O.P. (LUSA) Brexit. Bruxelas prevê buraco orçamental que pode chegar aos €15 mil milhões

O.P.

Ah pois é…

…Tanto se meteram e hostilizaram, sem necessidade, o Reino Unido que em          referendo os Britânicos decidiram sair da União Europeia…

…E na minha opinião, a questão chave que fez a maioria dos Britanicos votar a    favor da saída da UE foi a livre circulação das pessoas dentro da União Europeia.

…Os Britânicos ficaram apavorados com a hipótese de terem uma realidade          política como têm os Países Baixos, em que a maioria dos votantes nas cidades são cidadãos de origem estrangeira, ou filhos de cidadãos de origem estrangeira.

…E cujos valores não são exactamente os valores dos europeus…

…É claro que agora a União Europeia tem agora um buraco orcamental…

…Perderam o segundo maior Estado contribuidor líquido…

…Daí a posição dura da União Europeia para com o Reino Unido…

…Querem mostrar que a saída não compensa, e assim evitar mais saídas…

…O problema é que assim a União Europeia não corrige as políticas que levaram    o Reino Unido a sair…

…E que a prazo podem ter consequências imprevisíveis…

…Deste a saída de mais Estados Membros à implosão da própria União Europeia…

…Veja se o caso da Suissa, que é uma Democracia Directa, que tem acordos de      cooperação com a UE, e em que num referendo os cidadãos votaram a favor da      manutenção de quotas para a imigração.

…Contra as directrizes da União Europeia…

…Que não teve outa hipótese senão “engolir o sapo vivo…”

…Pois se o Governo da Confederação Helvética nada pode fazer…

   A União Europeia tem de corrigir as políticas que afrontam os Cidadãos dos seus Estados Membros.

   E não os cidadãos dos Estados Membros serem forçados a se adaptarem a           políticas com as quais não concordam de todo.

   E que nalguns casos são um verdadeiro absurdo.

   Francisco (Abouaf) de Curiel Marques Pereira

…Na Suissa não existe recurso do voto popular em referendo.

(LUSA) O comissário europeu para o Orçamento, Gunther Oettinger, previu esta quarta-feira um buraco entre 12 mil milhões e 15 mil milhões de euros nas verbas comunitárias como consequência do ‘Brexit’ e um aumento contributivo pelos restantes 27 Estados-membros.

Em conferência de imprensa, Oettinger estimou que a saída do Reino Unido do bloco comunitário acarretará um ‘buraco’ orçamental entre os 12 mil milhões e os 15 mil milhões de euros no orçamento comunitário pós 2020, o que obrigará a cortes em todas as rubricas e a um aumento das contribuições dos 27 estados.

O comissário adiantou ainda que os novos desafios que a União Europeia tem que enfrentar – como a segurança e a crise migratória – obrigam a um reforço nas verbas, que estimou em “até 10 mil milhões de euros por ano”.

“Temos dois grandes problemas: um buraco pelo lado das contribuições e outro nas despesas”, salientou, explicando que deverá ser resolvido com um aumento de 50% nas receitas – podendo haver introdução de taxas ambientais, por exemplo, – e um corte de outro tanto nos gastos.