inhumane. But it will please some in Tulcán, a picturesque but economically depressed settlement of about 60,000 residents.

Hundreds of them marched through its streets on Thursday, demanding urgent action from President Lenín Moreno to rescue its economy and slow the influx of Venezuelans , some of whom can be seen sleeping rough and begging in parks and squares.

Hundreds of locals take to the streets of Tulcán to protest the arrival of thousands of Venezuelan migrants.
Pinterest
 Hundreds of locals take to the streets of Tulcán, Ecuador to protest against the arrival of thousands of Venezuelan migrants. Photograph: Tom Phillips Latin America correspondent for the Guardian

“You can help five, 10 or 20 Venezuelans but you can’t help … 10,000,” said Jairo Pozo, a business owner behind the protest, accusing “these Venezuelan gentlemen” of stealing Ecuadorian jobs and wallets.

Marco Sánchez, a 32-year-old demonstrator, said he was disturbed by the presence of “this type of person”, claiming: “Lots of people basically come here come to steal.”

Obando said she was concerned about rising xenophobia and blamed local media for sensationalising a handful of offences committed by Venezuelans. Starving incomers had committed some petty crimes, she said, but added that official figures gave lie to claims Tulcán was in the grip of a crime wave.

She said Ecuador’s “arbitrary” decision to bar passport-less Venezuelans would strand many in Tulcán or push them into the hands of people smugglers. Authorities already knew of 25 smuggling trails around the town, she said: “This is going to skyrocket.”

That Venezuela’s exodus will continue is obvious from the tales of despair that abound on Rumichaca Bridge, where thousands assemble each day en route to a new life and a Jehovah’s Witness volunteer has erected a sign posing the question on everyone’s mind: “When will the suffering end?”

Yemila Urribarri, a 42-year-old psychologist from Maracaibo who was fleeing to Peru with her 14-year-old son Jhoel.
Pinterest
 Yemila Urribarri, a 42-year-old psychologist from Maracaibo who is fleeing to Peru with her 14-year-old son, Jhoel. Photograph: Tom Phillips, Latin America correspondent for the Guardian

Yemila Urribarri, a 42-year-old psychologist from Maracaibo who is fleeing to Peru with her 14-year-old son, said her country was disintegrating. “There are children dying of hunger,” she said, her eyes glazing over with tears.

Andrés Chacin, a 21-year-old politics graduate who was Argentina-bound, said his generation had also lost hope: “Eighty per cent of my friends have already emigrated.”

With Maduro clinging on and Venezuela’s opposition divided, Chacin said he sees international pressure as the only chance of change. “Vladimir Putin will decide [what happens]. Xi Jinping will decide. Latin American governments will decide. Nobody else,” he said.

Others on the bridge had more extreme suggestions. “There’s only one way to solve this: kill him – a bomb on Miraflores,” said Alex Ribero, a gold-miner from Ciudad Bolívar, referring to the presidential palace.

A group of backpackers from Germany and New Zealand looked on in disbelief having unwittingly stumbled into the humanitarian emergency. “I’ve never been part of something like this … I had no idea what we were going to be coming into,” said Ashleigh Mcquarters, a 32-year-old accountant who was among the crowd queuing to enter Ecuador.

Over coffee and cake, now unthinkable luxuries back home, Luquez recalled starting his expedition in July with less than a dollar in his pocket. He crossed into Colombia at the town of Arauquita and initially planned to stay in BogotáBut he abandoned Colombia’s capital after being accosted by a local resident who told him “venecos”, a derogatory word for Venezuelans, were not welcome.

Daniel Luquez in Tulcán.
Pinterest
 Daniel Luquez in Tulcán. Photograph: Tom Phillips Latin America correspondent for the Guardian

On his crutches, Luquez hitched and hiked his way south through Cali, over Ecuador’s border and finally to Tulcán where he sells sweets on street corners from 7am to 7pm to help pay for his daughter’s treatment.

“It’s hard. You go three or four days without washing … and if you do take a bath it’s in a river … I never thought I’d go through something like this. I never thought I’d have to leave my country,” he said. “Never.”

That night Luquez retired to the shabby $50-a-month hostel where he has rented a room with help from an international charity. He logged on to its wi-fi network and typed a message into his phone.

“My family is the most important thing to me,” it read. “You don’t know how much I wish they were here with me.”

(OBS) Como um ex-ministro e um ex-assessor de Sócrates ajudaram o rei do pernil de porco a conquistar a Venezuela

(OBS)

Mário Lino é chairman da Iguarivarius, que já faturou mais de 200 milhões de euros na Venezuela. O negócio começou com a diplomacia económica de José Sócrates — e continuou com a de Paulo Portas.

“Na Venezuela nada está confirmado até que já tenha acontecido. Na Venezuela, os imprevistos deverão estar sempre previstos”
Lema de um diplomata português acreditado em Caracas

Era uma oportunidade única. Para Portugal, para as exportações — mas, acima de tudo, para uma empresa chamada Iguarivarius. Num tempo em que o primeiro-ministro José Sócrates era muito próximo de Hugo Chávez, a Venezuela transformou-se, entre 2006 e 2012, num Eldorado para algumas empresas ligadas a bens alimentares e à construção civil. Mas poucos ganharam mais do que o Grupovarius — que detém a sociedade Iguarivarius, um trader de produtos alimentares e não alimentares que ganhou notoriedade no Natal de 2017, ao ser acusado de sabotagem económica por Nicolás Maduro, presidente da Venezuela.

O líder do Grupovarius chama-se Alexandre Cavalleri. Este gestor, que começou por ser conhecido na zona de Sintra como porteiro de uma discoteca chamada “Maria Bolacha”, conseguiu construir relações próximas com as autoridades venezuelanas — e contratou ou fez sociedade com figuras próximas dos dois homens que mais promoveram as relações comerciais entre Portugal e a Venezuela: José Sócrates e Paulo Portas.

Uma dessas figuras políticas é Mário Lino, o poderoso ministro das Obras Públicas de Sócrates que, com o seu colega Manuel Pinho, ficou famoso junto do presidente Hugo Chávez como a dupla “Pino & Lino” (que até serviu como material para sketches humorísticos). Depois de ter sido um dos protagonistas nas embaixadas económicas na Venezuela, Lino tomou posse a 11 de janeiro de 2011 como administrador da empresa de Cavalleri e passou a chairman da Iguarivarius em março de 2013. Outro homem próximo de Sócrates é Vitor Escária, ex-assessor económico de José Sócrates. Em 2012, recebeu da sociedade rendimentos de 12 mil euros e, dois anos depois, tornou-se sócio da holding familiar que Alexandre Cavalleri utiliza para controlar a Iguarivarius.

Manuel Brandão é a terceira cara conhecida da empresa. Entre 2011 e 2014 foi administrador da AICEP Portugal Global com o pelouro da exportação. Homem de confiança de Portas, foi seu chefe de gabinete no Ministério da Defesa no Governo de Durão Barroso. Enquanto gestor público, acompanhou a Iguarivarius como empresa exportadora para a Venezuela. E, depois de deixar a AICEP, acabou como seu consultor e, já em novembro de 2017, passou a administrador.

A empresa Iguarivarius já faturou mais de 200 milhões de euros com contratos públicos que celebrou com o país agora liderado por Nicolás Maduro. Só com a venda de pernil de porco a sociedade de Cavalleri já ganhou mais de 100 milhões de euros. Alguns desses contratos são pagos em contas bancárias do Grupo da Iguarivarius em Portugal e na Suíça, apurou o Observador.

Alexandre Cavalleri, Mário Lino e Manuel Brandão recusaram responder por telefone e por escrito às perguntas do Observador, apesar das tentativas de contacto ao longo dos últimos meses.

Alexandre Cavalleri (segundo a contar da esquerda) com Mário Lino e Bruno de Carvalho, então presidente do Sporting. Foto retirada do Facebook do Grupovarius

A descoberta do “mercado da saudade” na Venezuela

Estávamos em 2005. O Governo de José Sócrates tinha tomado posse em março e era a primeira vez que Fernando Serrasqueiro representava Portugal nas cerimónias do 10 de junho. Secretário de Estado do Comércio, homem de grande confiança do primeiro-ministro e seu fiel escudeiro desde os tempos de luta pelo poder na Federação de Castelo Branco do PS, estava convencido de que iria ser uma viagem para cumprir calendário.

Mas este beirão, de baixa estatura e muito ágil a pensar, apercebeu-se no primeiro contacto com o seu homólogo e outros representantes de entidades públicas da Venezuela que existia ali uma oportunidade. A comunidade de portugueses, essencialmente com origem madeirense, tinha uma forte ligação cultural ao seu país, o que fazia com que existisse uma necessidade de importar bens alimentares como bacalhau, azeite, vinho, conservas de peixe, etc. As necessidades do chamado “mercado da saudade” abriam boas possibilidades para o crescimento das exportações portuguesas.

Vitor Escária, assessor de Sócrates que viria a ser sócio da holding familiar de Alexandre Cavalleri, recordou a conversa entre Serrasqueiro e Sócrates: “Eh pá, temos lá 500 mil pessoas. É uma oportunidade de aumentar as exportações. Ainda por cima dás-te bem com o Hugo Chávez”. Serrasqueiro recebeu luz verde para preparar “um protocolo” entre os dois países.

Serrasqueiro percebeu igualmente que, atendendo à ideia dirigista que o partido de Chávez tinha da economia, havia diversas empresas públicas e fundos soberanos que financiavam as importações de bens alimentares e não alimentares de que a Venezuela necessitava e distribuíam as mesmas por uma rede de supermercados públicos. Tudo isso era financiado por diversos fundos soberanos alimentados com as receitas da venda de petróleo através da poderosa PDVSA — Petróleos da Venezuela liderada por Rafael (‘Rafa’ para o amigos) Ramirez.

Chegado a Portugal, Serrasqueiro informou o primeiro-ministro José Sócrates dos contactos que tinha tido com o Governo de Hugo Chávez.  O diálogo seria recordado mais tarde, no âmbito de uma inquirição como testemunha na Operação Marquês, por Vitor Escária. “Eh pá, temos lá 500 mil pessoas, nós exportamos 16 milhões de euros para a Venezuela. A nossa comunidade quer bacalhau, quer queijo, quer azeite e não consegue importar por causa dos mercados de divisas. É uma oportunidade de aumentar as exportações. Ainda por cima, dás-te bem com o primeiro-ministro [Hugo Chávez]”, citou Escária, aludindo à boa relação entre Sócrates e Chávez. José Sócrates deu luz verde a Serrasqueiro para avançar e começou a preparar-se “um protocolo” entre Portugal e a Venezuela.

Ainda em 2005, Fernando Serrasqueiro fez nova viagem à Venezuela, mas desta vez levou consigo uma comitiva de empresários diretamente ligados aos produtos que os venezuelanos mais desejavam: leite em pó, produtos alimentares diversos — e pernil de porco. Os negócios, contudo, ainda iriam demorar algum tempo a concretizar-se.

Voltar ao índice

O primeiro acordo com a Venezuela

Só em fevereiro de 2008 começaram a aparecer os primeiros resultados dessas viagens. Dois homens que viriam a cair em desgraça nos respetivos países anos depois reuniram-se em Lisboa no Ministério da Economia, na zona do Chiado. Um era Manuel Pinho, ex-administrador do Banco Espírito Santo ‘emprestado’ à política por Ricardo Salgado como titular da pasta da Economia do Governo Sócrates. O outro era o ministro ‘Rafa’ Ramirez, o poderoso braço-direito do presidente Hugo Chávez que conhecia bem Salgado e que tem hoje um mandado de captura na Venezuela por suspeitas de ter desviado fundos da empresa PDVSA — Petróleos da Venezuela, acontecendo o mesmo com diversos responsáveis de fundos como o Bariven e o Fonden — Fundo de Desenvolvimento Nacional que financiaram a importação de bens alimentares como o pernil de porco.

Pinho e Ramirez assinaram, perante o olhar e as lentes de toda a comunicação social, um acordo que pretendia elevar as exportações portuguesas para a Venezuela de uns irrelevantes 12 milhões de euros, em 2005, para 200 milhões de euros logo naquele ano— acordo esse que seria validado meses mais tarde na primeira visita oficial de José Sócrates a Caracas a convite de Hugo Chávez.

Manuel Pinho, ministro da Economia (à esquerda), e Rafael Ramirez, ministro da Energia e do Petróleo e presidente da PDVSA (à direita) a 3 de fevereiro de 2008 em Lisboa

O negócio explica-se em poucas palavras. A Venezuela comprava bens alimentares a empresas portuguesas e vendia petróleo à Galp. Os fundos pagos à Galp ficariam depositados numa conta da Caixa Geral de Depósitos e serviriam como garantia de pagamento dos produtos que as empresas portuguesas exportassem para a Venezuela. O acordo tinha uma espécie de plafond: os tais 200 milhões de euros. Na prática, tal valor correspondia a dois barcos de crude por ano.

O próprio Manuel Pinho explicou que as exportações portuguesas seguiriam uma “lista previamente acordada” de produtos selecionados pela Venezuela. Assim, as áreas prioritárias seriam produtos alimentares, energias renováveis, construção e engenharia civil, medicamentos e construção naval.

Dois homens que viriam a cair em desgraça anos depois, reuniram-se em Lisboa para aumentar as exportações de Portugal para a Venezuela de 12 milhões para 200 milhões de euros. Um era Manuel Pinho, ex-administrador do BES ’emprestado’ à política por Ricardo Salgado. O outro era o ministro ‘Rafa’ Ramirez, o poderoso braço-direito do presidente Chávez.

Em 2012, quando José Sócrates já não estava no poder, as exportações para a Venezuela atingiram um total de 313,3 milhões de euros. A Venezuela posicionou-se como o terceiro maior cliente de Portugal na zona da América Latina e Caraíbas — logo a seguir ao Brasil e ao México.

Voltar ao índice

Como funcionava a diplomacia económica

As embaixadas económicas eram preparadas a partir do gabinete de José Sócrates. Os seus assessores contactavam os ministérios setoriais e tentavam perceber, pela via diplomática, quais os interesses em cada país que podiam justificar uma visita oficial do primeiro-ministro. Depois, pediam ao então ICEP (organização antecessora da AICEP Portugal Global) e ao Ministério da Economia que indicassem quais as empresas interessadas em integrar a comitiva. Mas estabeleciam regras criteriosas: o Governo só levava empresas que já estivessem eventualmente estabelecidas naquele país, que tivessem investimentos ou pretensões económicas para isso. Ainda assim, existiam exceções.

Vítor Escária era um dos três responsáveis pela seleção. “Fazíamos uma pontuação e definíamos”, tendo também em conta “os lugares que tínhamos no avião”, explicou ao procurador Rosário Teixeira quando, a 20 de março de 2015, foi inquirido no âmbito da Operação Marquês. Mas existiam alguns casos que fugiam à regra. “Tínhamos que aceder a alguns ministérios que diziam: ‘Pá, mas atenção porque na nossa área é muito importante levar este ou o outro’. E era assim”.

Depois de uma primeira visita oficial a Angola em 2006 — uma visita particularmente importante para o PS devido às relações difíceis que sempre existiram entre o MPLA e os socialistas –, seguiu-se a Venezuela. Após as primeiras démarches do secretário de Estado Fernando Serrasqueiro, Escária acaba por ir à Venezuela pela primeira vez em 2008. Guilherme Dray, à data chefe de gabinete de Mário Lino, recorda-se bem dessa visita. Também nas declarações que prestou no âmbito do processo da Operação Marquês, contou como os venezuelanos se organizaram do “ponto de vista coreográfico”. No Hotel Pestana, de Caracas, “arranjaram várias salas” e depois chamavam os interessados por temas. “Agora queremos falar sobre… leite em pó” e “então ia o ministro correspondente”; “Agora queremos falar sobre outro assunto e assim acontecia”.

Em Moçambique, verificou-se outra situação “coreográfica”, para utilizar as palavras de Guilherme Dray, semelhante, mas o palco era um pouco diferente. Durante um jantar de Estado oferecido a José Sócrates em Maputo por Armando Guebuza, então presidente moçambicano, Vitor Escária foi chamado pelo seu chefe a propósito da necessidade de construir residências para os atletas dos Jogos Pan-Africanos organizados por Moçambique. “Em África é uma coisa um bocado surreal porque nós não estamos numa sala todos juntos a jantar. Num palanque está uma mesa presidencial [com Guebuza e Sócrates], eles estão lá em cima, depois está o povo cá em baixo. Ele [Sócrates] faz-me um sinal, eu tenho que subir, passar por trás dele (…) e ele diz-me: ‘Quem é que temos aqui de empresas portuguesas que possam fazer casas (…)’, contou Vítor Escária ao procurador Rosário Teixeira.

“Eu olhei”, continuou Escária, “e disse: ‘(…) à volta da mesa estava o eng. António Mota, da Mota Engil, e o Pedro Gonçalves, da Soares da Costa, (…) que eram as duas empresas portuguesas com maior implementação em Moçambique — talvez as únicas que têm capacidade para isto’. José Sócrates respondeu de pronto: ‘Chame-me cá o eng. António Mota’. Eu desci [do palanque], fui chamar o eng. António Mota — portanto isto tudo durante um banquete — o eng. António Mota sobe e então combinam que era preciso fazer não sei quantas casas, que tinham que ser feitas em nove meses (…)”, concluiu o ex-assessor económico de José Sócrates.

Guilherme Dray, à data braço direito de Mário Lino, contou como os venezuelanos se organizaram do “ponto de vista coreográfico”. No Hotel Pestana de Caracas “arranjaram várias salas” e depois chamavam os interessados. “Agora queremos falar sobre… leite em pó” e “então ia o ministro correspondente”. Pinho e Lino acompanhavam de perto estas negociações.

Regressando à Venezuela. Manuel Pinho, do lado da Economia, e Mário Lino, do lado das Obras Públicas, eram os ministros portugueses mais importantes. Ambos acompanhavam muito de perto estas negociações que decorriam entre empresas públicas venezuelanas e empresas privadas portuguesas, tendo sido criado um órgão específico (que ainda hoje funciona) para acompanhar a execução dos contratos assinados: a Comissão de Acompanhamento Portugal-Venezuela.

Lino, por exemplo, acompanhava a possibilidade de contratos para a construção de 12.512 habitações por parte do Grupo Lena de Joaquim Barroca e Carlos Santos Silva — matéria que veio a culminar em 2008 na assinatura de um contrato com a Venezuela avaliado em cerca 988 milhões de dólares (cerca de 838 milhões de euros). Além de outros importantes contratos de obras públicas que vieram a ser assinados com a construtora Teixeira Duarte. Mais tarde, mudou-se para o outro lado da barricada e representou a Iguarivarius nos trabalhos da Comissão de Acompanhamento Portugal-Venezuela.

Este contrato do Lena veio a a ser escalpelizado na acusação da Operação Marquês, que culminou com a imputação de um alegado crime de corrupção a José Sócrates por ter aceitado “utilizar o seu cargo como primeiro-ministro” e as relações privilegiadas com o Governo venezuelano “em benefício do Grupo Lena, a troco do recebimento de vantagens patrimoniais a que bem sabia não ter direito”, tendo-se “socorrido de colaboradores que lhe eram próximos e da sua confiança, a fim de, segundo as suas indicações, prestarem o específico apoio ao Grupo Lena” naquela missão. Vítor Escária, seu assessor económico, e Guilherme Dray, seu chefe de gabinete e ex-chefe de gabinete de Mário Lino, eram essas pessoas visadas pelo procurador Rosário Teixeira mas, tal como Lino, não foram acusados de qualquer crime. Pelo contrário, as suspeitas que existiam contra si foram arquivadas.

Escária, contudo, acabou por ser constituído arguido no caso das viagens do Euro 2016 pelo alegado crime de recebimento indevido de vantagem — investigação que ainda não terminou.

Voltar ao índice

Vítor Escária, ex-assessor de Sócrates que foi sócio de Cavalleri

Vítor Escária é um economista prestigiado. Professor do Instituto Superior de Economia e Gestão, foi o principal assessor económico do primeiro-ministro José Sócrates entre 2005 e 2011, tendo regressado a esse posto em 2015 com António Costa quando este substituiu Passos Coelho. Chegou a ser escolhido em 2013 por Augusto Mateus, ex-ministro de António Guterres, como uma das “Caras do Futuro” do país.

De acordo com documentos da Autoridade Tributária, Escária trabalhou para a Iguarivarius durante o ano fiscal de 2012, tendo declarado rendimentos de 12 mil euros. Foram os únicos rendimentos da Iguarivarius que Escária terá declarado ao Fisco.

Contudo, dois anos depois, mais concretamente a 22 de maio de 2014, Escária é apresentado nas páginas do Diário Económico como membro do Conselho Consultivo da Iguarivarius. Três dias antes, a 19 de maio de 2014, Vitor Escária tinha-se tornado sócio da holding familiar de Alexandre Cavalleri (a Ribeiro Carvalho Cavalleri, SGPS, SA) que controlava a Iguarivarius.

Em conversa telefónica a 23 de fevereiro (que reproduzimos com base nas notas da jornalista do Observador), Escária começou por rejeitar que fosse sócio da Ribeiro Carvalho Cavalleri, tendo admitido o contrário logo a seguir e dado a sua explicação para esse facto:

Observador (OBS): Sr. Dr., tem um minuto?

Vítor Escária (VE): Depende para o que for.

OBS: Estou a fazer um trabalho sobre o Grupovarius e percebi que deu uma entrevista ao Diário Económico sobre a Iguarivarius…

VE:  Sim, sim

OBS: Qual é a sua relação com a empresa?

VE: Na altura fiz um trabalho para eles e foi por isso que respondi. Recordo-me que é a empresa mãe, que já existia desde 2009 ou 2010, e só depois teve outras ramificações

OBS: Mas recorda-se como foi constituída?

VE: Lembro-me que foram pequenas empresas processadoras de carne que se juntaram…

OBS: Lembra-se dos nomes dessas empresas? Na entrevista ao Diário Económico fala da Euroeste…

VE: Sim. E lembro-me da Montebravo. Mas olhe, não posso ser uma boa fonte porque foi só um trabalho. Nem conheço a natureza nem a estrutura acionista da empresa.

OBS: Mas não conhece o dr. Alexandre Cavalleri?

VE: Ah, conheço sim, mas é do foro pessoal. Conheci o Alexandre na infância. Andámos na escola juntos. Na altura fiz um estudo económico para a empresa, que é a minha profissão. Sou economista.

OBS: Pois, eu sei. Mas é sócio do Dr. Alexandre Cavalleri?

VE: Do Dr. Alexandre? Não.

OBS: Não é sócio da empresa RCC — Ribeiro de Carvalho Cavalleri?

VE: Não.

OBS: Mas eu estive a consultar os autos do Ministério Público, de quando foi inquirido para a Operação Marquês, e tem lá a indicação que foi sócio desta empresa.

VE: Ah, mas isso foi apenas durante um determinado momento para me pagarem uma colaboração.

OBS: A que fez para a Iguarivarius?

VE: Não… uma colaboração que fiz… olhe, desculpe, mas tenho mesmo que desligar.

Foi na qualidade de membro do Conselho Consultivo da Iguarivarius que Vítor Escária deu uma entrevista à Económico TV, que foi publicada na edição de 22 de maio de 2014 do Diário Económico. Mostrou um conhecimento aprofundado sobre a empresa. Por exemplo, o jornal escreveu na sua edição de papel, com base na entrevista, que a Iguarivarius tinha ganho logo à cabeça um contrato de 30 milhões de euros na Venezuela pouco tempo depois de ter sido fundada, a 9 de setembro de 2010. Ao que o Observador apurou, tal contrato já estava garantido ainda antes da constituição de empresa.

O ex-assessor económico de Sócrates disse ainda que a Iguarivarius já tinha contrato para o transporte de “lacticínios, conservas de peixe e fornecimento de bens industriais”. “A PDVSA — Petróleos da Venezuela perguntou-nos se haveria quem pudesse fornecer alguns tipos de equipamentos para a indústria petrolífera”, afirmou Escária.

O também ex-assessor económico do primeiro-ministro António Costa estava por dentro das contas da empresa e acrescentou ainda que, em 2013, a sociedade tinha exportado diretamente carnes e conservas para a Venezuela no valor de 20 milhões de euros mas que “as vendas feitas através da Iguarivarius ascenderam a 145 milhões de euros”.

Vitor Escária trabalhou para a Iguarivarius durante 2012, tendo declarado rendimentos de 12 mil euros. Dois anos depois, Escária é apresentado na imprensa como membro do seu Conselho Consultivo. Três dias antes, a 19 de maio de 2014, o ex-assessor de Sócrates tinha-se tornado sócio da holding familiar de Alexandre Cavalleri que controlava a Iguarivarius.

E o que fazia a Iguarivarius, além de assegurar o transporte e a comercialização do pernil de porco e das conservas de peixe? “O papel da empresa é o fornecimento de serviços, comercialização e apoio à entrada destas empresas [exportadoras] nos mercados” internacionais, como a Venezuela, explicou Escária.

Depois de buscas a Vitor Escária, a equipa de investigação do procurador Rosário Teixeira avaliou nos autos da Operação Marquês o relacionamento do economista com José Sócrates no contexto de alegados favorecimentos do Grupo Lena e da prestação de serviços que Sócrates tinha com a farmacêutica Octapharma. Tudo com a Venezuela no centro da conversa. “José Pinto de Sousa demonstrou ter uma relação de bastante confiança com Vitor Escária”. Este, por sua vez, “demonstrou ter uma alargada rede de conhecimentos com figuras de relevo de outros países, sendo de salientar os contactos com políticos da Venezuela, a pedido de José Pinto de Sousa”, lê-se num relatório do inspetor tributário Paulo Silva.

“No âmbito do presente processo de inquérito, também se apurou que Vitor Escária manteve contactos regulares com o arguido Carlos Santos Silva, tendo, a partir de 2013, prestado serviços através da Proengel II”, afirma Paulo Silva. Na realidade, Escária declarou em 2013 e 2014 um total de rendimentos de 21.250 euros pagos pela Proengel II International Projects, SA — uma sociedade de Carlos Santos Silva e do Grupo Lena que operava essencialmente no estrangeiro, nomeadamente em mercados que o Governo José Sócrates tinha desenvolvido significativamente para as empresas portuguesas, como a Argélia.

Se Sócrates colocou ao serviço da Octapharma a sua rede de contactos internacionais no Brasil, Venezuela e Argélia construída durante os seis anos em São Bento, alguns dos seus ex-assessores tentaram seguir o mesmo caminho. De acordo com a inquirição de Vitor Escária na Operação Marquês, o próprio Escária, juntamente com José Almeida Ribeiro (ex-espião e assessor político de Sócrates), Óscar Gaspar (ex-assessor económico) e Luís Bernardo (ex-assessor de comunicação) formaram uma empresa de consultadoria após saírem do Governo chamada Nau. “Éramos contactados às vezes por governos estrangeiros, colegas nossos, a perguntar: ‘Há empresas portuguesas interessadas nisto?’”. A Nau tentou fazer a ponte entre Estados ou empresas públicas internacionais e as empresas privadas portuguesas mas não terá tido muito sucesso porque apenas terá durado um ano.

Voltar ao índice

Temir Porras e outros amigos venezuelanos de Escária

Vítor Escária tinha, de facto, ótimos contactos na Venezuela de Hugo Chávez e assim continuou com Nicolás Maduro. Tendo participado nas reuniões da Comissão Mista Portugal-Venezuela, desenvolveu uma rede de contactos com figuras próximas dos dois chefes de Estado.

Aliás, um dos seus melhores contactos — e, por arrasto, de José Sócrates — era Temir Porras, chefe de gabinete de Maduro quando este era ministro dos Negócios Estrangeiros e futuro vice-ministro para a Europa, que chegou a ser apelidado pela imprensa local como “el lobbista del poder”. O outro chamava-se Max Arvelaiz e era assessor diplomático do presidente Hugo Chavéz. Quer Porras, quer Arvelaiz foram referidos à exaustão por José Sócrates e por Vitor Escária em inúmeras conversas que foram alvo de escutas telefónicas pelos investigadores da Operação Marquês.

Quando foi inquirido pelo procurador Rosário Teixeira, Vítor Escária explicou a relação que tinha com Porras e Arvelaiz. “Eles tinham um… dentro de um certo folclore eram engraçados… Numa das vezes em que vieram cá, o presidente Chávez ficou no Tivoli. Eles fizeram questão (de ir) ao Largo do Carmo, porque tinham uma memória do 25 de Abril e estiveram na placa onde estava assinalada a coisa do Salgueiro Maia e da ‘Bula’… estiveram ali um bocadinho em respeito…”, contou Escária.

As paragens técnicas que Hugo Chávez e Nicolas Maduro eram obrigados a fazer em Lisboa, devido ao facto de os aviões da companhia aérea venezuelana necessitarem de ser abastecidos, fez com que esses encontros se repetissem com regularidade. “Uma vez… até achei um bocado surreal… eles ficaram no Tivoli e foram jantar a uma coisa que se chama “O Valentino” — que era um restaurante ao pé da sede do Benfica, no Jardim do Regedor, um italiano um bocado manhoso… Quer dizer, estava um ministro dos Negócios Estrangeiros naquele sítio… Quando desce a avenida da Liberdade, do lado esquerdo, junto à rua das Pretas, está uma estátua do Simon Bolívar (…). Aqueles senhores passavam à ‘porta’ do Simon Bolivar e cantavam… paravam e cantavam (…) paravam ali e cantavam umas músicas depois continuavam em direção ao Tivoli. Portanto, isto eram ministros, um dos ministros mais poderosos, o ‘Rafa’ Ramirez [ministro da Energia e presidente da PDVSA, braço direito de Hugo Chávez], portanto eles levavam aquilo a sério… é folclore mas não é só folclore”, explicou Escária.

Temir Porras, que costumava sair à noite com Vitor Escária e Óscar Gaspar (o outro assessor económico de José Sócrates), tornou-se depois vice-ministro da Europa e acabou por ser a contraparte venezuelana de Fernando Serrasqueiro nas negociações bilaterais e também no acompanhamento da Comissão Mista Portugal Venezuela.

Porras era uma figura central para as empresas portuguesas, sendo vice-ministro da Europa. Visitou Portugal várias vezes oficialmente e recebia o embaixador português em Caracas para tratar de pagamentos em atraso a empresas como a Iguarivarius. A 19 de outubro de 2012, por exemplo, Alexandre Cavalleri foi informado pela AICEP Portugal, a agência pública do comércio externo, que Temir Porras estava a acompanhar de “muito perto” as “dificuldades que tem conhecido a venda do pernil [de porco] acordada entre a empresa Iguarivarius” e a empresa pública venezuelana que comprava o pernil à Iguarivarius. É importante referir que Temir Porras chegou a ser secretário executivo do Fonden — Fundo de de Desenvolvimento Nacional que financiava a compra de bens alimentares.

Depois de sair do governo, Temir Porras negociou com Carlos Santos Silva a possibilidade de ser intermediário das suas empresas na Venezuela, sendo remunerado com uma percentagem dos contratos que eventualmente Santos Silva conseguisse. Uma parte das negociações terá decorrido no Hotel Ritz, em Lisboa, a 23 de outubro de 2013, segundo contou Vitor Escária ao procurador Rosário Teixeira. Pormenor: a equipa de investigadores da Operação Marquês estava a vigiar José Sócrates naquele momento e suspeitava que Temir Porras seria um intermediário venezuelano para garantir ao Grupo Lena um contrato de obras públicas no valor de 900 milhões de euros. Tratava-se de um segundo contrato para a construção de mais de 12.500 casas, depois de um primeiro contrato que foi assinado em maio de 2010 aquando da segunda visita oficial de Sócrates ao país de Hugo Chávez.

Nas conversas no Ritz chegou a ser falada uma percentagem de 1% mas não é claro se a mesma foi concretizada. Como vice-ministro para a Europa, Temir Porras acompanhou de perto a negociação desses contratos, chegando a acompanhar a 2 de março de 2012 o secretário de Estado Almeida Henriques (actual presidente da Câmara de Viseu) numa visita oficial às obras de construção de casas sociais que o Grupo Lena estava a realizar na cidade de Cúa, na Venezuela, no âmbito do primeiro contrato assinado em 2010. Manuel Brandão, ex-chefe de gabinete de Paulo Portas, então administrador da AICEP e futuro administrador da Iguarivarius, esteve também nessa visita.

Temir Porras, ex-braço direito de Nicolas Maduro e de Hugo Chávez.

Mais tarde, José Sócrates ajudou Temir Porras na obtenção de uma entrevista com a reitor de Science Po, a prestigiada universidade francesa onde Sócrates estudou, para a inscrição num dos Masters daquela instituição de ensino.

Voltar ao índice

O ‘bacalhau’ da Venezuela e a ideia para a Iguarivarius

Os contratos com o Grupo Lena, a Teixeira Duarte e a JP Sá Couto foram os mais mediáticos da cooperação bilateral Portugal/Venezuela, que começou a ganhar forma depois de 2008. Mas as primeiras visitas de empresários portugueses ao país iniciaram-se em 2006 com o secretário de Estado Fernando Serrasqueiro. Este, contudo,  impunha que cada um dos privados pagasse a sua viagem e não garantia que, no final, regressassem com um contrato nas mãos. Uma das empresas a aderir foi a Montebravo, onde Cavalleri era diretor comerciale tinha interesse em abrir caminho para a exportação de carne de porco. É que, na Venezuela, o pernil de porco está para o Natal como o bacalhau está para os portugueses.

Conta ao Observador quem acompanhou estas viagens que o então responsável da Montebravo andou cerca de dois a três anos a fazer o trabalho de casa, construindo uma rede de contactos com a base da administração venezuelana. “Esperto, proativo e dinâmico”, nas palavras de um empresário que participou nas mesmas viagens, Alexandre Cavalleri costumava levar presentes de cortesia para todos os seus contactos sempre que visitava a Venezuela — era assim que solidificava relações e pretendia respeitar a cultura local.

Hoje, é recebido por membros destacados do Governo de Nicolás Maduro, (muitas vezes sem o conhecimento da embaixada de Portugal em Caracas), e escreve cartas ao presidente venezuelano quando existem dificuldades no pagamento das faturas da Iguarivarius. Um exemplo disso é uma missiva de 12 de setembro de 2017, em que Cavalleri pede, num estilo emocional, “com a mão no coração, que nos ajude sr. presidente para que esta situação seja resolvida com urgência e da melhor maneira possível”. Estava em causa o pagamento de uma dívida superior a 30 milhões de dólares relativa a 2016 que veio a ser desbloqueado mais tarde.

Conta ao Observador quem acompanhou as primeiras viagens de Cavalleri à Venezuela que andou cerca de 2/3 anos a fazer o trabalho de casa, construindo uma rede de contactos com a base da administração venezuelana. Cavalleri costumava levar presentes de cortesia para todos os seus contactos sempre que visitava a Venezuela — era assim que solidificava relações e pretendia respeitar a cultura local.

A partir de determinada altura, e antes de serem realizados os primeiros contratos com os produtores portugueses, Cavalleri percebeu que podia fazer dinheiro criando a própria empresa. Uma empresa com um fim muito específico: concentrar em si os esforços de várias empresas interessadas em exportar para a Venezuela, diminuindo os custos de exportação de cada uma delas. Cavalleri fazia assim nascer a Iguarivarius.

A estratégia de Cavalleri era clara: criar um intermediário entre produtores portugueses e as autoridades venezuelanas. Na prática,criar uma nova empresa que fosse um trader que comprasse o produto final aos produtores e o revendesse à Venezuela, assegurando o respetivo transporte. Não é por acaso que a Iguarivarius costuma representar outras empresas portuguesas do setor alimentar nas reuniões da Comissão Mista Portugal/Venezuela — órgão que acompanha as relações económicas entre os dois países.

Curiosamente, alguns que acompanharam este início da caminhada ainda numa fase pré-Iguarivarius não viam Alexandre Cavalleri como líder dessa futura empresa. “Não era nem nunca foi visto como um chief executive officer. Era essencialmente um comercial que sabia vender o seu peixe”, conta uma fonte que acompanhou de perto a criação da Iguarivarius.

Com base numa entrevista ao gestor, o Jornal de Negócios escreveu mesmo que Cavalleri “começou a aglomerar posições em empresas em 2008, quando chegou à conclusão de que não era fácil trabalhar em conjunto com outras sociedades”. Estas sociedades não são identificadas mas, ao que o Observador apurou, a Iguarivarius foi fundada por Alexandre Cavalleri e mais duas empresas portuguesas que já exportavam para a Venezuela.

Quando a Iguarivarius é formada no início de setembro de 2009 como uma sociedade por quotas com o capital mínimo de 5 mil euros, o capital estava dividido, segundo o registo comercial inscrito no Portal da Justiça, em duas quotas iguais de 2.500 euros. Uma era detida por Alexandre Cavalleri enquanto a outra era de António Luís Magalhães Tavares, presidente do Conselho de Administração da Cofaco — Comercial e Fabril de Conservas, SA. Produtora de conservas de peixe, a Cofaco chegou a contratualizar um montante muito significativo de mercadoria com a Venezuela mas diversos problemas impediram a concretização do contrato.

A Iguarivarius foi depois transformada numa sociedade anónima a 18 de outubro de 2010 (um mês depois da sua constituição) com um capital de 55 mil euros em ações ao portador — o que significa que o acionista é aquele que detém as ações. Quase oito anos depois, a sociedade anónima continua a ter ações ao portador, mas já tem um capital social de 10 milhões de euros, após sucessivos aumentos — o que acaba por demonstrar a dimensão do seu balanço.

Entre os vários acionistas que a sociedade foi tendo, destaca-se um: a RCC — Ribeiro Carvalho Cavalleri, sociedade gestora de participações sociais com ações ao portador que foi constituída em 2014 por Alexandre Cavalleri e António Parente (um ex-diretor do BCP que se reformou da banca em 2007) para deter a sua posição na Iguarivarius e no grupo que lhe deu origem. Hoje em dia, a RCC detém mais de 90% do capital social da Iguarivarius e domina o Grupovarius. Tendo ações ao portador, só as respetivas sociedades sabem quem são os seus acionistas.

A partir de determinada altura, e antes de serem realizados os primeiros contratos com os produtores portugueses, Cavalleri percebeu que podia fazer dinheiro criando a sua própria empresa com um fim específico: concentrar em si os esforços de várias empresas interessadas em exportar para a Venezuela, diminuindo os custos de cada uma delas. Nascia assim a Iguarivarius.

Em março, o Observador contactou o CEO da Iguarivarius no âmbito deste trabalho mas o porta-voz da empresa respondeu: “Alexandre Cavalleri agradece a vossa proposta mas não vê qualquer interesse em dar uma entrevista ao Observador.” Novas questões foram enviadas a 20 de junho, mas o Observador não obteve qualquer resposta até ao fecho desta peça.

Voltar ao índice

Quem é Alexandre Cavalleri?

Quem conhece Alexandre Cavalleri lembra-se dele ainda jovem, quando era um porteiro entroncado de uma discoteca na Praia das Maçãs, chamada “Maria Bolacha”. Corriam os anos 90 e a discoteca atraía clientela jovem da zona e da Grande Lisboa que ali passava férias. Sabiam que o pai dele era dono de um pequeno matadouro na zona de Sintra, no qual Cavalleri acabaria por trabalhar antes de surgirem dificuldades económicas — como aconteceu genericamente com os matadouros familiares que não souberam adaptar-se às novas regras sanitárias exigentes da União Europeia.

Mais tarde, transferiu-se para outra empresa de carnes, de maior dimensão, chamada Montebravo. Foi através do departamento comercial da Montebravo que começou a visitar a Venezuela em 2007 e a ter mais ambição, levando-o a anunciar aos patrões que iria trabalhar por conta própria. A Carnes Primor e a Sapropor eram, juntamente com a Montebravo, as sociedades de carnes que começaram a explorar o mercado venezuelano.

Fundou em 2010 a Iguarivarius, que estaria na origem, cinco anos depois, de um grupo empresarial detido maioritariamente pela sua holding, a Ribeiro Carvalho Cavalleri. “O que começou com uma empresa, desenvolveu-se este ano para um grupo empresarial a que chamamos Grupovarius, com a constituição de novas empresas”, lê-se no relatório e contas da Iguarivarius de 2016. Dentro deste grupo, existiam à data oito empresas — entre empresas de segurança (para se dedicar “à segurança de VIP especializados que venham a Portugal”, nas palavras do CEO da Iguarivarius ao Negócios), industriais (tintas Kenitex adquiridas à família de uma das cunhadas de Alexandre Cavalleri e que se encontrava em dificuldades económicas) e de consultadoria, entre outros objetos sociais.

Outra dessas empresas é a Racingvarius, uma empresa que disponibiliza carros desportivos de luxo para simulação de corridas no Autódromo do Estoril, que tem no seu ativo uma frota automóvel avaliada em mais de 1 milhão de euros. O Observador teve acesso a uma proposta que esta empresa fez a um cliente e a oferta é vasta, tal como mostra o site da empresa: Lamborghini Aventador (avaliado em 450 mil euros), Lamborghini Huracán (237 mil euros), Rolls Royce Phantom(520 mil euros), Bentley Continental GT (250 mil euros), Bentley Bentayga (294 mil euros), Ferrari GTC4 Lusso (348 mil euros), Ferrari 488 GTB (272 mil euros), MacLaren Mp4 (carro anterior a 2011 com um valor na época de 260 mil euros), Porsche 911 Turbo S (241 mil euros), Mercedes, Aston Martin Rapid (281 mil euros), BMW M4 (107 mil euros), Porsche Cayman (85 mil euros) e, entre outras viaturas, diversos Mercedes desportivos avaliados em mais de 100 mil euros cada um. No total, a frota da Racingvarius está avaliada em cerca de 4 milhões de euros.

Algumas dessas viaturas são utilizadas por Cavalleri no seu dia-a-dia. A Racingvarius oferece serviços diferentes, sendo que um dos pacotes que oferece aos seus clientes custa 15 mil euros e inclui carro, duas voltas no Autódromo do Estoril, coffee break, duas voltas e seguros.

A empresa tem ainda um barco Sunseeker 34, que tem um valor de mercado de cerca de 3 milhões de euros.

Além de uma paixão por carros, Cavalleri é adepto do Sporting. Após o ataque à Academia de Alcochete não hesitou em criticar Bruno de Carvalho e anunciou a retirada do patrocínio à secção de judo. Chegou mesmo a responder aos adeptos fanáticos que o criticavam ferozmente. Cavalleri não se escondeu e respondeu naquela rede social um a um. As suas respostas, algumas mais agressivas, foram, entretanto, eliminadas.

Além desta paixão por carros, Cavalleri é adepto do Sporting. A Iguarivarius é um dos patrocinadores da secção de judo, uma modalidade que Alexandre e os seus seis irmãos (quatro rapazes e duas raparigas, uma delas atleta olímpica) praticaram desde a infância. Sócio com o número 10.384, não hesitou em criticar o presidente Bruno de Carvalho após o ataque à Academia de Alcochete. “Tenho uma enorme vergonha do actual momento e vejo um futuro muito negro”, disse através do Facebook do Grupovarius. O empresário anunciou na página do seu grupo empresarial a retirada do patrocínio à secção de judo do Sporting e não hesitou em responder aos adeptos fanáticos de Bruno de Carvalho que o criticavam ferozmente — muitas vezes com uma linguagem violenta. Cavalleri não se escondeu e, no auge da crise leonina em que o clube estava fraturado entre quem estava contra BdC e quem estava a favor, o gestor respondeu naquela rede social um a um. As suas respostas, algumas mais agressivas, foram entretanto eliminadas do Facebook do Grupovarius. Mais tarde foi convidado para fazer parte da Comissão de Gestão liderada por Artur Torres Pereira.

Voltar ao índice

O porco espanhol que é exportado pela Iguarivarius…

Quando a Iguarivarius nasceu, Portugal exportou cerca de 160 milhões de euros para a Venezuela. Mas, segundo o Jornal de Negócios, que citou a 11 de novembro de 2016 informação cedida por uma fonte oficial da empresa de Cavalleri, a Iguarivarius começou a vender pernil de porco à Venezuela em 2008 — dois anos antes da sua constituição formal. Terá vendido três mil toneladas de pernil nesse ano e 2.500 toneladas em 2010. O eventual lapso do Negócios nascerá certamente do facto de Alexandre Cavalleri ter estado ligado a empresas que já forneciam carne para a Venezuela.

Certo é que, em várias missivas enviadas por Alexandre Cavalleri para o presidente Nicolás Maduro e vários membros do seu Governo, o CEO da Iguarivarius menciona sempre uma relação comercial que começou ou em 2008 ou em 2009 — a data varia de carta para carta.

Durante o mandato de Paulo Portas, ex-ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros que tutelava a diplomacia económica, a sociedade de Cavalleri começou a faturar significativamente: entre 2012 e 2017, o Grupo da Iguarivarius vendeu mais de 54 mil toneladas de pernil de porco congelado para a Venezuela, conseguindo só com esse produto uma faturação total no mesmo período que superou os 100 milhões de euros.

O gráfico seguinte mostra as quantidades de pernil de porco congelado exportadas para a Venezuela entre 2012 e 2017 — no entanto, as exportações da empresas começaram em 2010. No ano seguinte também foi exportado pernil de porco, mas não existe qualquer referência às quantidades e aos valores exportados.

Além do pernil, o Grupovarius contratualizou ainda diversos contratos relevantes de import e export com a PDVSA — Petróleos da Venezuela, um dos 15 maiores produtores de petróleo do mundo. Só os ativos da PDVSA estão avaliados em mais de 100 mil milhões de euros. No total, a Iguarivarius já terá faturado mais de 200 milhões de euros à conta da Venezuela.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, com Paulo Portas, então ministro dos Negócios Estrangeiros, em 2013 em Caracas

Em 2013, por exemplo, os contratos de fornecimento eram assinados com a Corporácion La Casa, uma empresa tutelada pelo Ministério da Alimentação. Uma empresa do universo da PDVSA, a Bariven, também comprava alimentos e, ao que o Observador apurou, terá igualmente feito contratos com o Grupo Iguarivarius.Mas, nos últimos anos, passou a ser a Corpovex — Corporácion Venezolana de Comercio Exterior, tutelada pelo Ministério Popular de Economia e de Finanças, que passou a ser entidade responsável pela importação de produtos alimentares.

A Corpovex, que foi fundada em 2013, é financiada pelo Fonden — Fundo de Desenvolvimento Nacional. Trata-se de um fundo soberano que é financiado com as receitas da venda do petróleo, sendo que a compra do pernil de porco é feita no âmbito do “Plano Geral de Compra de Alimentos”.

A carne que é exportada, contudo, não é toda de origem portuguesa. De acordo com a documentação a que o Observador teve acesso, a Iguarivarius costuma comprar porcos abatidos a produtores espanhóis, sendo que são empresas portuguesas que fazem a transformação, preparação e apresentam o produto final de pernil de porco congelado à Iguarivarius para esta transportar o mesmo para a Venezuela.

A carne que é exportada, contudo, não é toda de origem portuguesa. A Iguarivarius costuma comprar porcos espanhóis, sendo que são empresas portuguesas que fazem a transformação em pernil de porco desosado congelado para a Iguarivarius transportar o mesmo para a Venezuela. O DCIAP abriu um inquérito criminal por suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de capitais para investigar a alegada exportação de carne espanhola rotulada como portuguesa.<br ></br >

De acordo com o programa Sexta às Nove, da RTP, o DCIAP abriu um inquérito criminal precisamente para investigar a exportação de carne espanhola rotulada como portuguesa alegadamente por parte da Iguarivarius. A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a abertura de tal inquérito, que conta com a colaboração da Direção Geral de Alimentação e Veterinária e da ASAE. Mas, ao Observador, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária disse desconhecer tal empresa e tal investigação. Nos referidos autos investigam-se anda suspeitas da alegada prática dos crimes de fraude fiscal e branqueamento de capitais.

A PGR confirmou em janeiro ao Observador a investigação, acrescentando que ainda não tinha arguidos. O Observador perguntou novamente em julho se a informação se mantinha atualizada mas o órgão liderado por Joana Marques Vidal não respondeu.

Ao que o Observador apurou, este problema não é novo. As primeiras encomendas de pernil de porco feitas em 2007 e 2008 pelas autoridades venezuelanas obrigaram os fornecedores portugueses a importar carne de Espanha por falta de produção própria. Os venezuelanos, que estavam com péssimas relações diplomáticas com Espanha desde que o rei Juan Carlos mandou calar Hugo Chávez na Cimeira Ibero-Americana de 2007, no Chile, no célebre episódio “por que no te callas”, começaram a levantar problemas quando desconfiaram que as empresas portuguesas estariam a comprar porcos espanhóis e obrigaram as autoridades portuguesas a emitir documentação que atestasse a origem nacional dos animais. De acordo com uma fonte governamental, o então diretor-geral de Alimentação e Veterinária recusou passar tal declaração.

Por outro lado, as empresas portuguesas que exportam carne e alimentos para a Venezuela são obrigatoriamente certificadas pelas autoridades sanitárias venezuelanas que, em cooperação com a Direção-Geral de Veterinária portuguesa, fazem inspeções em Portugal às instalações das empresas exportadoras.

Voltar ao índice

… e os pagamentos nas contas na Suíça

O grupo liderado por Alexandre Cavalleri fez em 2016 um contrato com a Raporal (empresa agro-alimentar com capacidade instalada de produção, abate e indústria transformadora suína e acionista minoritário da Iguarivarius) para o “fornecimento” de 11 mil toneladas de “pernil de cerdo deshuesado y congelado” — ou seja, pernil de porco desosado e congelado.

Essas 11 mil toneladas seriam adquiridas pela Raporal e fornececidas à Agrovarius de duas formas:

  • 3.800 toneladas eram produzidas pela própria Raporal, sendo vendidas por 6,9 milhões de euros à Agrovarius;
  • As restantes 7.200 toneladas seriam adquiridas por 15,2 milhões de euros à empresa espanhola Cárniques Celra, com sede em Girona (Catalunha) — um dos maiores grupos agro-alimentares espanhóis, com uma faturação superior a 600 milhões de euros.

Neste último caso, as 7.200 toneladas fornecidas pela empresa espanhola representam um produto em bruto, que teria de ser desmanchado, transformado e congelado pela Raporal. Fica claro, portanto, que a maior parte do pernil de porco fornecido pelo Grupo Iguarivarius à Venezuela tem origem espanhola, sendo que uma minoria é produzida em Portugal. Pelo menos, em 2016.

O Observador contactou a Raporal em maio mas a empresa recusou fazer declarações ou prestar qualquer tipo de informação.

Das 11 mil toneladas vendidas pelo Grupo da Iguarivarius para a Venezuela em 2016, 3.800 toneladas eram produzidas em Portugal, enquanto que as restantes 7.200 toneladas seriam adquiridas por 15,2 milhões de euros à empresa espanhola Cárniques Celra, com sede em Girona (Catalunha).

De acordo com a documentação a que o Observador teve acesso, a própria Corpovex (o cliente venezuelano da Agrovarius) assumiu em janeiro de 2018 perante a empresa de Alexandre Cavalleri que lhe devia cerca de 38 milhões de dólares (cerca de 32,5 milhões de euros) por conta do fornecimento relativo ao ano de 2016. Valor que, segundo uma notícia do Jornal de Negócios de 11 de novembro de 2016, que cita dados fornecidos pela própria Iguariarius, corresponderá a menos de metade do total do contrato para o fornecimento de 14 mil toneladas de carne por 63,5 milhões de euros (cerca de 69,3 milhões de dólares). É certo que o texto do Negócios fala apenas em fornecimento de pernil de porco mas, de acordo a documentação a que o Observador teve acesso, a Iguarivarius contratualizou também com uma empresa pública venezuelana o fornecimento de combos.

O que é um combo? É uma espécie de cabaz que tem vários produtos, como carne de vaca, de frango e de porco, leite, ovos, latas de atum e de outro pescado, presunto e ervas ou pastas para tempero. Trata-se de produtos cada vez mais raros numa Venezuela a braços com uma crise económica gravíssima e alvo de sanções da comunidade internacional que dificultam a importação de bens alimentares.

Ao que o Observador apurou, a Agrovarius terá assinado contratos de fornecimento de combos em 2016 e em 2017, sendo que neste último ano foi acordado o fornecimento de 600 mil combos.

No que diz respeito a 2017, o ano em que Nicolás Maduro acusou Portugal de sabotagem económica, a Corpovex transferiu um total de 11,6 milhões de euros entre outubro e dezembro de 2017 para uma conta que a Agrovarius detém no Novo Banco, em virtude da relação que a Iguarivarius tinha com o BES de Ricardo Salgado desde a fundação da sociedade de Alexandre Cavalleri.

De acordo com a documentação ao que o Observador teve acesso, a Corpovex transferiu um total de 11,6 milhões de euros entre outubro e dezembro de 2017 para uma conta que a Agrovarius detém no Novo Banco. Os venezuelanos enviaram igualmente um valor de 17.290.000 dólares (cerca de 14,8 milhões de euros ao câmbio actual) no mesmo período para uma conta da Agrovarius no Banque Privée Millenium BCP – o banco suíço do Banco Comercial Português, localizado em Genébra.<br ></br >

A Corpovex transferiu igualmente em outubro de 2017 um valor de 17.290.000 dólares (cerca de 14,8 milhões de euros ao câmbio atual) para uma conta da Agrovarius no Banque Privée Millenium BCP — o banco suíço do Banco Comercial Português, localizado em Genebra.

Esse montante total de cerca de 26,4 milhões de euros foi transferido pela Corpovex a título de adiantamento do pagamento do fornecimento de 7 mil toneladas de pernil de porco — tendo a Agrovarius confirmado a 30 de novembro de 2017 que tinha recebido apenas um montante de 10 milhões de dólares (cerca de 8,5 milhões de euros ao câmbio atual) O montante total que tinha sido contratualizado atingia os 34,5 milhões de dólares (cerca de 29,5 milhões de euros ao câmbio atual).

Voltar ao índice

O problema do pernil de 2017 e as ‘declarações de amor’ de Cavalleri à Revolução Bolivariana

Foi precisamente por causa do pernil de porco que a Iguarivarius ganhou uma notoriedade pública inesperada com acusações de sabotagem económica proferidas por Nicólas Maduro, no Natal de 2017.  Isto apesar de não ser a única empresa portuguesa a exportar pernil de porco para a Venezuela. A Euroeste, por exemplo, também presta o mesmo serviço.

A Corpovex contratualizou com a Iguarivarius o fornecimento de 7 mil toneladas, mas só terão chegado cerca de duas mil toneladas a Caracas — o que motivou uma vaga de protestos em algumas das zonas mais pobres da Venezuela. Como o Observador recordou na altura, seis milhões de venezuelanos recebem apoio alimentar — uma resposta do Governo de Maduro às sanções económicas decretadas pelos Estados Unidos e aliados.

Daniel G. Colina@danielgcolina

En la antigua pasta Ronco de Antímano alrededor de 200 personas protestando por la falta de los perniles. Versión policial.

A origem do problema terá residido, em primeiro lugar, no atraso de pagamentos prévios (antes da entrega da mercadoria) que a Corpovex se tinha obrigado a realizar em 2017 mas também a pagamentos em atraso relativamente ao fornecimento do ano anterior. Além desse atraso no embarque do pernil de porco, surgiram também problemas alfandegários em países que têm relações difíceis com o regime de Nicolas Maduro e que fazem parte da rota marítima entre Portugal e a Venezuela.

Certo é que a Iguarivarius começou a ter problemas em receber pagamentos da Venezuela desde 2016 — que motivaram reuniões em 2017 entre Alexandre Cavalleri e Delcy Rodriguez, então vice-presidente e ministra dos Negócios Estrangeiros da Venezuela. De acordo com missivas trocadas entre a embaixada de Portugal em Caracas e os escritórios em Lisboa da AICEP Portugal Global, a encomenda de pernil de porco desse ano terá “sido avaliada” pelo General Chefe Lucas Rincon Romero, embaixador da Venezuela em Lisboa desde 2006, mas “sem a autorização prévia do Governo [de Maduro] ou garantia de pagamento”, lê-se numa missiva enviada pelo conselheiro comercial da embaixada de Portugal em Caracas.

Lucas Rincon Romero foi uma importante figura do regime de Hugo Chávez, tendo sido seu ministro nas pastas do Interior e da Justiça (2003/2006) e Defesa (2002). Uma sua adida e conselheira, Margarita Luísa Mendola Sanchez (que foi procuradora-geral da República entre janeiro e agosto de 2011), foi uma das figuras do regime venezuelano que terá recebido somas avultadas (6,8 milhões de dólares) da Espírito Santo (ES) Enterprises, o famoso ‘saco azul’ do Grupo Espírito Santo.

Alexandre Cavalleri com o general Lucas Ricon Romero, embaixador da Venezuela em Portugal desde 2006. Foto retirada do Facebook do Grupovarius)

Alexandre Cavalleri tem igualmente boa relação com o general Rincon Romero. A propósito de um conjunto de sanções contra a Venezuela decididas em 2015 pelo então presidente Barack Obama por violação dos direitos humanos, Cavalleri mostrou junto de Ricon Romero o seu apoio à revolução bolivariana. “A Iguarivarius, que ao longo dos anos tem mantido as mais profundas relações comerciais com o Estado Venezuelano (…) expressa a sua mais sincera solidariedade com o povo venezuelano e com o presidente Nicolas Maduro”, lê-se na carta assinada por Cavalleri e a que o Observador teve acesso.

O líder da Iguarivarius entendia que as sanções determinadas por Obama (e que, entretanto, foram significativamente agravadas pelos Estados Unidos) representavam uma “grave agressão e uma violação do Direito Internacional”. Daí a “condenação” que decidiu expressar ao general Lucas Romero contra as “medidas coercivas unilaterais contra a República Bolivariana da Venezuela”, que mais não eram do que um “novo ataque imperialista” dos norte-americanos. Tudo porque o próprio empresário, “com assídua presença na Venezuela desde 2007”, era “testemunha da evolução que esse país teve ao longo dos anos, com redução de pobreza, analfabetismo e crescimento do próprio país em termos de PIB”.

Só nos últimos três anos, o PIB da Venezuela caiu cerca de 40%, sendo que a taxa de inflação pode atingir os 14.000% este ano

Voltar ao índice

As tentativas de contacto e a recusa do Governo de Costa

Ao longo desta investigação, que se iniciou em janeiro, o Observador tentou entrar em contacto por diversas vezes com Alexandre Cavalleri, Mário Lino, Vitor Escária e Manuel Brandão. Todos recusaram responder a perguntas feitas por telefone e por escrito. Lino, por exemplo, como se pode ver pela conversa que reproduzimos com base nas notas da jornalista do Observador, chegou a desligar a chamada:

Observador (OBS): Dr. Mário Lino, tem um minuto?

Mário Lino (ML): Depende para o que for

OBS: Estou a fazer um trabalho sobre o Grupovarius e a empresa Iguarivarius…

ML: Pois.. Para isso terá que falar com o assessor…

OBS: Mas não me pode dizer como chegou à empresa, como ela cresceu tão rápido…

ML: Pois, isso do crescer tão rápido é preciso ter termo de comparação… Mas agora não posso, fale com o assessor…

OBS: Diga-me uma hora a que lhe dê mais jeito eu ligar.

ML: Não… Não posso…

OBS: Mas não me quer dizer como conheceu a empresa?

ML: Olhe, vou ter que desligar, peço desculpa…

Também os ministros Augusto Santos Silva (Negócios Estrangeiros) e Manuel Caldeira Cabral (Economia), e Luís Castro Henriques, presidente da AICEP Portugal Global, negaram o acesso aos documentos da Comissão Mista Portugal/Venezuela (que acompanhou os negócios da Iguarivarius e de outros exportadores com a Venezuela). Os ministros consideram que os “documentos produzidos no âmbito das relações diplomáticas do Estado português não são considerados processos administrativos”, logo não podem ser acedidos pelo Observador. A AICEP, por seu lado, entende que “a competência e responsabilidade” da gestão do arquivo é do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O Observador deu entrada com uma queixa na Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos contra os ministros Augusto Santos Silva e Manuel Caldeira Cabral e contra Luís Castro Henriques.

O Observador dirigiu igualmente em abril e em junho vários pedidos formais de acesso à documentação relacionada com a Iguarivarius e outras empresas do Grupovarius que existe na AICEP Portugal Global (e fora do âmbito da Comissão Mista Portugal/ Venezuela) sobre qualquer tipo de apoio financeiro e não financeiro prestado, tendo o organismo liderado por Luís Castro Henriques disponibilizado a 20 de julho um dossiê com documentação interna relacionada com apoio logístico concedido à Iguarivarius. A AICEP Portugal Global decidiu rasurar os nomes dos funcionários do organismo que constam dessa documentação, tendo por base a sua interpretação da nova lei de proteção de dados.

A discrição e até secretismo são características que rodeiam não só a Iguarivarius como também a diplomacia económica — mesmo quando ex-titulares de cargos políticos e públicos que abriram o mercado venezuelano às empresas portuguesas vão trabalhar para uma das sociedades privadas que mais lucrou com esse aprofundamento das relações entre os dois países.

(JE) Clientes do Hotel Pestana na Venezuela analisados pelos serviços secretos

(JE) Funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência da Venezuela (SEBIN, serviços secretos) continuam a restringir o acesso ao Hotel Pestana Caracas, propriedade de portugueses, e estão a analisar a listagem dos hóspedes e vídeos das câmaras de segurança.

Segundo fontes do hotel, os funcionários do SEBIN estão a a analisar a listagem dos hóspedes do hotel e os vídeos das diferentes câmaras de segurança.

Funcionários do SEBIN evacuaram na segunda-feira o Hotel Pestana Caracas, alegadamente na sequência das investigações relacionadas com o atentado de sábado contra o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Os hóspedes do Hotel Pestana Caracas foram realojados no Hotel Embassy Suites.

Apesar de fontes não oficiais darem conta da detenção de duas pessoas, alguns empregados do hotel dizem não terem conhecimento de eventuais detenções.

Propriedade do Grupo Pestana, de Portugal, o Hotel Pestana Caracas foi inaugurado em 2008, durante a visita à Venezuela do então primeiro-ministro português, José Sócrates.

No sábado, duas explosões que as autoridades dizem ter sido provocadas por dois drones (aviões não tripulados) obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O ato, que decorria na Avenida Bolívar de Caracas (centro), estava a ser transmitido em simultâneo pelas rádios e televisões venezuelanas.

No momento em que Nicolás Maduro anunciava que tinha chegado a hora da recuperação económica ouviu-se uma das explosões.

Sete militares ficaram feridos e, segundo as autoridades, foram detidas seis pessoas por suspeita de envolvimento no atentado.

(BBG) Venezuela ‘drone attack’: Six arrests made

(BBG)

Media captionFootage showed dozens of soldiers running away before the transmission was cut off

Six people have been arrested in Venezuela for involvement in an apparent assassination attempt on President Nicolás Maduro, the interior minister says.

Néstor Reverol said they were part of a group that loaded two drones with explosives and set them off during a military parade in the capital Caracas.

Mr Maduro has warned the perpetrators face “maximum punishment”.

He has blamed Colombia for the incident but provided no evidence.

Colombia said the accusation was “baseless”.

The government has also pointed the finger at the opposition, prompting fears of a new crackdown.

Many opposition leaders have already left the country citing government harassment and there are reported to be more than 200 political prisoners in the country’s jails.

Mr Maduro gestures during ceremony in Caracas - 4 AugustImage copyrightAFP
Image captionMr Maduro was speaking at a military ceremony when the incident happened

Meanwhile Defence Minister Vladimir Padrino Lopez declared his unconditional loyalty to the president on national TV.

“We are determined, determined to defend our homeland, our constitution, our democracy, our institutions,” he said.

Correspondents say Mr Maduro has relied heavily on the armed forces to keep power in the midst of an economic crisis and political turmoil.

What is known about the alleged attack?

The incident happened when Mr Maduro was speaking at an event to mark the anniversary of the national guard.

A bang is heard and footage of his speech shows the president suddenly looking upwards and dozens of soldiers running away.

Two drones loaded with explosives went off near the president’s stand, Communications Minister Jorge Rodriguez said.

Seven soldiers were injured, the Venezuelan authorities said.

Security forces check a building after explosions near the place where President Maduro was speaking. Photo: 4 August 2018Image copyrightAFP/GETTY IMAGES
Image captionCharred windows were seen near the place where President Maduro was speaking

Later Mr Maduro said the incident had strengthened his resolve.

“I am fine, I am alive, and after this attack I’m more determined than ever to follow the path of the revolution,” he said.

“Justice! Maximum punishment! And there will be no forgiveness.”

Interior Minister Reverol said six “terrorists and hired killers” had been arrested, several vehicles seized and hotels raided.

Who could be behind this?

Mr Maduro accused neighbouring Colombia and elements within the US of instigating “a right-wing plot” to kill him.

The Colombian government has denied any involvement, saying there is “no basis” to Mr Maduro’s allegations.

US National Security Adviser John Bolton denied any US involvement in the incident, adding that it could be “a pretext set up by the regime itself”.

Mr Rodriguez accused Venezuela’s right-wing opposition of carrying out the attack.

“After losing the vote, they failed again,” Mr Rodriguez said.

He was referring to May’s presidential elections, where Mr Maduro was re-elected for another six-year term.

However, Hasler Iglesias, a youth leader with the opposition Voluntad Popular Party, told the BBC: “It’s hard to believe that the opposition is going to make an attempt when they have never made an attempt in this way in 20 years.”

Meanwhile, a little-known group called Soldiers in T-shirts said on social media that it was behind the alleged attack.

The claim was not backed up by any evidence, and the group did not respond to media requests for comment.

Armed soldiers stand guard in Caracas. Photo: 4 August 2018Image copyrightAFP/GETTY IMAGES
Image captionSoldiers sealed off the area after the alleged attack

To add further to the confusion, firefighters at the scene disputed the government’s version of events, the Associated Press reports.

Speaking on condition of anonymity, three of them said the incident was actually a gas tank explosion inside an apartment, but did not provide further details, the news agency says.

Who is President Maduro?

Mr Maduro has managed to split opinion almost as much as his predecessor in office, Hugo Chávez.

Since assuming office in 2013, Mr Maduro’s administration has drawn widespread condemnation from a string of nations worldwide for undermining democracy and violating human rights in his country.

His opponents paint him as a ruthless despot who detains his political rivals on overly harsh charges pressed by a judiciary under his party’s control, while his followers say he is protecting the country from another coup.

His re-election in May came amid a deep economic crisis which has been driving hundreds of thousands of Venezuelans from the oil-rich country.

However, there is still a loyal core of people who support Mr Maduro and his United Socialist Party (PSUV), saying Venezuela’s problems are caused not by the government but by forces such as the US.

(Globo) FMI projeta inflação de 1.000.000% na Venezuela para 2018

(GloboFundo comparou a situação do país à enfrentada pela Alemanha em 1923 e pelo Zimbábue no fim dos anos 2000.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) projetou nesta segunda-feira (23) que a Venezuela terá uma inflação de até 1.000.000% em 2018 e comparou a situação do país à enfrentada pela Alemanha em 1923 e pelo Zimbábue no fim dos anos 2000.

O cálculo foi divulgado em entrevista coletiva pelo diretor do Departamento de Hemisfério Ocidental do FMI, Alejandro Werner, que atualizou as perspectivas econômicas regionais da organização.

Além disso, o FMI explicou que a hiperinflação, junto com o colapso da atividade econômica, a deterioração crescente do fornecimento de serviços públicos e a escassez de alimentos, provocaram grandes fluxos de migração de venezuelanos.

Mulher conta novas de bolívares venezuelanos em um mercado de Caracas, Venezuela (Foto: Reuters/Marco Bello)Mulher conta novas de bolívares venezuelanos em um mercado de Caracas, Venezuela (Foto: Reuters/Marco Bello)

Mulher conta novas de bolívares venezuelanos em um mercado de Caracas, Venezuela (Foto: Reuters/Marco Bello)

No relatório divulgado hoje, o FMI prevê que a economia da Venezuela recuará 18% em 2018, três pontos percentuais acima da última projeção, e 5% em 2019, um ritmo menos intenso do que o calculado pela organização em abril.

Werner reconheceu que é difícil fazer previsões para uma economia como a da Venezuela. “Não é possível saber o que vai ocorrer entre hoje e dezembro. Qualquer mudanças pode ter implicações muito grandes dentro dessa previsão”, explicou.

No entanto, o diretor regional do FMI esclareceu que com os atuais níveis de inflação, os impactos de um hipotético erro na projeção do FMI seriam “muito marginais”.

“A destruição do sistema de preços como mecanismo de alocação de recursos já está feita”, sentenciou Werner.

(ZH) Military Seizes Control Of Water Supplies As Venezuelan Infrastructure Collapses

(ZH) If there’s one group that has benefited from Venezuela’s economic collapse, it’s the country’s military, which has been handed control over much of the country’s remaining industry as the collapse has intensified. Venezuela’s army, about 160,000 strong, controls the mineral-rich Arco Minero del Orinoco, and some of its top officers are also serving as executives of Venezuela’s state-run oil company.

And as the collapse of social services has caused water supplies to dwindle, the military has recently hijacked what spigots remain, transforming access to water into a luxury that most Venezuelans can’t afford. Many of the pipes and reservoirs have fallen into disarray – or seen their supplies drastically diminished – the military is stepping in to take charge of the “equitable distribution” of what little remains. As part of the government’s socialist policy program, the cost of water is supposed to be subsidized – at least in theory. But with the state-owned water utility, known as Hidrocapital, has effectively abdicated its responsibilities, the military is increasingly stepping in, commandeering trucks and vans used by private individuals who have tried to step in and service parts of the capital, according to a Bloombergreport.

Venezuela’s military has come to oversee the desperate and lucrative water trade as reservoirs empty, broken pipes flood neighborhoods and overwhelmed personnel walk out. Seven major access points in the capital of 5.5 million people are now run by soldiers or police, who also took total control of all public and private water trucks. Unofficially, soldiers direct where drivers deliver — and make them give away the goods at favored addresses.

Rigoberto Sanchez, who runs a water tanker that ferries water from the El Paraiso water-filling station in Caracas to an array of customers in the city, says his No. 1 business hazard is being intercepted by the military.

Those who want more must pay. Private tankers like Sanchez had been filling up and reselling water for many times its worth. Then, military personnel were deployed to the capital’s water points in May in an emergency supply plan.

The El Paraiso station is blocks from El Guaire, a filthy river carrying sewer water that the late President Hugo Chavez pledged to clean enough for a swim back in 2005. Even before the sun heats the muddy waters, the scent is putrid. It is untreated. Unpotable and drinking water must come from elsewhere.

Depending on driving distance from the water point, Sanchez charges about 18 million bolivars to fill an average residential building’s tank. For bigger jobs he can charge up to 50 million. While that’s just $17 at black-market exchange rates, compares that to a month’s minimum wage of about $1.

Recently, Sanchez has a new expense: Military officers have begun commandeering trucks, according to a dozen water providers in Caracas. Drivers are forced to go wherever officers tell them without the expectation of pay. Sometimes they’re led to government buildings, others to military residences or private homes. In other cases, soldiers simply block access to springs and wells. At a filling station near a large park in Eastern Caracas, a lock had been placed on the water lever.

[…]

“They hijack our trucks, just like that,” said Sanchez, leaning on a rusty railing. “Once that happens, you’re in their hands, you have to drive the truck wherever they want you to.”

President Nicolas Maduro last month appointed Evelyn Vasquez, a Hidrocapital official, as the head of a new water ministry. But Norberto Bausson, who ran the utility back in the 1990s, said that “institutional incompetence” is risking a “disaster” should Venezuela have a exceptionally dry year. Already, the utility sometimes cuts service int he capital for as long as two days at a stretch.

Three

People in Caracas, who on average only have access to water for 30 minutes every morning and night, frequently rush home from work and social gatherings to shower or collect water, racing against the clock before supplies are once again shut off. And while the situation in Caracas is dire, circumstances are even worse for poor Venezuelans living in the more remote provinces. To wit, a report from charity Caritas recently revealed that only 27% of poor Venezuelans have continuous access to safe drinking water. 65% have access for three days a week or less, while in the state of Miranda, not a single poor family has access for more than three days a week.

VZ

These shortages have made gathering the day’s supply of water a tedious part of the morning routine for many families.

When water makes a rare appearance at Odalys Duque’s two-bedroom home, it’s usually at dawn and wakes her with a rattle at the bottom of a plastic drum. She then has to rush to align buckets, bins and pots in hopes of gathering every drop for her husband and two small children.

In mid June they’d had none for three weeks. Instead, they survived on what was left in a roof tank and what her husband could carry in paint buckets strapped on his shoulders from a well at the bottom of the sprawling hillside slum of Petare.

“It’s an ugly situation that keeps getting uglier,” said Duque, 32. “The little one cries when I pour the bucket of cold water on him, but at least we still get something. My family that lives higher up the mountain hasn’t had water in months.”

[…]

The situation governs much of Duque’s life. For drinking water, she waits for particles to settle at the bottom of plastic buckets and then pours the surface water into a pot where she boils it at least half an hour. For laundry, she’ll wash several loads of clothes and linens in the same dirty water.

Elderly people and children from neighborhoods even higher up the mountain knock on her door asking for water. “I always give them something, even if it’s just a glass,” she said.

The lack of access to clean water, as horrifying as it sounds in Latin America’s socialist paradise, is perhaps even more galling because of the $500 million in loans the country has received over the past decade from the Latin American Development Bank and the Inter-American Development Bank to upgrade its water-treatment infrastructure. Unfortunately for the people of Venezuela, none of it appears to have helped.

While water shortages threaten the population with malnutrition and other diseases as people are forced to drink unclean or non-potable water just to survive, Bloomberg recently pointed out another shocking development: The cost of a single cup of coffee in Caracas has eclipsed one million bolivars (equal to about 29 US cents) That’s about one-third of the average monthly wage in the country, which has slipped to roughly $1 thanks to the government’s frantic money printing.

Coffee

+++ V.I. (BBG) OPEC Can Live With Tweets So Long as Venezuela Worsens: Gadfly

(BBG) Pushing oil prices higher is risky when the cartel no longer holds all the cards.

Mine, for what it’s worth, would have something to do with the fact that gasoline is already north of $3 a gallon in Washington, D.C., and the sun only just came out on the East Coast after a winter worthy of Game of Thrones. The prospect of an even more expensive summer driving season, leading into mid-term elections Republicans dread already, merits one or two angry tweets at least.

And while there are, of course, hundreds of thousands of Americans employed in producing oil and gas, their ranks pale somewhat against more than 212 million licensed drivers, most of whom can also vote.

In any case, the president is right in one respect: Oil prices are artificially high. That’s what restrictive commodity agreements are for. Indeed, one almost has to admire the chutzpah of OPEC ministers pushing back on the president’s assertion on Friday … on the sidelines of a meeting where they decided to continue holding barrels off the market to support prices.

OPEC, and in particular its de facto leader Saudi Arabia, is playing a risky game here by pushing for even higher oil prices (see this). And that’s partly because the Middle East no longer holds all of the wild cards in the global oil game. Washington’s unpredictability is a bigger factor than it used to be.

The president isn’t likely to tweet about this, of course, but uncertainty about what will happen with the Iran nuclear agreement, for example, is one factor pushing up prices. Another is Venezuela.

It is shocking how much of OPEC’s success in clearing the glut of oil inventories is owed to the misery of one of its founding members. In March, compliance among the original 11 members who signed up for cuts in November 2016 was very high, at 170 percent. Within that, though, Venezuela’s was more than 600 percent.

The real story lies in the cumulative numbers.

In theory, these 11 countries should have collectively withheld about 530 million barrels from the market from January 2017 through the end of last month, of which Venezuela should have accounted for about 8 percent. According to OPEC’s figures, however, they actually withheld 599 million barrels; and Venezuela was responsible for more than 17 percent of that bigger amount.

The past six months or so clearly marked a tipping point, coinciding with the rally in oil prices.

In absolute terms, Saudi Arabia has cut more barrels than any other member versus its baseline output — as you would expect of the largest producer by far. What is really striking, however, is the comparison of absolute outperformance; that is, how many extra barrels OPEC members have withheld over and above their targets. On that measure, Venezuela has actually moved into the, er, number one slot:

Despite Venezuela’s production having dropped by almost 550,000 barrels a day since the end of 2016, it could easily keep going down.

And one big catalyst for that could be, you guessed it, tougher sanctions from Washington. These look likely given the extreme unlikelihood of fair elections in Venezuela next month. It’s not clear what form sanctions might take. But the elevation of hawks such as John Bolton and Mike Pompeo in the Trump administration suggests harsher options, such as banning U.S. imports of Venezuelan crude oil altogether, could be on the table.

As ClearView Energy Partners rightly pointed out in a recent report, such a ban might simply shift those barrels elsewhere rather than take them off the market completely — albeit likely at a discount. Still, further revenue reductions would exacerbate Venezuela’s economic pain, serving to undermine the prospects for oil production, too.

As for the president’s tweet, there’s no telling how that factors into what happens. It might betray discomfort with the idea of doing anything to push pump prices even higher over the summer. Equally, it could just be preemptive finger-pointing to direct drivers’ anger elsewhere. And, equally, it may not add up to anything substantive at all.

What is clear is that supply squeezes, both planned and unplanned, are now an essential element of the oil rally. That’s why OPEC can’t bring itself to end its cuts, and also why it risks alienating consumers everywhere, not just on Pennsylvania Avenue.

(Reuters) Venezuela to sell petro cryptocurrency via Dicom forex system

…What a scam…! …These guys are in the front line of schemes to rob the Venezuelans and others living in Venezuela! …And Venezuela has one the largest oil reserves in the World… What a disgrace!

FCMP

(Reuters) The Venezuela government will start auctioning its new petro cryptocurrency to private companies via its Dicom foreign exchange platform in a few weeks, Vice President Tareck El Aissami said on Tuesday.

The OPEC country last month began selling the new digital token, which President Nicolas Maduro has said will be backed by oil reserves, in a private sale to investors. Maduro says the petro will help skirt U.S. financial sanctions.

Opposition critics call the petro an illegal debt issue, and the U.S. Treasury Department has warned that it may violate sanctions and thus constitutes a legal risk for investors.

“The petro is going to be auctioned on Dicom,” El Aissami said in a meeting with businessmen broadcast on state television, adding that companies will be able to use petros to pay for imports of raw materials.

 

“The petro is going to be our powerful international currency, above the dollar.”

It is not immediately evident if and how the petro can function as foreign currency or how it would help Venezuelan businesses with international commerce transactions.

Foreign companies are unlikely to accept it as payment given the legal doubts surrounding it, and few investors have publicly announced having purchased it.

El Aissami also called on local banks to buy the petro at a discount during the preliminary phase, which ends on March 20.

During this phase, petros can be acquired with “dollars, euros or any other currency,” he said, and may be held by banks as assets on their balance sheets.

(Reuters) Exclusive: U.S. mulls sanctions on Venezuela to put pressure on Maduro

(Reuters) The Trump administration is considering sanctioning a Venezuelan military-run oil services company and restricting insurance coverage for Venezuelan oil shipments to ratchet up pressure on socialist President Nicolas Maduro, a U.S. official said on Wednesday.

With Maduro running for another term in an April election that Washington and its allies oppose as a sham, the United States is weighing sanctions that would target Venezuela’s vital oil sector beyond what has been done before, the official told Reuters. Some measures could come before the vote and others could be imposed afterwards.

The official, who is close to U.S. internal deliberations on Venezuela policy and spoke on condition of anonymity, would not rule out an eventual full-scale ban on Venezuelan oil shipments to the United States, among the toughest of oil-related sanctions.

“I think (it would cause) a fairly strong shock to the oil market in the short term,” the official said.

The official stressed that no decisions have been made and that any U.S. action would take into consideration potential harm to ordinary Venezuelans, already suffering from food shortages and hyperinflation, and the country’s neighbors as well as the impact on the U.S. oil industry and American consumers.

Venezuela was the fourth largest supplier of crude oil and products to the United States in 2017, according to the U.S. Energy Information Administration. Its crude oil sales to the United States last year were the lowest since 1991, according to Thomson Reuters trade flows data.

“Oil sanctions are not taken lightly,” the official said. “This would be a fairly strong escalation for U.S. policy, whether it’s a complete oil sanction or salami slices of different graduated steps.”

The administration of President Donald Trump is also weighing possible sanctions against additional senior military and political figures, including Socialist Party No. 2 Diosdado Cabello, the official said.

Experts say individual sanctions have had little or no impact on the Venezuelan government’s policies. Maduro, himself sanctioned last year, regularly laughs off Washington’s disapproval and blames the U.S. “empire” for Venezuela’s economic woes.

Venezuela’s Information Ministry did not respond to a request for comment on potential further sanctions.

Washington’s crafting of new sanctions comes as Venezuela’s opposition coalition is boycotting the April 22 election, citing “fraudulent” conditions including a ban on its top two candidates from running.

Even if Venezuelan authorities delay the election by a month or two, the official said, that likely would not prompt the U.S. administration to hold back on sanctions.

ECONOMIC PAIN

The best tool for making the Venezuelan government feel economic pain, U.S. government sources say, is through “sectoral” sanctions, such as financial measures announced in August that barred U.S. banks from any new debt deals with Venezuelan authorities or state-run oil giant PDVSA.

Venezuela’s foreign minister, Jorge Arreaza, said in Geneva on Tuesday that U.S. sanctions are making foreign debt renegotiation more difficult and causing “panic” at global banks.

New sanctions under consideration, according to the administration official, would be intended to “to make the world a little smaller for these corrupt officials.”

Among the possible new U.S. targets is Camimpeg, Venezuela’s military-run oil services firm, the official said. With Maduro’s approval, Venezuela’s powerful military in 2016 founded Camimpeg, which is geared to providing PDVSA with assistance in drilling, logistics and security.

Little is known about Camimpeg’s activities. The opposition says the armed forces are a nest of corruption and the unpopular Maduro has sought to buy the support of military chiefs by giving them increasing control of the OPEC nation’s crude reserves, the world’s largest.

Another option would be sanctions aimed at putting restrictions on insurance coverage for oil tankers and oil cargos involving PDVSA, the official said.

Oil exports are typically protected by insurance on tankers as well as on the actual cargo. Without insurance, a vessel cannot navigate in international waters, which means Venezuela’s oil exports would likely be curtailed. Sanctions on cargo insurance would also hurt because PDVSA has a limited tanker fleet.

In addition, the Trump administration is continuing to consider blocking the sale of lighter U.S. crude and refined products that Venezuela mixes with its heavy crude and then exports, the official told Reuters.

”There’s a host of additional sanctions that could be imposed. The president has all those before him,” said U.S. Senator Marco Rubio, who has played a key role in pushing for Trump’s more assertive approach to Venezuela than his predecessor, Barack Obama.

“The goal here is to continue to pressure an illegitimate regime so that they would leave power or be removed from power,” Rubio told Reuters in an interview on Wednesday.

(BBC) Venezuela’s Maduro wants ‘mega-election’ amid opposition boycott

(BBC)

MaduroImage copyrightREUTERS
Image captionMr Maduro said the vote would go ahead “with or without the opposition”

Venezuelan President Nicolás Maduro has proposed holding a “mega-election” after the opposition coalition said it would boycott a planned presidential poll in April.

Mr Maduro said he wanted to add legislative, state and municipal votes to provide “democratic renewal”.

Opposition parties say the presidential election will be “fraudulent and illegitimate”.

Venezuela is going through a protracted political and economic crisis.

It has suffered for years from high inflation and the chronic shortage of food and medicines.

Mr Maduro said elections would be held “with or without” the Democratic Unity opposition coalition, which he accused of “erratic conduct”.

“A great parliamentary mega-election in the country, I am proposing it officially to the National Constituent Assembly for its consideration and let’s go for some powerful, powerful elections for a democratic renewal of the country,” he said.

He said he wanted to bring forward other elections to “leave 4 years clear [of elections] at least”.

In a statement, the Democratic Unity coalition said April’s election was “premature” and called for the government to hold “real elections” later in the year.

The opposition’s decision not to take part comes after weeks of wrangling following the decision of the National Constituent Assembly – a superbody which can overrule all other branches of government – to bring forward the presidential election from December.

The constituent assembly is exclusively made up of government supporters. The opposition accused it of changing the date to take advantage of divisions within the opposition coalition.

Its two strongest presidential candidates are both blocked from standing against Mr Maduro.

Leopoldo Lopez remains under house arrest and Henrique Capriles is barred from office over misconduct allegations from his time as a state governor.

Other charismatic opposition leaders have left the country for fear of arrest.

Meanwhile the country’s national election board, which supports Mr Maduro’s government, has banned the Democratic Unity coalition and some of the main parties in it from using their official names in the election.

(ECO) Venezuela deve 40 milhões às fornecedoras portuguesas de pernil

(ECOA acusação é feita pela Raporal, depois do presidente venezuelano ter afirmado que Portugal sabotou a importação de pernil de porco para o seu país.

A empresa agroalimentar Raporal informou que a Venezuela deve cerca de 40 milhões de euros às empresas portuguesas fornecedoras de pernil de porcoàquele país, dos quais 6,9 milhões lhe são devidos.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou Portugal de sabotar a importação de pernil de porco, depois de Caracas ter feito um plano de importação e acertado os pagamentos. Em resposta, a Raporal informou que a Agrovarius, do grupo Iguarivarius, vendeu, em 2016, ao Governo venezuelano 14 mil toneladas de carne pelo valor de 63,5 milhões de euros e que, para cumprir o negócio, “a Agrovarius contratualizou com várias empresas, entre elas a Raporal, esse fornecimento”.

“Ainda permanece pendente de pagamento cerca de 40 milhões de euros, dos quais 6,9 milhões de euros dizem respeito ao cumprimento do pagamento à Raporal”

Raporal

A Raporal indicou que, deste contrato que data do ano passado, “ainda permanece pendente de pagamento cerca de 40 milhões de euros, dos quais 6,9 milhões de euros dizem respeito ao cumprimento do pagamento à Raporal”, que tem recebido “de forma parcelar” valores a abater na conta corrente referente a este contrato, tendo o último pagamento ocorrido em agosto deste ano.

A empresa agroalimentar, que não realizou qualquer fornecimento ao governo venezuelano em 2017, refere também que “foi recebida esta manhã pelo Embaixador da Venezuela em Lisboa“, que “se comprometeu, em nome da Venezuela, a realizar o pagamento integral em falta referente ao fornecimento de 2016, até março de 2018″.

Assim, a Raporal garante que “não tem conhecimento de qualquer ato de sabotagem de Portugal em relação ao fornecimento de pernil de porco à Venezuela” e sublinha que “é a Venezuela que não tem cumprido pontualmente as suas obrigações de pagamento dos fornecimentos realizados em 2016”.

Portugal é uma economia de mercado. O Governo não participa nas exportações que as empresas portuguesas contratam com empresas estrangeiras e, portanto, não há lugar a nenhuma espécie de interferência política.

Augusto Santos Silva

Ministro dos Negócios Estrangeiros

Os venezuelanos voltaram a protestar contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro pelo incumprimento da promessa de distribuir pernil de porco na época do Natal, reclamando que também não terão aquele e outros produtos no fim de ano.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português rejeitou a acusação de sabotagem à venda de carne de porco à Venezuela, frisando que Portugal é uma economia de mercado em que o Governo não interfere nas relações entre empresas.

Portugal é uma economia de mercado. O Governo não participa nas exportações que as empresas portuguesas contratam com empresas estrangeiras e, portanto, não há lugar a nenhuma espécie de interferência política, muito menos a qualquer intento de sabotagem do governo português”, disse Augusto Santos Silva.

O ministro disse estar ainda a recolher informações sobre o caso, admitindo ter havido “um problema comercial”, mas disse dispor já de dados que apontam para que a carne tenha sido de facto exportada tendo falhado possivelmente a sua distribuição na Venezuela.

(DN) População reclama nas ruas pernil para passagem de ano e culpa Maduro

(DN)

Protestos em Caracas

As explicações do presidente, culpando Portugal e os EUA, não convencem muitos venezuelanos

Os venezuelanos voltaram esta quinta-feira a protestar contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro, pelo incumprimento da promessa de distribuir pernil de porco na época do Natal, reclamando que também não terão aquele e outros produtos no fim de ano.

Os protestos que decorrem na Avenida Vitória de Caracas e na estrada que liga a capital a El Junquito (sul) têm lugar depois de, quinta-feira, o Presidente Nicolás Maduro, ter acusado os Estados Unidos e Portugal de sabotarem a importação de pernil de porco para o Natal.

“Não foi só o pernil, também outros produtos, que não chegaram. Prometeram-nos as bolsas CLAP (alimentos a preços subsidiados) mas só chegaram a alguns sítios. Estamos necessitando dessas coisas porque tudo está tão caro que não podemos comprar. Comprando 1,5 quilogramas de porco ficamos sem salário e não temos com que manter a família”, explicou uma manifestante à Agência Lusa.

Entre dezenas de manifestantes, Yohandra Ocanto, 25 anos, olhava fixamente um grupo de funcionários da Polícia Nacional Bolívariana que se encontravam a escassos 200 metros e a outros cidadãos, que com troncos de árvore e lixo bloquearam a Avenida Vitória, perto de El Cementério, um populoso bairro pobre venezuelano.

“Imagine quem tem três ou quatro crianças para alimentar o que está a sofrer” exclamou.

Cristian Velásquez, 35 anos, juntou-se aos protesto porque “os políticos vivem outra realidade”, diferente da dos venezuelanos que “passam por dificuldades para conseguir comer todos os dias”.

“Estamos dececionados. Não houve pernil no Natal, mas também não haverá para a passagem de ano. Há uns 15 dias passaram pedindo para votar, prometeram bolsas CLAP e já sabiam que não havia suficientes (para distribuir)”, disse.

Segundo este venezuelano e relativamente às acusações feitas por Maduro, “Portugal têm-se mantido à margem dos conflitos que temos tido e tem feito acordos, obras, habitações sociais e enviado alimentos” pelo que responsabilizou o Governo da Venezuela pela falta de alimentos, entre eles o pernil porque havia “problemas já de antes e sabiam”.

“Todos temos um amigo português ou conhecemos alguém que tem. Os lusitanos, aqui, são muitos e muitas vezes é o português do ‘abastos’ (mercearia) que nos fia, quando não temos dinheiros suficiente e quando não cobramos a quinzena (salário quinzenal)”, frisou.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou Portugal, quinta-feira, de sabotar a importação de pernil de porco, depois de Caracas ter feito um plano de importação e acertado os pagamentos.

Segundo Nicolás Maduro os barcos que transportavam o pernil foram perseguidos e as contas bancárias foram bloqueadas.

Por outro lado o vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, o partido do Governo), Diosdado Cabello, acusou hoje os portugueses de se terem assustado, pressionados pelos norte-americanos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português rejeitou a acusação de sabotagem à venda de carne de porco à Venezuela, frisando que Portugal é uma economia de mercado em que o governo não interfere nas relações entre empresas.

“Portugal é uma economia de mercado, o governo não participa nas exportações que as empresas portuguesas contratam com empresas estrangeiras e, portanto, não há lugar a nenhuma espécie de interferência política, muito menos a qualquer intento de sabotagem do governo português”, disse Augusto Santos Silva.

O ministro disse estar ainda a recolher informações sobre o caso, admitindo ter havido “um problema comercial”, mas disse dispor já de dados que apontam para que a carne tenha sido de facto exportada tendo falhado possivelmente a sua distribuição na Venezuela.

M.P.O. (BBG) Maduro Says Portugal Sabotaged Venezuelans’ Christmas Pork

M.P.O.

Give us a break!

President Maduro is unfit to speak on anything at all.

Actually he does not even know how to speak…

As per the numerous idiocies he has said in public…

Most of them are difficult to translate.

But he has said on an official visit from a Portuguese Government delegation that “Venezuela and Portugal were on the same Continent…”

Please go to YouTube and see “Nicolas maduro y sus disparates”

And also in YouTube

TOP 10 The biggest stupidities of mature 2017 (JUNE)

And also in YouTube

Top 10 Burradas Memorables de Nicolás Maduro

This site has published many articles on Venezuela, and I have writen several Personal Opinions on that Country.

On July 28, 2017 the prestigious and respected Economist has published (Economist) The mess one Marxist makes: Nicolás Maduro tries to make thugocracy permanent in Venezuela

On August 1, 2017 Bloomberg has published an Editorial,(BBG) Editorial Board: Venezuela Abandons Any Claim to Democracy.

On August 7, 2017 (CNBC) Mercosur suspends Venezuela as Maduro’s new superbody ousts top prosecutor

I have writen on December 21, 2017 O.P. (DN) Venezuela: Nova lei impede participação de partidos nas presidenciais de 2018

I have writen on November 3,2017 +++ O.P. (JN) Nicolás Maduro ordena reestruturação e refinanciamento da dívida

Need I say more…?

Venezuela is widely recognized as a failed State.

It has the highest crime rate in the World.

Most international publications depict Venezuela as efectively ruled by “thugs”.
(Economist thugocracy).

I rest my case.

Francisco (Abouaf) de Curiel Marques Pereira

(Bloomberg) — President Nicolas Maduro, speaking on state
television, said ships loaded with government-bought pork
shoulder, a holiday delicacy, meant to be distributed to
Venezuelans in time for Christmas were “pursued” on their way to
the South American country.
* Maduro: Govt fulfilled Christmas plans, which included special
holiday subsidies to Venezuelans, toys, parties
* “What happened with the pork shoulder? They sabotaged us. They
sabotaged us. I can name one country: Portugal. It was all set.
We bought all the pork shoulder in Venezuela. All of it. But we
had to import. I gave the order and signed the payments. But
they went after the bank accounts. The two gigantic boats that
were on their way were pursued. And they sabotaged us for now,”
Maduro said
* “What they don’t know is that with or without sabotage, no one
took away the happiness of Christmas from this people nor will
anyone take from us the happiness of New Year’s Eve,” Maduro
said
* Maduro: “Everything we say we must fulfill. And when we can’t,
we must say it wasn’t possible because of this and that”
* NOTE: From Dec. 26, Venezuelan Holiday Treat Is Prohibitive as
Prices Rise
* NOTE: From Dec. 21, Venezuela’s Crumbling Economy Revealed in
2016 SEC Filing
* NOTE: From Dec. 21, Venezuelan Christmas Priced in Dollars as
Inflation Grips Nation

O.P. (DN) Venezuela: Nova lei impede participação de partidos nas presidenciais de 2018

O.P.

E qual é a vigarice que se segue…?

É preciso entender que o Presidente Maduro nem falar sabe…

E que paga às Forças Armadas salários principescos para garantir o seu apoio…

Enquanto esta situação se mantiver os Venezuelanos e os Estrangeiros residentes na Venezuela continuarão a sofrer e a Venezuela a se afundar no abismo que ela própria criou.

Francisco (Abouaf) de Curiel Marques Pereira

(DN) A Assembleia Constituinte da Venezuela (AC), composta na totalidade por simpatizantes do regime, aprovou na quarta-feira um decreto que impede os partidos políticos que boicotaram as últimas eleições de participarem nas presidenciais de 2018.

O decreto para a validação de partidos políticos obriga os movimentos que não participaram nas eleições de 10 de dezembro a iniciar um processo de revalidação junto do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), caso contrário ficarão impedidos de participar nas presidenciais, previstas para 2018.

O decreto implica a interdição de participação em atos eleitorais de três grandes partidos – Ação Democrática, Vontade Popular e Primeiro Justiça -, mas também movimentos mais pequenos, como o Nova Ordem Social, presidido pela lusodescendente Venezuela Portuguesa da Silva.

Estes partitos boicotaram o escrutínio de dezembro por acreditar que não existiam garantias eleitorais e por falta de confiança no CNE.

No texto aprovado lê-se que “as organizações políticas, para participar em processos eleitorais nacionais, regionais ou municipais, devem ter participado nas eleições do período constitucional de âmbito nacional, regional ou municipal, imediatamente anterior”.

A 11 de dezembro último, o Presidente da Venezuela anunciou que os partidos que não participaram nas eleições municipais da véspera e apelaram à abstenção estavam impedidos de participar nas próximas presidenciais.

“Vontade Popular e Primeiro Justiça [dois dos principais partidos opositores] desaparecem do mapa político venezuelano porque não participaram [nas eleições] e pediram um boicote das eleições. Não podem participar mais. Esse é o critério da Assembleia Constituinte e eu, como chefe de Estado de um poder constituído, apoio”, disse.

Nicolás Maduro falava aos jornalistas, em Caracas, durante as eleições de 10 de dezembro, em que 1.568 candidatos, a maioria deles ligados ao regime, se candidataram à liderança de 335 câmaras municipais, durante os próximos quatro anos.

Por outro lado, a presidente da AC, Delcy Rodríguez, indicou que a assembleia estava “a avaliar os mecanismos para preservar o sistema partidário da participação política na Venezuela” e que “muito em breve” daria “a conhecer a vontade do plenário”.

Em dezembro último, o CNE autorizou 13 dos 59 partidos políticos venezuelanos a registar candidatos para as eleições autárquicas.

As outras formações não foram autorizadas a candidatar-se por não terem completado um polémico processo de revalidação dos partidos políticos, realizado pelo CNE em fevereiro passado.

(BBG) Next Venezuela Bond Maturity Gives Maduro a Nine-Month Runway

(BBG) With the nearest debt maturity not until Aug. 15, Venezuela
President Nicolas Maduro now has a nine-month runway — if he
continues to make interest payments — to successfully work
through a process that may also involve a presidential election.
Recognizing that restructuring Venezuela’s and PDVSA’s massive
external debt is likely impossible with U.S. sanctions in place,
the timing of Maduro’s request for relief by calling on
creditors to renegotiate borrowing terms isn’t entirely a
surprise.

(Daily Sabah) Venezuela reaches debt structuring deal with Russia amid debt crisis

(Daily Sabah)

People queue to withdraw money from an ATM in Caracas on Nov. 14, 2017, as Venezuela declares selective default. (AFP Photo)

People queue to withdraw money from an ATM in Caracas on Nov. 14, 2017, as Venezuela declares selective default. (AFP Photo)

Accordingly, Venezuela will pay $3.15 billion over a 10-year period. Debt repayments would be minimal in the first six years, the ministry said.

Venezuela borrowed from Russia in late 2011 to finance the purchase of Russian arms, but failed to keep up with payments on the debt in 2016 as the South American state faced a full-blown economic and financial crisis.

The country is seeking to restructure its foreign debts, estimated at around $150 billion, after it was hit hard by tumbling oil prices and American sanctions.

The details of the deal are set to be made public at a press conference at the Venezuelan embassy attended by the country’s finance minister Simon Zerpa.

S&P Global Ratings meanwhile said it had placed Venezuela’s state-owned oil company PDVSA in “selective default” after it failed to make its interest payments on some of its debt.

The ratings agency this week declared the country itself in selective default after it failed to make $200 million in payments on two global bond issues.

Fitch also downgraded PDVSA and cash-strapped Venezuela over delayed payments, but Caracas insisted it was in the process of paying up.

Moscow and Caracas have been negotiating for months the terms of the deal.

Anton Tabakh, chief economist at the RAEX rating agency, said it was “normal” that Moscow was continuing to restructure Caracas’s debts.

The move allows “both parties to save face and gain time, because now the issue of Venezuelan debt simply cannot be resolved, even formally,” he told AFP.

Caracas has only $9.7 billion in foreign reserves and needs to pay back at least $1.47 billion in interest on various bonds by the end of the year, and then about $8 billion in 2018.

Russia and China are the two main creditors and allies of Venezuela, which owes them a total of $8 billion and $28 billion respectively.

The Chinese foreign ministry on Wednesday expressed confidence Caracas could “properly handle” its debt crisis, adding that financial cooperation was “proceeding normally”.

Food and medicine shortages

In response to the downgrading from ratings agencies, Communications Minister Jorge Rodriguez said Venezuela was already catching up on the payments.

“Today, we have begun interest payments on Venezuela’s foreign debt and last week, PDVSA made its debt interest payments,” he said on state television Tuesday.

“We pay our debts, despite what the ratings agencies, the US Treasury, the European Union or (US President) Donald Trump say.”

A committee of 15 financial firms meeting in New York meanwhile put off a decision for a third straight day on whether to declare a “Failure to Pay Credit Event” at PDVSA.

They will reconvene Thursday to determine whether holders of PDVSA debt with default insurance — credit default swaps — can collect payment.

PDVSA is vulnerable to creditors potentially moving to seize crude shipments or refinery assets abroad, particularly from its U.S. subsidiary Citgo.

If a selective default spreads to other bond issues, particularly the nation’s sovereign debt, the South American country would likely be declared in full default.

A full default — recognition that Venezuela is unable to repay its massive debt — would have enormous consequences for the country, whose population is already suffering severe food and medicine shortages because of a lack of money to import them.

‘Violent narco-state’

President Nicolas Maduro has formed a commission to restructure Venezuela’s sovereign debt and PDVSA’s.

But participants in a first meeting in Caracas on Monday said officials had given no concrete details on its plans.

A default can be declared by the major ratings agencies, big debt holders or the government itself.

Maduro is also under fire internationally for marginalizing the opposition, which controls the legislature, and stifling independent media.

The U.S. called an informal meeting of the UN Security Council, where US Ambassador Nikki Haley slammed Venezuela as an “increasingly violent narco-state” that poses a threat to world security.

Permanent council members Russia and China boycotted the talks.

Venezuela’s envoy to the UN, Rafael Ramirez, called the meeting a “hostile” act of U.S. “interference.”

+++ O.P. (JN) Nicolás Maduro ordena reestruturação e refinanciamento da dívida

O.P.

…Nem vale a pena comentar a “reestruturação” por ser tão evidente…

…É evidentemente um calote…

…Quanto ao actual regime é uma desgraça que se abateu sobre o povo venezuelano e sobre todos os estrangeiros, nomeadamente Portugueses, que residem na Venezuela.

…A Venezuela é classificada como um Estado falhado.

…Quanto ao actual responsável não se percebe como é que um homem que diz tantas bestialidades chegou aquele cargo…

…É que não há discurso em que não diga disparates totais como:

…”milímetros de segundo…”

…”Vamos distribuir trinta e cinco millones de libros e de libras…”

…”Se cultiva pollo, nó?”

…”Portugal e a Venezuela estão no mesmo continente…”

…”victimas del capitalismo que roba tanto como nós outros…”

…A lista dos disparates é infindável.

Francisco (Abouaf) de Curiel Marques Pereira

(JNO presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na quinta-feira que ordenou o pagamento dos títulos de dívida de 2017 da empresa petrolífera estatal, assim como a reestruturação e refinanciamento da dívida externa venezuelana.

Nicolás Maduro ordena reestruturação e refinanciamento da dívida externa da Venezuela

“Amanhã [sexta-feira] temos que pagar 1,12 mil milhões de dólares (1,03 mil milhões de euros) de títulos de Petróleos da Venezuela SA 2017. Ordenei que à primeira hora de sexta-feira se inicie o pagamento e decreto, a partir desse dia, um refinanciamento da dívida externa da Venezuela”, disse.

O anúncio teve lugar no passeio Los Próceres, junto do principal forte militar de Caracas, tendo sido transmitido em simultâneo e de maneira obrigatória pelas rádios e televisões do país. “Vamos fazer uma reformulação completa de todos os pagamentos externos, para dar um equilibro e cumprir com todos os compromissos do país”, frisou Nicolás Maduro (na foto).

Por outro lado precisou que a Venezuela pagou, na semana passada, 841 milhões de dólares (721 milhões de euros) de dívida externa. “Tenho o dinheiro. Assim como tenho o dinheiro que necessitamos para as importações de alimentos (…) a nossa intenção é continuar cumprindo internacionalmente, mas a nossa intenção é que cesse a perseguição financeira dos bancos internacionais contra a Venezuela”, disse.

Nicolás Maduro anunciou ainda que nomeou uma comissão especial para o refinanciamento da dívida, que está presidida pelo vice-presidente executivo, Tareck El Aissami, a quem deu instruções para convocar todos os bancos e portados de títulos de dívida.

A Constituição da Venezuela estabelece que uma reestruturação da dívida externa do país deve ser aprovada pela Assembleia Nacional (parlamento), onde a oposição detém a maioria.