(JN) CEO da Amazon avisa acionistas: vai haver falhanços de milhares de milhões

(JN)

O CEO da Amazon mostra-se confortável com as experiências de negócio que possam correr mal – e levar a grandes perdas. Ao mesmo tempo, desafia os concorrentes a aumentarem o salário mínimo dos trabalhadores.

CEO da Amazon avisa acionistas: vai haver falhanços de milhares de milhões

8

O CEO da Amazon, Jeff Bezos alertou os acionistas, na carta anual que lhes dirige: a Amazon vai ter “falhanços ocasionais de vários milhares de milhões”, decorrentes de ideias de negócio mal-sucedidas.

Na mesma missiva, citada pela CNBC, o CEO da retalhista online defende este tipo de perdas como aceitáveis tendo em conta a dimensão da empresa. “A Amazon irá experimentar à escala certa para uma companhia do nosso tamanho, no caso de termos falhanços de vários milhares de milhões de dólares”, escreveu Bezos.

O CEO da empresa norte-americana garante que vai “trabalhar arduamente para fazer boas apostas”, embora “nem todas as boas apostas acabem por resultar”.

Passando aos exemplos práticos, Bezos relembrou o Amazon Fire, um smartphone que foi descontinuado em 2015 e que custou à empresa 170 milhões de dólares. “Fomos capazes de tirar lições e acelerar os nossos esforços na construção do Echo e da Alexa”, argumentou o CEO, apontando dois daqueles que são atualmente produtos bandeira da Amazon.

A concorrência chega aos salários

O CEO da Amazon aproveita a carta para deixar um outro recado, dirigido aos concorrentes. Desafia-os a pagarem 15 euros à hora aos respetivos trabalhadores, igualando o nível da Amazon, para logo a seguir levantar a fasquia: “Melhor ainda, vão até aos 16 dólares e devolvam-nos o desafio. É o tipo de competição que vai beneficiar-nos a todos”, disse.

A carta, que é dirigida aos acionistas desde 1997, contém geralmente pistas acerca da estratégia da empresa. Este ano, o foco da missiva esteve no crescimento nas vendas através de terceiros. A Amazon planeia ainda aumentar a abrangência das suas atividades a outros setores como a robótica, os seguros ou a saúde – nos quais se poderão verificar os tais falhanços para os quais Jeff Bezos alertou.