(JN) Endividamento da economia aumenta para 720 mil milhões apesar de descida nas famílias

(JN)

As famílias portuguesas baixaram o endividamento em 200 milhões de euros em janeiro.

Endividamento da economia aumenta para 720 mil milhões apesar de descida nas famílias

O endividamento da economia portuguesa agravou-se em quase 4 mil milhões de euros em janeiro, refletindo sobretudo as emissões de dívida efetuadas no arranque do ano.

Segundo o Banco de Portugal, em janeiro de 2019 o endividamento do setor não financeiro (estado, empresas e famílias) situava-se em 720 mil milhões de euros, dos quais 320,8 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 399,2 mil milhões de euros ao setor privado. 

No setor público o endividamento aumentou 3,8 mil milhões de euros. Uma subida expectável uma vez que o Banco de Portugal tinha já revelado que a dívida pública aumentou três mil milhões de euros entre dezembro do ano passado e janeiro deste ano.

Para este aumento da dívida pública contribuiu a emissão sindicada de dívida a 10 anos num total de quatro mil milhões de euros que o IGCP efetuou nos primeiros dias do ano, a que se juntou dois leilões das linhas de bilhetes do Tesouro que captaram 1,75 mil milhões de euros.


Apesar do aumento registado em janeiro, o endividamento da economia está mais de 4 mil milhões de euros abaixo do máximo histórico registado no ano passado. Em termos de peso do endividamento total na economia, os dados relativos a dezembro correspondem a 355,3% do PIB.



 
Famílias baixam endividamento

No que diz respeito ao setor privado, o aumento em janeiro foi de apenas 200 milhões de euros. Segundo o Banco de Portugal, “observou-se um acréscimo do endividamento das empresas privadas em 0,4 mil milhões de euros e uma diminuição do endividamento dos particulares em 0,2 mil milhões de euros”.

As famílias foram assim o único setor a baixar o endividamento em janeiro, uma evolução que vem reforçar a tendência de desalavancagem mais forte nos particulares, quando comparada com o que está a acontecer nas empresas privadas e no Estado.


Em 2018 o peso do endividamento das famílias no PIB era de 70,2%, abaixo dos 72,4% registados em 2017.


No final de janeiro deste ano o endividamento das famílias ascendia a 141,3 mil milhões de euros. Representa o valor mais baixo desde abril de 2018, mas ainda assim situa-se acima do registado em janeiro no ano passado (140,7 mil milhões de euros).


O endividamento relacionado com crédito à habitação baixou 70 milhões de euros para 98,1 mil milhões de euros.

No que diz respeito às empresas privadas, a dívida totalizada 257, 9 mil milhões de euros, o que comparado com o período homólogo representa uma descida de quase 6 mil milhões de euros.