(ECO) Google mais perto de ser um banco. Já pode emitir cartões e fazer transferências na União Europeia

(ECO)

Com a nova autorização, a gigante tecnológica Google pode gerir cartões de crédito, efetuar transferências de dinheiro ‘online’ de utilizadores ou operações de troca de divisas. 

O Banco Central Irlandês (ICB) autorizou a multinacional Google a operar como uma entidade de pagamento neste país e em toda a União Europeia (UE), confirmaram esta terça-feira fontes oficiais.

A medida, adotada pelo regulador irlandês em 24 de dezembro passado em virtude da Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2), permitirá ao gigante tecnológico ampliar a sua presença no setor financeiro, depois de ter obtido há dois anos uma licença do IBC para gerir dinheiro eletrónico.

Com esta nova autorização, a Google Payment Ireland poderá, por exemplo, gerir cartões de crédito, efetuar transferências de dinheiro ‘online’ de utilizadores ou operações de troca de divisas.Depois da Amazon e Facebook, Google passa a “banco” na UE Ler Mais

Também terá competências para oferecer a clientes análises pormenorizadas dos seus padrões de consumo, com o objetivo de desenhar planos financeiros e orçamentais personalizados a partir da informação de bases de dados.

Ainda que a PSD2 aspire limitar o monopólio dos bancos no sistema de pagamentos na UE, a nova licença estabelece restrições à Google e, como consequência, não poderá captar depósitos, uma atividade ainda reservada às entidades financeiras.

A responsável do comércio da Google na Europa, Florence Diss, declarou recentemente ao diário The Irish Times que a empresa está mais interessada em colaborar com os bancos – em vez de competir – para explorar as oportunidades de negócio que oferece a PSD2.

Além da Google, outras companhias tecnológicas mostraram interesse em experimentar o setor financeiro, como a Amazon, se bem que o processo de aquisição de licenças para operar como um banco tradicional é complexo, referiu o The Irish Times.

Mesmo assim, competem neste terreno um amplo número de fintechs, como a N26, Monzo, Starling, Transferwise ou a Revolut, que obteve recentemente do Banco da Lituânia uma licença para operar como banco.